terça-feira, 6 de dezembro de 2022

TURMA A DO 5.º ANO DA E.B. 2,3 DR. GARCIA DOMINGUES DE SILVES VENCEU CONCURSO PARA POSTAL DE NATAL 2022 DA CÂMARA MUNICIPAL DE SILVES

 
A turma A do 5º ano da E.B. 2,3 Dr. Garcia Domingues de Silves foi a vencedora do concurso do Postal de Natal 2022, dinamizado pela Câmara Municipal de Silves, através do seu sector de Educação.
Os alunos do trabalho vencedor, criaram uma ilustração dos preparativos para a noite de Natal, que foi a escolhida para colocar, este ano, no Postal de natal da CMS. Em 2.º lugar ficou o trabalho realizado pelo 5.º F e o 3º lugar foi atribuído ao 5.º B, da E.B. 2,3 Dr. Garcia Domingues de Silves.
A seleção dos trabalhos admitidos a concurso baseou-se nos seguintes critérios: identificação com a temática proposta; criatividade; utilização de diferentes técnicas e materiais e cor.
Os três primeiros classificados receberão vales para aquisição de material escolar, o primeiro classificado será premiado com material no valor de € 100,00, o segundo classificado receberá um vale no valor de € 75,00 e ao terceiro será entregue um vale valor de € 50,00.
Parabéns a todos os participantes.

 

MUNICÍPIO DE SILVES LEVA MAIS UMA EDIÇÃO DE CONCERTOS DE NATAL ÀS FREGUESIAS

 O Município de Silves volta a promover, entre 11 e 21 de dezembro, mais uma edição do ciclo de concertos de Natal, nas freguesias do concelho. A iniciativa é de entrada livre.
“Foot Print” e “Eduardo Ramos” são os grupos que irão levar até às freguesias os sons do Natal, sendo que Tunes, Pêra e São Bartolomeu de Messines irão receber o grupo Foot Print, nos dias 11, 17 e 21, respetivamente; e Armação de Pêra e São Marcos da Serra receberão o espetáculo de Eduardo Ramos, nos dias 16 e 18 de dezembro, respetivamente.
De referir que, apesar de a entrada ser gratuita, a mesma está sujeita à lotação do espaço e à apresentação de voucher, que poderá ser recolhido no local até 15 minutos antes de cada espetáculo.
O ciclo de concertos de Natal tem o apoio das respetivas Juntas de Freguesias e Paróquias.

PROGRAMAÇÃO CONCERTOS DE NATAL NAS FREGUESIAS
11.dezembro | 16h00
Foot Print
Tunes – Pólo de Educação ao Longo da Vida
16.dezembro | 21h00
Eduardo Ramos
Auditório da Junta de Freguesia de Armação de Pêra
17.dezembro | 16h00
Foot Print
Igreja Matriz de Pêra
18.dezembro | 16h00
Eduardo Ramos
Sociedade de Recreio e Instrução de São Marcos da Serra
21.dezembro | 21h00
Foot Print
Igreja Matriz de São Bartolomeu de Messines

AVISO À POPULAÇÃO: CHUVA, VENTO E AGITAÇÃO MARÍTIMA – MEDIDAS PREVENTIVAS



1. SITUAÇÃO
 De acordo a informação disponibilizada hoje, dia 6 de dezembro, pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA para as próximas 48 horas, salienta-se o seguinte: 
Amanhã e 5.ª feira, dias 7 e 8 de dezembro: 
− Chuva por vezes forte, mais intensa e frequente na região Sul, e também no Centro, na 5.ª feira, dia 8 de dezembro; 
− Condições favoráveis a convecção severa com trovoada e fenómenos extremos nas regiões Centro e Sul; 
− Vento do quadrante sul forte a partir da tarde de quinta-feira nas terras altas e faixa costeira das regiões Centro e Sul, com rajadas até 80 km/h; 
− Agitação marítima com ondas de sudoeste de 4 a 5 metros, na costa ocidental a sul do Cabo Carvoeiro e na costa sul do Algarve, entre o fim da tarde de 5.ª feira até ao fim da tarde de 6.ª feira. Acompanhe as previsões meteorológicas em www.ipma.pt 

2. EFEITOS EXPECTÁVEIS
 Face à situação acima descrita, poderão ocorrer os seguintes efeitos:
 − Ocorrência de inundações em zonas urbanas, causadas por acumulação de águas pluviais por obstrução dos sistemas de escoamento; 
− Ocorrência de cheias, potenciadas pelo transbordo do leito de alguns cursos de água, rios e ribeiras; 
− Instabilidade de vertentes, conduzindo a movimentos de massa (deslizamentos, derrocadas e outros) motivados pela infiltração da água, podendo ser potenciados pela remoção do coberto vegetal na sequência de incêndios rurais, ou por artificialização do solo; 
− Arrastamento para as vias rodoviárias de objetos soltos, ou ao desprendimento de estruturas móveis ou deficientemente fixadas, por efeito de episódios de vento forte, que podem causar acidentes com veículos em circulação ou transeuntes na via pública; 
− Piso rodoviário escorregadio, e formação de lençóis de água

3. MEDIDAS PREVENTIVAS 
A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) recorda que o eventual impacto destes efeitos pode ser minimizado, sobretudo através da adoção de comportamentos adequados, pelo que, e em particular nas zonas historicamente mais vulneráveis, se recomenda a adoção e divulgação das principais medidas de autoproteção para estas situações, nomeadamente: 
− Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas; 
− Garantir uma adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes, placards e outras estruturas suspensas; 
− Ter especial cuidado na circulação e permanência junto de áreas arborizadas, estando atento para a possibilidade de queda de ramos e árvores, em virtude de vento mais forte; 
− Ter especial cuidado na circulação junto a zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a fenómenos de transbordo dos cursos de água, evitando a circulação e permanência nestes locais; 
− Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tendo especial cuidado com a possível formação de lençóis de água nas vias; 
− Não atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas; 
− Não praticar atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos e passeios à beira-mar, evitando ainda o estacionamento de veículos muito próximos da orla marítima; 
− Estar atento às informações da meteorologia e às indicações da Proteção Civil e Forças de Segurança. 

ANEPC | Divisão de Comunicação e Sensibilização

Proença-a-Nova | Concelho recebeu formação de fogo controlado em povoamento de pinheiro bravo

A empresa Raízes IN organizou um curso de formação de fogo controlado em povoamentos de pinheiro bravo para o Serviço de Prevenção e Extinção de Incêndios Florestais da Comunidade Autónoma da Extremadura (Espanha) nos dias 28, 29 e 30 de novembro em Proença-a-Nova, iniciativa que contou com o apoio do Município e da Associação dos Bombeiros Voluntários. Com uma componente teórica em sala, os participantes tiveram ainda a oportunidade de visitar parcelas tratadas com esta técnica em anos anteriores: recorde-se que nas parcelas em que se utiliza a técnica do fogo controlado, a área fica praticamente sem risco de incêndio durante 4 a 5 anos. Para finalizar, foi ainda possível aplicar a técnica em pequenas parcelas com características distintas, localizadas na área do Malhadal, e assim perceber as dinâmicas associadas a esta ferramenta.

Uma das Equipas de Intervenção Permanente dos Bombeiros Voluntários deu apoio nas ações práticas na vertente da prevenção. Da parte do Município participou Hugo Dias, técnico de fogo controlado, nas ações de formação em ligação com o Gabinete de Proteção Civil e Florestas do Município. Para o início do próximo ano está prevista uma outra ação idêntica com formação de fogo controlado.

Proença-a-Nova | Município alerta para prazos de renovação do cartão de aplicador e venda de produtos fitofarmacêuticos

 

Renovação deve ser realizada no ano anterior ao termo de validade

O Gabinete de Apoio ao Agricultor e Empresário do Município de Proença-a-Nova alerta todos os interessados para o cumprimento dos prazos relacionados com a renovação do cartão de aplicador e de venda de produtos fitofarmacêuticos: de acordo com a legislação, para efeitos da renovação da habilitação - quer do operador de venda, quer do aplicador – a respetiva ação de atualização deve ser realizada no ano anterior ao termo de validade da mesma habilitação, isto é, após um período de nove anos contados a partir da data da habilitação ou da última renovação da habilitação. Em ambos os casos, a habilitação é válida por um período de dez anos, renovável por iguais períodos.

Nas situações em que os aplicadores não renovem o cartão dentro do prazo legalmente estabelecido, para além de não poderem adquirir produtos fitofarmacêuticos de uso 3 profissional, vão ter que realizar novamente a ação de formação inicial, homologada pelo Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural. É a Lei n.º 26/2013, de 11 de abril, que define a habilitação necessária para se ser «Aplicador de Produtos Fitofarmacêuticos» de uso profissional, que exige a obtenção de um Certificado de Formação em aplicação de produtos fitofarmacêuticos (APF) que corresponda aos prazos estabelecidos neste diploma legal.

Ao Gabinete de Apoio ao Agricultor e Empresário têm chegado muitas situações de pedidos de renovação do chamado Cartão do Aplicador no último ano de validade do mesmo, no 10º ano e não no ano anterior, obrigando a que, dando cumprimento à legislação, tenham de realizar a formação novamente. O próximo curso a ser realizado é de Formação Inicial de Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos e decorrerá entre os dias 9 e 20 de dezembro deste ano, já com as vagas totalmente preenchidas.

Esta formação em aplicação de produtos fitofarmacêuticos constitui um marco importante para os agricultores relativamente à evolução das preocupações de proteção do homem e do ambiente face ao potencial de perigosidade de determinados tipos de substâncias, nomeadamente de produtos fitofármacos. Para incentivar à formação nesta área, o Município assegura, aos residentes no concelho, o pagamento de metade do valor da inscrição, tanto nos cursos de atualização como nos de formação inicial, bem como apoio na instrução de processo e na emissão do cartão de aplicador. Desde maio de 2021, foram apoiados 177 munícipes, num apoio que ascendeu aos 1950 euros.

JOVENS POMBOS DA SOCIEDADE COLUMBÓFILA NADARAM EM CASA

No passado dia 04 de dezembro, no Complexo de Piscinas Municipais da cidade de Cantanhede, teve lugar a 2ª jornada do TOREGRI1 prova destinava-se ao escalão de cadetes.

Esta competição foi organizada pela Associação de Natação de Coimbra e que contou com a colaboração do Município de Cantanhede e nela participaram 78 atletas em representação de 9 coletividades.

A Associação de Solidariedade Social Sociedade Columbófila Cantanhedense esteve representada com 16 atletas cadetes A e B.

Os jovens atletas cadetes estiveram em muito bom plano tendo apresentado um nível técnico bastante interessante demonstrando já bastante evolução comparativamente ao início desta época desportiva.

De salientar que no próximo dia 08 de dezembro os atletas Cadetes C da SCC estarão presentes na prova denominada 1º mergulho, que terá como palco as Piscinas Municipais da Lousã.

Marinha Grande | COMUNIDADE ESCOLAR SENSIBILIZADA PARA AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

Teve lugar no 6 de dezembro, no Edifício Cosmos Azul e Mar, localizado em São Pedro de Moel, uma ação de informação e sensibilização sobre as alterações climáticas e sustentabilidade, dirigida a alunos do 1º ciclo do ensino básico.

Esta iniciativa foi organizada pela Câmara Municipal da Marinha Grande, contou com a presença do presidente da Câmara, Aurélio Ferreira; do vereador do ambiente, João Brito; de técnicos do Serviço Municipal de Proteção Civil e do Município e envolveu turmas do 4º ano de escolaridade dos Agrupamento Marinha Grande Nascente (EB Nery Capucho), Marinha Grande Poente (EB Guilherme Stephens) e de Vieira de Leiria (EB António Vitorino).

O encontro com os jovens surgiu no âmbito da elaboração do Plano de Ação para a Energia Sustentável e para o Clima (PAESC) para o concelho da Marinha Grande e teve como propósito alertar a população escolar para as alterações climáticas e sustentabilidade.

Esta ação começou com a apresentação do Plano de Ação do Município, através da explicação de conceitos e realização de um conjunto de desafios e um Quizz. Seguiu-se a sensibilização acerca de riscos naturais e os incêndios naturais e a visualização da exposição do Plesiossauro de São Pedro de Moel e da realização de experiências da Ciência Viva.

O Município tem vindo a desenvolver um conjunto de ações, cujo objetivo final é alcançar um patamar de sustentabilidade energética e climática, estando para o efeito a desenvolver o PAESC. Pretende-se identificar um conjunto de medidas e ações que reflitam a preocupação com o desenvolvimento sustentável e a promoção do desenvolvimento da estratégia local de mitigação e adaptação.