quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

AVEIRO | COMEÇOU O ALARGAMENTO DA VIA JUNTO À CAPELA DE SÃO BRÁS

Está em curso a obra de alargamento e arranjos urbanísticos da travessia da Rua de São Brás para a Rua Chão de Além em Santa Joana, pela empresa Henriques, Fernandes & Neto, S.A., num investimento da Câmara Municipal de Aveiro de 69.617,53€.

Após a limpeza do terreno onde já foi demolido um dos imóveis que prejudicava a segurança e visibilidade do local, segue-se a fase de arranjos urbanísticos na periferia da Capela de São Brás e melhoramento do atravessamento, que vai significar mais e melhores condições de circulação para peões e condutores.

Para ser possível esta obra, a CMA tinha já adquirido em 2019 o imóvel demolido, com uma área de 448,75m2, pelo valor de 45.000€.

AVEIRO | INÍCIO DA OBRA DE REQUALIFICAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA DE AZURVA


Teve início esta semana a empreitada de requalificação e ampliação da Escola Básica (EB) de Azurva, num investimento da Câmara Municipal de Aveiro (CMA) de 1.531.403,79€, a cargo da empresa EMPRIBUILD, Lda..

Esta obra vai a ampliar a atual infraestrutura, com a adição de uma sala de ensino pré-escolar e a criação de uma biblioteca. As quatro salas de aula atuais afetas ao 1.º Ciclo, vão ser também reabilitadas.

A empreitada vai tratar ainda de renovar as estruturas sanitárias e salas de apoio. Serão criados novos espaços exteriores de recreio coberto e organizado o recreio descoberto, nomeadamente com a reabilitação do polidesportivo atual.

A requalificação e ampliação da EB de Azurva faz parte integrante da estratégia definida na Carta Educativa do Município de Aveiro, que está em vigor desde o final de 2019, e prevê a reorganização profunda da rede escolar municipal e a requalificação dos estabelecimentos de ensino, dotando-os de todos os requisitos de conforto, segurança e qualidade para alunos, funcionários e corpo docente.

Vacinação comunitária para a Covid-19 arrancou hoje em Alvaiázere


Num trabalho conjunto da Unidade de Cuidados na Comunidade (UCC) Al-Baiaz, (que funciona no Centro de Saúde de Alvaiázere) e do Serviço Municipal de Proteção Civil, foi possível iniciar hoje, dia 10 de fevereiro de 2021, a campanha de vacinação contra a Covid-19 junto da comunidade, reforçando a esperança na superação desta doença.

Para o efeito, o Município procedeu à disponibilização de meios logísticos para apoio ao trabalho dos profissionais de saúde, nomeadamente, montagem da tenda onde vai decorrer o processo de vacinação, disponibilização de mobiliário, limpeza e desinfeção do espaço e apoio administrativo.

Depois de vacinados os profissionais de saúde e os profissionais e utentes dos lares, entrou-se agora na fase de vacinação da comunidade, sendo prioritários os cidadãos com mais de 80 anos de idade.

Os serviços de saúde procederão ao contacto com as pessoas, de forma a agendar a respetiva administração da vacina.

Comunicado: Presidente da Câmara de Mira coloca “amigos” na ABMG sem concurso. Quais as consequências políticas a retirar?


Comunicado do PS de Mira, transcrito na íntegra:

"A criação da empresa intermunicipal de gestão de águas - ABMG, entre os Concelhos de Mira, Montemor- o-Velho e Soure, tem sido um dos temas mais discutidos nos últimos meses entre os cidadãos destes Concelhos, ganhando cada vez mais contornos duvidosos sobre todo o processo da sua criação e funcionamento. A favor da transparência e do rigor da gestão pública, é necessário um esclarecimento detalhado de todas as matérias associadas a esta empresa intermunicipal, tal como às decisões assumidas pelos três Presidentes das Câmaras Municipais. Há vários assuntos que não se percebem, nomeadamente: contratação de pessoal; aumento abrupto de tarifários; Câmara a pagar 50% das faturas; serviços dos Municípios a assumirem os trabalhos da empresa; faturas e leituras duplicadas ou erradas; débitos diretos pouco claros; proveniência da água – a água era para vir do Mondego e agora é da Presa?; entre outros.

As opções e atitudes destes autarcas, utilizando os cargos em nome do povo, estão permanentemente sob escrutínio e em cada momento, a bem da democracia e da verdade, é fundamental que a sua avaliação seja feita, retirando daí consequências.

Ao abordar este tema não podemos dissociar o momento dificílimo que o Mundo vive com a pandemia de Covid-19 a desregular e alterar todos os nossos hábitos. Com efeito, os eleitos e a população têm estado condicionados sobre a maioria dos assuntos das suas vidas, não podendo atuar livremente nos mais variados domínios. Até aqui todos compreendemos. O que não aceitamos são decisões tomadas por eleitos, sem respeitar o normal funcionamento da democracia, escondendo más práticas com subterfúgios nada transparentes para benefício de alguns.

Na última reunião da Assembleia Municipal de Soure foi assumido pelo Presidente da Câmara Municipal de Soure, que os três Presidentes das Câmaras “escolheram e selecionaram” nove pessoas para o quadro da ABMG sem recurso a qualquer concurso público. Ficámos a saber que cada Presidente de Câmara colocou três “amigos” na ABMG, a auferirem vencimentos elevados, sem qualquer concurso. Esta é uma situação factual e que pode ser comprovada no vídeo da referida reunião. Não pretendemos colocar em causa a competência das pessoas, o que poderíamos legitimamente fazer, contudo não é isso que está em causa. Um Presidente de Câmara não pode utilizar uma empresa intermunicipal, de capitais públicos, em nome do povo, para empregar “amigos”. É preciso ter noção de que a empresa não lhe pertence. Não é uma empresa privada. E não estamos a discutir legalidade, estamos a invocar o normal funcionamento das instituições democráticas públicas e as práticas admissíveis, ou não, a um representante do povo, que é eleito para defender os superiores interesses da população e não os interesses pessoais e dos “amigos”.

Será possível, num qualquer lugar do Mundo, que um político adote estas práticas sem retirar consequências?

Após esta confissão, começamos a entender melhor as atitudes nada democráticas e autoritárias dos elementos do PSD de Mira na última Assembleia Municipal. Por exemplo, Raul Almeida quando questionado se tinha indicado pessoas para a ABMG e de que forma foram essas pessoas contratadas e se tinha existido algum concurso, fugiu à resposta…Agora confirmamos o que não respondeu! Afinal, por sua indicação empregou nesta empresa uma deputada Municipal eleita nas suas listas do PSD e dois filhos de deputados Municipais do PSD, um dos quais sendo o atual líder da bancada Municipal do PSD de Mira…Isto é vergonhoso! Inadmissível! Perdeu-se a vergonha…São estas situações que
descredibilizam a política.

O Partido Socialista de Mira repudia de forma veemente esta situação e afirma que tal nunca aconteceu no Concelho de Mira. Este Executivo Municipal e o presidente Raul Almeida, nos últimos tempos têm apresentado inúmeras trapalhadas. Esta é mais uma, mas que exige consequências políticas…

Reafirmamos que não estamos a discutir legalidade, estamos a apresentar factos reais…e esta foi a prática dos representantes dos Municípios e em momento algum pode ser considerada normal. Estes são os tais assuntos que vemos na televisão, sem qualquer sanção jurídica ou condenação, mas que fazem com que as populações se revoltem com as más práticas de alguns políticos e que, obrigatoriamente, têm de ter consequências políticas a curto prazo.

Partido Socialista de Mira"

Plano de Desenvolvimento Turístico aponta Pombal como destino de excelência


Pombal deverá posicionar-se como um destino de excelência, alicerçado na natureza, história, cultura e tradição, capaz de potenciar uma oferta dinâmica e diferenciadora, adaptada a públicos que privilegiam a sustentabilidade, a autenticidade e a qualidade da experiência turística. Esta é uma das conclusões do Plano de Desenvolvimento Turístico de Pombal que se encontra em consulta pública.

O Plano elaborado pela SPI – Sociedade Portuguesa de Inovação constitui-se como um documento estratégico e orientador da atuação dos agentes públicos e privados do setor para incrementar a atratividade do concelho de Pombal enquanto destino turístico. Iniciado em finais de 2019, o trabalho realizado distribuiu-se por diversas fases, incluindo a realização de workshops temáticos envolvendo os vários atores locais, públicos e privados, como autarcas, operadores turísticos, associações, instituições, entre outros

O documento considera como produtos turísticos prioritários aqueles que correspondem aos produtos centrais da oferta turística de Pombal, baseados nos seus recursos culturais e naturais com elevado valor distintivo e de atração e que dão resposta às principais motivações dos turistas/ visitantes e tendências do setor: História e património: castelo e núcleos tradicionais; Turismo desportivo e de competição: provas e estágios; Turismo ativo e de natureza: experiências soft e hard; Turismo de mar: naturismo e sustentabilidade; Turismo religioso: Louriçal e Caminhos de Fátima; e Turismo científico: espeleologia, geomorfologia, arqueologia e paleontologia.

Por forma a aumentar o reconhecimento e a notoriedade externa do concelho de Pombal, o Município pretende constituir e desenvolver uma marca forte e de valor, sendo relevante a definição da sua abordagem/ posicionamento no horizonte temporal do plano de desenvolvimento turístico. Deste modo, o concelho apresenta um conjunto de características singulares e identitárias que encerram o potencial de atração de turistas e visitantes. É a partir deste conjunto que serão definidos os atributos de uma marca umbrella para o território, a marca “Pombal”, a conceber aquando da implementação do Plano.

De acordo com a estratégia de desenvolvimento turístico definida, a proposta de valor do turismo em Pombal representa a diversidade e a singularidade dos elementos culturais e naturais com forte potencial de atratividade turística e a sua capacidade de diferenciação face aos destinos concorrenciais. Até 12 de março, o Plano de Desenvolvimento Turístico encontra-se em consulta pública, estando a Câmara Municipal a convidar todos os Pombalenses a enviar as suas apreciações, sugestões e contributos de melhoria.

Desta forma, o Executivo Municipal promove mais uma iniciativa de participação pública, permitindo a intervenção direta dos cidadãos nos procedimentos de tomada de decisão. Recorde-se que, até 28 de fevereiro, está a decorrer a auscultação pública relativa aos projetos de ampliação do parque de lazer do Vale da Sobreira (Mata Mourisca) e de construção do parque verde do Louriçal.

Aumento do valor mínimo do subsídio desemprego pago em março


"A informação que tenho é de que o processamento será feito em fevereiro com retroativos a janeiro e o pagamento em março", afirmou a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, numa audição na Comissão de Trabalho e Segurança Social.

A governante respondia ao deputado do CDS João Almeida que questionou a ministra sobre o atraso na atualização do valor mínimo do subsídio de desemprego em 65,8 euros, medida que entrou em vigor em janeiro, com o OE2021.

O OE2021 prevê que "nas situações em que as remunerações que serviram de base ao cálculo do subsídio de desemprego correspondam, pelo menos, ao salário mínimo nacional, a prestação de desemprego é majorada de forma a atingir o valor mínimo correspondente a 1,15 do IAS [Indexante de Apoios Sociais], sem prejuízo dos limites dos montantes do subsídio de desemprego".

Ana Mendes Godinho argumentou que o atual contexto devido à pandemia de covid-19 levou "à priorização de implementação das medidas" consideradas "críticas para as pessoas que estão sem rendimentos", como os trabalhadores independentes que ficaram com atividade suspensa, o que não é o caso dos beneficiários do subsídio de desemprego.

"No caso do valor da atualização do valor do subsídio de desemprego, as pessoas já estão a receber, é uma atualização do diferencial", acrescentou Ana Mendes Godinho.

Por sua vez, os deputados do BE e do PCP questionaram a ministra sobre as situações de pessoas que estavam a receber o subsídio social de desemprego e cuja prestação terminou em dezembro.

Ana Mendes Godinho garantiu que quem perdeu subsídio social de desemprego em 31 de dezembro de 2020 (e não apenas a partir de janeiro de 2021 como se previa) terá direito ao novo apoio extraordinário ao rendimento dos trabalhadores, previsto no OE2021, tal como já tinha adiantado à Lusa, na segunda-feira, fonte oficial do Instituto da Segurança Social (ISS).

"O apoio extraordinário ao rendimento dos trabalhadores está disponível para os beneficiários que terminaram a partir de janeiro de 2021, ou seja, inclui beneficiários cujo período de concessão do subsídio social de desemprego tenha sido atribuído até 31 de dezembro", disse à Lusa fonte oficial do ISS.

O instituto lembrou que os beneficiários de subsídio social de desemprego beneficiaram de prorrogação automática desta prestação até 31 de dezembro de 2020.

Segundo o ISS, "não existe condição de recursos nos primeiros seis meses, aplicando-se essa condição a partir do 7.º mês".

O deputado do BE José Soeiro disse que há cerca de 22 mil pessoas que perderam o subsídio social em dezembro e que estão "no segundo mês sem rendimentos e não sabem quando vão receber" o apoio, lembrando que o seu partido apresentou ao parlamento uma solução "mais simples", isto é, a prorrogação da prestação social, como aconteceu em 2020.

"Estas pessoas que estão desde dezembro sem nenhum rendimento são 22 mil, há muitas em situação de desespero, a passar fome", afirmou o deputado, instando a ministra a pronunciar-se sobre a iniciativa apresentada em janeiro pelo BE, mas não obteve resposta.

Lusa

 

MUNICÍPIO DE SILVES SUBSTITUI SINALÉTICA DIRECIONAL EM DIVERSAS LOCALIDADES


O Município de Silves substituiu, recentemente, a rede de sinalização urbana direcional nas localidades de Tunes, Algoz, Alcantarilha e Pêra. A iniciativa, que representa um investimento na ordem dos 84 mil euros (acrescidos de IVA), permitirá melhorar a eficácia na orientação dos automobilistas e utilizadores da rede viária, assim como facilitar o acesso a monumentos e pontos de interesse.

Esta afigura-se, assim, como mais uma aposta da Câmara Municipal de Silves não só na modernização da sinalética como, também, na melhoria da mobilidade e acessibilidade urbanas.

Em Armação de Pêra: RUA DR. MARTINHO SIMÕES E RUA DOS PESCADORES SOFRERÃO INTERRUPÇÃO DE TRÂNSITO NA TARDE DO DIA 15 DE FEVEREIRO


A Câmara Municipal de Silves informa que, devido a uma intervenção ao nível de betonagem de obra a levar a efeito por particulares, a circulação de trânsito na Rua Dr. Martinho Simões, em Armação de Pêra, estará interrompida no dia 15 de fevereiro, entre as 1400 e as 17h00. Esta interrupção implicará o corte de trânsito na Rua dos Pescadores.

A autarquia pede a atenção e compreensão dos automobilistas e residentes para esta situação e agradece a colaboração de todos.

Jovens universitários fizeram voluntariado em Ansião


Ansião acolheu, entre os dias 1 e 8 de fevereiro, um grupo de jovens da Universidade Nova de Lisboa em missão de voluntariado.

No âmbito do combate à pandemia e tendo em conta a situação epidemiológica verificada no concelho, doze jovens universitários disponibilizaram-se para colaborar com a autarquia, tendo o seu apoio sido canalizado para as Instituições Particulares de Solidariedade Social.

O seu contributo foi prestado nas instituições de Alvorge, Avelar e Chão de Couce, a nível de confeção de refeições, tendo também colaborado com as equipas da ação social do município na entrega de bens e medicamentos ao domicílio, inserida na iniciativa “Nós Vamos Por Si”, direcionada para pessoas vulneráveis e em isolamento.

Os jovens pernoitaram na Casa da Amizade, local por alguns bem conhecido por já terem estado em Ansião, nos últimos três anos, integrados no projeto missionário Missão País.

O Município de Ansião louva a iniciativa e agradece, uma vez mais, o espírito solidário e altruísta destes jovens.

Brasil: Apreendida meia tonelada de cocaína em avião com destino a Portugal


A apreensão no Aeroporto Internacional de Salvador só foi possível porque o piloto da aeronave particular comunicou à torre de controlo que os seus comandos de voo indicavam algum tipo de problema.

A Polícia Federal do Brasil apreendeu meia tonelada de cocaína escondida num avião particular que já tinha recebido autorização para descolar da cidade de Salvador com destino a Portugal, anunciaram esta quarta-feira as autoridades locais.

A droga foi encontrada, esta terça-feira, durante uma inspeção que agentes da Polícia Federal fizeram ao avião, que se encontrava na pista do Aeroporto Internacional de Salvador.

A apreensão só foi possível porque o piloto da aeronave particular comunicou à torre de controlo que os seus comandos de voo indicavam algum tipo de problema de funcionamento.

Após o alerta, os mecânicos que foram ao avião para verificar o problema descobriram parte da droga e relataram à Polícia Federal.

"Com o apoio de especialistas criminais federais e cães treinados para detetar drogas da Polícia Civil, foram encontrados na aeronave outros esconderijos onde estava o resto da droga", informou a Polícia Federal, em comunicado.

A droga tinha sido dividida em comprimidos marcados com logotipos de marcas desportivas famosas.

Os três tripulantes e dois passageiros da aeronave foram levados à Superintendência da Polícia Federal em Salvador para prestar depoimento, mas a polícia brasileira não esclareceu se foram detidos ou se apresentou queixa contra eles.

A aeronave onde foram encontrados os 500 quilos de cocaína pertence a uma empresa privada que oferece serviços de transporte aéreo.

"As investigações continuarão para identificar os responsáveis pela carga ilícita, que poderão responder pelas acusações de tráfico internacional de drogas e associação com o narcotráfico, cujas penas combinadas podem chegar a 25 anos de prisão", informou o comunicado da Polícia Federal.

O Brasil é um importante intermediário nas rotas de embarque para a Europa da cocaína produzida nos países andinos.

 

Fonte: Lusa

Foto: Polícia Federal do Brasil

Câmara renova parceria com o Clube Sport Algés e Águeda XXI

 Dinamizar a natação adaptada e outras atividades letivas aquáticas nas Piscinas Municipais são os objetivos deste acordo que consolida uma relação institucional com vários anos.

A Câmara Municipal de Águeda reafirma o seu posicionamento estratégico em proporcionar aos cidadãos o acesso a formação desportiva para todos, tendo renovado a sua parceria com o Clube Sport Algés e Águeda XXI para a dinamização de natação adaptada e outras atividades letivas ligadas à natação nas Piscinas Municipais.

“Aumentar a prática de atividade física e formativa de forma regular e orientada no concelho é uma aposta que temos colocado em prática com várias ações e nas diversas modalidades. Nesse sentido, promover o acesso à prática de natação de todos os públicos, independente da idade, grau de dificuldade ou deficiência, é uma das áreas em que continuamos a investir”, declarou Edson Santos, Vice-Presidente da Câmara de Águeda, realçando o sentido inclusivo desta política municipal.

Afirmar Águeda enquanto um Município de referência nacional na área desportiva, distinguindo-se pelo seu caráter inovador, tem sido o desafio constante na estratégia municipal, promovendo políticas desportivas diversificadas que se traduzem num aumento da prática da atividade física e desportiva na população do Concelho. O Plano Municipal de Desporto elenca algumas dessas políticas que fundamentam a ideia de que o desporto é para todos, sem exceção, e que define, por exemplo, o objetivo de que,“(…) até 2022, pelo menos 40% da população (do concelho) efetue algum tipo de atividade física regular”.

Deste modo e alicerçada no conceito de que “Desporto é Vida”, a Câmara de Águeda pretende aumentar o número de praticantes, das várias modalidades desportivas, seja de âmbito competitivo ou amador. Esta é uma aposta sustentada do Município que tem sido concretizada com recurso à atividade desenvolvida nos vários equipamentos desportivos municipais do Concelho, bem como através do estabelecimento de parcerias como a que tem sido efetuada com o Clube Sport Algés e Águeda XXI.

O protocolo, firmado ontem entre a Câmara de Águeda e este clube, pressupõe a dinamização de aulas de natação e de natação adaptada nas Piscinas Municipais (com turmas especiais criadas em 2019 e que continuam a sua formação), apoiando o bom funcionamento deste complexo e assegurando os recursos especializados e permanentes para lecionar as aulas.

Os técnicos deste clube, que é o único no concelho de Águeda com a sua atividade centrada na modalidade de natação e de natação adaptada, são profissionais com experiência comprovada e habilitações técnicas adequadas, em concreto para a prática da natação adaptada, o que é determinante para o bom funcionamento da Escola Municipal de Natação e para o ensino da modalidade junto da população com algum tipo de deficiência.

Refira-se que esta aposta e as boas práticas desenvolvidas pela Câmara de Águeda, no âmbito da sua programação e atividade desportiva, têm sido reconhecidas por vários organismos e valeram várias distinções, nomeadamente a de Presença Digital 2020 e Intervenção Covid-19 no Desporto 2020, atribuídas pela plataforma Cidade Social. Esta estrutura também distinguiu o Município de Águeda com o “Programa de desporto adaptado recomendado 2019”, para além de ter atribuído o prémio de melhor “Programação Desportiva Municipal 2019”.


 

Na foto: Edson Santos, Jorge Almeida, Emanuel Posse e Carlos Rodrigues

 

Proença-a-Nova | Vacinação de pessoas com mais de 80 anos começa dia 12 de fevereiro


Nos dias 12 e 13 de fevereiro tem início a segunda fase de vacinação no concelho de Proença-a-Nova com a inoculação das primeiras pessoas que pertencem ao grupo dos mais de 80 anos e dos mais de 50 anos com patologias associadas, conforme definido pela Direção-Geral de Saúde. A estas 102 pessoas, juntam-se ainda os 97 utentes e funcionários da Santa Casa da Misericórdia de Sobreira Formosa e da Proença Lar, mas neste caso para a toma da segunda dose. “Temos em todo o concelho mais de 1.500 utentes neste grupo e neste processo não se deixará ninguém para trás. Por isso, apelo a que com serenidade e tranquilidade aguardem pelo contacto pois todos, em devido tempo, serão vacinados”, refere João Lobo, presidente da Câmara Municipal de Proença-a-Nova. “A estes utentes juntam-se ainda os bombeiros e GNR, no esforço de começarmos a retoma, até ao final do ano, de uma renovada normalidade”, acrescenta João Lobo que espera que a vacinação nesta fase decorra até ao fim do mês de fevereiro.

Os utentes que receberão a vacina serão contactados telefonicamente pelo Centro de Saúde de Proença-a-Nova e, caso o contacto não seja realizado com sucesso, haverá a colaboração da GNR que fará visita presencial no sentido de informar os cidadãos. Também a corporação de bombeiros está disponível para prestar o apoio necessário e o próprio Município poderá assegurar o transporte de utentes caso estes não disponham de condições ou de meios para o fazer, tendo em conta que o processo de vacinação decorrerá nas instalações do Centro de Saúde. Caso o utente pretenda abdicar da vacina poderá fazê-lo, sendo o seu nome retirado da lista – no entanto, se mudar de ideias, a qualquer momento poderá solicitar a inoculação contactando as autoridades locais de saúde.

Fátima Lopes participa em Webinar da ENB- Escola de Negócios


O regresso ao confinamento geral não está a ser fácil para a maioria da população, sobretudo numa altura em que a fadiga pandémica é uma realidade, com a população a acusar sinais de cansaço, stress e ansiedade. Mas este é, simultaneamente, o momento determinante para motivar as pessoas a enfrentar este momento de crise.

No meio do caos é muito mais difícil ser produtivo e, ainda mais, ser criativo. Fátima Lopes, apresentadora de televisão e Keynote Speaker, reuniu algumas dicas para nutrir a motivação e que irá partilhar no Webinar da ENB- Escola de Negócios a decorrer no dia 11 de fevereiro, às 17h.

Reunimos aqui algumas das dicas da apresentadora:

1 - Acordar sempre à mesma hora.

2 – Fazer exercício físico. Começar o dia com desporto aumenta e muito a nossa eficiência, foco e criatividade.

3- Manter o trabalho organizado.

4 - Combinar com colegas as paragens e em videochamada tomar um café.

5 – Alimentar-se de forma equilibrada e beber água.

Estas e outras ferramentas serão exploradas no Webinar “Dicas para nutrir a motivação”. Os interessados deverão proceder à inscrição em www.escoladenegocios.com



Estudo fornece novos dados para a interpretação de contextos socioculturais da época pós-medieval em Portugal

Um estudo desenvolvido por investigadores da Universidade de Coimbra, do Instituto Universitário Egas Moniz e da Universidade Nova de Lisboa fornece novas pistas para a compreensão das dinâmicas sociais e culturais da época pós-medieval em Portugal.

A equipa, coordenada pelos antropólogos Francisco Curate, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), e Nathalie Antunes-Ferreira, do Instituto Universitário Egas Moniz, estudou as consequências funcionais e sociais de várias lesões esqueléticas sofridas por um indivíduo do sexo masculino encontrado durante uma escavação arqueológica realizada em 2018 no adro da antiga Capela do Espírito Santo de Bucelas, perto de Lisboa.

Na altura, foi descoberta uma necrópole com esqueletos dos séculos XVII – XVIII, tendo sido exumados 98 adultos - 59 homens, 33 mulheres e 6 de sexo desconhecido – e 59 não adultos. No entanto, um esqueleto chamou a atenção da equipa responsável pela escavação, por apresentar evidências de lesões múltiplas com sequelas importantes, destacando-se de forma clara dos outros indivíduos encontrados.

Por isso, este estudo focou-se apenas nos restos esqueléticos deste indivíduo, que foram analisados através de uma abordagem de reincidência de lesão, abordagem que avalia a experiência vivida por indivíduos que sofrem múltiplos incidentes traumáticos, transmitindo uma contextualização diferenciada do sofrimento individual dentro de um reticulado de processos sociais e culturais.

As análises realizadas permitiram concluir que este homem de meia-idade «sofreu traumatismos e lesões em diferentes momentos da sua vida, sendo por isso um caso de lesões recidivas que sugere diferentes interpretações», indica Francisco Curate.

Por exemplo, detalha o investigador da FCTUC, «a possibilidade de este homem ter sido alvo de cuidados médicos e pessoais por parte da comunidade: a severidade das lesões, incluindo infeção pós-traumática, prejudicou seriamente a sua qualidade de vida, limitando a sua capacidade motora e tornando-o inapto para realizar uma série de tarefas, incluindo a alimentação, a higiene e o trabalho».

Segundo o antropólogo, os resultados deste estudo, que foi publicado no International Journal of Osteoarchaeology, sugerem «a existência de uma associação entre a atividade ocupacional, provavelmente ligada à agricultura, e estas lesões graves e reiteradas. Além disso, e no contexto da época em questão, apontam para um reticulado de fatores sociais e culturais próprios de uma sociedade onde a violência estrutural era prevalente, nomeadamente através dos acidentes de trabalho, do alcoolismo e da pauperização dos trabalhadores agrícolas».

Numa perspetiva mais positiva, os dados obtidos «sugerem que a comunidade em que este homem vivia cuidou dele possibilitando a sua sobrevivência. No fundo, um único caso demonstra que o passado não é unidimensional, e que a história tanto se centraliza na experiência do indivíduo (e na sua agência) como na sociedade onde este viveu e morreu (e na sua coerção estrutural)», acrescenta.

Francisco Curate nota ainda que a quantidade de fraturas, a sua severidade, e a sua distribuição pelo esqueleto estudado «são ímpares, muito raras no registo arqueológico. E, fazendo um paralelismo com casos clínicos atuais, sugerem uma ligação a um mundo rural, de trabalhos agrícolas, e também a adição de substâncias, nomeadamente o alcoolismo».

«Claro que são hipóteses de trabalho, não é possível reconstituir fielmente a história de vida deste indivíduo, mas são propostas lógicas e fundamentadas», esclarece. Os restantes indivíduos encontrados na necrópole estão a ser estudados e em breve os resultados serão também publicados.

Este estudo dá contribuições importantes para a interpretação de «contextos bioculturais no passado, abordando questões como violência interpessoal, idade e género, desigualdade social e violência estrutural, estratégias de subsistência, procedimentos cirúrgicos ou assistência médica e a prestação de cuidados, entre outros», conclui o investigador.


Cristina Pinto

MUNICIPIO DE Alvaiázere PROMOVE MOBILIDADE ELÉTRICA


AMBIENTE
Com a instalação de um posto de carregamento, com duas tomadas, para veículos elétricos, o concelho de Alvaiázere entra no mapa da mobilidade elétrica, oferecendo aos cidadãos um novo serviço que contribui para a descarbonização da economia e para a valorização do território.

Este posto de carregamento situa-se no parque de estacionamento Vera Cruz, junto à Casa da Cultura e integra a rede MOBI.E, infraestrutura composta por equipamentos localizados em espaços públicos, que potenciam a mobilidade sustentável e a redução das emissões de gases com efeito estufa.

Também o Município, ao nível da sua frota automóvel, viu recentemente aprovada uma candidatura submetida ao apoio do Fundo Ambiental (entre outros instrumentos financeiros criados para o efeito) para aquisição de duas viaturas elétricas, dando o sinal que a estratégia a seguir pelo executivo municipal, é continuar a apostar em energias alternativas que permitam promover uma tecnologia de transporte ambientalmente mais sustentável e contribuir assim, para atingir os objetivos nacionais e internacionais em matéria de redução da fatura e dependência energética.

Incêndios de 2017 originaram maior densidade de eucaliptos alguma vez registada


Investigadores de Coimbra registaram em terrenos afetados pelos grandes incêndios de outubro de 2017 a maior densidade de eucaliptos alguma vez identificada fora da Austrália.

Um grupo de investigadores da Escola Superior Agrária de Coimbra (ESAC) e do Centro de Ecologia Funcional da Universidade de Coimbra conduziram uma experiência em cinco terrenos em Santa Comba Dão que arderam nos incêndios de 15 de outubro de 2017 e, num dos locais, contabilizaram uma densidade de eucaliptos de 804 mil plantas por hectare, a maior alguma vez registada na literatura científica fora da Austrália em plantas provenientes da regeneração natural, disse à agência Lusa o responsável pela investigação, Joaquim Sande Silva.

O valor anterior mais elevado que os investigadores tinham encontrado na literatura era de uma estimativa de 20.000 eucaliptos por hectare, na Galiza, Espanha, sendo que a densidade normal para um eucaliptal destinado à produção situa-se entre 1.000 a 1.400 árvores por hectare.

Joaquim Sande Silva salienta que estes resultados têm que ter em conta o facto de os terrenos terem sido analisados quando as plantas tinham uma idade muito precoce, sendo que a taxa de mortalidade fará reduzir consideravelmente a densidade encontrada no terreno.

No entanto, mesmo aplicando uma taxa de mortalidade de 30% ao ano, a densidade, ao fim de sete anos, será muito superior à registada por qualquer outro estudo, com 39 mil plantas por hectare, notam os investigadores, num artigo científico publicado recentemente.

"Como em todas as populações, há uma densidade natural muito grande ao início, que vai diminuindo. No entanto, tudo indica que esta densidade anormal de plantas se irá manter em estágios de desenvolvimento superiores", frisou Joaquim Sande Silva.

Para esta densidade anormal de eucaliptos, há uma conjugação de fatores importante, sendo um dos mais relevantes a altura em que ocorreram os incêndios de outubro de 2017.

"O fogo atingiu as árvores numa altura em que o solo já tinha humidade. Estavam reunidas as condições ótimas de germinação assim que as cápsulas libertaram as sementes após a passagem do fogo e terá sido determinante para esta explosão de plantas", realçou.

Para o investigador, esta grande densidade registada também terá consequências na dimensão dos eucaliptos, em que o destino de muitas daquelas parcelas será o abandono, favorecendo a ocorrência de novos incêndios, alertou.

Para além da já existente continuidade horizontal de combustível para um incêndio, com um eucaliptal denso e com plantas com diferentes alturas, passa também a haver "continuidade de combustível vertical".

"O fogo começa pela superfície e aqui facilmente chega às copas, porque tem plantas de várias dimensões. São as condições perfeitas para a propagação do fogo", notou.

Esta investigação surgiu de uma parceria entre a Câmara de Santa Comba Dão e a equipa de investigadores para se estudar e controlar a regeneração natural do eucalipto após os incêndios.

Neste concelho do distrito de Viseu, a equipa trabalhou em cinco terrenos, sendo que "em mais de metade das parcelas não havia uma única espécie de ervas ou arbustos presentes", para além de eucaliptos, constatou.

Os investigadores testaram duas técnicas de gestão dos eucaliptais - uma com recurso a herbicidas e outra ao corte -, recomendando o recurso ao corte face aos impactos ambientais do uso de herbicida.

No entanto, salientou Joaquim Sande Silva, o corte tem de ser feito "em idades muito precoces" das plantas, sendo recomendável o tratamento no primeiro ano de vida.

"A partir do momento em que as plantas já têm três ou quatro metros de altura, a única solução é proceder a trabalhos altamente danosos para o solo, com maquinaria pesada para começar tudo de novo", realçou.

No caso do território afetado pelos grandes incêndios de outubro, "a janela de oportunidade já passou", sentenciou o investigador.

Lusa

Filme com direção de animação de Daniel Sousa finalista a nomeação para Óscares


A curta-metragem norte-americana "Kapaemahu", que conta com direção de animação do português Daniel Sousa, é finalista a uma nomeação para os prémios de cinema Óscares, revelou a Academia de Hollywood, nos Estados Unidos.

De acordo com as listas de filmes finalistas, que são candidatos a uma nomeação para os Óscares, divulgadas na terça-feira, "Kapaemahu" surge na corrida ao prémio de Melhor Curta-Metragem de Animação, contando com realização de Hinaleimoana Wong-Kalu, Dean Hamer e Joe Wilson e direção de animação de Daniel Sousa.

O também realizador tinha estado nomeado para os Óscares em 2014, na mesma categoria, com a curta-metragem "Feral", que realizou.

A história de "Kapaemahu" assenta na tradição da cultura mahu, do estado norte-americano Havai, e é narrada na língua indígena Olelo Niihau.

O filme já passou por mais de uma centena de festivais depois de se ter estreado em 2020 no de Tribeca, nos Estados Unidos, onde foi premiado.

Nascido em Cabo Verde em 1974, Daniel Sousa viveu em Portugal até à adolescência e radicou-se depois nos Estados Unidos, onde se formou na Escola de Design de Rhode Island.

Além de "Feral", Daniel Sousa assinou as curtas-metragens de animação "Minotaur", "Fable", "The windmill" e "Drift".

A Academia de Hollywood revelou as listas de finalistas em nove categorias, entre as quais a de Melhor Filme Internacional, Melhor Documentário e Melhor Banda Sonora Original.

O filme "Vitalina Varela", de Pedro Costa, tinha sido considerado elegível para o Óscar de Melhor Filme Internacional, mas foi excluído da lista dos 15 finalistas agora anunciados.

De fora ficou também o candidato da Palestina, "Gaza, mon amour", dos irmãos Tarzan Nasser e Arab Nasser, que contou com coprodução portuguesa.

Apesar de anualmente submeter uma obra candidata aos Óscares, Portugal nunca teve qualquer filme entre os nomeados para o prémio de melhor filme estrangeiro, em língua não inglesa, categoria recentemente renomeada de Melhor Filme Internacional.

Nesta categoria são finalistas os filmes "Another Round" (Dinamarca), "Quo Vadis, Aida?" (Bósnia Herzegovina), "La llorona" (Guatemala), "El agente topo" (Chile), "Charlatan" (República Checa), "Deux" (França), "Better days" (Hong Kong), "Sun children" (Irão), "Night of the kings" (Costa do Marfim), "Ya no estoy aqui" (México), "Hope" (Noruega), "Collective" (Roménia), "Dear comrades!" (Rússia), "A Sun" (Taiwan) e "The man who sold his skin" (Tunísia).

Os nomeados para a 93.ª edição dos Óscares serão anunciados a 15 de março e a cerimónia acontecerá a 25 de abril.

A cerimónia estava inicialmente marcada para 28 de fevereiro, mas acabou por ser adiada para abril por causa da pandemia da covid-19.

Lusa

Taxa de desemprego sobe para 6,8% em 2020

Dados do Instituto Nacional de Estatística.

A taxa de desemprego foi de 6,8% em 2020, mais 0,3 pontos percentuais do que em 2019, abaixo da previsão do Governo para o conjunto do ano, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com os dados divulgados esta quarta-feira, a taxa de desemprego foi de 7,1% no quarto trimestre, menos 0,7 pontos percentuais face ao trimestre anterior e mais 0,4 pontos percentuais face ao período homólogo.

A população desempregada, estimada em 373,2 mil pessoas, diminuiu 7,7% (30,9 mil) em relação ao trimestre anterior e aumentou 5,9% (20,8 mil) relativamente ao quarto trimestre de 2019, sinaliza.

Lusa


Pandemia deixará “um rasto pesado” na saúde mental da população


A ministra das Saúde, Marta Temido, afirmou hoje que a pandemia de covid-19 deixará "um rasto pesado" na saúde mental da população, sublinhando que há muito por fazer nesta área.

Naturalmente, a pandemia deixará um rasto pesado sobre aquilo que é a saúde mental de todos nós, quer em termos estritamente de equilíbrio quer em termos de doença mental mais profunda", afirmou Marta Temido na Comissão de Saúde, onde está a ser ouvida na primeira audição regimental do ano.

A questão da saúde mental foi levantada pela deputada do PS Hortense Martins, afirmando que a saúde mental, "que muitos tentam desvalorizar, é importantíssima".

"Não salvam vidas só com as questões físicas. A saúde mental também é importante para salvar essas mesmas vidas", defendeu Hortense Martins.

Em resposta, Marta Temido afirmou que há muito por fazer nos sistemas relativamente a esta área, nomeadamente dos doentes que aguardam alta por falta de condições sociais.

"Muitos deles são situações de inexistência de alternativas na área da saúde mental e, por isso, nós no plano de recuperação e resiliência temos uma linha específica para a saúde mental", avançou.

Entre outros aspetos, adiantou: "pretendemos concluir a reforma da aplicação do Plano Nacional de Saúde Mental e a reforma daquilo que é o trabalho dos hospitais psiquiátricos integrando-os, desenvolvendo unidades de psiquiatria em hospitais gerais e criando residências assistidas para os doentes que não têm alternativa".

Lusa

A presidente da Comissão Europeia disse hoje que a União Europeia (UE) foi "demasiado otimista"


A presidente da Comissão Europeia disse hoje que a União Europeia (UE) foi "demasiado otimista" quanto ao ritmo de produção de vacinas contra a covid-19, apelando à indústria farmacêutica para "se adaptar ao ritmo acelerado da ciência".

"Esta luta contra o vírus não está [a ser] como gostaríamos. Demorámos mais tempo na autorização e fomos demasiado otimistas na produção de vacinas e talvez tenhamos mostrado uma confiança de que o produto iria chegar atempadamente e, portanto, temos de tirar ilações", declarou Ursula Von der Leyen.

A presidente da Comissão Europeia, que falava na sessão plenária do Parlamento Europeu, em Bruxelas, para fazer um ponto de situação relativamente à estratégia da UE sobre a vacinação contra a covid-19 após várias polémicas com as farmacêuticas, insistiu que o bloco comunitário "substimou as dificuldades da produção em grande escala destas vacinas".

Notando que, normalmente, "é preciso cinco a 10 anos" para criar uma vacina e que, desta vez, "isso foi feito em 10 meses", a líder do executivo comunitário vincou que "a ciência ultrapassou a indústria" ao ter conseguido este "grande êxito".

Ursula von der Leyen instou, por isso, as empresas farmacêuticas a "adaptarem-se ao ritmo acelerado da ciência".

Ainda assim, fez questão de sublinhar que "a vacinação na Europa ganhou já um determinado ritmo", apontando que, até ao momento, foram já vacinadas mais de 70 milhões de pessoas.

"E podemos conseguir que uma parte substancial da população adulta da UE seja vacinada até final do verão", adiantou.

O debate decorre numa altura de tensão entre Bruxelas e as farmacêuticas, que não deverão entregar as doses acordadas com a Comissão Europeia para estes primeiros meses de 2021 por não terem capacidade de produção suficiente para os 27 Estados-membros, o que já levou a atrasos na distribuição.

Lusa

Portugal “está muito grato” pela solidariedade europeia face à covid-19


A secretária de Estado dos Assuntos Europeus enalteceu hoje, num debate no Parlamento Europeu, a unidade da Europa face à pandemia da covid-19, e declarou que Portugal "está muito grato" pela solidariedade mostrada recentemente pelos seus parceiros.

Participando, em representação da presidência do Conselho da União Europeia, num debate no hemiciclo de Bruxelas sobre a estratégia da UE sobre a vacinação contra a covid-19, Ana Paula Zacarias observou que "a propagação do vírus continua preocupante na maioria dos Estados-membros" -- "incluindo o meu próprio", assinalou -, e reconheceu que a vacinação da população europeia "não progrediu tão rapidamente" quanto era desejável, mas enfatizou que estes desafios não podem fazer esquecer o que de positivo foi alcançado.

"Mas não podemos esquecer o que atingimos até agora. A estratégia da UE na vacinação foi um exemplo de unidade e solidariedade em ação", ressalvou, sublinhando que a mesma "atingiu benefícios tangíveis", designadamente ao garantir uma "distribuição equitativa das vacinas entre os Estados-membros, de modo a que todos os cidadãos europeus possam ter acesso às mesmas".

"E, neste momento, o meu país sabe melhor do que a maioria que a solidariedade europeia é mais do que meras palavras, é ação. E Portugal está muito grato pelas numerosas ofertas de assistência e apoio concreto de vários Estados-membros", afirmou então.

Apontando que já era previsível que, "durante as primeiras fases da campanha [de vacinação], a disponibilidade de vacinas seria limitada", a secretária de Estado dos Assuntos Europeus admitiu, no entanto, que "as notícias recentes de atrasos" no fornecimento por algumas das farmacêuticas "são fonte de preocupação" e exigem "uma resposta da UE em tempo real".

"A produção de vacinas é uma operação complexa, sobretudo a esta escala sem precedentes. A verdade é que provavelmente as empresas sobrestimaram a sua capacidade de produção, e agora temos de garantir que as empresas respeitam os contratos assinados. Os países precisam de saber quantas vacinas têm disponíveis e quando, para planificarem as suas campanhas" de vacinação, sublinhou.

A terminar, a governante advertiu para os desafios que a Europa ainda enfrenta para superar a pandemia, apontando que a 'receita' até lá deve continuar a passar pela unidade e solidariedade.

"Todos sabemos que este vai ser um longo processo. Mais longo e mais complexo do que alguma vez esperámos, seja a nível da saúde pública ou das repercussões sócio-económicas da pandemia. A vacinação é uma ferramenta poderosa, mas vai levar tempo até que a maioria da população europeia esteja vacinada. [...] Temos de nos manter juntos e unidos, essa é a única forma de ultrapassarmos" a pandemia, completou.

O debate de hoje realiza-se no âmbito da sessão plenária da assembleia europeia, em Bruxelas, e decorre numa altura de tensão entre Bruxelas e as farmacêuticas, que não deverão entregar as doses acordadas com a Comissão Europeia para estes primeiros meses de 2021 por não terem capacidade de produção suficiente para os 27 Estados-membros, o que já levou a atrasos na distribuição.

Depois de terem sido registados atrasos no início do ano na entrega da vacina da Pfizer e BioNTech, em uso na UE desde dezembro passado, a farmacêutica AstraZeneca anunciou no final de janeiro que pretendia entregar doses consideravelmente menores do que acordado com Bruxelas do seu fármaco, que teve 'luz verde' do regulador europeu também nessa altura.

A decisão da AstraZeneca, justificada com base em problemas de capacidade na produção da empresa, causou a indignação do executivo comunitário.

Por isso, a Comissão Europeia estabeleceu, também no final de janeiro, um mecanismo de autorização de exportação de vacinas para a covid-19, com o objetivo de garantir a transparência do processo e as doses suficiente para os cidadãos da UE.

Lusa

Imagem: CM Loulé

LOURDES – Necessária, mais que nunca, neste ano pandêmico

 

Fonte: Revista Catolicismo, Nº 842, Fevereiro/2021

Muito lamentavelmente, o santuário de Nossa Senhora de Lourdes, nos Pirineus franceses, permaneceu fechado durante quase todos os meses do ano passado. Em muitos outros locais e ocasiões de devoção, também não foram devidamente celebradas as tradicionais festas religiosas nesse ano catastrófico da pandemia — Fátima, Aparecida, Círio de Nazaré, Corpus Christi, nem mesmo a Semana Santa e o Santo Natal.

No que se refere a Lourdes, os fiéis e peregrinos ficaram privados das graças e curas, dos milagres grandes e pequenos que desde 1858 se operam na gruta de Massabielle, naqueles abençoados lugares às margens do rio Gave. Não puderam beneficiar-se das águas da fonte milagrosa nem das piscinas, onde tantos peregrinos procuram cura espiritual e física, como registram milhares de documentos.

O pretexto da pandemia para esse fechamento é injustificável, pois exatamente em ocasiões como essa as pessoas mais precisam pedir a cura e graças, concedidas abundantemente em Lourdes por Aquela que ali afirmou: “Eu sou a Imaculada Conceição”.

Para a festividade litúrgica de Nossa Senhora de Lourdes, fixada no dia 11 de fevereiro, a equipe de Catolicismo pesquisou conferências, artigos e comentários do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira sobre esta devoção mariana. Do amplo e rico material encontrado, selecionamos alguns trechos cuja transcrição oferecemos a seguir. [A ABIM, ao longo desta semana, reproduzirá em capítulos essas matérias concernentes a Lourdes].

Ajudados por esses comentários, os leitores poderão se dirigir espiritualmente a Lourdes, para pedir à Imaculada Conceição a nossa cura, a de nossos parentes e conhecidos, e sobretudo a ‘cura’ da Santa Igreja, mergulhada na pior crise de sua história bimilenar.

Da redação de Catolicismo

Doentes diante da Gruta de Nossa Senhora de Lourdes

Em Lourdes, curas milagrosas e resignação no sofrimento

Nossa Senhora revela sua bondade, mostra que é nossa Mãe, que tem pena de nós e pratica maravilhas por seus devotos; mas tem também desígnios bondosos quando não atende nossos pedidos

Os acontecimentos de Lourdes são muito ricos em ensinamentos, um dos quais é sobre o sofrimento. Vemos naquela cidade, abençoada pelas aparições de Nossa Senhora a Santa Bernadette Soubirous, duas atitudes da Providência diante do sofrimento humano. Ambas têm sua razão de ser, dentro da perfeição dos planos divinos, apesar de parecerem até contraditórias.

De um lado, o que mais chama atenção em Lourdes é Nossa Senhora ter pena dos que sofrem, atender seus rogos e praticar milagres para livrá-los das dores que os atormentam. Pela bondade que Ela manifesta em Lourdes, mostra que é nossa Mãe, tem pena de nós, quer e pode praticar maravilhas por nós. Ela tem também pena das almas, e para provar que a Fé Católica é a única verdadeira, opera milagres para obter conversões.

Mas outro aspecto do sofrimento, que notamos em Lourdes, são os inúmeros doentes que peregrinam à abençoada cidade francesa e voltam sem obter a cura desejada. A maior parte dos peregrinos volta sem o milagre da recuperação na saúde. Por que Nossa Senhora opera a cura de alguns e não de todos? Facilmente compreendemos a bondade pela qual alguns são curados, mas qual a razão pela qual outros não o são? O motivo é que Nossa Senhora nos revela assim outro grande ensinamento.

Ação da Providência no milagre e na ausência do milagre

Eu creio que a razão mais profunda desse fato é um dos mais estupendos milagres de Lourdes. Para a grande maioria das almas, o sofrimento é necessário para acrisolamento das virtudes e para a santificação. Sofrimentos como as doenças são necessários para a salvação das almas. Por meio das enfermidades e das provações espirituais, aceitando o sacrifício, a pessoa se santifica. Não compreende o amor de Deus e a regeneração espiritual quem não compreende o papel do sofrimento para obter das almas o desapego. São Francisco de Sales chegou a afirmar que o sofrimento é de tal maneira indispensável, que pode ser considerado verdadeiramente um 8º sacramento.1

Cardeal Pedro Segura y Sáenz

O Cardeal Segura y Saenz,2 com quem eu estive numa viagem à Espanha, contou-me o diálogo que teve com Pio XI. Este Papa se gabava, diante do Cardeal, de nunca ter estado doente. O Cardeal Segura sorriu, e disse: “Então Vossa Santidade não tem o sinal de predestinado. Não há predestinado que não adoeça, e gravemente; que não sofra muito, pelo menos em determinado período de sua vida. Se Vossa Santidade nunca teve nada afetando a saúde, não tem o sinal da predestinação”.

Pio XI aceitou como verdadeira a categórica afirmação do Cardeal espanhol, e alguns dias depois teve um enfarte. Então escreveu um bilhetinho ao Cardeal: “Eminência, já tenho o sinal de predestinado”. Como outros tipos de sofrimento físico, moral etc., realmente a doença é sinal dos predestinados; ou seja, dos eleitos que Deus põe à prova para merecerem a bem-aventurança eterna no Céu.

Nossa Senhora agiria contra o interesse da salvação das almas, se eliminasse todas as doenças que grassam pelo mundo. Para certas almas, para certos efeitos, de algum modo convém retirar o sofrimento, mas normalmente não convém. Por essa razão, muitas pessoas vão a Lourdes e voltam sem terem sido curadas. Isto comprova quanto a Virgem Santíssima, tão misericordiosa, julga indispensável o sofrimento para a salvação de seus filhos.

O maior milagre de Lourdes é a resignação e a aceitação do sofrimento

Em Lourdes, quando não se opera a cura, Nossa Senhora dá aos enfermos tal conformidade com a doença, que eles não se revoltam. Pelo contrário, voltam para suas casas resignados, satisfeitos de terem visitado e rezado na gruta. Viram pessoas serem curadas, mas eles próprios não o foram. Há casos de pessoas que chegam de longe — da Índia, da América etc. — e vendo ao seu lado outros enfermos em estado mais grave que o delas, mudam o seu pedido a Nossa Senhora: que eu não seja curado, conquanto que esse ou aquele doente mais necessitado obtenha a sua cura.

Assim o peregrino enfermo aceita o sofrimento em benefício do outro. Essa nobre atitude é um verdadeiro milagre de amor ao próximo por amor de Deus; um milagre moral arrancado ao egoísmo humano, e isso representa um milagre mais estupendo do que uma cura propriamente dita.

Havia em Lourdes algo talvez ainda mais bonito: um convento de Carmelitas contemplativas com o propósito de expiar e sofrer qualquer doença a fim de obter graças para os corpos e as almas das pessoas que vão à bendita gruta pedir benefícios. Elas nunca pediam suas próprias curas, aceitavam todas as doenças em benefício das almas dos que pedem o milagre da cura. Como vítimas expiatórias, sofriam horrores, levando às vezes uma vida inteira de sofrimentos; e às vezes morriam oferecendo a vida em holocausto, com o objetivo especial de fazer bem às outras almas.

Sofrimentos como as doenças são necessários para a salvação das almas. Por meio das enfermidades e das provações espirituais, aceitando o sacrifício, a pessoa se santifica.

Milagres de caráter espiritual que levam almas para o Céu

Prestando-se atenção na natureza humana decaída pelo pecado original, e sabendo que atos de abnegação não são comuns entre os homens e causam ao egoísmo humano tão grande horror, compreende-se que os peregrinos, aceitando resignadamente quando não são curados, isto pode ser considerado milagre maior do que todas as outras curas que ocorrem em Lourdes.

Tudo isso mostra bem que a intenção de Nossa Senhora, nas curas de Lourdes, é produzir esses milagres de caráter espiritual e moral que salvam as almas para o Céu. O amor d’Ela a seus filhos tem como principal objetivo levá-los ao amor de Deus e à glória celestial. Nada de melhor se pode desejar para eles. O que se diria se Ela tivesse aparecido em Lourdes para fazer bem aos corpos perecíveis, e não para as almas que não perecem?

Devemos amar mais a Deus do que aos homens, e assim compreendemos bem o grande ensinamento de Lourdes. Não é o ensinamento apologético, tão grande e tão importante, mas sim o ensinamento da aceitação da dor, do sofrimento, da derrota, do fracasso se preciso for.

Poder-se-ia objetar: ‘É muito difícil aceitar a dor e carregá-la resignadamente’. A resposta, nós a temos ao contemplar a agonia de Nosso Senhor Jesus Cristo no Horto das Oliveiras. Posto diante de todo o sofrimento, Ele disse: “Pater, si possibile est, transeat a me calix iste” (Meu Pai, se é possível, afastai de mim este cálice – Mt 26,39). Mas depois acrescentou: “Faça-se a vossa vontade, e não a minha”.

Esta exemplar posição do Divino Mestre é a que devemos tomar diante de nossos sofrimentos particulares. Nesses momentos de dor, poderemos repetir: Meu Pai, se é possível, afastai de mim este cálice; porém cumpra-se a vossa vontade, e não a minha.

Naquele momento de agonia no Horto, um Anjo veio consolar Nosso Senhor. A graça nos consolará a nós também, nos sofrimentos que padecemos. Portanto, tenhamos coragem, resolução, energia. Assim compreenderemos o significado do sofrimento, e teremos alegria em sofrer por amor de Deus. Compreenderemos que sofrer é a dádiva dos predestinados; e não sofrer é a parte dos réprobos.

(Excertos da conferência de Plinio Corrêa de Oliveira em 6-2-1965).

ABIM

____________

Notas:

  1. Os sete sacramentos são: Batismo, Confirmação (ou crisma), Eucaristia, Reconciliação (ou penitência), Unção dos Enfermos (ou extrema-unção), Ordem (sacerdotal) e Matrimônio.
  2. Dom Pedro Segura y Sáenz. Nascido em Carazo (Burgos, Espanha), em 4 de dezembro de 1880. Ordenado sacerdote em 1906 e sagrado Bispo em 1920. Seis anos mais tarde, Arcebispo de Toledo. Elevado à púrpura cardinalícia no Consistório de 18 de dezembro de 1927. Em 1937 foi designado Cardeal-Arcebispo de Sevilha, cuja sede ocupou até sua morte, em 8 de abril de 1957.

Carnaval com “dança dos cus” em família e caretos à porta


O Carnaval vai este ano ser vivido de forma diferente em Cabanas de Viriato e em Lazarim, com a tradição da "dança dos cus" a ser cumprida em ambiente familiar e os caretos expostos à porta de casa, respetivamente.

As organizações destes dois festejos tradicionais do distrito de Viseu decidiram marcar a data, mas cumprindo as limitações impostas pela covid-19.

"Basta haver música que logo a vontade consegue encontrar dois ditos cujos para fazerem a dança e isso é o suficiente", disse à agência Lusa Filipe Rodrigues, da direção da Associação de Carnaval de Cabanas de Viriato, no concelho de Carregal do Sal.

A música a que se refere o dirigente é uma valsa ao som da qual os foliões, alinhados em duas filas, habitualmente vão dançando pelas ruas da vila, batendo com os traseiros nos dos vizinhos do lado quando há uma variação do ritmo.

Este ano, a organização disponibiliza a música, mas a tradição - que remonta a 1865 - terá de ser cumprida dentro de casa.

"Cada família - três, quatro ou cinco pessoas - consegue por a música a tocar em casa e depois dançar. Cada um vai tentar fantasiar-se e depois fazer uma filmagem para por nas redes e podermos interagir", explicou Filipe Rodrigues.

As redes sociais serão um grande aliado durante este Carnaval, com várias iniciativas "que permitem interagir com as pessoas e não esquecer a data", acrescentou, aludindo a eventos noturnos e diurnos.

Como é habitual, os moradores de Cabanas de Viriato estão também a engalanar as ruas com enfeites, bandeiras e palhaços.

"De cima a baixo da vila, todos tentam fazer o melhor possível, até porque estão bastante tempo em casa", contou.

Também nas ruas da pequena aldeia de Lazarim, no concelho de Lamego, se vai notar que é Carnaval, apesar de os caretos (máscaras tradicionais esculpidas em madeira) não poderem andar à solta pelas ruas.

"Todas as festividades estão canceladas, num acordo entre o município e a Junta de Freguesia, e iremos apenas realizar alguns momentos que evocam este evento, como a exposição de caretos à porta de cada um dos moradores", avançou à Lusa a vereadora da Cultura, Ana Catarina Rocha.

Na aldeia há vários artesãos que, todos os anos, dão forma à madeira, transformando-a em máscaras diabólicas, carrancudas, com orelhas bicudas, barbas, bigodes ou cornos e até a imitar animais.

Este ano é pedido a quem tem máscaras "que fique em casa, mas que à sua porta exponha o tradicional careto", acrescentou.

Segundo a vereadora, a autarquia vai "lançar um vídeo que mostra toda essa vivência do Entrudo de Lazarim, mas utilizando apenas os recursos telemáticos".

No interior do Centro Interpretativo da Máscara Ibérica, que se encontra fechado, há uma exposição de máscaras que será mostrada nas redes sociais, acrescentou.

Do programa habitual do Carnaval de Lazarim constavam tradições como o desfile etnográfico no domingo, a leitura pública dos testamentos e a queima da comadre e do compadre na terça-feira.

No fim, havia caldo de farinha e feijoada grátis para todos, oferecidos pela população.

Lusa

Imagem: Jornal do Centro