segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

Chuva de críticas contra atraso no fornecimento das vacinas da Pfizer


"A União Europeia devia ter comprado as vacinas contra a COVID-19 mais cedo". A crítica parte da Associação Austríaca de Médicos e segue os recentes atrasos da entrega das doses da Pfizer-BioNTech. Mas a empresa garante as entregas deverão ficar restabelecidas esta semana.

Thomas Szekeres, Presidente da Associação de Médicos austríaca, diz que "a União devia ter ordenado mais vacinas antes, então teríamos recebido as doses mais cedo e isto não teria acontecido, assim temos que viver dentro dos nossos limites. Falei ao telefone com o presidente da Pfizer esta manhã e a Pfizer mantém o acordo, e assume a entrega de 900 mil doses à Áustria nos primeiros três meses".

Mas de Itália surge a ameaça de um processo contra a Pfizer e a AstraZeneca senão forem mantidos os prazos e a quantidade de doses, com salientou o primeiro-ministro Giuseppe Conte no Facebook. Afirma que se houver falhas irão receber apenas 3.4 milhões de doses no primeiro trimestre em vez de oito milhões de doses.

O ministro das Relações Exteriores, Luigi di Maio, afirma estarem a "trabalhar no sentido de garantir que o plano de vacinação não sofre alterações. Nos próximos dias, através do nosso embaixador em Bruxelas, estamos a ativar todos os mecanismos para que, em conjunto com outros países e a Comissão Europeia, seja feito tudo para que os contratos com estes senhores sejam cumpridos".

Os fornecimentos do centro de produção de vacinas em Puurs na Bélgica registaram problemas devido a questões de técnicas mas a Pfizer-BioNTech garante ter ampliado o processo para poder entregar duas mil milhões de doses este ano.

Euronews /  Mary Altaffer/AP

Portugal continua o país com mais novos casos e novas mortes a sete dias


Portugal era hoje o país em pior situação de novos casos e novas mortes por milhão de habitantes na média dos últimos sete dias, de acordo com sites que recolhem informação estatística sobre a pandemia da covid-19.

No site ourworldindata.org, Portugal surge como o país que teve nos últimos sete dias mais casos confirmados (1.142) por milhão de habitantes de contágio pelo novo coronavírus, de acordo com os dados compilados pela universidade norte-americana Johns Hopkins.

A seguir a Portugal, tirando pequenos territórios como Andorra (647) e Montenegro (616), surge o Reino Unido (443), Líbano (441), Estónia (401) e Estados Unidos (400).

Segundo a mesma fonte, Portugal está também no topo da tabela de mortes por milhão de habitantes, com 27 por milhão nos últimos sete dias, seguido da Eslováquia (18,9) e Eslovénia (14,9).

Na proporção de casos totais desde o início da pandemia, Portugal tem 62 por milhão de habitantes (o 13.º número mais alto) e figura em 24.º lugar na lista dos países com mais mortes por milhão de habitantes

A plataforma de dados portuguesa Eyedata coloca também Portugal como o país com mais novos casos por milhão de habitante na média de sete dias (1.366) e com mais novas mortes por milhão (23).

A Eyedata, que compila informação recolhida de várias fontes 'online', coloca Portugal como o 32.º país com mais mortes associadas à covid-19 por milhão de habitantes e 27.º com mais casos de infeção com o novo coronavírus por milhão de habitantes.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 2.129.368 mortos resultantes de mais de 99,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 10.721 pessoas dos 643.113 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Lusa

Espanha com maior aumento de casos num fim de semana


A Espanha registou desde sexta-feira 93.822 novos casos de covid-19, o maior incremento num fim de semana, elevando para 2.593.382 o total de infetados até agora no país, segundo números divulgados pelo Ministério da Saúde espanhol.

As autoridades sanitárias também contabilizaram mais 767 mortes desde sexta-feira atribuídas à covid-19, passando o total de óbitos para 56.208.

O nível de incidência acumulada (pessoas contagiadas) em Espanha continua a aumentar, passando de sexta para segunda-feira de 829 para 885 casos diagnosticados por 100.000 habitantes nos 14 dias anteriores.

As regiões com os níveis mais elevados são as da Extremadura (1.381), Múrcia (1.372), Comunidade Valenciana (1.340), Castela e Leão (1.352), La Rioja (1.266) e Castela-Mancha (1.248).

O diretor do Centro de Coordenação de Alertas e Emergências Sanitárias, Fernando Simón, indicou hoje que o ritmo de progressão da doença começou a descer há alguns dias", mas que continua a ser preocupante o aumento da ocupação hospitalar devido à doença.

Nas últimas 24 horas, deram entrada nos hospitais 2.842 pessoas com a doença, das quais 583 na Comunidade Valenciana, 488 na Andaluzia, 445 em Madrid e 321 na Catalunha.

Em todo o país há 30.483 pessoas hospitalizadas com a covid-19, o que corresponde a 24% das camas, das quais 4.284 pacientes em unidades de cuidados intensivos, 40% das camas desse serviço.

O avanço da pandemia tem levado as comunidades autónomas espanholas, que têm autonomia em questões de saúde, a tomar novas medidas de luta contra a doença.

A Comunidade de Madrid antecipa, a partir de hoje, o recolher obrigatório das atuais 23:00 para as 22:00, o que implica o encerramento às 21:00 dos restaurantes e similares, assim como do comércio em geral, com exceção dos estabelecimentos que prestam serviços considerados essenciais.
Por outro lado, as reuniões em locais públicos são limitadas a um máximo de quatro pessoas e as que tiverem lugar em casa são proibidas, com exceção para coabitantes.

A partir de terça-feira à noite e durante três semanas, a região da Galiza apenas permite que se reúnam as pessoas que vivem debaixo do mesmo teto, proíbe a saída do município em que se habita, encerra completamente os restaurantes e similares, os centros comerciais só podem abrir no fim de semana e adianta o fecho do comércio não essencial para as 18:00.

Lusa

Tomada de posse do novo Comandante Operacional Distrital de Beja


A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) realizou esta segunda-feira, dia 25 de janeiro, a cerimónia de designação do novo Comandante Operacional Distrital (CODIS) de Beja.

Para efeitos do disposto no artigo 20.º e nos termos dos n.os 1 e 3 do artigo 22.º, ambos do Decreto-Lei n.º 73/2013, de 31 de maio, na sua atual redação, em articulação com o n.º 2 do artigo 38.º do Decreto-Lei n.º 45/2019, de 1 de abril, foi designado, em regime de substituição, o licenciado Carlos Alberto Elvira Pica, para o cargo de Comandante Operacional Distrital (CODIS) do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Beja, da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil.

Carlos Pica detém comprovada experiência e adequada formação para o desempenho das suas novas funções, até à data ocupava o cargo de Coordenador Municipal de Proteção Civil da Câmara Municipal de Barrancos. Tem experiência no exercício de funções de comando em corpo de bombeiros. De 2006 a 2014 exerceu o cargo de 2.º Comandante Operacional Distrital no CDOS de Beja, da ANEPC.

Local: Sede da ANEPC em Carnaxide

Águeda | Câmara atribui mais 70 mil euros a associações para além dos apoios extraordinários atribuídos recentemente no âmbito da Covid-19


Investimento financeiro destina-se a apoiar as estruturas associativas e o trabalho que, apesar da Covid-19, conseguiram realizar no ano de 2020.

A Câmara Municipal de Águeda atribuiu mais cerca de 70 mil euros às coletividades de cariz cultural, recreativo e juvenil, no âmbito dos apoios regulares às associações do concelho, em resultado das candidaturas apresentadas. A formalização dos incentivos foi feita hoje, ao longo de todo o dia, de forma programada e individualizada, com os dirigentes associativos.

“Estes apoios dizem respeito às ações que estas associações conseguiram levar a cabo no ano de 2020, apesar das condições adversas por força da Covid-19”, disse Elsa Corga, Vereadora da Cultura da Câmara de Águeda, salientando que “as associações estão a passar por momentos difíceis, pelo que é muito importante que, dentro dos mecanismos que tem ao seu dispor, a autarquia as apoie”.

Recorde-se que, ainda recentemente, a autarquia atribuiu um apoio extraordinário de mais de 157 mil euros às associações desportivas, culturais e sociais do concelho, em resposta às necessidades impostas pela Covid-19, através de um programa de apoio criado para que as coletividades fizessem face a despesas específicas com a aquisição de equipamentos, de instrumentos musicais e para apoio nas despesas fixas.

A este valor acresce os 218.517,04 euros transferidos e relativos aos apoios extraordinários não reembolsáveis para associações culturais e desportivas, também no âmbito dos incentivos na sequência da pandemia, perfazendo um total de mais de 375 mil euros de apoios extraordinários concedidos no ano passado a estas coletividades.

De uma forma global, somando a estes incentivos extraordinários os apoios regulares atribuídos pela Autarquia às diferentes instituições do concelho (no valor de cerca de 570 mil euros), a Câmara de Águeda totaliza um apoio, em 2020, de cerca de um milhão de euros às instituições concelhias.

Relativamente aos apoios hoje formalizados, foram 37 as coletividades de âmbito cultural, recreativo e juvenil que viram apoiadas as atividades que constam das suas candidaturas apresentadas para apoio à execução do plano de atividades que tinham previsto para o ano passado.

A atribuição destes apoios surge agora, uma vez que os prazos para apresentação de candidaturas foram sendo prolongados devido à conjuntura epidemiológica.

Refira-se que as metodologias e critérios usados para atribuição destes incentivos hoje formalizados e referentes aos apoios regulares às coletividades estão definidos no Programa de Apoio às Associações Culturais, que estabelece, de forma transparente, rigorosa e imparcial, as relações entre a Câmara e as diferentes estruturas associativas do concelho, nomeadamente as de cariz cultural, recreativa e juvenil.

A Câmara de Águeda considera que estes incentivos fundamentam o apoio estratégico na promoção e fortalecimento do associativismo do concelho e no reforço da organização das atividades que as associações realizam, bem como reconhecem o papel que estas estruturas têm no desenvolvimento cultural, recreativo e juvenil do concelho.


Cantanhede | Entrega dos prémios da tômbola Natal 2020

 AEC - Associação Empresarial de Cantanhede procedeu na sexta feira dia 22  à entrega, os prémios referentes à Tômbola de Natal 2020.

Na cerimónia, para além dos proprietários das lojas onde saíram os prémios e os respetivos premiados, estiveram presentes a presidente da direção da AEC, Drª Cristina Antunes , e o Vice-Presidente do Município de Cantanhede, Dr. Pedro Cardoso.

O  comércio tradicional é importante para a para economia do concelho de Cantanhede, e para as suas populações, pelo  que este é um serviço de proximidade, onde os clientes tem para além de um bom serviço um atendimento personalizado. A  AEC apela a que a população compre produtos no nosso concelho, de forma a dinamizar a economia local, neste tempo de pandemia COVID 19.

Recordamos os premiados e as lojas onde saíram os prémios:

Prémio especial – Cheque Vale  500 - Maria Ausinda Catarino (Fontinha), por compras efetuadas na Farmácia Central em Cantanhede;

1º Prémio – TV/LCD  Pedro  Anjos (Corticeiro de Baixo ), por compras efetuadas na Pneubox, Lda  em Cantanhede;

2º Prémio – Ferro de Engomar C/ Caldeira – Moratina Vieira (Cantanhede), por compras efetuadas no Minimercado Raquel , em Cantanhede;

3º Prémio – Um Cabaz Grande – Bertilde Azenha (Morros-Tocha), por compras efetuadas na Optica Carolina, na Tocha;

4º Prémio – Um Cabaz Médio– Lurdes Sardão, por compras efetuadas no Minimercado Raquel, em Cantanhede;

5º Prémio – Uma Máquina Café Cápsulas– Ana Torres (Penedos), por compras efetuadas na Passion, Lda, Cantanhede;

6º Prémio – Um Secador de Cabelo – Gaspar (Tocha), por compras efetuadas na Bottle Sérgio, em Cantanhede;

7º Prémio – Um Grelhador Elétrico – Paula Fonseca (Cantanhede), por compras efetuadas no Minimercado Raquel, em Cantanhede;

8º Prémio – Uma tostadeira – Maria Licínia Oliveira (Sanguinheira) , por compras efetuadas na PharmaSaúde em Cantanhede;

9º Prémio – Um Jarro Elétrico – Maria Adélia dos Santos Floro (Outil), por compras efetuadas em Mondomulduras, Lda em Cantanhede;

10º Prémio – Uma Varinha– Rui Savatino (Tocha), por compras efetuadas nos Pneus Recta do Norte, na Tocha.

Figueiró dos Vinhos | Aprovada candidatura ao PDR2020 (LEADER) para a Reabilitação do Passadiço da Foz de Alge


Consciente da necessidade de intervir no Passadiço da Foz de Alge face ao estado atual do mesmo, resultado da sua existência desde que no ano de 2005 foi implantado naquela zona turística, o Município de Figueiró dos Vinhos tem aprovada uma candidatura ao PDR2020 (LEADER) na Medida “Renovação de Aldeias” especificamente direcionada para a valorização do património e revitalização de aldeias.

Situado na Freguesia de Arega, concretamente sobre a zona fluvial onde a ribeira de Alge e o rio Zêzere confluem, o passadiço da Foz de Alge, que tem cerca de 300mts e faz parte da Grande Rota do Zêzere, importante grande rota multimodal ao longo do rio Zêzere, posteriormente criada.
Permite uma vista sobre toda a albufeira e integra-se perfeitamente na paisagem, num local de especial interesse turístico, muito procurado não só pela zona de estar da Foz de Alge (Cova da Eira), Pista de Pesca Desportiva, Clube Náutico e o Parque de Campismo, mas pelo património natural associado ao rio Zêzere e à aldeia de Foz de Alge, pertencente à Freguesia de Arega, tem ainda um conjunto de casas de traça antiga, um lavadouro recuperado e traços de ruralidade sempre muito apreciados pelos visitantes e turistas.

A intervenção prevê a reabilitação e valorização do passadiço de cerca de 300mts e que atualmente, face ao estado de degradação, carece de uma intervenção capaz de melhorar as condições de utilização, valorização do património e usufruto por residentes, visitantes e turistas, designadamente a beneficiação do pavimento e vedação em madeira, incluindo uma curta ampliação desta.

A entidade gestora do PDR2020 reconheceu o mérito da candidatura e aprovou uma comparticipação de 14.543,52 euros (80%) através do LEADER (FEADER) para um investimento total e elegível de 18.179,40 euros.

Município de Anadia comparticipa segunda equipa dos bombeiros afeta a doentes Covid-19

O executivo da Câmara Municipal de Anadia aprovou a comparticipação de uma segunda equipa da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Anadia (AHBVA) afeta ao serviço de apoio, socorro e transporte de doentes Covid-19. A decisão foi tomada na reunião do passado dia 20 de janeiro.

Recorde-se que, em dezembro, o Município de Anadia celebrou um protocolo com a AHBVA para comparticipar uma primeira equipa afeta ao serviço de transporte de doentes Covid-19. Face ao agravamento da situação pandémica, nomeadamente ao aumento do número de novos casos de Covid-19 no concelho, a AHBVA ativou, a 18 de janeiro, um segundo dispositivo para responder às solicitações, tendo, para o efeito, requerido ao Município de Anadia o reforço do apoio para suportar os encargos com esta segunda equipa. O executivo municipal respondeu de forma positiva a este pedido, tendo aprovado uma adenda ao protocolo de colaboração, que prevê a atribuição de uma comparticipação financeira no valor de cinco mil euros para constituição de duas equipas e respetivas ambulâncias. O apoio será prestado enquanto vigorar a pandemia.

Atualmente, o corpo de bombeiros da AHBVA possui duas equipas especializadas em permanência (disponíveis 24h por dia), que são constituídas por duas ambulâncias de socorro (ABSC) e respetivas tripulações (quatro operacionais), exclusivamente dedicadas à situação pandémica causada pelo vírus SARS-CoV-2. A operacionalidade destas equipas é apoiada financeiramente não só pelo Município de Anadia, mas também pela Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil. Além destes dois meios específicos, a corporação conta com mais quatro ambulâncias, destinadas ao socorro pré-hospitalar.

Imagem: Notícias de Aveiro

Ana Gomes é a mulher mais votada de sempre em Portugal


A diplomata Ana Gomes foi a mulher mais votada de sempre numas eleições presidenciais em Portugal, com 12,93% dos votos, e a primeira a conseguir um segundo lugar.

Ana Gomes conseguiu um segundo lugar nas eleições presidenciais de domingo, ao ser a escolha no boletim de voto de 536.236 portugueses.

A primeira mulher a candidatar-se a eleições presidenciais em Portugal foi Maria de Lourdes Pintassilgo, que, em 1986, ficou em quarto lugar com 7,38% dos votos na primeira volta as eleições, o correspondente a 418.961 votos. Nessa eleição, Mário Soares ficou em segundo na primeira volta, mas ganhou na segunda a Diogo Freitas do Amaral.

Só 30 anos depois, em 2016, voltaria a haver mulheres a concorrerem à Presidência da República Portuguesa: Marisa Matias e Maria de Belém.

Há cinco anos, Maria Matias foi a escolha de 455.691 dos eleitores portugueses, o correspondente a 10,11% e que lhe valeu um terceiro lugar na corrida a Belém.

Já Maria de Belém teve 191.466 votos (4,25%), conseguindo um quarto lugar.

Nas eleições de ontem, além de Ana Gomes, candidatou-se também Maria Matias. Nesta segunda tentativa de chegar a Presidente da República, a candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda obteve 163.211 votos (3,94%), ficando em quinto lugar.

Lusa

Bairrada no ‘Top 100 Wine Discoveries 2020’ da Robert Parker – The Wine Advocate



Dois mil e dezoito foi o ano de viragem para a Bairrada no que toca à conceituada publicação mundial Robert Parker - The Wine Advocate. Foi a primeira vez que um vinho da região ultrapassou a fasquia dos 95 pontos: o eleito foi o ‘Nossa Calcário Baga tinto 2015’, que chegou aos 96. Fazendo o balanço dos vinhos provados ao longo do atípico ano de 2020, a publicação voltou a destacar os rótulos da dupla Filipa Pato (enóloga) e William Wouters (marido de Filipa, sommelier e presidente da ASI – Association de la Sommellerie Internationale), sendo que o ‘Nossa Missão Baga Pre-Phylloxera tinto 2016’ não só obteve 95 pontos como foi catapultado para o ‘Top 100 Wine Discoveries 2020’.

O ‘Nossa Missão Baga Pre-Phylloxera tinto 2016’ foi, assim, um dos cem vinhos considerados como grandes descobertas de 2020. Um (DOC) Bairrada entre três vinhos portugueses – ao Bairrada juntam-se dois Douro, um DOC do enólogo Márcio Lopes e um Vinho do Porto com assinatura da Kopke – e 30 mil rótulos das mais variadas e melhores regiões vínicas do mundo, num total de dezoito países. Os três foram distinguidos na categoria de Age-Worthy, que distingue rótulos em que vale a pena investir para guardar, o que significa que têm um futuro risonho pela frente.

O ‘Nossa Missão Baga Pre-Phylloxera tinto 2016’ é um vinho muito exclusivo, tendo sido produzidas apenas 490 garrafas de 750ml (€150,00) e 76 garrafas magnum. Como o nome indica, é um 100% Baga, com origem numa vinha pré-filoxera com 130 anos, plantada em solos calcários. Um vinho com estágio de 18 meses em apenas uma barrica usada de carvalho austríaco. Com pouco 12,7% de álcool, é um tinto elegante e mais suave que o da colheita anterior. Acrescenta profundidade de boca ao já referido ‘Nossa Calcário’ e ganha dimensão com o tempo, no copo e, sem dúvida, na garrafa – com grande potencial de envelhecimento. Um vinho brilhante que mostrará todo o seu esplendor e imponência com sete a nove anos de guarda.

“Um reconhecimento que nos deixa muito orgulhosos, porque sempre que um vinho ou produtor é reconhecido internacionalmente – ou no mercado nacional – é a Bairrada que deixa a sua marca (e território).”, afirma Pedro Soares, Presidente da Comissão Vitivinícola da Bairrada.

PSP suspende gozo de férias para aumentar capacidade operacional

A PSP suspendeu o gozo de férias dos polícias e pondera chamar os operacionais em pré-aposentação para aumentar a capacidade operacional da ação fiscalizadora das medidas do estado de emergência, devido à covid-19.

Em comunicado hoje divulgado, a direção nacional da Polícia de Segurança Pública refere que "suspendeu o plano de formação policial e o gozo de férias, tendo criado equipas policiais exclusivamente dedicadas à fiscalização" das medidas do estado de emergência, tendo ainda requisitado os elementos da Polícia Municipal do Porto.

Um despacho do diretor nacional da PSP, da semana passada, decidiu dar prioridade "à ação fiscalizadora do cumprimento das restrições impostas" pelo estado de emergência relativamente a outras ocorrências policiais que não coloquem em risco a integridade física ou a vida das pessoas e que sejam utilizadas "todas as valências" da polícia.

Nesta fase de grave crise pandémica, e para reforçar a visibilidade policial, foi igualmente decidido colocar na atividade operacional os polícias que estão a exercer funções nos serviços administrativos nas equipas de fiscalização.

Dados que constam do comunicado indicam que, no fim de semana, foram detidas 16 pessoas, das quais dez por desobediência ao dever geral de recolhimento, cinco por desobediência à venda e consumo de bebidas alcoólicas na via pública e uma detenção por desobediência ao confinamento obrigatório por infeção.

Foram aplicadas 406 contraordenações, destacando-se 97 por falta de uso de máscara, 70 por incumprimento do dever de recolhimento, 49 por incumprimento do distanciamento físico e 37 por consumo de álcool na via pública.

No fim de semana a PSP realizou 621 operações/ações de fiscalização a mais de 4200 veículos, 3.032 pessoas na via pública e 224 estabelecimentos.

A polícia lembra que os cidadãos em incumprimento podem ser multados em valores que vão dos 200 aos mil euros, apelando para que as pessoas que se desloquem na via pública tenham em seu poder comprovativos que atestem o motivo e demonstrem cabalmente o caráter excecional da deslocação.

Lusa

Dez cadáveres de recém-nascidos retirados de contentores do lixo e valas em Luanda


O Serviço de Proteção Civil e Bombeiros de Luanda está preocupado com o número de recém-nascidos abandonados em contentores de lixo, contabilizando já 10 casos de dezembro até hoje. 

Segundo o porta-voz da instituição, Faustino Miguêns, no último fim de semana, os bombeiros foram chamados a realizar duas remoções de cadáveres de recém-nascidos em contentores de lixo, no município de Luanda, nos distritos do Sambizanga e Maianga.

Faustino Miguêns, que falava à Televisão Pública de Angola, disse que a situação "preocupa e choca" a sociedade angolana.

Fizemos a estatística dos últimos 60 dias, falando praticamente desde dezembro de 2020 até à data presente, nós, sem medo de errar, estamos a falar de 10 remoções de cadáveres de recém-nascidos, quer em contentores de lixo quer em valas de drenagem", referiu.

No último fim de semana, foram realizadas 74 atividades diversas, entre as quais 46 ações preventivas, sendo 23 de sensibilização à população e igual número de atividades de inspeção e reinspecção e vistorias.

No capítulo das ocorrências registou-se um total de 10, sendo seis incêndios, duas remoções de cadáveres, o desencarceramento de uma vítima de acidente de viação e a neutralização de um derrame de combustível na via pública.

Lusa

Viagens de residentes caem 84,8% para fora e 18,5% em Portugal no 3.º trimestre

 As viagens turísticas de residentes em Portugal diminuíram 84,8% com destino ao estrangeiro e 18,5% em território nacional, no terceiro trimestre de 2020, em termos homólogos, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística.

Segundo as estatísticas da Procura Turística dos Residentes, no período em análise, "as viagens em território nacional concentraram 97,5% das deslocações (6,2 milhões), revelando um decréscimo de 18,5%", enquanto "as viagens com destino ao estrangeiro diminuíram 84,8%, totalizando 161,9 mil, correspondendo a 2,5% no total (0,6% no segundo trimestre de 2020)", divulgou o INE.

Nos meses de julho, agosto e setembro do ano passado, os residentes em Portugal realizaram 6,4 milhões de viagens, o que correspondeu a um decréscimo de 26,7%, depois de terem diminuído 64,9% no trimestre anterior.

Assim, no período em análise, 32,8% da população residente realizou pelo menos uma deslocação turística, o que representa uma descida de 9,5 pontos percentuais.

"O impacto da pandemia de covid-19 continuou a fazer-se sentir no número de viagens realizadas, no entanto com menos expressão que nos meses anteriores", observou o INE, referindo que, no terceiro trimestre de 2020, os decréscimos registados foram de 30,8%, 23,5% e 27,9%, respetivamente (-89,2%, -60,5% e -43,2%, pela mesma ordem, nos meses de abril, maio e junho).

O "lazer, recreio ou férias" continuou a ser a principal motivação para viajar (4,4 milhões de viagens, -22,5%), tendo a sua representatividade aumentado 3,8 pontos percentuais (70% do total, face a 66,2% no mesmo trimestre do ano anterior).

Já as visitas a familiares ou amigos foi o motivo apresentado para 1,6 milhões de viagens (24,4% do total, -2,2 pontos percentuais), registando um decréscimo de 32,6%.

As 171,6 mil viagens por motivos "profissionais ou de negócios" têm uma queda de 50,7% e representando 2,7% do total das viagens realizadas.

De acordo com os dados do INE, no terceiro trimestre de 2020, o recurso à internet para a marcação de viagens registou um ligeiro reforço na sua expressão, tendo sido utilizada no processo de organização de 24,7% das deslocações, em 60,5% das viagens para o estrangeiro e 23,8% das viagens domésticas.

Nas deslocações realizadas no período em análise, o peso relativo das dormidas em "hotéis e similares" diminuiu 2,4 pontos percentuais, para 25% do total, enquanto o alojamento particular gratuito manteve-se como a principal opção de alojamento (61% das dormidas).

Registou-se ainda uma média de 8,41 dormidas nas viagens de cada turista residente, evidenciando uma subida de 7,8% face ao mesmo período do ano anterior (7,80 dormidas no trimestre homólogo).

Também a proporção de turistas no conjunto da população diminuiu significativamente: naquele trimestre, tal como no trimestre anterior, todos os meses registaram decréscimos homólogos em termos da percentagem de residentes que viajaram (-5,9, -5,7 e -4,2 pontos percentuais, nos meses de julho, agosto e setembro, respetivamente).

Lusa

Dadores: Afluência supera capacidade para dádivas de sangue em Penafiel

O Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) apelou e os portugueses deram resposta positiva e deslocaram-se massivamente aos postos de recolha, para ajudar a repor as reservas de sangue no país, que estavam prestes a esgotar-se.

No Porto, em Lisboa e em Coimbra triplicaram os dadores inscritos e houve até quem esperasse várias horas para poder doar sangue. Este mesmo cenário foi registado em Penafiel, nos últimos dias, onde se realizaram duas recolhas no espaço de três dias - na sexta-feira no Pavilhão Fernanda Ribeiro, na cidade de Penafiel e este domingo no Pavilhão Desportivo de Galegos.

Também nestas duas recolhas a adesão foi massiva e houve mesmo quem fosse embora sem contribuir, visto o posto de recolha ter atingido a sua capacidade de atendimento, aumentada em 20% depois do apelo.

"Calculamos uma média, em conformidade com as colheitas anteriores e a essa média acrescentamos 20%. O que acresce é com base no apelo feito pelo Instituto", explicou ao JN Domingos Moreira, delegado local e responsável pela organização de colheitas na cidade de Penafiel e nas freguesias de Galegos e Abragão, dando nota de que em Penafiel estavam previstas 216 colheitas e em Galegos 180.

Segundo este responsável, o facto de não se poder atender todas as pessoas que se deslocam aos locais, prende-se com os recursos humanos e materiais disponibilizados para a iniciativa, mas também com as normas a que estão obrigados a cumprir em pandemia, em prol da segurança dos dadores. "Estamos a cumprir regras, respeitando as normas de segurança e com os meios humanos possíveis para esta recolha", declarou, salientando a sua preocupação com as pessoas que na manhã deste domingo se deslocaram a Galegos e não puderam contribuir com a sua dádiva. "Vamos propor que se façam colheitas extra para que os dadores possam ser todos atendidos", garantiu.

Foi a primeira vez que isto aconteceu

Na recolha da manhã deste domingo, em Galegos, foram realizadas 180 colheitas, mas houve quem tivesse ido embora sem cumprir o objetivo para o qual ali se tinha deslocado.

Patrícia Gomes e José Sousa são de Penafiel e regularmente dão sangue. "Foi a primeira vez que isto aconteceu, chegarmos aqui e ter tanta gente que não podermos dar sangue", afirmam, acrescentando que, depois do apelo feito pelo Instituto, "deviam estar preparados". "Pediram e as pessoas aderiram e não estão preparados", lamentou José Sousa.

Também Catarina Marinho é dadora regular. Este domingo veio de Amarante até Penafiel, mas foi embora sem cumprir a sua 11.ª dádiva. "Já me aconteceu ter filas, mas nunca me aconteceu não conseguir", relatou, lamentando que apesar do apelo, "partilhado por imensa gente", as pessoas se confrontarem com falta de vaga.

Márcia Ribeiro, de Penafiel e Lucinda Venâncio, do Marco de Canaveses, vieram pela primeira vez dar sangue e também elas não conseguiram. "Viemos por causa do apelo, como estavam a acabar as reservas, decidimos vir fazê-lo e não o fizemos", relataram.

Fonte:https://www.jn.pt/local/noticias/porto/penafiel/afluencia-supera-capacidade-para-dadivas-de-sangue-em-penafiel-13270445.html



Morreu Cardoso e Cunha, primeiro comissário europeu português e comissário da Expo 98

Tinha 87 anos. Foi também presidente da TAP e ministro da Agricultura.

O primeiro comissário europeu português, António Cardoso e Cunha, morreu no domingo com 87 anos, disse à agência Lusa um seu antigo assessor e uma fonte do PSD.

Engenheiro químico de formação e militante do PSD, Cardoso e Cunha foi deputado, ministro da Agricultura e Pescas de Governos da AD liderados por Sá Carneiro e presidente da TAP.

Em 1986, após a adesão de Portugal à então Comunidade Económica Europeia (CEE), foi nomeado comissário europeu, cargo que ocupou até 1993.

No final da década de 1990, foi nomeado comissário da Expo'98 e em seguida presidente do Conselho de Administração da TAP, tendo saído do cargo em 2004 para dar lugar a Fernando Pinto.

Lusa

Imagem: Sic Notícias 

Cantanhede | Helena Teodósio enaltece os intervenientes nas eleições presidenciais no concelho de Cantanhede

As Eleições Presidenciais decorreram no concelho Cantanhede sem qualquer sobressalto e a presidente da Câmara Municipal faz questão de enaltecer “a atitude cívica dos munícipes perante as exigências que foi necessário cumprir devido à pandemia de Covid-19. E mesmo se as circunstâncias muito difíceis que o país está a viver chegaram a motivar alguma apreensão em alguns setores, sempre confiei que as pessoas respeitariam integralmente as regras instituídas, como efetivamente veio a acontecer no nosso município”, sublinha.

Helena Teodósio considera que “o modo como o processo foi organizado contribuiu muito para isso, sobretudo pelo extremo rigor e cuidado com que os serviços camarários e as juntas de freguesia preparam toda a logística, desta vez com as precauções impostas pela necessidade de se acautelar a segurança dos eleitores”. A autarca agradece a todas as pessoas e entidades “que ajudaram a criar condições irrepreensíveis para que o ato tivesse decorrido exemplarmente, nomeadamente aos funcionários da Câmara Municipal, aos presidentes de Junta de Freguesia, à GNR e às equipas das mesas de voto, que desta vez tiveram que se sujeitar ao desconforto de um dia inteiro com máscara, para além do trabalho inerente à implementação das medidas tendentes a garantir a segurança sanitária nos termos estabelecidos. De resto”, adianta Helena Teodósio, todos os elementos dessas equipas foram sujeitos a testagem epidemiológica antes do ato eleitoral e foi prevista nova testagem no final”.

A líder do executivo camarário cantanhedense considera que, “apesar de as filas não se terem alongado como seria expetável nas circunstâncias atuais, teria sido útil mais votos antecipados, até porque a Câmara Municipal preparou atempadamente todos os mecanismos para isso”, e lembra a propósito que no “concelho de Cantanhede votaram antecipadamente 453 dos 496 inscritos, dos quais 54 doentes do Hospital Rovisco Pais e 27 em confinamento”.

Para Helena Teodósio “as eleições presidenciais demonstraram que a nossa comunidade já interiorizou o que é necessário fazer para vencer o combate á Covid-19 e está motivada para evitar os comportamentos de risco, o que é particularmente importante nesta fase em que o país está confrontado com um crescente aumento de casos positivos e os hospitais estão na eminência de rutura”, e apela para que “as autoridades de saúde acelerem rapidamente o processo de vacinação, de a inverter-se de uma vez por todas a evolução desta tragédia que se abateu sobre o mundo”.

Ansião avança com sistema de informação cadastral


O Município de Ansião vai integrar um projeto de ordenamento do território, de identificação e caracterização das propriedades do concelho. 

Resultante dum acordo de colaboração entre o Município de Ansião, o Instituto dos Registos e do Notariado, I.P., e a Estrutura de Missão para a Expansão do Sistema de Informação Cadastral Simplificada, o projeto prevê a disponibilização de uma plataforma inovadora – BUPI (Balcão Único do Prédio), agregadora de toda a informação relativa a limites e titulares de prédios rústicos e urbanos. 

Esta ferramenta visa o acesso facilitado à informação quer por parte dos munícipes, quer pelo município, possibilitando um melhor conhecimento do território, a valorização dos recursos, a identificação dos proprietários e também a prevenção de incêndios. 

Este sistema de informação cadastral simplificado contará com três balcões de atendimento, um fixo na sede de concelho e dois que funcionarão em itinerância pelas seis freguesias, aproximando este serviço da população. 

Reconhecendo a importância do projeto, a autarquia apresentou uma candidatura à Expansão do Sistema de Informação Cadastral Simplificado, aceitando o desafio de integrar um grupo piloto de oito concelhos para arranque antecipado deste projeto de âmbito nacional. 

Após reunião, no passado dia 13 de janeiro, entre os municípios agora envolvidos, a Secretária de Estado da Justiça, Anabela Pedroso, e o Secretário de Estado da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território, João Paulo Catarino encontra-se agora o município a proceder à georreferenciação das propriedades, tendo, para o efeito, afetado os recursos humanos e tecnológicos necessários. 

Viseu | Piaget solidário oferece livros para minorar efeitos do confinamento

O Instituto Piaget de Viseu vai proceder esta semana à oferta de livros a seis instituições parceiras da região que têm utentes em confinamento, em consequência da atual pandemia de Covid-19.

 

A iniciativa tem na base a consciência da importância da leitura para a preservação e valorização da saúde mental em tempo de emergência, ajudando a mitigar os efeitos negativos de um período de maior exigência e de maior isolamento social.

 

Cada instituição receberá 25 livros, todos editados pelas Edições Piaget, e que se encontravam ao serviço do Campus de Viseu. As obras ofertadas cobrem as várias áreas do saber e do conhecimento em que as Edições Piaget se especializaram ao longo da sua existência.

 

A seleção das seis instituições de solidariedade social teve em conta a relação de proximidade mantida pelo Piaget de Viseu com a comunidade envolvente, seja por serem entidades onde os alunos fazem os seus estágios, onde os professores também colaboram ou onde antigos alunos do Instituto assumem hoje funções de direção. Em aberto está possibilidade de se dar continuidade à iniciativa nas próximas semanas, com a oferta de mais livros com a chancela Piaget.

 

As instituições contempladas nesta fase são a Santa Casa da Misericórdia de Castro Daire, a Santa Casa da Misericórdia de Vouzela, a IPSS Acredita, o Lar de Silgueiros da ASDCR, o Centro Paroquial de Nelas e o Lar Associação de Solidariedade Social de Farminhão.

 

Esta atividade do “Piaget Solidário” do Campus de Viseu segue-se a outra, também já realizada em tempo de pandemia, em conjunto com o Banco Alimentar, nomeadamente através da recolha de alimentos entre a comunidade académica. A recolha de bens será repetida em março, desta vez em parceria com a Cáritas de Viseu.

Covid-19: cientistas apresentam solução para ajudar na deteção precoce dos picos da pandemia

Um estudo internacional publicado na Scientific Reports, revista do grupo Nature, demonstrou que um novo formato de análise dos modelos matemáticos ajudaria na deteção precoce e previsão de diferentes tipos de cancro em desenvolvimento e pandemias.

Liderado por Paulo Rocha, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), e Lode Vandamme, da Universidade de Eindhoven (Holanda), o estudo fornece à comunidade científica que trabalha com este tipo de modelos matemáticos um novo formato de leitura dos dados, mais precisamente, numa escala logarítmica e linear, designada “log-lin”.

«Nós explorámos o modelo matemático mais frequentemente utilizado pela comunidade científica, um modelo proposto por Verhulst, e verificámos que, se interpretarmos os dados desta forma (“log-lin”) e não nos formatos convencionais, consegue-se obter informação que permite a deteção precoce não só dos picos de pandemias, mas também do desenvolvimento de vários tipos de cancro, embora em escalas temporais muito diferentes», explica Paulo Rocha.

O cientista da FCTUC afirma que «este artigo científico sugere à comunidade científica que trabalha com este tipo de modelos que passe a usar este formato de análise». Atendendo à situação pandémica que vivemos, este estudo pode permitir «detetar mais atempadamente quando os picos da pandemia vão surgir», salienta.

«O cancro e as pandemias são duas das principais causas de morte em todo o mundo e representam, atualmente, uma severa preocupação global. Para ambos os cenários, a deteção precoce e respetiva previsão são críticas. O nosso trabalho mostra que, em pandemias e cancros, problemas semelhantes podem ser resolvidos e sinalizados em tempo útil, usando modelos matemáticos e físicos análogos», nota o investigador, acrescentando que estes modelos «podem sinalizar, oportunamente, o aparecimento de picos epidemiológicos - atualmente importantes para a previsão do segundo e terceiro picos de COVID-19 -, além de resumir dados vitais para entidades governamentais e cidadãos».

Outro dado importante do estudo é o facto de o modelo de análise proposto por este grupo de cientistas revelar que o «movimento browniano explica as regras de comportamento numa pandemia e enfatiza a importância do confinamento, distanciamento social, máscaras, protetores faciais e ar condicionado».

Os resultados apresentados no artigo publicado, segundo os autores, definem um novo marco científico, «uma vez que a nossa investigação matemática entre cancros e pandemias revela uma correlação multifatorial entre ambas as fragilidades e ajuda a compreender, prever em tempo oportuno e, em última análise, diminuir o obstáculo socioeconómico de doenças oncológicas e pandemias».

Esta investigação matemática possui um amplo e importante impacto científico com relevância técnica e constitui uma relevante contribuição, tanto para a comunidade científica como também para a população em geral.

O artigo, intitulado “Similarities between pandemics and cancer in growth and risk model”, está disponível em https://www.nature.com/articles/s41598-020-79458-w.

Cristina Pinto

Évora | Covid -19 – Escolas de Acolhimento e Respostas Sociais


Face à evolução da situação epidemiológica em Portugal, onde o concelho de Évora não é exceção, foi necessário proceder, nos últimos dias, à ativação de vários mecanismos de resposta ao nível do apoio para os profissionais cuja mobilização ou prontidão para o combate à pandemia Covid-19 impossibilite que prestem assistência aos filhos menores de 12 anos.

À semelhança do que ocorreu em março de 2020, estão agora novamente definidos os estabelecimentos de ensino, creches, creches familiares ou amas que promovam o acolhimento dos filhos ou outros dependentes a cargo dos trabalhadores cuja mobilização ou prontidão para o serviço obste a que prestem assistência aos mesmos

Assim, no concelho de Évora, ficou estabelecido que a Escola Básica André de Resende será a escola de referência, acolhendo as crianças provenientes dos quatro agrupamentos de escolas, e que as seguintes creches, pré-escolar, mais uma ama, estarão igualmente em funcionamento: Jardim Infantil Nossa Senhora da Piedade; Fundação Alentejo; CSP S. Brás – Equipamento S. Paulo; Cáritas Diocesana de Évora e CSP S. Brás – Equipamento S. João de Deus.

Águas do Centro Litoral alarga rede de saneamento em Mira

A Águas do Centro Litoral (AdCL) anunciou hoje que vai alargar a rede de saneamento no município de Mira, com a execução de uma empreitada orçada em 1,5 milhões de euros.

Em comunicado, a empresa refere que lançou esta semana um concurso público internacional para a execução da empreitada, que consiste na construção de duas estações elevatórias (em Seixo e em Cabeças Verdes), de 2.050 metros de emissário gravítico e de 5.530 metros de conduta elevatória.

Esta empreitada é mais uma medida que procura contribuir para solucionar o problema de saneamento no concelho, e vem, assim, promover o alargamento do Sistema Multimunicipal de Abastecimento de Água e de Saneamento do Centro Litoral de Portugal”, explica.

Todo o município de Mira ficará servido “na vertente de águas residuais em ‘alta’”, acrescenta.

Segundo a empresa, estas obras visam a “expansão do sistema de drenagem de águas residuais em Mira Norte, com a ligação a novos pontos de entrega do município de Mira ao intercetor Sul da AdCL, conciliado com a Águas do Baixo Mondego e Gândara (empresa responsável pelos investimentos na rede em ‘baixa’)”.

“Este investimento irá fazer a recolha e transporte dos efluentes produzidos nas freguesias de Carapelhos e Seixo e parte da de Mira, no lugar de Cabeço, abrangendo uma população total no ano horizonte de projeto de três mil habitantes”, explica.

A AdCL garante que, juntamente com todas as entidades envolvidas, estão a ser desenvolvidos esforços para “minimizar eventuais impactos negativos para o ambiente e para as populações, designadamente reduzir ao máximo a descarga de excedentes e controlar as descargas no meio hídrico nos períodos de sobrecarga do sistema”.

Lusa

MUNICÍPIO DE SILVES E CPCJ PROMOVEM FORMAÇÃO SOBRE “PROMOÇÃO DE COMPETÊNCIAS PARENTAIS PARA FILHOS COM PERTURBAÇÕES AFETIVO-COMPORTAMENTAIS”

A Câmara Municipal de Silves em parceria com a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Silves promove nos meses de fevereiro e março de 2021 uma formação sobre “Promoção de Competências Parentais para Filhos com Perturbações Afetivo-comportamentais”. A formação irá decorrer em e-learning, e será dinamizada por Marta Vidal Paula, formadora do Projeto Educarte.

 

Destinada a Profissionais com formação superior (ou finalistas) nas áreas da Educação, Serviço Social, Psicologia ou Saúde; e tem como objetivo desenvolver metodologias de intervenção com pais de crianças com problemas afetivo-comportamentais, de forma a promover a sua adaptação e desenvolver estratégias de facilitação do processo de crescimento e ajustamento da criança. Pretende-se que os formandos possam ser capazes de identificar as etapas do processo de adaptação dos pais ao diagnóstico de perturbação dos filhos; descrever a dinâmica da criação, manutenção e modificação da auto e hetero-imagem da criança; definir medidas de promoção da responsividade e da exigência parental e valorizar o papel dos pais enquanto modelos dos filhos, investindo na sua edificação.

 

Os interessados em participar deverão fazer a sua inscrição (ou solicitar mais informações) junto do Sector de Psicologia da autarquia (psicologia@cm-silves.pt ), sendo que a participação terá um custo de 60,00€ (pagamento efetuado diretamente à entidade formadora, através do IBAN – PT50 0007 0020 0021 3570 0033 4, em nome de Marta Vidal Paula). Os documentos a entregar no ato de inscrição são os seguintes: Ficha de inscrição, cópia do cartão de cidadão, cópia do certificado de habilitações ou cartão de estudante (se for o caso) e comprovativo de pagamento.

 

A formação terá no mínimo 6 formandos e no máximo 25, a mesma confere um Certificado com equivalência ao nível VII da Pós-Graduação em Intervenção Familiar e Promoção de Competências Parentais ou um Certificado de Frequência se não for realizada a avaliação.

 

Sessões:

» 5 sessões assíncronas: através do moodle da Educarte (os acessos serão fornecidos uma semana antes da primeira sessão síncrona);

» 5 sessões síncronas: videoconferências para esclarecimento de dúvidas e estudos de caso (via Zoom), com duração de 1h;

- As sessões síncronas (videoconferências) serão: aos sábados (20 e 27 de fevereiro e 6, 13 e 20 de março de 2021) - das 10h às 11h

- O acesso à 1ª sessão assíncrona (aulas no moodle) será uma semana antes da 1ª sessão síncrona: 13 de fevereiro.

 

O telefone 282 440 800 (ext.: 2631) e o endereço de correio eletrónico psicologia@cm-silves.pt são os contactos da CMS disponíveis para o fornecimento de informações adicionais sobre a atividade.

 

25 DE JANEIRO — dia do Apóstolo das Gentes e da cidade de São Paulo

 

Pátio do Colégio, centro histórico marco da fundação da cidade de São Paulo.

Em memória dessas duas importantes efemérides segue um trecho escolhido de um discurso do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, publicado em “O Legionário” (21-7-1935).

“Excelentíssimo Senhor Prefeito Municipal [n.r.: Fábio da Silva Prado]

Incumbiu-me a mocidade que aqui se congrega, de homenagear, na pessoa de V. Exa., a gloriosa capital paulista.

Nada de mais grato para nossos corações do que celebrar, na festiva data de hoje, a grandeza e a glória da nossa Pauliceia, tão digna de todas as homenagens, pela sólida catolicidade que a distingue e pelo valor de sua atuação na vida nacional.

Consagrando ao Apóstolo das Gentes a cidade que acabava de fundar, Anchieta implorou e obteve, para a raça que dela brotasse, o idealismo abrasador, a energia inexaurível, a combatividade invencível, a audácia viril e realizadora que Paulo de Tarso soube pôr a serviço da maior das causas, a causa de Cristo e da sua Igreja. […]

Não é apenas no idealismo candente e no vigor da ação, que os filhos desta cidade se têm mostrado dignos do Patrono que lhes deu Anchieta. É também pela universalidade de sua ação.

São Paulo, o Apóstolo das Gentes, não concebia limites para a sua doutrinação. O mundo inteiro era pequeno para a grandeza de seu ardor apostólico.

Assim também a ação vigorosa e fecunda dos paulistanos se destaca pela sua universalidade. Nem a distância dos lugares, nem a dificuldade das comunicações foram diques capazes de conter a ação da gente bandeirante, que se tem derramado em influxos benéficos sobre o Brasil inteiro. E desde as bandeiras até à reconstitucionalização do País, todos os episódios de nossa história têm sido um transbordamento do coração e da energia de São Paulo, para além de nossas fronteiras em benefício de nosso grande Brasil. […]

São Paulo não é grande por ser rica. Mas São Paulo é rica, porque o paulista é grande. Nossa riqueza foi arrancada ao solo virgem de nossa terra depois de uma luta titânica contra a natureza bravia. Nossa capital não se construiu em fértil e luminosa planície, embelezada por todas as graças da natureza. Foi edificada em terreno montanhoso e sob um céu cheio de brumas, em que tudo no ambiente nos lembra, constantemente, a vocação do paulista; porque as brumas nos dizem lutar e o solo acidentado nos brada subir.

Se nosso Estado é próspero e nossa capital é bela, não o devemos nós, portanto, senão à mercê de Deus e à fibra de nossa gente. Porque foram sempre a mercê de Deus e o valor de nossa fibra a maior riqueza com que contamos”.

ABIM