quarta-feira, 21 de julho de 2021

Portugal já administrou 10 milhões de doses de vacinas

 85% da população com mais de 50 anos já tem a vacinação completa.

Portugal Continental ultrapassou a marca 10 milhões de doses de vacinas contra a COVID-19 administradas à população, das quais cerca de 6 milhões correspondem a primeiras doses e cerca de 4 milhões a pessoas com o esquema vacinal completo.

Neste momento, cerca de 95% da população com mais de 50 anos residente no continente já tem uma dose da vacina administrada e 85% tem a vacinação completa. Importa ainda salientar que, da população adulta residente no continente, 74% já tem uma dose da vacina e 55% tem o esquema vacinal completo.

O Secretário de Estado da Saúde, Diogo Serras Lopes, sublinha o esforço conjunto que tem sido desenvolvido para se conseguir atingir esta meta: “Agradecemos a todos os envolvidos neste processo de vacinação – profissionais de saúde, entidades da saúde, das forças armadas, das forças de segurança, e poder local, entre tantos outros – o enorme espírito de compromisso e de diálogo que tem sido demonstrado para que o nosso objetivo principal, traçado desde o início, continue a ser atingido: que cada vacina, entregue em Portugal, chegue, o mais depressa possível, às pessoas”.

15 de julho de 2021

Covid-19 | Plano de vacinação

 Ministra da Saúde visitou três Centros de Vacinação na região de Lisboa e Vale do Tejo.

A Ministra da Saúde, Marta Temido, acompanhada pelo Coordenador Nacional da Task-Force, Vice-Almirante Gouveia e Melo, e pela Vice- Presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), Laura Silveira, visitou hoje três Centros de Vacinação inteirando-se sobre o andamento do plano de vacinacção contra a covid-19 no terreno.

Para a Ministra da Saúde os portugueses têm aderido em força à vacinação como principal método de defesa contra a Covid-19 e que a vacinação deve ser a primeira medida para combater a infeção pelo vírus.

“As pessoas continuam a aderir em força. Sabemos que muitas vez não foram as melhores condições que conseguimos disponibilizar mas a população tem aderido em força”, observou Marta Temido no centro de vacinação em Carnaxide depois de uma visita onde foram explicados todos os procedimentos.

Segundo os números avançados pela Ministra da Saúde Portugal está a administrar 120 mil doses diariamente, tendo este valor diário contribuído para os dez milhões de doses já administradas. “Desde o início de junho que apostamos na inoculação como arma de combate à pandemia. Em julho conseguimos uma grande quantidade de vacinas, muito superior aos meses anteriores”, disse a ministra.

A visita, guiada pelo Coordenador da Task Force, que teve início no Centro de Vacinação de Carnaxide, seguiu para o Centro de Vacinação de Mem Martins instalado no Complexo Desportivo Municipal de Ouressa, no concelho de Sintra. O Presidente da Câmara de Oeiras, Isaltino Morais, acompanhou ambas as visitas.

A tarde terminou com uma visita ao Centro de Vacinação de Alcabideche, à qual se juntou o Presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras.

Controlar a pandemia de Covid-19

Há 90 concelhos em risco elevado ou muito elevado.

O Conselho de Ministros esteve reunido esta quinta-feira para atualizar as medidas relativas à pandemia de Covid-19. Com 90 concelhos em risco elevado ou muito elevado, passou a ser obrigatória a apresentação de teste negativo ou certificado para entrar em restaurantes e vigora o recolher obrigatório a partir das 23 horas nestes concelhos.

Apesar do número de novos casos continuar a aumentar, a Ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, salientou que o número de testes realizados cresceu 28% em relação à semana passada e garantiu que o Serviço Nacional de Saúde não está em risco.

Mariana Vieira da Silva destacou, ainda, o ritmo de vacinação “muitíssimo elevado” e garantiu que “todos os esforços têm sido utilizados para que país faça utilização plena das vacinas que recebe”.

O Governo também anunciou hoje que foi aprovado o decreto-lei que permite a venda de autotestes em supermercados.

Os concelhos que estão em risco muito elevado de incidência da Covid-19 ficam sujeitos às seguintes regras:

  • Teletrabalho obrigatório quando as funções o permitam
  • Restaurantes, cafés e pastelarias até às 22h30 (no interior, com um máximo de 4 pessoas por grupo; em esplanada, 6 pessoas por grupo) Espetáculos culturais até às 22h30
  • Casamentos e batizados com 25% da lotação
  • Ginásios sem aulas de grupo; Modalidades desportivas de baixo e médio risco
  • Comércio a retalho durante a semana: até às 21h; Ao fim-de-semana e feriados:retalho alimentar até às 19h e não-alimentar até às 15h30
  • Limitação da circulação na via pública a partir das 23h nos concelhos de risco elevado e muito elevado

Para saber mais, consulte:

Controlar a pandemia – Conselho de Ministros 15 de julho de 2021

Decreto-Lei n.º 60-A/2021
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Admite a disponibilização de testes rápidos de antigénio na modalidade de autoteste em supermercados e hipermercados

Testes rápidos de antigénio comparticipados

 

Atualizada lista de farmácias e laboratórios que disponibilizam os testes.

Foi hoje atualizada a listagem de farmácias de oficina e laboratórios de patologia clínica ou análises clínicas que, desde o dia 1 de julho, aderiram à disponibilização de testes rápidos de antigénio (TRAg) comparticipados pelo Serviço Nacional de Saúde, disponível em https://www.sns.gov.pt/testes-covid-19/

https://www.infarmed.pt/web/infarmed/lista-de-farmacias-de-oficina-que-realizam-testes-rapidos-antigenio-trag-de-uso-profissional.

À data, os TRAg de uso profissional comparticipados podem ser realizados em 218 farmácias e 87 laboratórios aderentes, uma lista dinâmica, que se encontra em expansão à medida que mais estabelecimentos mostram disponibilidade para esta prestação, para a qual é requisito a inscrição na Entidade Reguladora da Saúde.

O pagamento destes testes às farmácias e laboratórios processa-se com base nas regras definidas para a comparticipação de medicamentos ou meios complementares de diagnóstico e terapêutica, com as necessárias adaptações. A SPMS – Serviços Partilhados do Ministério da Saúde já concluiu o desenvolvimento de uma solução tecnológica de suporte ao sistema de monitorização e controlo e está agora em curso a adaptação pelas farmácias e laboratórios dos seus softwares de dispensa. Até lá, vigora uma norma transitória que prevê que a comparticipação dos testes é realizada, desde que a farmácia ou o laboratório estejam registados no SINAVElab.

14 de julho de 202

Antecipação 2.ª dose da AstraZeneca

Segunda dose da vacina AstraZeneca não necessita de marcação.

As pessoas que não receberam a segunda dose da vacina da AstraZeneca não necessitam de marcação para a segunda toma, bastando que se dirijam ao respetivo centro no horário específico para esta modalidade de vacinação.

De acordo com um comunicado da Task Force, os utentes que se encontram nesta situação, e que não tenham ainda sido contactados pelos serviços de saúde, podem-se dirigir “proativamente ao mesmo Centro de Vacinação Covid-19 (CVC) onde tomaram a primeira dose” para receber a segunda toma.

Recorde-se que em junho, a Direção-Geral da Saúde (DGS) decidiu reduzir o intervalo da toma da segunda dose da vacina da Astrazeneca de 12 para oito semanas para garantir uma “mais rápida proteção” perante a transmissão de novas “variantes de preocupação” do vírus SARS-CoV-2.

Task Force avança hoje que, “por forma a acelerar a segurança de todos”, vem “reforçar esta orientação” da DGS e recordou que os horários dos centros para esta vacinação específica podem ser consultados em https://covid19.min-saude.pt/antecipacao-das-2a-doses-de-astrazeneca/

No caso do CVC apresentar uma afluência de pessoas elevada, a qual pode ser aferida através do sistema de semáforos virtuais, os utentes podem escolher ser vacinados durante o fim de semana, período “durante o qual, por norma, o tempo de espera tem sido inferior”, acrescenta o comunicado.

HFF | Hospitalização Domiciliária

 

Unidade do Hospital Fernando Fonseca já tratou 100 doentes.

Desde que foi lançada, no final de 2020, e até ao dia 15 de julho passaram pelas cinco camas «virtuais» da Unidade de Hospitalização Domiciliária (UHD) do Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca (HFF) um total de 100 doentes, com idades entre os 20 e os 99 anos.

A maioria dos doentes internados na UHD nos últimos oito meses situam-se na faixa etária entre 80 e 89 anos e as infeções do trato urinário foram a patologia associada a sensivelmente um terço dos doentes admitidos e internados em contexto de domicílio. No entanto, há um conjunto muito alargado de outras patologias, como a cardíaca ou respiratória, admitida a tratamento pela equipa multidisciplinar da unidade.

A assistência contínua, através da visita diária ao domicílio de uma equipa de profissionais de saúde, foi uma mais-valia para a saúde e bem-estar dos utentes: através deste modelo minimizaram-se possíveis infeções num contexto de pandemia e verificou-se uma redução de dias de internamento e de reinternamentos.

A prestação de cuidados de saúde de proximidade, no contexto domiciliário, e com apoio dos cuidadores da família, sobretudo nos pacientes mais idosos, aumentou o conforto dos utentes e mitigou os sentimentos de abandono e rejeição que provocam os internamentos hospitalares tradicionais.

Até ao final do ano, o HFF pretende ampliar a sua capacidade de hospitalização domiciliária para as 15 camas, oferecendo aos utentes dos concelhos da Amadora e de Sintra um serviço multidisciplinar de qualidade e rigor clínico, prestado com uma visão mais humanizada da saúde, baseada na proximidade.

Para saber mais, consulte:

HFF > Notícias

CHVNG/E duplica capacidade de resposta

 

Novo equipamento que vai permitir poupar 675 mil euros através da internalização de exames.

O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E) duplica, a partir de hoje, a sua capacidade de resposta em ressonâncias magnéticas (RM), com a entrada em funcionamento de um novo equipamento que vai permitir poupar 675 mil euros através da internalização de exames.

“A aquisição do segundo equipamento e a realização de produção adicional aos fins de semana e feriados possibilitará a realização de aproximadamente 15.000 estudos por ano internamente, que corresponderá a uma redução da atual necessidade de externalização de 64% para 9%”, explica o diretor do serviço de Imagiologia do CHVNG/E, Pedro Sousa, num comunicado hoje divulgado.

Atualmente, realizam-se no CHVNGE aproximadamente 16.500 estudos de RM por ano, dos quais 10.500 em prestadores externos.

De acordo com Pedro Sousa, o novo equipamento vem dar “uma resposta integral aos estudos da oncologia, assim como a realização de estudos mais diferenciados, nomeadamente nas áreas de neurorradiologia e cardiologia, com qualidade de imagem superior e tempos de execução menores”.

Nova técnica cirúrgica

 

CHUC realiza tratamento HIPEC em doente com carcinomatose peritoneal.

O Serviço de Cirurgia Geral do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), liderado por José Guilherme Tralhão, realizou mais um novo tratamento cirúrgico com “HIPEC”, quimioterapia intraperitoneal hipertérmica, numa doente com carcinomatose peritoneal por hepatocarcinoma.

De acordo com o CHUC, “a HIPEC pode constituir-se como um tratamento de eleição para o tratamento de diversos tumores peritoneais, permitindo aumentar a sobrevida dos doentes”.

O Serviço de Cirurgia iniciou em maio esta nova técnica num doente com diagnóstico de carcinoma gástrico com metastização peritoneal, o qual foi submetido a gastrectomia subtotal radical e peritonectomia com HIPEC.

Para saber mais, consulte:

CHUC – http://www.chuc.min-saude.pt/

Psiquiatria e saúde mental

 

Centro Hospitalar do Oeste estabeleceu dois protocolos de cooperação com o Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa.

O Centro Hospitalar do Oeste (CHOeste) estabeleceu dois protocolos de cooperação com o Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa (CHPL) que visam facilitar e agilizar o acesso dos utentes às consultas médicas e exames complementares de diagnóstico e terapêutica no âmbito da psiquiatria e saúde mental.

Nos últimos anos, devido à ausência da valência de psiquiatria na Unidade de Torres Vedras, a prestação de cuidados de saúde mental em internamento e em ambulatório à população da área geográfica desta unidade hospitalar tem vindo a ser assegurada pelo CHPL, através do Núcleo de Intervenção Comunitária de Torres Vedras (NIC – Torres Vedras). Com a alteração do estatuto jurídico do CHOeste em 2018 e a contratação de um maior número de médicos psiquiatras foi possível implementar um novo modelo de funcionamento, mais eficiente, complementar e integrado.

Neste sentido, está a decorrer a transferência progressiva da prestação de cuidados de psiquiatria e de saúde mental que tem vindo a ser assegurada pelo CHPL para o CHOeste, abrangendo a  população dos concelhos de Torres Vedras, Cadaval e Lourinhã.

Para além deste protocolo, foi também firmado um acordo que permite aos utentes do Núcleo de Intervenção Comunitária de Torres Vedras (NIC Torres Vedras) do CHPL a realização de exames complementares de diagnóstico e terapêutica das especialidades de Patologia Clínica, Imagiologia e Cardiologia na Unidade de Torres Vedras do CHOeste. 

Para o Centro Hospitalar do Oeste, a implementação destes protocolos traduz-se numa oportunidade de articulação entre os Hospitais do Serviço Nacional de Saúde, visando o aproveitamento da capacidade instalada, física e de recursos humanos, de forma a responder, oportuna e adequadamente, às necessidades em saúde dos Utentes da região Oeste, designadamente na área da psiquiatria e saúde mental.

O Centro Hospitalar do Oeste integra os hospitais de Caldas da Rainha, Torres Vedras e Peniche, tendo uma área de influência constituída pelas populações dos concelhos de Caldas da Rainha, Óbidos, Peniche, Bombarral, Torres Vedras, Cadaval e Lourinhã e de parte dos concelhos de Alcobaça e de Mafra.

Visite:

CHOeste – http://www.choeste.min-saude.pt

Atividade assistencial

 

Serviço de Cirurgia Geral do Hospital de Braga reduz lista de espera.

O Serviço de Cirurgia Geral do Hospital de Braga reduziu significativamente a lista de espera em inscritos para cirurgia. Em comunicado, o Hospital de Braga refere que em janeiro de 2020 encontravam-se cerca de 2.690 doentes em lista de espera, a grande maioria fora dos tempos máximos de resposta garantidos (TMRG), estando agora esta lista reduzida para cerca de 600 doentes.

De acordo com o mesmo comunicado, os TMRG para cirurgias de prioridade normal não oncológica é de 180 dias, estando-se a cumprir na generalidade das situações, com exceção da patologia tiroideia (com previsão de se encontrar dentro dos TMRG já em setembro) e a patologia da obesidade onde, também, se tem vindo a reduzir a lista de espera.

Relativamente às cirurgias oncológicas, o Hospital de Braga sublinha que os TMRG foram sempre cumpridos e que, nas consultas desta especialidade, a capacidade de resposta é imediata.

O hospital explica que esta realidade se tornou possível pela execução de um plano de recuperação de cirurgias implementado em julho de 2020 e que as cirurgias, além de serem realizadas no hospital, são também realizadas em outras entidades do setor privado e social.

Para saber mais, consulte:

Hospital de Braga > Notícias

APP CHUPorto

 Centro Hospitalar do Porto com novo canal de comunicação.

O Centro Hospitalar Universitário do Porto já tem disponível uma aplicação móvel – APP CHUPorto – com o objetivo melhorar a acessibilidade e o processo de comunicação com os utentes.

Com acesso a partir do telemóvel, computador ou tablet, a APP CHUPorto é de registo unipessoal e disponibiliza diversas funcionalidades, tais como consultar a agenda de exames e consultas, solicitar remarcações, receber notificações sobre marcações futuras, consultar taxas moderadoras em dívida, entre outros.

Para saber mais, consulte:

Centro Hospitalar Universitário do Porto – https://www.chporto.pt/

Doação de órgãos

 

CHUC efetua primeira colheira de rins de dador em paragem circulatória.

Foi efetuada na segunda-feira, dia 12 de julho, pela primeira vez no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), a colheita de dois rins provenientes de um dador de órgãos em paragem circulatória.

Recorde-se que a doação de órgãos em paragem circulatória foi iniciada em Portugal no final do ano de 2016, no Centro Hospitalar Universitário de São João, com extensão do programa ao Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte e Lisboa Central em 2017. O CHUC integrou esta rede no início do ano de 2020 mas a sua implementação sofreu atrasos em consequência da pandemia de Covid-19.

Trata-se de uma actividade que assenta na interação de várias equipas sendo imperiosamente um processo multidisciplinar. “Tudo começa com as equipas da medicina pré-hospitalar, da responsabilidade do INEM, que alertam as equipas de serviço no CHUC perante um caso potencialmente elegível. Após a admissão no Serviço de Urgência os casos são avaliados e validados pela equipa multidisciplinar.

Em todo o processo participam profissionais do Serviço de Urgência, Medicina Intensiva, Equipa de ECMO, Anestesiologia, Cirurgiões das equipas de colheitas de órgãos e transplantação, Serviço de Sangue e Medicina Transfusional, Serviço de Patologia Clínica e Gabinete
Coordenador de Colheitas e Transplantação” refere o médico intensivista Eduardo Sousa, Coordenador Hospitalar de Doação.

Eduardo Sousa prossegue dando nota de que há peças fundamentais na viabilização dos órgãos como “a utilização de equipamentos de oxigenação por circulação extracorporal, habitualmente utilizados no suporte de doentes que necessitam de ECMO. O CHUC dispõe desta tecnologia há alguns anos e tem equipas organizadas para dar resposta às solicitações cujo pico se verificou durante a pandemia de Covid-19.”

Eduardo Sousa refere ainda que “perante a escassez de órgãos para transplante face às necessidades, o investimento neste tipo de doação de órgãos pode constituir um acréscimo de oferta e um contributo para que mais vidas possam ser salvas”.

Para saber mais, consulte:

CHUC – http://www.chuc.min-saude.pt/

Sangue | Apelo à dádiva

 IPST apela aos portugueses para doarem sangue antes de ir de férias.

O Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) apelou hoje à população para dar sangue antes de ir férias, salientando a importância deste gesto ser realizado ao longo do ano porque são necessárias diariamente 1.000 unidades de sangue.

De acordo com declarações da Presidente do IPST, Maria Antónia Escoval, à agência Lusa “a situação neste momento está estável com as reservas características desta altura do ano” e que sentem “já a recuperação da atividade dos hospitais”.

Porém, acrescentou Maria Antónia Escoval, o apelo é para que a dádiva de sangue seja realizada de “forma faseada ao longo do ano”, porque durante todo o ano existe necessidade de sangue e componentes sanguíneos. “São necessárias cerca de 1.000 unidades de sangue todos os dias nos hospitais portugueses e, por isso, todos os dias temos necessidade de que haja doadores”, salientou a responsável.

Por outro lado, os componentes sanguíneos têm um prazo de armazenamento, nomeadamente os concentrados eritrócitários, que perdem a validade ao fim de 35 a 42 dias, e as plaquetas, ao fim de cinco a sete dias.

Neste sentido, a Presidente do ISPST sublinhou que “seria bom” que as pessoas se ausentam de férias que fizessem a sua dádiva “antes de partirem para o gozo das merecidas férias”. “Aqueles que nunca fizeram, é uma ótima oportunidade de fazer a dádiva pela primeira vez”, disse Maria Antónia Escoval, salientando que no ano passado houve cerca de 27 mil novos dadores, mais 2% do que em 2019, o que disse ter sido “muitíssimo bom para a dádiva de sangue em Portugal”.

Para reforçar as reservas de sangue e componentes sanguíneos antes deste período de férias, o IPST realiza sempre nesta altura do ano campanhas em parceria com outras entidades.

Para saber mais, consulte:



Conferência de Alto Nível da UE

 Ministra da Saúde participa no encontro sobre soluções inovadoras para sistemas de saúde resilientes.

A Ministra da Saúde participou esta sexta-feira na Conferência de Alto Nível sobre a implementação de soluções inovadoras para sistemas de saúde resilientes (High-level Conference Implementing Innovative Solutions for Resillient Health Systems), promovida pela Presidência Eslovénia do Conselho da União Europeia (UE), que agora se iniciou, e que terminará no final de 2021.

Marta Temido interveio numa mesa redonda ministerial, intitulada “The Way Forward”, onde destacou que “a alfabetização em saúde deve estar na vanguarda de nossa formulação de políticas, a fim de evitar a disseminação de desinformação, como a que experimentamos durante as fases mais difíceis da pandemia de Covid-19”.

Na sua intervenção, a governante defendeu ainda que “o investimento de longo prazo e contínuo na modernização dos sistemas de informação realmente compensa”. A título de exemplo, Marta Temido destacou que “quando a pandemia começou, Portugal já tinha um registo digital de vacinação e vigilância laboratorial que se revelaram fundamentais para ter informação quase em tempo real”.

Para saber mais:

Conferência de Alto Nível sobre a implementação de soluções inovadoras para sistemas de saúde resilientes > Programa (em inglês)

Trio de Presidências da União Europeia

 

Reunião de Ministros da Saúde de Portugal, Alemanha e Eslovénia.

A Ministra da Saúde, Marta Temido, participou hoje, dia 16 de julho, na reunião de Trio de Presidências do Conselho da União Europeia (UE) juntamente com o Ministro da Saúde Alemão, Jens Spahn e o Ministro da Saúde Esloveno, Janez Poklular, que decorreu em formato digital.

Na sua intervenção, a Ministra da Saúde aproveitou para desejar sorte e sucesso para os próximos meses da Presidência eslovena.

Dirigindo-se ao Ministro da Saúde Esloveno, afirmou que “a Eslovénia pode contar com o apoio de Portugal para fazer face aos desafios que a Europa continua a enfrentar devido à pandemia Covid-19”.

Marta Temido reforçou ainda a necessidade de continuidade dentro do Trio de Presidências, realçando que “Portugal está pronto para cooperar com a Eslovénia nos próximos meses”.

Colaboração entre INEM e GNR

 

Protocolo de cooperação cria maior sinergia em áreas prioritárias.

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e a Guarda Nacional Republicana (GNR) assinaram, a 13 de julho, um protocolo de colaboração para fomentar a partilha de conhecimentos técnicos e científicos e também de experiências profissionais.

Na cerimónia de assinatura, o Presidente do INEM, Luís Meira, salientou que o Protocolo vem “formalizar uma colaboração que em muitas áreas e há muitos anos já existe entre as duas Instituições”. Por sua vez, o Comandante-Geral da GNR, Tenente-General Rui Clero, frisou que em muitos aspetos e áreas de atividade, as duas Instituições partilham objetivos comuns que confluem para que seja possível dar a melhor resposta ao cidadão, em matéria de saúde e segurança.

De acordo com o INEM, este protocolo permitirá a criação de sinergias de trabalho e de canais de comunicação mais céleres entre o INEM e a GNR, em áreas prioritárias como: formação; apoio, assessoria técnica e clínica; desenvolvimento tecnológico e científico; relações e cooperação internacional; psicologia clínica; cedência mútua de instalações e outras áreas específicas de interesse mútuo.

O protocolo foi desenvolvido pelo Departamento de Emergência Médica do INEM e pelo Comando da Unidade de Emergência de Proteção e Socorro da GNR e a sua assinatura teve lugar a 13 de julho no Quartel da GNR – Comando Geral no Largo do Carmo, em Lisboa.

Para saber mais, consulte:

INEM > Notícias

MUNICÍPIO DE SILVES ATRIBUI APOIOS FINANCEIROS NO ÂMBITO DA REABILITAÇÃO URBANA EM SB MESSINES


A Câmara Municipal de Silves aprovou, em reunião do executivo realizada a 19 de julho, as candidaturas de apoio à reabilitação urbana para a Área de Reabilitação Urbana de São Bartolomeu de Messines, apresentadas ao abrigo do Programa de Apoio à Melhoria das Condições de Habitabilidade (PAHAB) e do Programa de Apoio às Dinâmicas Sociais e Económicas (PADSE), e que se traduzem numa comparticipação financeira na ordem dos 6840 euros.

No âmbito do PAHAB foram aprovadas três candidaturas, comparticipadas em 5040 euros, e no âmbito do PADSE foi aprovada uma candidatura, sendo a comparticipação de 1800 euros.

Na ARU de Alcantarilha não foram apresentadas candidaturas aos referidos programas de apoio à reabilitação urbana.

Uma nova fase de candidaturas aos programas de apoio à reabilitação urbana de São Bartolomeu de Messines e de Alcantarilha será novamente aberta no 1.º semestre de 2022 para o PAHAB e no 2.º semestre de 2022 para o PADSE.

Recordamos que o PAHAB tem como objetivo contribuir para a melhoria das condições de habitabilidade do edificado localizado nas Áreas de Reabilitação Urbana e, assim, reforçar a atratividade dos territórios urbanos, designadamente para fins habitacionais, invertendo o processo de abandono de que têm sido alvo. Por seu lado, o PADSE visa contribuir para a melhoria das condições de funcionalidade do edificado localizado nas Áreas de Reabilitação Urbana e, assim, revitalizar social e economicamente essas áreas, designadamente incutindo novas dinâmicas nos aglomerados em atividades de comércio, serviços, artesanato ou manufaturação, e incentivando a ação das associações, coletividades e sociedades sem fins lucrativos.

Mais informações sobre as ARU e respetivas Operações de Reabilitação Urbana poderão ser recolhidas em https://www.cm-silves.pt/pt/menu/1427/operacoes-de-reabilitacao-urbana.aspx

Armação de Pêra: LIGAÇÃO DE CONDUTAS OBRIGA A INTERRUPÇÃO DO FORNECIMENTO DE ÁGUA NA MANHÃ DO DIA 22 DE JULHO, NA TORRE INVICTA E TORRE DE S. GABRIEL


A Câmara Municipal de Silves (CMS) informa que, decorrente da necessidade de realização de trabalhos de ligação de condutas no âmbito da empreitada de “Requalificação de Arruamentos e Infraestruturas na TAT, em Armação de Pêra”, o fornecimento de água será interrompido no próximo dia 22 de julho (5.ª feira), entre as 09h00 e as 13h00, afetando a Torre Invicta e a Torre São Gabriel.

Serão tomadas todas as diligências para que os trabalhos decorram de forma célere e eficiente, pelo que a CMS agradece a melhor compreensão dos munícipes e utentes do sistema pelos transtornos causados.

Aveiro Steam City lança quatro formaçoes-piloto para apoiar a transição digital no mês de setembro

 As candidaturas estão abertas até 25 de julho.

O Observatório do Emprego de Aveiro, vai realizar, a partir do mês de setembro, uma série de programas-piloto de formação gratuita, no âmbito do projeto Aveiro STEAM City, em áreas identificadas como prioritárias para a aquisição das competências tidas como necessárias para apoiar a ambicionada transformação digital.


“Do chão de fábrica às aplicações de machine learning na indústria 4.0”, “Aprendizagem automática e análise de dados em larga escala”, “Marketing digital” e “Conceção, modelação e gestão de Processos” – são estes os quatro programas, cofinanciados pelo Programa Urban Innovative Actions (UIA), da União Europeia, destinado a criar soluções inovadoras para os desafios da sociedade em zonas urbanas nos estados-membros, que arrancam em setembro – e são de inscrição gratuita.
O que quer dizer que não têm qualquer custo para o formando, caso seja selecionado.

O público alvo destas formações experimentais é a população jovem de Aveiro, detentora de grau de ensino superior, em início de carreira.

As candidaturas estão abertas até ao próximo domingo, 25 de julho, em https://www.unave.pt/?tipologia_formacao=uia

 

O projeto Aveiro STEAM City, no qual o Observatório do Emprego de Aveiro está inserido, recorde-se, reúne a participação da Câmara Municipal de Aveiro, da Altice Labs, do Instituto de Telecomunicações (IT), da Universidade de Aveiro (UA), da Inova-Ria e da Associação para um Centro de Estudos em Desenvolvimento Sustentável (CEDES).

 

A missão do Observatório do Emprego de Aveiro é oferecer uma visão prospetiva das necessidades de qualificação de Aveiro, disponibilizando informação de forma sistemática aos cidadãos, às entidades de ensino e formação, às empresas e restantes stakeholders sobre as competências em falta, mas que o mercado de trabalho exige para a transição digital.

 

Para responder a este desafio, o Observatório do Emprego de Aveiro conduziu, desde 2019, uma série de ações de diagnóstico para a identificação das competências necessárias para a transformação digital e o estabelecimento de prioridades para a qualificação, em Aveiro.

 

Foi com base nesse diagnóstico que foram construídos e vão ser realizados, a partir de setembro, estes quatro programas piloto, que permitirão testar respostas a algumas das prioridades de qualificação identificadas.

 

Ligações importantes:

 

Candidaturas, até 25 de julho, no site da UNAVE-Associação para a Formação Profissional e Investigação da Universidade de Aveiro, em https://www.unave.pt/?tipologia_formacao=uia

 

Para saber mais sobre o Observatório do Emprego de Aveiro, ligue-se em http://observatoriodoemprego.web.ua.pt/

 

Para mais informações sobre o projeto Aveiro STEAM City: https://www.aveirotechcity.pt/pt/atividades/observatorio-do-emprego

TRANSPLANTE: Número de transplantes sobe: 369 órgãos transplantados nos primeiros seis meses do ano


No ano atípico de 2020, marcado pela pandemia de covid-19, caíram mais de 20% os órgãos colhidos para transplante.

Os transplantes subiram no primeiro semestre do ano, sobretudo os cardíacos e a pulmonares, com um total de 369 órgãos transplantados até final de Junho. São mais 54 do que no ano passado, segundo a Coordenação Nacional da Transplantação.

Os dados, revelados a propósito do Dia Nacional da Doação de Órgãos e da Transplantação, que esta terça-feira se assinala, indicam que nos primeiros seis meses deste ano houve um total de 163 dadores de órgãos (dadores falecidos e dadores vivos), mais 22 do que no período homólogo de 2020, sendo que 143 foram dadores falecidos (mais 21).

Estes números são superiores aos do ano atípico de 2020, marcado pela pandemia de covid-19, durante o qual caíram mais de 20% os órgãos colhidos para transplante. Nos primeiros seis meses deste ano foram feitos 27 transplantes cardíacos, mais 12 do que em igual período do ano passado, 201 renais (mais 33), 99 hepáticos (mais 10) e 24 pulmonares (mais cinco). Os transplantes pancreáticos baixaram relativamente ao período homólogo, com oito realizados no primeiro semestre deste ano (menos seis).

Os dados do Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) indicam igualmente que no primeiro semestre foram colhidos 424 órgãos (mais 78) e que a taxa de utilização foi de 82% (349 transplantados).

Num comunicado esta terça-feira divulgado, a GNR informou que este ano já fez 135 transportes de órgãos, empenhando 271 militares, tendo percorrido cerca de 37.342 quilómetros. No ano passado, transportou 240 órgãos. “Poder salvar uma vida humana no cumprimento deste tipo de missão é dos sentimentos mais gratificantes que os militares da GNR podem sentir, elevando o mote de uma Guarda próxima, humana e de confiança”, sublinha a corporação.

O IPST, em conjunto com a Sociedade Portuguesa de Transplantação, organiza esta terça-feira uma sessão de homenagem a todos aqueles que directa ou indirectamente estão envolvidos na doação e na transplantação de órgãos. No encontro “online” serão discutidos os principais desafios que enfrentam os hospitais na identificação e tratamento dos dadores, na organização da colheita e no transplante de órgãos, envolvendo diversos profissionais e especialidades médicas e cirúrgicas.

Os dados do IPST relativos a 2020 espelham o impacto da pandemia, com uma quebra de quase 50% no número de dadores vivos. Isso nota-se sobretudo nos transplantes de fígado (-19,2%) e do rim (-26,7%).

A transplantação cardíaca, com uma evolução anual em queda desde 2013, manteve-se em 2020 próxima de 2019, com mais quatro transplantes. Segundo os IPST, havia 34 doentes em lista de espera para transplante cardíaco no final de 2020, ano em que morreram 11 doentes.

O transplante de pulmão sofreu um ligeiro impacto. Houve menos seis pulmões transplantados em 2020, ano em que havia 64 doentes em lista de espera e em que morreram nove doentes.

O número de pares dador-receptor inscritos no programa nacional de doação renal cruzada também diminuiu. Houve um cruzamento duplo a 18 de Fevereiro e um quadruplo em 18 de Agosto, tendo sido transplantados seis doentes.

NELSON GARRIDO

Apreendidos 230 quilos de marisco e pescado diverso na Costa Nova

 

A Unidade de Controlo Costeiro, através do Subdestacamento de Controlo Costeiro de Aveiro, no dia 20 de julho, apreendeu 230 quilos de marisco e pescado diverso, com o valor estimado de 2 418 euros, no mercado municipal da Costa Nova, no concelho de Ílhavo.


No âmbito de uma ação de fiscalização destinada ao controlo do cumprimento das regras de comercialização e armazenamento de marisco e pescado, os militares da Guarda identificaram duas mulheres, de 48 e 55 anos, que armazenavam diversas espécies de marisco e de pescado para posterior comercialização, sem que pudesse ser determinada a sua proveniência.

No decorrer da ação foram elaborados dois autos de contraordenação pelo não cumprimento, em todas as fases, das obrigações respeitantes à comercialização dos produtos de pesca, quanto à sua rastreabilidade e informação sobre os lotes, cujas coimas podem ascender aos 25 000 euros.


Castelo de Paiva | Projecto estimula processos artísticos do Tâmega e Sousa


Encontro Comunitário “ ALDEAR“ vai realizar-se no Lugar de Folgoso


No próximo dia 1 de Agosto será dia da realização da iniciativa "Aldear" em Castelo de Paiva, um projecto cultural que activa as comunidades de 11 aldeias e bairros dos municípios, que estimula processos artísticos na região do Tâmega e Sousa. Será um encontro entre as identidades locais e os métodos de 15 estruturas de criação artística contemporânea oriundas de várias partes do país, sendo que, a comunidade local junta-se às equipas artísticas em residência e convida o público para uma tarde de celebração e partilha.

O "Aldear" decorrerá entre 5 de Junho e 7 de Agosto de 2021, nas tardes de fim de semana, percorrendo 11 aldeias e bairros dos municípios do Tâmega e Sousa. Serão 11 dias de programação cultural, com 33 processos artísticos, envolvendo artistas contemporâneos oriundos de várias partes do país.

"Congregar, povoar, estabelecer, reunir e usufruir são sinónimos de 'Aldear', a designação adoptada para o projeto intermunicipal a desenvolver no âmbito da operação Cultura para Todos – Tâmega e Sousa. O 'Aldear' propõe a execução de um projecto artístico integrado que se caracteriza pelo envolvimento de três equipas artísticas em cada local de actuação, dinamizando diferentes públicos-alvo e grupos dessa comunidade, com vista ao desenvolvimento de competências sociais e humanas a partir do trabalho artístico, perspectivando a execução de uma tarde de encontro comunitário, aberto ao público, capaz de valorizar o trabalho dos intervenientes e dinamizar o envolvimento amplo da comunidade do local de intervenção", explica a CIM do Tâmega e Sousa.

O programa em Castelo de Paiva arranca ás 16h30 em Folgoso, no Largo de Santa Bárbara, e junto ao Cavalete do Fôjo, com “ O Caminho das Biografias Extraordinárias de Folgoso “ e Marina Palácio com a comunidade local, sendo que ás 17h30 no Largo de Santa Bárbara esta agendada a MM.Mesa-Masseira e Heurtebise com a comunidade local.

Às 19 horas na zona envolvente ao Cavalete do Fôjo vai desenrolar-se a acção Aldeia balão e os aeronautas, seguindo-se um espectáculo de Teatro e Marionetas de Mandrágora em interacção com a comunidade local.

A entrada para este evento cultural é gratuita, e condicionada à lotação dos espaços e ás regras definidas pela DGS, sendo que, o acesso à mesa – centro cívico, efectua-se por ordem de chegada, com circulação de público em função das saídas de espectadores.

O acesso ao percurso artístico e à criação comunitária efectua-se mediante o levantamento de senha (no “infopoint”), no dia do encontro comunitário, por ordem de chegada, a partir das 16h00, podendo obter mais informações em : www.aldear.pt

Carlos Oliveira

NADADORES DA SECÇÃO DE NATAÇÃO DA SOCIEDADE COLUMBÓFILA PROMOVEU ACTIVIDADE RECREATIVA PARA ENCERRAMENTO DA ÉPOCA DESPORTIVA

Foram 30 jovens nadadores que terminaram a época desportiva de 2020/2021 com a realização de uma atividade, desenvolvida num parque aquático.

Todos os atletas que não integraram os trabalhos de preparação para os campeonatos nacionais de Infantis e Open de Portugal, tiveram oportunidade de desfrutar por um dia das instalações do Aquaparque Panorâmico na cidade de Pombal.

Foi um dia cheio de diversão e alegria que marca assim o final da época para estes nadadores.

A próxima época de 2021/2022 irá iniciar-se no dia 06 de setembro, ficando o desejo de boas e retemperadoras férias até lá!