sexta-feira, 18 de junho de 2021

Silves| GEOPALCOS TRAZ “FADO & BLUES - O CASAMENTO NA PEDREIRA” A VALE FUZEIROS, NO DIA 26 DE JUNHO


No âmbito do Geoparque Algarvensis terá lugar no próximo dia 26 de junho, pelas 21h00, na Pedreira de Grés, em Vale Fuzeiros, o evento Geopalcos “Fado & Blues – o casamento na Pedreira”. Esta iniciativa, que junta Vítor Bacalhau, Ricardo Martins e os alunos da Escola Secundária de Silves, resulta de um projeto de fusão de música identitária de dois países de lados diferentes do Oceano Atlântico, dando som às músicas que evocam o lamento da alma, com raízes profundas no povo, e cuja mistura inusitada pode gerar uma experiência, aparentemente, impossível. A entrada é livre e limitada a 70 pessoas.

Para os artistas, o Blues e o Country Americanos, tal como o Fado e a Música Tradicional Portuguesa, apesar de, aparentemente, muito distintos, são estilos com muito em comum, pelo que a procura dessas similaridades e linhas de contacto é o combustível que move este projeto. Misturando as linguagens únicas da guitarra Blues e Country e a guitarra portuguesa do Fado, é apresentado neste serão um programa musical variado sem desvirtuar a raiz de cada um dos instrumentos, aplicando acompanhamentos ancestrais que concebem a proximidade inesperada aos ouvidos mais distraídos, criando a envolvência harmoniosa perfeita entre o gemido da guitarra portuguesa e o choro da guitarra elétrica.

De referir que o Festival Geopalcos Arte.Ciência.Natureza prolonga-se até 12 de setembro e é um evento bianual que liga a arte, a ciência e a natureza com e para as pessoas, pensado a partir da colaboração e participação das populações e dinamizado pelo aspirante Geoparque Algarvensis Loulé-Silves-Albufeira, através dos municípios. O projeto surgiu de uma candidatura intermunicipal, liderada pela AMAL, juntando os 16 municípios algarvios e a Direção Regional de Cultura do Algarve, que resultou no “Bezaranha - Programação Cultural em Rede”, programa que assegura parcialmente o financiamento do Geopalcos, recorrendo ao Programa Operacional Regional do Algarve (CRESC2020).

Os telefones 282 440 800 (ext. 2722) | 282 440 850 (ext. 2745) e o endereço de correio eletrónico cultura@cm-silves.pt são os contactos do sector de cultura do Município de Silves disponíveis para o fornecimento de informação adicional sobre o evento.

Notas Biográficas:
Ricardo J. Martins, desde sempre influenciado por vários géneros musicais encontrou na Guitarra Portuguesa a forma de exprimir os seus sentimentos sonoros. Em 2018 o seu tema “Corre Corre Corridinho” venceu a categoria de “Melhor Música Instrumental” pelo IPMA (International Portuguese Music Awards). Até agora gravou três albuns: (2014) Ricardo J. Martins, (2017) Cantos e Lamentos e (2021) Escapismo.

Vítor Bacalhau é um dos nomes mais sonantes no Rock & Blues em Portugal. Começou a sua carreira na música com apenas 15 anos de idade e em 2010 muda-se para Londres, onde após inúmeras experiências se foi definindo enquanto músico e artista. Começou então a traçar o caminho que já o levou a incontáveis palcos, tanto dentro como fora do país. Conta já com quatro discos editados, aclamados pela crítica especializada e pelos seus pares.

 

Junho 2021 a maio 2022 | Entroncamento, Águeda e V. V. de Rodão recebem Programa Cultural em Rede


RAIL FEST – uma viagem pelo Património Ferroviário
O Museu Nacional Ferroviário no Entroncamento acolheu hoje, 17 de junho, a apresentação pública do projeto RAIL FEST – Programa Cultural em Rede, que decorre nos municípios do Entroncamento, Águeda e Vila Velha de Rodão em parceria com o Município de Castelo Branco e a Fundação Museu Nacional Ferroviário, entre junho de 2021 e maio de 2022, cujo mote é uma viagem pelo património ferroviário.

A região centro do país torna-se assim ponto de referência de concertos, exposições, cinema, arte urbana, entre outros espetáculos, com um programa diversificado que é uma porta aberta a novas aprendizagens e novas experiências, que inclui artistas locais e nacionais, num cruzamento de percursos de vida, de influências e de viagens.
As cidades que acolhem o RAIL FEST valorizam assim a sua identidade ligada aos caminhos de ferro e em simultâneo promovem o seu património natural, cultural e ferroviário.

Este momento contou com a presença do Presidente de Câmara Municipal do Entroncamento, Jorge Faria; do Presidente da Câmara Municipal de Vila Velha de Rodão, Luís Pereira; do Vice-Presidente da Câmara Municipal de Águeda, Edson Santos; e do Presidente da Fundação Museu Nacional Ferroviário, Manuel Cabral.

Jorge Faria refere que “O Entroncamento tem um ADN social associado à ferrovia. O Entroncamento é a cidade ferroviária, esta é a nossa marca identitária e é este património ferroviário que nos diferencia dos outros.” O autarca acrescenta ainda que “O Rail Fest centra-se na originalidade da ferrovia e nas especificidades destes concelhos, num programa cultural que promove e valoriza a história ferroviária. Este projeto convida a uma viagem pela região. Desfrutem esta viagem!”.

O Presidente da Câmara Municipal de Vila Velha de Rodão, Luís Pereira, afirma que foi “fácil aceitar este desafio, até porque há muitas afinidades entre estes concelhos. O Rail Fest incentiva as pessoas a viajarem por estes territórios através da cultura.”

Edson Santos, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Águeda, refere que “O Rail Fest já é um projeto vencedor e de dimensão nacional, financiado a 100%, que valoriza o património e apoia a cultura.”

O Presidente do Conselho de Administração da Fundação do Museu Nacional Ferroviário, Manuel Cabral, manifestou também satisfação pela associação ao projeto uma vez que “a ferrovia é a razão da existência da Fundação” e valorizou “a importância do programa cultural numa perspetiva de identidade que une património material e imaterial.”

O RAIL FEST destina-se ao público jovem-adulto e adulto com especial enfoque nas famílias residentes na região centro.

Este programa é cofinanciado pelo Programa Operacional Regional do Centro 2020, Portugal 2020, FEDER- Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

Toda a programação disponível em:

Investigadores da Universidade de Coimbra ajudam atletas a superar o stress térmico nos Jogos Olímpicos de Tóquio

Uma equipa da Universidade de Coimbra (UC), liderada pelo fisiologista Amândio Santos, está a realizar um conjunto de estudos e testes com vários atletas, de diferentes modalidades, que vão participar nos Jogos Olímpicos de Tóquio, que têm inicio a 23 de julho, fornecendo instrumentos que permitam um melhor desempenho desportivo na competição.

As maratonistas Salomé Rocha, Sara Moreira e Sara Catarina Ribeiro, os marchadores João Vieira e Ana Cabecinha, os ciclistas Nelson Oliveira e João Almeida, os remadores Pedro Fraga e Afonso Costa e o skater Gustavo Ribeiro são os atletas nacionais que estão a ser treinados num laboratório específico da Associação para o Desenvolvimento da Aerodinâmica Industrial (ADAI), da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC). Além dos nacionais, treinam na UC os atletas da Seleção Francesa de Marcha, Yohann Diniz e Kevin Campion.

A preparação é realizada numa câmara térmica onde os atletas são submetidos «às mesmas condições climáticas e aos mesmos indicadores de stress térmico (Wet Bulb Globe Temperature - WBGT) do local onde vão realizar as competições», explica Amândio Santos, coordenador da equipa.

Ao longo de vários dias, «os atletas desenvolvem ações próprias das suas modalidades e estão em constante monitorização. As condições adversas provocam respostas exageradas e muitas vezes desajustadas de todo o nosso metabolismo, fazendo com que ele diminua drasticamente a sua eficiência e altere completamente os mecanismos de termorregulação», explica.

Para se conseguir uma monitorização completa, são estudados muitos parâmetros durante os exercícios, «desde o consumo de oxigénio, avaliação da temperatura cutânea e central, perda de líquidos, concentrações de lactato sanguíneo, perda de volume plasmático, frequência cardíaca, entre muitos outros parâmetros sanguíneos», prossegue.

Na prática, os treinos desenvolvidos no laboratório da ADAI ensinam o organismo a reagir às adversidades, fornecendo estratégias para uma melhor adaptação às condições que os atletas vão encontrar em Tóquio. «Os atletas são expostos a condições climáticas extremas para as quais o nosso organismo não tem uma resposta adequada. Essa exposição permite estudar e definir um processo de aprendizagem progressivo, de forma a que a resposta seja cada vez mais eficiente e ajustada, diminuído assim o impacto destas condições extremas na performance do atleta», explica o também docente da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da UC, realçando que «a importância deste trabalho vai para além do desempenho físico do atleta, uma vez que tem uma importância determinante na salvaguarda da integridade física dos atletas».

No caso do Skate, modalidade que estreia nos Jogos Olímpicos, a equipa de Amândio Santos teve de efetuar algumas alterações no laboratório para treinar Gustavo Ribeiro. Foi necessário criar uma pista própria de treino dentro da câmara para que o atleta pudesse realizar as suas manobras de preparação. «Para além dos dados da aclimatação, foi importante testar os equipamentos mais adequados para este tipo de condições. No mais alto nível competitivo todos os pormenores são importantes», remata Amândio Santos.

Cristina Pinto

Ministro do Ambiente lança a 1.ª pedra do Açude nas Termas de S. Pedro do Sul


O Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes e a Secretária de Estado do Ambiente, Inês dos Santos Costa, vão proceder ao lançamento da 1.º pedra da obra de construção de um açude, nas Termas de S. Pedro do Sul, na segunda-feira, dia 21 de junho, pelas 10h00.


Este é um investimento de cerca de 1,3 milhão de euros, comparticipado em 75% no âmbito do Fundo Ambiental, que visa a prevenção de cheias, a melhoria do ecossistema fluvial, a proteção das linhas de água, a remoção de estruturas obsoletas e o restauro das galerias ribeirinhas criando um espelho de água mais aprazível.

A cerimónia tem início às 10h00, no Balneário Rainha D. Amélia, nas Termas.

De Coração Arrancado do Peito: a história de Pedro e Inês vista pelos olhos do escritor romeno Radu Paraschivescu


De Coração Arrancado do Peito levou para a Roménia a intensa história de amores e ódios de D. Pedro I e Inês de Castro, pelas mãos de Radu Paraschivescu, o escritor best-seller romeno que, numa visita a Coimbra, não resistiu a «um dos maiores e mais românticos casais da história da humanidade, a par de Romeu e Julieta ou de Tristão e Isolda». Agora, o autor devolve-nos esta marcante história numa narrativa poética repleta de deliciosos pormenores, exemplarmente traduzida por Corneliu Popa. De Coração Arrancado do Peito é uma edição Guerra e Paz, com o apoio do Instituto Cultural Romeno, Bucareste, e chega à rede livreira nacional no próximo dia 22 de Junho. O lançamento da obra acontece no dia 8 de Julho, no El Corte Inglés, em Lisboa.

Destruiu as relações entre as coroas portuguesa e espanhola, apartou uma família, arrancou corações e venceu a própria morte. O amor de D. Pedro I pela aia galega Inês de Castro tornou-se imortal e permanece num tempo sem tempo, lembrado, por muitos, como a mais bela história da História de Portugal e por Paraschivescu como uma das mais belas histórias da humanidade.

O escritor romeno deixou-se encantar por essa «história estranha, com apontamentos selvagens» numa ida à Fonte das Lágrimas, em Coimbra, e, levando-a consigo no regresso a casa, encantou os leitores romenos com esse «poema cruel dum mundo igual» protagonizado por dois malfadados amantes que «agora dormem o sono eterno de um lado e do outro do transepto do Mosteiro de Alcobaça». Devolve-nos agora esta história de gentes de carne e osso, que se tornou numa lenda, num «romance em que cada palavra está no seu lugar».

Neste De Coração Arrancado do Peito, o autor dá uma nova vida à velha história de uma corte portuguesa do século XIV, onde a riqueza, a luxúria, o grotesco e a intriga palaciana estavam estabelecidas e contra as quais um amor proibido atentou por amar perdidamente, «como se alguém me tivesse arrancado o coração».

Editado com o apoio do Instituto Cultural Romeno, Bucareste, De Coração Arrancado do Peito chega às livrarias de todo o país no próximo dia 22 de Junho, mas pode ser, desde já, encomendado, em pré-venda, através do site da Guerra e Paz Editores.

O lançamento da obra terá lugar no próximo dia 8 de Julho, no espaço «Âmbito Cultural» do El Corte Inglés, em Lisboa, e contará não só com a presença do autor, Radu Paraschivescu, mas também de Daniel Nicolescu, director do Instituto Cultural Romeno em Lisboa.

De Coração Arrancado do Peito

Radu Paraschivescu

Ficção / Romance

192 páginas · 15x23 · 15,5 €

Nas livrarias a 22 de Junho

16.º Aniversário do Cine-Teatro de Estarreja: Arte para todos


O Cine-Teatro de Estarreja reabriu no dia 18 de junho de 2005 com a premissa de se tornar um local de encontro, de oferta cultural diversificada, de aprendizagem, de discussão, de apoio aos eventos e artistas da comunidade, de cruzamento de propostas e formas de criação artística. Com missão de democratizar a cultura e a arte.

 

Hoje, passados 16 anos, o Cine-Teatro de Estarreja é um lugar de encontros culturais diversificados, com uma aposta contínua em projetos que criam e deixam valor na comunidade, assentes em propostas culturais que visam a qualificação e o enriquecimento dos públicos e dos artistas locais.

 

Desde o seu renascimento em 2005, o Cine-Teatro de Estarreja, gerido pela Câmara Municipal, tem conseguido desenvolver uma atividade regular, consistente e com uma crescente captação e fidelização de públicos.

 

Com um modelo de programação cultural assente em critérios de qualidade artística, profissionalismo, diversidade e regularidade, tendo sempre presentes os recursos materiais e imateriais do território, o Cine-Teatro tem vindo a consolidar e a afirmar o seu posicionamento como um projeto cultural de referência.

 

Ao longo destes 16 anos, o CTE acolheu 4244 espetáculos e atividades presenciais, aos quais se somam 105 eventos online realizados em tempo de pandemia da COVID-19, desde março de 2020, nos períodos de confinamento.

 

Em 16 anos de vida, pelo espaço cultural já passaram mais de 433 mil espectadores. E no último ano, assistiram aos eventos online quase 116 mil pessoas. Ou seja, o CTE atingiu um total de 550 mil espectadores neste percurso que se tem vindo a consolidar.

 

É revelador o interesse que os diferentes públicos-alvo têm demonstrado nesta casa da arte, concretizando-se o acesso da população à criação e fruição culturais, tornando vencedora a aposta do Município na diversidade da oferta cultural.

 

Num tempo tão conturbado como o que vivemos, é fundamental manter o foco na importância da Cultura como dimensão estruturante do desenvolvimento da comunidade e da qualidade de vida dos cidadãos, contribuindo, claramente, para a sua felicidade e bem-estar.

 

O Cine-Teatro reforça Estarreja no mapa cultural nacional, corroborando a aposta estratégica municipal que coloca a cultura ao serviço da comunidade, vendo-a como fator de criação de riqueza, de fixação da população, de coesão social e territorial, e como um motor de desenvolvimento integrado e sustentado da sociedade.

 

O 16.º Aniversário de Reabertura do CTE é celebrado este sábado à noite, com o concerto de Cuca Roseta, que regressa a Estarreja para apresentar o seu novo disco de originais, “Meu”, onde é cantautora de todos os temas. Tornando-se assim caso único na História do fado: uma artista que escreve e compõe todos os temas de um dos seus discos, demonstra também a sua extrema coragem – compensada por este notável conjunto de canções. Com 12 temas, “Meu” é o disco mais verdadeiro e pessoal de Cuca Roseta.

 

Nota histórica

Inaugurado a 12 de março de 1950, o Cine-Teatro de Estarreja foi palco durante 42 anos de grandes espetáculos de teatro e revista, bem como trouxe excelentes películas cinematográficas. Depois de, em 1992 ter encerrado portas, foi tempo de repensar o papel das próprias salas de espetáculo e eis que, a 18 de junho de 2005, dá-se a reabertura do Cine-Teatro de Estarreja e de um novo espaço cultural.

Município de Alvaiázere transforma magia em sorrisos

 

O dia 17 de junho de 2021 foi um dia especial para as crianças que frequentam o Ensino Pré-escolar e do 1.º Ciclo do Ensino Básico no Agrupamento de Escolas de Alvaiázere. No âmbito da semana das artes que a escola assinalou e da candidatura intermunicipal da Região de Leiria de Programação Cultural em Rede, os espaços escolares foram invadidos por um ambiente de mistério, curiosidade e alegria.

Os alunos do Ensino Pré-escolar assistiram a um ateliê de magia e os do 1.º CEB foram presenteados com um workshop de magia, pelo que, ao final do dia todos tinham muitas novidades para contar e truques na manga para surpreender os amigos e família. Para além disto, todos os alunos, de forma faseada, assistiram a um espetáculo de magia infantil. A boa disposição e a capacidade de surpreender os presentes caracterizaram aquele momento que ficará, com certeza marcado na memória de todos.

A magia ditou, assim, o ritmo do dia, a apelar à criatividade de pequenos e graúdos num conjunto de momentos marcados pela felicidade e pela curiosidade.