sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

Andebol/Europeu: Portugueses querem “continuar em grande” frente à vice-campeã Suécia


Resultado de imagem para Andebol/Europeu: Portugueses querem “continuar em grande” frente à vice-campeã Suécia
Os jogadores da seleção portuguesa de andebol manifestaram-se confiantes em vencer a anfitriã Suécia e "continuar em grande" no Euro2020, mas reconheceram que terão pela frente "um adversário fortíssimo" na estreia no Grupo II da ronda principal.
"Estamos preparados e confiantes. Temos vindo a fazer um grande Europeu, mas vai ser outro jogo duro, em que temos de estar muito bem, não podemos cometer alguns erros que cometemos com a Noruega. Temos grandes possibilidade de ganhar e continuar em grande neste Europeu", observou Pedro Portela.
O "descontrolo" emocional perante algumas decisões dos árbitros e erros de finalização na sua zona de ação foram algumas das causas apontadas pelo ponta direito para explicar a derrota por 34-28 com os noruegueses, no último encontro do Grupo D da ronda preliminar, disputado em Trondheim.
"Fizemos um percurso brilhante. Só temos de continuar a acreditar no que somos capazes de fazer e acho que amanhã [sexta-feira] vamos estar muito mais concentrados, não nos focaremos tanto nos árbitros, mas sim naquilo que temos de fazer", concordou Alfredo Quintana.
O guarda-redes alertou para os "bons atiradores" da Suécia, mas notou que "já está demonstrado que Portugal adapta-se bem a esse sistema de bons atiradores", assinalando que o jogo dos vice-campeões "não é tão rápido como o da Noruega".
"Estamos preparados, apesar de o último jogo não ter corrido como queríamos. Vai ser um jogo extremamente importante. Se conseguirmos ter uma defesa forte, com o guarda-redes que temos, e pararmos o contra-ataque deles podemos vencer", defendeu Alexis Borges.
O pivô, que, tal como Quintana, é natural de Cuba, não escondeu a "sensação incrível" de se estrear no torneio continental: "É o meu primeiro Europeu e estou muito orgulhoso de representar o país e continuar a fazer a história que temos feito e que acredito que não vai ficar por aqui".
Rui Silva tem a missão de "coordenar a equipa e levá-la pelo melhor caminho", defendendo que a ‘equipa das quinas' ainda tem "muito para dar" na competição, apesar de não perspetivar facilidades frente à seleção anfitriã.
"Estamos preparados e com muita vontade de ganhar, mas com a noção de que é difícil. A Suécia joga em casa e é um adversário fortíssimo", advertiu o central, que tem sido um dos jogadores em maior destaque ente os 18 convocados pelo selecionador Paulo Pereira.
Já o lateral direito Belone Moreira prefere "jogar com as melhores equipas": "A Suécia é uma grande equipa, do nível da Noruega, mas tem as suas debilidades e vamos tentar explorar isso e acredito que se estivermos no nosso máximo, poderemos vencer".
Após 14 anos de ausência, Portugal está a disputar pela sexta vez a fase final do Campeonato da Europa, no qual tem como melhor resultado o sétimo lugar alcançado em 2000, na Croácia, iniciando a participação na ronda principal na sexta-feira, frente à Suécia, em jogo com início às 20:30 (19:30 em Lisboa).
A ‘equipa das quinas' ficou integrada no Grupo II da ronda principal do Euro2002, em conjunto com Noruega, Hungria, Eslovénia (todas com dois pontos, conquistados nos jogos da primeira fase frente à outra seleção apurada), Suécia e Islândia (ambas em ‘branco').

Petição quer enfermeiros como profissão de desgaste rápido e subsídio de risco

Resultado de imagem para Petição quer enfermeiros como profissão de desgaste rápido e subsídio de risco
Mais de 2.500 pessoas assinaram a petição que defende a atribuição do estatuto de profissão de desgaste rápido aos enfermeiros, assim como de um subsídio de risco.

No texto da petição, os promotores defendem que também no dia a dia dos enfermeiros estão presentes o stress e as condições de trabalho adversas, características que são comuns a outras profissões já com subsídio de risco, como os pilotos e controladores aéreos, mineiros, pescadores, polícias, trabalhadores de `call-center` e desportistas profissionais.

"A pressão de trabalhar em contexto de emergência, urgência, cuidados intensivos, bloco operatório... onde a linha que separa a vida da morte muitas vezes não existe e o stress torna-se brutal!", lembram os autores da petição, que sublinham igualmente a pressão sentida pelos enfermeiros em contexto de cuidados primários, cuidados continuados e internamentos hospitalares.

Com a petição `online` "Enfermeiros - Pela criação de um estatuto oficial de profissão de desgaste rápido e atribuição de subsídio de risco", disponível desde quinta-feira no `site` peticaopublica.com, os promotores pretendem levar o assunto a discussão na Assembleia da República para "conseguir pressionar as entidades políticas".

Recordam que os enfermeiros desenvolvem uma atividade "cujas condições de trabalho são precárias e cuja remuneração pode e deve ser atualmente considerada baixa, podendo induzir-se assim um forte desgaste emocional".

"Somos uma profissão de grau de complexidade 3, mas presentemente o ordenado mínimo já é superior a metade do nosso vencimento mensal! Temos um horário de trabalho preenchido, trabalhando sob a forma de turnos, diurnos e noturnos com consequências além de emocionais, também elas físicas. Está comprovado desde 2016 que um em cada cinco enfermeiros se sentem em exaustão emocional", frisam.

Lembram ainda que os enfermeiros trabalham por turnos, "muitas vezes de noite para dormir de dia, sem padrão de sono regular", que são poucos para o que é exigido, que o absentismo "aumentou exponencialmente na profissão", o que obriga, muitas vezes, a "turnos consecutivos de 16 horas".

Os autores da petição recordam ainda que "os enfermeiros são os profissionais mais agredidos no setor da Saúde" e sublinham que 60,2% já foram agredidos fisicamente e 95,6% verbalmente, no seu local de trabalho, citando alguns estudos.

Pelas 08h00 de hoje, a petição já tinha sido assinada por 2.513 pessoas.

Presidente de Moçambique promete “trabalho, trabalho, trabalho” mas joga golfe em horário de expediente

Foto da Presidencia da República
Um dia após prometer “dar o exemplo de trabalho, trabalho, trabalho” Filipe Nyusi foi jogar golfe em pleno horário normal de expediente. Mas este não é o único contrassenso do discurso de investidura para o seu 2º mandato como Presidente da República de Moçambique.
Discursando após a investidura para 2º mandato Filipe Nyusi declarou que: “Como Presidente de todos os moçambicanos exorto para que a nossa agenda de mantenha a de desenvolver Moçambique e o compromissos presente de cada um de nós seja: Kazi, kazi, kazi; Nteko, nteko, nteko; Mabassa, mabassa, mabassa; Nrito, ntiro, ntiro”.
“Eu, cidadão Filipe Jacinto Nyusi, vosso Presidente, sou o primeiro a prometer e a dar o exemplo de trabalho, trabalho, trabalho!” prometeu ainda na Praça da independência nesta quarta-feira (15).
No entanto nesta quinta-feira (16), num país sem Governo e sem planos concretos de desenvolvimento aprovados, o Presidente Nyusi foi jogar golfe em pleno horário normal de expediente. Pior arrastou consigo outros funcionários públicos, a juíza presidente do Conselho Constitucional, o edil da Cidade de Maputo, o PCA dos Caminhos-de-Ferro de Moçambique, que deveriam estar a trabalhar na agenda de desenvolvimento de Moçambique.
Esta atitude o Chefe de Estado é também um contrassenso a aposta desportiva que prometeu durante o seu discurso de investidura. “Neste mandato continuaremos a incentivar o desporto apostando na sua promoção nas escolas, na formação e na identificação, acompanhamento e acarinhamento de talentos. Prevalece o nosso desejo de elevar o expoente de resultados internacionais para níveis jamais vistos, proeza que foi atingida no mandato que hoje terminou”.
Praticado por cerca de uma centena de moçambicanos o golfe é uma modalidade que nunca deu nenhum resultado internacional ao nosso país e é pouco provável que seja ensinado nas escolas como Nyusi, referiu no seu discurso, afinal por tradição é praticada pelas elites.
Contrassensos na agricultura no combate à corrupção
Mas este não foi o único contrassenso do seu discurso da investidura. O Chefe de Estado proclamou “como emergência nacional o combate à pobreza, através de investimento na agricultura. Para alcançar este objectivo, o meu governo irá mobilizar recursos e alocar 10 por cento do seu orçamento para este sector, num compromisso sem precedente em Moçambique”.
Acontece que o Governo de Filipe Nyusi clamou, em 2019, que a Agricultura recebeu 11 por cento do seu Orçamento de Estado.
Foto da Presidencia da República
Ainda na Praça da Independência o Presidente moçambicano prometeu que no novo ciclo continuará “a combater a corrupção em todas as suas vertentes (...) Não haverá tréguas na nossa luta contra este mal. Não haverá pequenos e grandes corruptos, tocáveis e intocáveis. Neste exercício de combate à corrupção nos distanciaremos dos que pretendem substituir a acção institucional da justiça por uma operação de caça às bruxas”.

No entanto o facto é que os responsáveis políticos pelo maior caso de corrupção de que há memória em Moçambique estão intocáveis e, a julgar pelas palavras de Filipe Nyusi continuarão sem serem responsabilizados por endividarem inconstitucionalmente os moçambicanos.
Outro contrassenso no discurso de investidura foi a promessa que “o Governo irá promover a constituição de uma instituição financeira de desenvolvimento, com participação significativa do Estado, para financiar, em termos concessionais de prazo e de juro, empreendimentos e negócios do sector privado, incluindo linhas de crédito para as Pequenas e Médias Empresas e as necessárias garantias”.
Na verdade já existe um banco de desenvolvimento e que tem como mandato justamente o tipo de financiamentos que Filipe Nyusi promete mas não concretiza.

Fonte: Jornal A Verdade, Moçambique

Moçambique | Mais dez escolas básicas transformadas em institutos de formação profissional em Moçambique

O Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico-Profissional (MCTESTP) transformou mais dez escolas básicas em institutos de formação profissional na sequência da entrada da nova Lei do Sistema Nacional de Educação em Moçambique.

Tratam-se da Escola Industrial de Matundo (na Província de Tete), da Escola Profissional Dom Bosco (na Província de Tete), da Escola Industrial e Comercial Estrala do Mar de Inhassoro (na Província de Inhambane), da Escola Industrial de Carapira (na Província de Nampula), da Escola Profissional São Francisco de Assis (na Província de Maputo), do Instituto Agro-Industrial de Salamanga (na Província de Maputo) e da Escola Comercial Mártires de Wiriamo (na Província de Tete)que foram elevados de categoria passando desde o passado dia 13 de Dezembro a poder leccionar o ensino médio.

A Escola Agrária de Chidzolomondo, na Província de Tete, foi elevado para a categoria de instituto e adoptou a designação de Instituto Médio Agrário de Chidzolomondo.

Também foi transformado em instituto a Escola Profissional do Songo, na Província de Tete, que passa a denominar-se Instituto Médio Industrial de Cahora Bassa.

O @Verdade apurou ainda que a Escola Familiar Agrária de Milevane, localizada na Província da Zambézia, foi elevada de categoria e passou a ser designado de Instituto Agro Pecuário Família de Milevane.

Fonte: Jornal A Verdade, Moçambique

Porto de Mós | Comércio mais seguro são intenção da Câmara, GNR e ACILIS

A Acilis, a GNR e a Câmara Municipal de Porto de Mós assinaram hoje, dia 17 de janeiro, o Protocolo de Colaboração para a criação de sinergias no âmbito do Comércio Seguro, que teve lugar no Centro Comercial Jardim, na vila de Porto de Mós.

O projeto Comércio Seguro consiste num conjunto de ações de sensibilização e esclarecimento junto dos comerciantes tais como a indicação de medidas preventivas, a identificação de situações de burla ou a instrução das atitudes a adotar em caso de assalto.

Estas ações de sensibilização contarão com a presença mais assídua da GNR nos estabelecimentos comerciais, com a melhor identificação de situações de risco e, por conseguinte de um sentimento de maior segurança, para comerciantes e clientes, de acordo com o Comandante do Comando Territorial de Leiria, Capitão André Gonçalves.


Nas palavras de Lino Ferreira, Presidente da ACILIS, a assinatura deste protocolo concretiza as várias ações que a GNR já vinha a desenvolver junto do comércio local mas significa, também, que a ACILIS prima pela segurança dos seus associados e de todos os comércios locais de Leiria, Batalha e Porto de Mós, onde tem o seu âmbito de atuação, intervindo neste processo como agente facilitador na interação entre comerciantes e GNR e como mediador entre ambas as partes.


A Câmara Municipal de Porto de Mós é, naturalmente, parceira deste projeto, de acordo com Jorge Vala, Presidente da Câmara, que vê na assinatura deste protocolo a materialização de ações que promovem um dos maiores fatores de sucesso de uma sociedade: a segurança. Agregar num mesmo projeto a proteção de pessoas e bens, por um lado, e a promoção e desenvolvimento do comércio local, por outro, só pode resultar numa comunidade mais próspera, dinâmica e empreendedora.


Patrícia Alves

No âmbito do programa Imagine.Create.Succeed da CIM Região de Coimbra, Jornalista Ana Filipa Nunes animou Teen Talk em Cantanhede



Mais de 100 alunos do ensino secundário participaram hoje em Cantanhede numa Teen Talk do programa Imagine.Create.Succeed, no âmbito do Plano Intermunicipal de Prevenção do Abandono Escolar e Promoção do Sucesso Escolar promovido pela CIM Região de Coimbra. A sessão decorreu na Biblioteca Municipal, tendo como animadora Ana Filipa Nunes, jornalista que trabalhou na TVI e TVI24 e que agora é repórter criminal no Programa da Cristina, na SIC. “Nunca desistir” foi a ideia chave do testemunho da convidada perante os jovens estudantes do Agrupamento de Escolas Gândara-Mar e da Escola Técnico-Profissional de Cantanhede. Começando por interpelar a assistência sobre os planos para o futuro e sobre os seus sonhos, Ana Filipa Nunes falou do seu percurso pessoal e profissional, referindo que, “além das competências pessoais e sociais, a atitude positiva perante os obstáculos é uma mais-valia. “A procura permanente de novos conhecimentos, sejam académicos, sejam não-formais, aliados à resiliência e persistência, o ter foco e ser empenhado são características essenciais para vencer em qualquer profissão e construir qualquer sonho”, sublinhou.

Segundo a jornalista, “o caminho de cada jovem torna-se bem mais fácil se percorrido com paixão e dedicação e mais importante do que atingir a meta, é o caminho que se percorre: as aprendizagens, as emoções vividas, a descoberta das suas potencialidades e capacidades, o ultrapassar de obstáculos, são vetores estruturantes para um futuro empreendedor de sucesso”.
Presente na sessão esteve também o vice-presidente da Câmara Municipal de Cantanhede, Pedro Cardoso, que na ocasião abordou a importância da participação cívica dos jovens, incentivando-os a serem ambiciosos e a desenvolverem a capacidades para concretizarem os seus sonhos. O autarca, que é responsável pelo pelouro da juventude na autarquia cantanhedense, insistiu na “importância de se perceber o que nem sempre é visível no sucesso, designadamente o muito trabalho que lhe está subjacente, mas também o erro, perante o qual é indispensável espírito positivo e capacidade de superação. É na escola, através destes e outros projetos que o município tem vindo a promover e apoiar, que podem adquirir as competências que permitem ter esse espírito positivo e essa capacidade de superação”, salientou.
O Teen Talk do programa Imagine.Create.Succeed, da CIM Região de Coimbra, conta com financiamento do Centro 2020 – Programa Operacional Regional do Centro, Portugal 2020 e Fundo Social Europeu. Trata-se de um projeto que surgiu da vontade de criar um ecossistema educativo vibrante, proactivo e colaborativo, onde a comunidade educativa é desafiada a interagir com o mundo real e a encontrar formas de o valorizar, promover e desenvolver. O objetivo é promover o sucesso escolar, a inclusão de novos desafios e o desenvolvimento de soft skills considerados essenciais no século XXI, entre os quais a criatividade e inovação, autonomia e responsabilidade, comunicação, persistência e resiliência, trabalho em equipa e inteligência emocional.



Rui Pinto vai a julgamento por 93 crimes

Resultado de imagem para Rui Pinto vai a julgamento por 93 crimes

Alegado "hacker", que fica em prisão preventiva, estava acusado de 147 crimes. Juíza Cláudia Pina salienta que Rui Pinto "nunca poderia ser considerado um 'whistleblower'".

Rui Pinto ficou a saber, esta sexta-feira, que vai a julgamento por 93 dos 147 crimes de que estava acusado. O anúncio foi feito pela juíza Cláudia Pina, que liderou a fase de instrução do processo.
O alegado "hacker" português, envolvido com o site "Football Leaks", será julgado por seis crimes de acesso ilegítimo, um de sabotagem, 17 de violação de correspondência, 68 de acesso indevido e um de extorsão.
Os crimes em causa enquadram-se em alegada tentativa de extorsão ao fundo de investimento Doyen e supostos acessos a Procuradoria-Geral da República, sociedade de advogados PLMJ, Sporting e Federação Portuguesa de Futebol.

Juíza rejeita estatuto de denunciante

Durante a leitura da decisão instrutória, no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, a juíza Cláudia Pina esclareceu que Rui Pinto "nunca poderia ser considerado um 'whistleblower'", dado que o termo em causa implica "um denunciante de boa fé" e alguém "juridicamente desinteressado".
"A atuação de Rui Pinto é muito diversa daquela que têm os denunciantes. Não tinha relação com a Doyen e teve conhecimento dos factos de forma ilícita", sublinhou a juíza, que decidiu manter o alegado pirata informático em prisão preventiva.
O advogado Aníbal Pinto, acusado de intermediar a suposta extorsão, de 500.000 a um milhão de euros, à Doyen, também responde por um crime dessa índole.
A fase de instrução, que é facultativa e requerida pelos arguidos, visa decidir quem segue para julgamento e por que crimes.
RR

2020: Los Retos De Las Insurtech En México


por Yesica Flores
El ecosistema digital sigue en constante expansión y su panorama global es prometedor. Sólo en México, durante el 2019, el sector Fintech superó ya la barrera de las 400 startups, siendo el rubro de Insurtech uno de los más interesantes así como de los más promisorios para los años siguientes.
2020-2030, una década para las aseguradoras digitales
Entre 2018 y 2019, las Insurtech en México han crecido cerca del 40% potenciadas principalmente por el machine learning y la inteligencia artificial. Con 26 startups activas, este sector equivale aproximadamente al 7% de las Fintechs nacionales, tal como lo evidencia el Radar Fintech de Finnovista. Esto pareciera un número menor, pero no olvidemos que, a nivel mundial, desde 2015 se han invertido más de 7 mil millones de dólares en desarrollo para las aseguradoras digitales, lo que las convierte en uno de los departamentos con mayor proyección para la década siguiente.

Los retos de las Insurtech en México
Sólo en 2019, un 70% de la población en México tuvo acceso a un teléfono inteligente, es decir, que los mexicanos se han ido adaptando rápidamente a la vida virtual; sin embargo, las aseguradoras digitales se han enfrentado a grandes retos que pueden traducirse en un crecimiento más lento de lo deseado.
Con ingresos anuales de aproximadamente 5 mil millones de dólares a nivel LATAM, según el reporte mundial de Insurtech (WITR) 2019 de las firmas Capgemini y Efma, este sector debe construir un mercado competitivo basado en cuatro factores: productos que se centren en la experiencia del usuario, cambiar modelos hacia una economía compartida; enfocarse en el Big data, así como asociarse con especialistas en otras áreas.
Iterar: el movimiento de los jugadores mexicanos Insurtech
Como afirma el WITR 2019, el 55% de usuarios digitales contrataría un seguro si éste no significara trámites “engorrosos” o contratos confusos. Es decir, no es que a los mexicanos no les interese su futuro, sino que desconfían o encuentran complicado el adquirir un seguro. Por esta razón existen ya varios jugadores Insurtech en México 100% digitales.
Desde seguros de auto hasta vida o educación, las startups mexicanas siguen acelerando y posicionándose. Entre los casos de mayor éxito en México están algunas de las empresas que conforman la Asociación InsurTech México, como AjusTech, atendiendo siniestros de manera más rápida; Kalmy, mejorando la experiencia en seguros de gastos médicos; Mango Life, ofreciendo seguros de vida de manera digital; y Auto Clupp, quienes además de ofrecer descuentos en seguro de auto a los buenos conductores fueron nombrados la startup de InsurTech más innovadora de Latinoamérica durante la edición del Finnosummit 2019.
Las empresas InsurTech que prevalezcan durante los siguiente años, serán aquellas que logren atender las necesidades directas de las personas, y no las inquietudes de las aseguradoras. En una industria en la que el producto no es sexy, como los seguros, las Insurtech deben concentrarse en ofrecer la mejor experiencia de usuario posible”, expresa Omar López, Co-fundador de Auto Clupp.
De esta forma, el camino del Insurtech en México es complicado, pero prometedor. Dependerá de la iteración y constancia de los jugadores, de la forma en que puedan centrarse en las necesidades del usuario mexicano adentrándose y expandiéndose en este vital sector del ecosistema digital.

BE propõe 150 milhões de euros para parque habitacional público

Resultado de imagem para BE propõe 150 milhões de euros para parque habitacional público
TSF
"Sabem quantas habitações é que o PS está a pensar ter para este parque habitacional público com o Orçamento do Estado que entregou no parlamento? Zero. Nem uma. Esqueceram-se", afirma Catarina Martins.
A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, acusa o Governo de se ter esquecido da promessa eleitoral dos 150 milhões de euros no Orçamento do Estado para o parque habitacional público, anunciando a apresentação na especialidade desta proposta do PS.
Catarina Martins discursava esta quinta-feira à noite na sessão promovida pelo BE, no Fórum Lisboa, para assinalar os dois anos de mandato autárquico em Lisboa, com um executivo formado na sequência do acordo com o PS, tendo guardado os últimos minutos da sua intervenção para o Orçamento do Estado para 2020 (OE 2020).
Lembrando "um grande debate de números" entre BE e PS durante a campanha eleitoral que teve um dos centros no investimento num parque público habitacional, a coordenadora do BE afirmou que o PS, numa "espécie de adenda ao seu programa eleitoral a que chamou impacto financeiro das medidas do programa eleitoral do PS", inscreveu "um parque habitacional público de habitação a custos acessíveis com 25 mil habitações até 2024", num total 600 milhões de euros, correspondendo "a um valor médio anual de 150 milhões de euros"
"Sabem quantas habitações é que o PS está a pensar ter para este parque habitacional público com o Orçamento do Estado que entregou no parlamento? Zero. Nem uma. Esqueceram-se. Têm sido esquecidos. Já a taxa da celulose que era importante para financiar as espécies de crescimento lento nas florestas, esqueceram-se também", criticou.
Assegurando que "já o Bloco não se esquece do seu mandato e também não se esquece do que foi dito em campanha eleitoral", Catarina Martins aproveitou para fazer um anúncio de uma proposta de alteração a apresentar agora na fase da especialidade do OE2020.
"Para que o Orçamento do Estado 2020 não tenha zero casas de parque habitacional público e para que o Partido Socialista possa cumprir a promessa que fez em campanha eleitoral, o Bloco de Esquerda vai apresentar na especialidade do Orçamento nem mais nem menos do que 150 milhões de euros em 2020, para começar a criar este parque habitacional público para habitações acessíveis", antecipou.
A líder bloquista deixou claro que este "não é o valor que o BE propunha", mas, sim, "o valor que o PS prometeu e que terá agora a oportunidade de votar no Orçamento do Estado".
Segundo Catarina Martins, a necessidade de um parque habitacional público foi uma medida à qual se chegou a acordo de que seria a única possibilidade de ter uma resposta à habitação consequente.
"Isto estava presente quando fizemos o acordo em Lisboa e talvez se lembrem que na última campanha eleitoral entre o Bloco de Esquerda e o Partido Socialista houve um grande debate sobre números e um dos centros desse debate era precisamente o investimento num parque público habitacional para garantir habitações a preços acessíveis à generalidade das pessoas", recordou.
O PS, segundo a dirigente bloquista, dizia "na altura que o BE tinha feito mal as contas, que queria muito dinheiro".
"Depois lá reconheceu que as contas do Bloco de Esquerda até estavam bem feitas, que o PS fazia as mesmas, mas queria menos casas. Nós dizíamos que para regular o mercado é preciso um investimento num parque habitacional público em quatro anos que pudesse chegar às 100 mil casas. O PS dizia 25 mil, mas lá escreveu", relatou.
A primeira parte do discurso de Catarina Martins foi dedicada a estes dois anos em que o BE chegou à vereação da Câmara de Lisboa e assumiu pelouros devido a um acordo com o PS.
A líder do BE enalteceu a "forma diferente" dos bloquistas assumirem as suas responsabilidades e as soluções novas encontradas "de que nunca se tinha ouvido falar no país".
Lusa

Discurso nazi: Secretário da Cultura do Brasil demitido depois de ter plagiado Goebbels

Resultado de imagem para Discurso nazi: Secretário da Cultura do Brasil demitido depois de ter plagiado Goebbels
O discurso polémico, que explicava as orientações para a cultura no Brasil nos próximos dez anos, tornou-se viral e o Governo brasileiro não tardou em reagir.
O secretário brasileiro da Cultura do Governo de Jair Bolsonaro, Roberto Alvim, vai ser demitido, anunciou esta sexta-feira o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Ramos, que o tutela, em resultado de ter recorrido, num discurso, a uma frase aparentemente inspirada num discurso de Goebbels, o responsável pela propaganda da Alemanha nazi.
A informação está a ser avançada pela "Folha de São Paulo". O Palácio do Planalto já informou os líderes do Congresso da demissão do secretário Roberto Alvim.
Num discurso em que traçou as orientações do Governo brasileiro para a Cultura ao longo da próxima década, Alvim disse que "a arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional. Será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes de nosso povo, ou então não será nada".
Nas redes sociais e na imprensa brasileira, rapidamente, foi destacada a coincidência entre essa frase e outra, atribuída a Goebbels: "A arte alemã da próxima década será heroica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada."
O secretário da Cultura tentou desdramatizar, dizendo que tudo não passava de uma coincidência semântica e sublinhando que o conteúdo da frase era exatamente o que ele queria transmitir.
Face à reação de muitas figuras políticas, do mundo da cultura e não só, no Brasil, o Governo optou por demitir Roberto Alvim, sendo que segundo a fonte do Governo citada pela "Folha de São Paulo" essa demissão deve ser anunciada em breve pelo porta-voz do Executivo.
com Filipe d´Avillez / RR

Governo atribui Medalha de Mérito Cultural a Júlio Isidro

Resultado de imagem para Governo atribui Medalha de Mérito Cultural a Júlio Isidro
O Governo atribuiu a Medalha de Mérito Cultural ao locutor e apresentador de televisão Júlio Isidro, realçando o “inestimável trabalho de uma vida dedicada” ao audiovisual.
A entrega da medalha foi feita, num espetáculo comemorativo dos 60 anos de carreira de Júlio Isidro na noite de quinta-feira, pelo primeiro-ministro, António Costa, acompanhado pela ministra da Cultura, Graça Fonseca, pelo secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, Nuno Artur Silva, e pelo também locutor e apresentador António Sala.
“Figura ímpar dos meios audiovisuais em Portugal desde o início dos anos 60, Júlio Isidro foi também um pioneiro na divulgação de novos valores para a música. Participou, quer como autor, apresentador, realizador ou produtor, numa grande diversidade de programas para a televisão e para a rádio, as suas facetas mais conhecidas. Mas dedicou-se também à música, como criador, e à área da escrita, como escritor e como jornalista”, salientou o Governo, numa nota biográfica sobre o apresentador.
Adicionalmente, pode ler-se no mesmo texto que a sua obra se pauta “por uma grande diversidade, imaginação e pelo largo espetro de intervenção criativa que proporcionou ao longo destes anos, tendo votado sempre uma especial atenção à descoberta de novas temáticas e de novos autores e novos talentos, que lançou através dos meios que teve à sua disposição na rádio, na televisão e na música, áreas que muito lhe devem”.
Nascido em 5 de Janeiro de 1945, em Lisboa, Júlio Isidro entrou pela primeira vez num estúdio de televisão quando tinha 12 anos “como elemento de um coro do Liceu Camões e ficou fascinado com o ambiente”, segundo uma biografia publicada pela RTP aquando dos seus 58 anos de carreira, assinalados no programa “Agora Nós”.
Com Lídia Franco e João Lobo Antunes, torna-se apresentador do “Programa Juvenil” e estreia-se na RTP no dia 16 de Janeiro de 1960, aos 15 anos.
“Pouco tempo depois, começou a trabalhar no Rádio Clube Português à noite, apresentando noticiários, enquanto durante o dia era delegado de propaganda médica. Na rádio foi autor e apresentador de programas de sucesso como ‘Clube das Donas de Casa’, ‘Em Órbitra’ e ‘Grafonola Ideal’. A nível televisivo, na década de 80 apresentou programas em direto de enorme sucesso como ‘O Passeio dos Alegres’ (onde lançou Herman José), ‘Festa é Festa’, ‘A Festa Continua’ e ‘Arroz Doce’. Em todos havia momentos musicais, passatempos, entrevistas ligeiras e momentos de humor”, recorda o texto da RTP, da qual saiu nos anos 1990 para a TVI, antes de regressar em 1997.
Lusa

Aveiro! Comunicado Movimento Juntos pelo Rossio - Associação Cívica

No seguimento das declarações proferidas a 16 de Janeiro em reunião de Câmara pelo Sr. Presidente Ribau Esteves e da nota de imprensa também ontem emitida pela CMA, o Movimento Juntos pelo Rossio – Associação Cívica vem comunicar que, em primeiro lugar, repudia as afirmações contidas em ambas, em relação ao David Iguaz . Numa democracia e perante o autismo de um Executivo Camarário que se recusa a ouvir e a atender às posições dos seus munícipes, o recurso aos tribunais – órgãos de soberania que exercem a justiça em nome do povo na tutela de interesses relevantes para toda a comunidade – é em si, e lamentamos que o Sr. Presidente Ribau Esteves assim o não entenda, a manifestação da democracia numa das suas mais importantes dimensões.

Relativamente à acção proposta contra o PDM por parte de David Iguaz, o Movimento apoia e identifica-se por completo, nomeadamente, no que toca a dois aspectos essenciais:
Em primeiro lugar, quanto à necessidade de travar a desafectação do Rossio como zona inundável. De facto, o novo PDM converte o Jardim do Rossio em zona de construção, tornando "miraculosamente" toda a zona em área "não inundável", situação que a Natureza prontamente se apressou a desmentir durante a última tempestade Elsa em que a “futura” entrada do parque de estacionamento, ao lado do canal principal, ficou totalmente inundada. Com efeito, ao abrigo do novo PDM, o local previsto para o parque de estacionamento passará a permitir edificação, embora que à luz do antigo PDM não pudesse ser objecto daquela construção.
Em segundo lugar, quanto ao facto de a CMA não ter respondido por escrito aos cidadãos (que formularam reclamações nos termos legais) antes do Regulamento da Revisão do PDM de Aveiro ter sido publicado e entrado em vigor. Como já vai sendo apanágio da CMA, a resposta aos cidadãos tem-se revelado secundária.

Relativamente à decisão do Executivo Camarário Aveirense tornar públicos os pareceres emitidos pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento do Centro (CCDRC), Agência Portuguesa do Ambiente (APA), Direcção Regional de Cultura do Centro (DRCC) e da EDP sobre o projecto de Requalificação do Rossio, o Movimento congratula-se por esta decisão, tendo a mesma ocorrido em virtude de uma queixa que o Movimento apresentou à Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos (CADA), uma vez que, não obstante as diversas interpelações para ter acesso aos documentos,o Executivo Camarário Aveirense, ilegalmente, se tinha remetido ao silêncio não respondendo ao requerido.
E tanto assim é que a CMA já teve outras oportunidades para apresentar os respectivos pareceres, e não apenas agora, nomeadamente aquando da primeira pronúncia sobre a existência dos mesmos a 21-11-2019, não o tendo feito. O Movimento Juntos pelo Rossio não quer deixar de destacar a agravante de a CMA apenas ter em sua posse estes pareceres após a abertura do respectivo concurso público internacional.

Comunicamos ainda que, no decorrer da passada semanao Movimento deu entrada no Tribunal Administrativo e Fiscal de Aveiro de uma acção judicial contra o Projecto de Requalificação do Largo do Rossio e Praça General Humberto Delgado, em Aveiro, e Concessão do Serviço Público de Estacionamento em Parques de Estacionamento Subterrâneos.

Que fique claro que não é nem nunca foi motivo de satisfação para o Movimento ter de recorrer à via judicial!!! No entanto, não nos foi dada outra alternativa por parte do Executivo Camarário Aveirense liderado pelo Sr. Presidente Ribau Esteves.
Interviemos em inúmeras reuniões de Câmara e Assembleias Municipais. Organizámos, em parceria com outras estruturas associativas, sessões públicas de debate. Estas foram amplamente participadas, sendo que a voz da população aí ouvida foi unânime na rejeição deste projecto, em particular, quanto ao parque de estacionamento. Reunimos com organismos e entidades públicas envolvidas no processo. Manifestamo-nos. Pelo que, dado o avanço para o concurso público da obra, foram esgotadas as alternativas extra-judiciais.

Continuamos ao lado da população, dos comerciantes, dos empresários locais, de entre os quais, os operadores turísticos e marítimo turísticos cujo futuro das concessões dependem totalmente da sua localização, que até hoje desconhecem qual o impacto socioeconómico que a eventual concretização desta obra irá implicar. Lamentavelmente, a CMA não fez estes estudos. Continua a não existir qualquer avaliação de impacto ambiental, socioeconómica ou sobre o edificado.

Também não ignoramos o actual desmazelo do Jardim do Rossio por parte da Câmara Municipal de Aveiro, cada vez mais acentuado, como que a querer convencer a população que mais vale este projecto do que nenhum. Ora, o Movimento Juntos pelo Rossio vem, novamente, afirmar que defende a reabilitação do Largo e do Jardim do Rossio como Jardim urbanorespeitando o espaço verde existente, sem o destruir, reforçando-o com as infraestruturas necessárias para que seja fruído pela população como espaço de lazer e de convívio, sem esquecer a sua relevância enquanto lugar de grande valor simbólico para a memória colectiva Aveirense

Agradecemos uma vez mais a todos quantos nos têm ajudado a defender o jardim sem parque de estacionamento e que quotidianamente nos dão força para a maratona que (já há dois anos) estamos a correr.

Estamos e estaremos Juntos pelo Rossio!

Município de Reguengos de Monsaraz assinou o contrato para as obras de requalificação da Praça da Liberdade


O Município de Reguengos de Monsaraz assinou no dia 13 de janeiro com a empresa Urbigav o contrato para as obras de requalificação da Praça da Liberdade. O documento está agora a aguardar a emissão do visto prévio pelo Tribunal de Contas esperando-se o início das obras no final de fevereiro. No próximo mês estão também previstas sessões de esclarecimento da autarquia e da empresa que vai efetuar as obras com os moradores e as unidades de restauração localizadas na praça e nas áreas adjacentes.

A requalificação da Praça da Liberdade, em Reguengos de Monsaraz, representa um investimento de cerca de 880 mil euros apoiado em 85 por cento do valor pelo Portugal 2020, está integrado no Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) e tem um prazo de conclusão de 270 dias. A autarquia pretende que a praça se torne num espaço mais atrativo para a população, pelo que vai aumentar a área pedonal e criar zonas amplas para esplanadas.

No tabuleiro poente da praça onde vão ficar as esplanadas dos espaços de restauração, será colocado um sistema de jogo de água formado por 36 jatos que permitem fazer ondas e salpicos, mas também 108 bicos de pulverização tipo nevoeiro para baixar em três ou quatro graus centigrados a temperatura ambiente no verão. Este tabuleiro da Praça da Liberdade terá um bom sombreamento com novas árvores e uma estrutura de apoio com palco para atividades culturais.

O tabuleiro nascente da praça vai manter a circulação automóvel num sentido para acesso aos serviços existentes, com estacionamento, uma zona de esplanada e um quiosque para venda de jornais e serviço de pastelaria.

Os dois tabuleiros serão atravessados pela ciclovia e a principal via de circulação automóvel da praça poderá ser fechada com pilaretes retráteis quando existirem eventos. A Praça da Liberdade terá ainda iluminação específica em todas as árvores, nos repuxos e nas fachadas históricas, assim como um carregador rápido para veículos elétricos para promover a mobilidade sustentável e a redução de emissões de gases.

Carlos Manuel Barão




Tire o pé do chão: o Carnaval de Estarreja 2020 está a chegar


Venda de bilhetes online para os grandes corsos é a grande novidade do Carnaval de Estarreja 2020.

É oficial. O Carnaval de Estarreja 2020 arranca este sábado, dia 18, com o Carnaval da Fantasia e só termina no dia 25 de fevereiro. Esta quinta-feira, o Município de Estarreja e a Associação do Carnaval de Estarreja anunciaram a programação da edição de 2020 do entrudo estarrejense.

O Carnaval de Estarreja apresenta-se hoje mais estruturado, melhor organizado e com um espetáculo único, fruto do programa de reposicionamento e qualificação do evento iniciado em 2016, culminando na inauguração de um novo palco no Parque Municipal do Antuã, em 2018, o que trouxe significativas mudanças ao nível das condições de acolhimento de públicos, de visualização do espetáculo e de experiência para visitantes. Diamantino Sabina, Presidente da Câmara Municipal de Estarreja, salientou que “o Carnaval estarrejense é uma marca do concelho e um produto de extrema qualidade representando este ano um investimento municipal no valor de 375 mil euros”.

Compra de bilhetes para os quatro desfiles está mais simples: à distância de um click

Os bilhetes para o Carnaval Infantil, o Desfile Noturno das Escolas de Samba e os dois Grandes Corsos podem ser comprados online através da plataforma da BOL.

Para Isabel Simões Pinto, vereadora da Cultura, “este é mais um passo na qualificação do nosso Carnaval. A partir de hoje, todos os visitantes podem adquirir os bilhetes, confortavelmente, através da plataforma online.”

Foi ainda inaugurada a Lojinha do Carnaval, situada na Rua Dr. Souto Alves ao lado do Tomázia Bar, onde também é possível adquirir os ingressos e ainda o merchandising oficial do Carnaval de Estarreja.

Um evento que “movimenta milhares de pessoas”

A responsável do pelouro da Cultura, salientou que a produção, a organização e a participação neste grande evento “movimenta milhares de pessoas” e, por isso, uma das preocupações do Município e da Associação de Carnaval, neste novo modelo de gestão, está relacionada com o acolhimento de públicos.

“Temos 5 mil lugares sentados e 6 mil lugares de pé para que os visitantes tenham uma experiência única a quem vem assistir aos desfiles”, realça a vereadora.

Durante a apresentação do programa, Isabel Simões Pinto salientou tantas outras comodidades para quem chega. É exemplo disso a disponibilização de parques de estacionamento na periferia do recinto com transfer e, ainda, a longa parceria com os Comboios de Portugal (CP).

O papel dos cerca de 50 voluntários constitui “um precioso recurso e uma ajuda fundamental, ao mesmo tempo que têm a oportunidade de serem mais um elemento da equipa e participarem por dentro na produção deste evento municipal, único desta natureza, criando-se, assim, mais um elo com a sociedade.”

São muitas as empresas locais que se associam ao Carnaval de Estarreja, como mecenas, contribuindo, por um lado, para o desenvolvimento da vida Cultural do município e da região e, por outro lado, fomentando o enriquecimento da imagem da sua empresa e o reconhecimento da sua responsabilidade social, por via da sua vinculação ao setor público.

Mas nem tudo é brincadeira: a sustentabilidade também desfila no carnaval estarrejense. “Numa parceria com a ERSUC, tornamos o Carnaval um eco evento com a redução das quantidades de resíduos produzidos com a distribuição de estruturas por todas as Sedes dos grupos desde o início de dezembro, a separação de embalagens e a recolha seletiva distribuídas por todo o Sítio do Carnaval e o respetivo encaminhamento para reciclagem das quantidades recolhidas no Evento. As receitas da recolha destes resíduos reverterão a favor de um projeto de inclusão social com impacto na comunidade Estarrejense”, disse Isabel Simões Pinto.

O Carnaval começa já em janeiro com o Carnaval da Fantasia

Mostrar, visitar, experimentar e construir os bastidores do Carnaval é o mote para a vertente educativa da programação carnavalesca em Estarreja e que conta com a participação e a colaboração da comunidade.

A primeira atividade é a oficina “Samba no Pé”, no dia 18 de janeiro, sábado, no Complexo de Desporto e Lazer. Todos são desafiados a aprender a sambar, independentemente da idade e se tem jeito para dançar. Para miúdos e graúdos, nos dias 25 de janeiro e 1 de fevereiro, no Ciclo Criativo, há o workshop “Samba Fitness”, dirigido pelas cinco escolas de samba, que convida os foliões a praticarem atividade física de uma forma bem ritmada. Já para os que a imaginação não tem limites, há uma oficina de “Construção de Máscaras”, dias 8 e 15 de fevereiro, na Biblioteca Municipal e no Multiusos, respetivamente. A “Fábrica da Fantasia” volta a receber os mais curiosos, nos dias 8 e 9 de fevereiro, para revelar o trabalho desenvolvido pelos grupos de folia e pelas escolas de samba. E para os mais esquecidos, nos dias 16, 21, 23 e 25 de fevereiro, o “Camarim da Fantasia” proporciona momentos de autêntica transformação.

Sítio do Carnaval: o lugar da magia, da alegria, da cor, do ritmo, da música

Nesta edição abrimos o “Sítio do Carnaval” muito apaixonados. Marcado para o dia 14 de fevereiro, e até dia 25, o brilho e a exuberância espalham-se por diversos pontos da cidade. É tempo de alegria e a grande festa conta com inúmeras atividades divididas entre a Avenida do Carnaval, o Multiusos – Espaço Folia, a Tenda dos Concertos e o Camarim da Folia.

Os Grupos de Folia são os anfitriões da abertura (14 de fevereiro) e prometem uma animação sem par com a “Cupido´s Party”. Pela noite dentro há ainda atuações de DJ e uma festa temática dedicada aos anos 50, 60 e 70 e ao amor.

Lançamos os confettis e as serpentinas para inaugurar a “avenida” do Parque Municipal de Antuã com o desfile infantil (16 fevereiro). Mais de 1650 mini foliões de 15 grupos organizados por associações, IPSS e escolas garantem um espetáculo onde reinará a criatividade e a originalidade.

Na noite do dia 19 de fevereiro, quarta-feira, as ruas de Estarreja estarão ao rubro com as Marchas Luminosas, uma das manifestações populares mais enraizadas dos festejos. E começam com a tradicional chegada do Rei Tiago Nóbrega e a Rainha Yvette Valente à Estação da CP. Neste desfile “mais trapalhão” estão todos convidados a participar e a brincar ao Carnaval acompanhados por um Trio Elétrico com Nel Monteiro. É um dos cantores mais querido pelo público português, e, durante conferência de imprensa que se realizou no Cine-Teatro de Estarreja, comunicou que vai compor um tema original dedicado ao entrudo estarrejense.

Na sessão de ontem, Rui Pité, mais conhecido por RIOT - músico, produtor, DJ e um dos fundadores dos Buraka Som Sistema, que atuará na noite de 22 de fevereiro, apresentou a sua remistura do hino do Carnaval “Sorria”, com letra de Luca Argel e arranjos de Reinaldo Costa e Tomás Marques e interpretada por Tiago Nacarato e pela Orquestra Bamba Social. Neste mesmo dia, Beatriz Gosta sobe ao palco com o seu mais recente projeto “Quem Acredita Vai”.

A segunda-feira de carnaval, dia 24 de fevereiro, garante ser a noite mais longa e com muita alegria à mistura. Bombos, gigantones, gaitas de foles e Trio Elétrico “Axé Brasil” animarão as ruas e aquecendo o ambiente para o “I Love Baile Funk”, dos mesmos produtores do “Revenge of the 90´s”, onde se vai dançar ao som do melhor funk e samba brasileiros.

O ponto alto do entrudo estarrejense chega com o Grande Corso Carnavalesco de domingo (23 de fevereiro) e que se repete na terça-feira seguinte. Os 7 Grupos de Folia (Apeados) e as 5 escolas de Samba, que trabalham durante meses para se apresentarem nos corsos, saem à rua para mostrar o trabalho árduo de meses a fio. Mais de 1000 figurantes pisam a “Avenida do Carnaval”, para apresentarem os seus enredos, figurinos, coreografias, melodias e carros alegóricos, perante uma calorosa plateia de foliões.

Há muito mais para descobrir e viver num dos melhores e mais antigos cortejos carnavalescos do país...

Daniela Couto

Barcelos | Programa “Forma-te” no IPCA

O IPCA recebe nos dias 31 de janeiro, 1 e 2 de fevereiro, o “Forma-te Barcelos 2020” organizado pela Federação Nacional das Associações de Estudantes do Ensino Superior Politécnico (FNAEESP), em conjunto com a Associação Académica do IPCA (AAIPCA).

Este projeto intitulado de “Forma-te”, dirigido a dirigentes associativos e associações académicas e de estudantes federadas da FNAEESP, tem como objetivo promover um fim de semana de formações relacionadas com a política educativa onde são abordados temas como bolsas de estudo, orçamento de estado, desporto universitário, ação social, propinas universitárias, entre outros.

O IPCA vai receber cerca de 15 associações num total de cerca de 80 dirigentes associativos num fim de semana que promete um ambiente de partilha, de conhecimento e de aprendizagem.

João Pedro Pereira, Presidente da AAIPCA, refere que “este tipo de projetos são uma mais valia na medida em que damos a conhecer o IPCA e a cidade de Barcelos, mostrando o movimento associativo que se encontra em crescimento. Agradecemos assim à FNAEESP, na sua pessoa de Presidente, Tiago Diniz, pela oportunidade de trazermos um evento de renome à nossa cidade e ao IPCA.”

As formações são realizadas em formato de palestra ou workshop e, para além destas, vão ser proporcionadas atividades e momentos de lazer promovendo a interação entre os participantes.

Ana Teixeira

GPS Mós, projeto visa assegurar o bem-estar de idosos em situação de risco


A partir de 18 de janeiro entra em vigor o Regulamento Municipal de Funcionamento do Grupo de Proteção Sénior de Porto de Mós.

As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa têm-se vindo a traduzir num envelhecimento progressivo da mesma, o que coloca às instituições, às famílias e à comunidade em geral um grande desafio, nomeadamente pensar o envelhecimento ao longo da vida, numa perspetiva mais preventiva e promotora de saúde e autonomia, visando uma maior qualidade de vida.

As entidades que constituem a Rede Social de Porto de Mós são agentes privilegiados no âmbito da ação social, nomeadamente no planeamento e execução de projetos que promovam o bem -estar das pessoas idosas. Nessa medida, de forma a dar cumprimento ao plano de ação da Plataforma Supraconcelhia do Pinhal Litoral mas, sobretudo, para dar resposta a uma necessidade sentida e identificada pelas entidades que contactam com maior proximidade com esta população, constituiu-se o Grupo de Proteção Sénior de Porto de Mós, que visa garantir uma maior proteção às pessoas idosas do concelho, materializada através do regulamento em anexo.

O GPSMós destina-se, assim, a todos os cidadãos, com mais de 65 anos, que sejam residentes no concelho de Porto de Mós e que se encontrem em situação de isolamento social, solidão, marginalização, negligência ou maus tratos e cuja situação apresente uma ameaça ao seu bem-estar e segurança, podendo, ainda, ser abrangidos pelo GPSMós outros cidadãos, nomeadamente com idade inferior a 65 anos de idade, desde que se encontrem em situação de dependência mental ou física e comprovada ausência de retaguarda e apoio institucional.

O GPSMós será constituído por uma equipa de multidisciplinar composta por um representante da Câmara Municipal, pelo Vereador com o Pelouro da Ação Social, que preside, por um representante do Centro Distrital de Leiria — ISS,IP, por um representante da Unidade de Cuidados na Comunidade Dom Fuas Roupinho, por um representante da Guarda Nacional Republicana, por um representante de cada uma das Instituições Particulares de Solidariedade So-cial, com respostas sociais para a promoção e proteção da pessoa idosa, que exerçam a atividade no concelho. Fazem, ainda, parte do grupo de trabalho, com intervenção funcional mas sem direito a voto, os técnicos do Gabinete de Ação Social da Câmara Municipal e o Coordenador Municipal de Proteção Civil, podendo, ainda, colaborar com o GPSMós as Juntas de freguesia, a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários, os grupos de voluntariado, as Conferências de São Vicente de Paulo, os Grupos Sócio Caritativos locais e outras entidades de relevância.

Patrícia Alves

Em reunião pública de 15 de Janeiro de 2020: Câmara de Évora aprovou avanço da construção de estádio desportivo


A Câmara Municipal de Évora aprovou por unanimidade a proposta de início de procedimento por oferta pública destinado à constituição de Direito de Superfície para Construção e Manutenção de um Estádio Desportivo com utilização parcial pelo Município.

Recorde-se que o Município adquiriu, na Primavera de 2006, um terreno na Herdade do Alcaide, com área de 90000 m2, destinado à construção do parque desportivo municipal. Isto porque não dispõe, no seu património, de um Estádio Municipal ou equipamento desportivo que cumpra os requisitos legais para a promoção de determinados eventos desportivos e tem competências municipais nesse domínio. A deliberação agora tomada é um passo decisivo para colmatar essa situação.

Foram aprovadas por unanimidade as minutas com vista à cessão de créditos da empresa Águas de Vale do Tejo (AdVT) ao Banco Europeu de Investimentos do Acordo de Regularização de Dívida assinado com a AdVT em 13/3/2019. Uma proposta vantajosa para o Município, nomeadamente porque reduz para metade a taxa de juro a pagar, diminuindo assim os encargos inerentes ao cumprimento do plano de pagamentos estabelecido.

De entre o vasto conjunto de pontos aprovados, destaca-se ainda o início do procedimento para alteração do Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes. O referido documento encontra-se em vigor desde 1982, estando já desactualizado e desadequado face às novas exigências sociais e jurídicas do presente, não respondendo satisfatoriamente às necessidades actuais.

A constituição como interessado e apresentação de contributos para elaboração do novo projecto pode ser feita por escrito em requerimento próprio no Balcão Único ou por correio electrónico para cmevora@cm-evora.pt

No período antes da ordem do dia, o Presidente assinalou a importância, entre outros assuntos, da construção do Évora Farm Hotel, em Nª Sª de Machede. Um investimento turístico na ordem dos 4,7 milhões de euros que criará cerca de 50 postos de trabalho.

Foram ainda aprovados, por unanimidade, votos de pesar pelo falecimento de Armando Abadia (funcionário no Canil Municipal de Évora), António Gervásio (dirigente do PCP, antigo preso político e ex-deputado) e Pepe (antigo futebolista do Lusitano Ginásio Clube).


EXPOSIÇÃO "PINTURA COMO PENSAMENTO" CHEGA AO FIM COM LANÇAMENTO DE LIVRO

No próximo dia 25 de janeiro, pelas 15h, realiza-se, no Edifício dos Paços do Concelho de Torres Vedras, a finissage da exposição Pintura como Pensamento – prática artística e reflexão teórica, a qual tem estado patente na Paços – Galeria Municipal de Torres Vedras, que se situa nesse edifício.

Na ocasião será ainda apresentado o livro que documenta esta exposição coletiva, que tem a curadoria de Zalinda Cartaxo, e resulta do trabalho do segundo grupo do projeto “Bases Conceptuais de Investigação em Pintura”. Ana Pais Oliveira, Ema M, Filipe Rocha da Silva, João Paulo Queiróz, Sofia Torres, Rui Macedo e Zalinda Cartaxo são, recorde-se, os autores que apresentam trabalhos nesta mostra.