domingo, 16 de dezembro de 2018

Litoral Centro com rede de Correspondentes nacionais e internacionais

Saudação cordial!

O Litoral Centro - Comunicação e Imagem Online encontra-se inscrito definitivamente na Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC nº. 126864) como edição Online diária, sendo actualizada diariamente como se pode verificar na ficha técnica.

Desde há um tempo a esta parte têm sido enviados convites automáticos a milhares de amigos e empresas a nível nacional e Ilhas, como ainda a Câmaras Municipais convidando a subscrever gratuitamente esta edição electrónica, a qual esperamos merecer a melhor atenção e acolhimento de todos.

Quem subscrever o Litoral Centro passa a receber automaticamente na sua caixa de correio electrónico todos os conteúdos que vão sendo publicados. Você que lê esta curta mensagem de apresentação não deixe de o subscrever e recomendar aos seus amigos, só por isso já está colaborar para que tenha outra dimensão.

É possível fazer desta edição de expressão nacional e além fronteiras o maior Blog português de sempre, para isso a dedicação é a tempo inteiro, como se tratasse de uma edição em suporte de papel, contando com a assistência de um engenheiro de conteúdos informáticos.


Face ao exposto, basta clicar no link que se segue http://aveiro123.blogspot.pt/  https://litoralcentro.blogs.sapo.pt/ seguindo as suas indicações. A título de informação, o Litoral Centro foi criado no dia 25 de Novembro de 2015, nesta data conta com cerca de 1028059  de leitores com subscrição, assim considera a Entidade Reguladora para a Comunicação Social - ERC.

O Litoral Centro é lido (consultado) em mais de 120 países, e esperamos que o nosso endereço electrónico faça parte da vossa mailling lista.

Enviem-nos noticias sobre os vossos eventos ou artigos de opinião para os divulgarmos de preferência o texto em Word e imagens em JPG.


Por fim, é nosso propósito iniciar o novo ano com uma rede Correspondentes nacionais e internacionais, quiçá o leitor venha a ser um deles!

Joaquim Carlos 
Editor|Administrador do Litoral Centro
editorlitoralcentro@gmail.com

Eu, Psicóloga | Objects: Série OBJETOS CORTANTES mostra como a Síndrome de Münchausen por Procuração causa doenças nos filhos



Sharp Objects, série da HBO baseada no livro homônimo de Gillian Flynn. Na história, a vida da solitária Camille Preaker em Chicago resume-se a escrever matérias para a editoria de polícia do jornal Daily Post, beber vodca além da conta e torturar-se pelo passado que deixou para trás na pequena Wind Gap, sua cidade natal. É para lá que seu editor a envia em busca de um furo de reportagem. Naquela comunidade ao sul do Missouri, um serial killer faz de crianças suas vítimas. Camille Preaker retorna a sua cidade natal para cobrir os assassinatos de duas meninas pré-adolescentes. Sem mais spoilers, a Síndrome de Münchhausen por procuração é uma doença mental em que o genitor provoca abuso infantil, ferindo a criança para atrair atenção para si. Ocorre quando alguém próximo de uma criança, quase sempre a mãe, produz de forma intencional sintomas, ou mesmo causa ativamente a doença. A taxa de vítimas é alto, pois em geral o genitor aparenta devotado aos cuidados do filho. 

Por quê? 

Até agora, sabe-se pouco sobre o que causa essa síndrome. Especialistas acreditam que pessoas que sofreram abusos, maus-tratos ou abandono na infância têm mais risco de desenvolvê-la na vida adulta. 

Teoriza-se que o paciente se autoflagela ou flagela a criança sob seu cuidado em uma tentativa de despertar empatia ou admiração pelo "fardo" que carrega. 

Ao mesmo tempo, ainda que haja suspeitas, os médicos costumam ter dificuldades em confrontar e lidar com pacientes com a síndrome de Münchausen, que muitas vezes ficam defensivos ou desaparecem, apenas para posteriormente buscar ajuda em outro hospital onde seu quadro ainda não seja conhecido. 

A síndrome de Munchausen por procuração é um tipo de abuso infantil, em que um dos pais, geralmente a mãe, simula sinais e sintomas na criança, com a intenção de chamar atenção pra si. Como consequência, a vítima é submetida a repetidas internações e exposição a exames e tratamentos potencialmente perigosos e desnecessários, gerando sequelas psicológicas e físicas, podendo levar a morte.


O termo síndrome de Munchausen foi utilizado pela primeira vez por Asher1 em 1951, onde descrevia pacientes que contavam consistentemente histórias falsas, com sintomatologia dramática e recorrente e, como consequência eram submetidos à investigação diagnóstica e tratamentos desnecessários. Em 1977, esta síndrome foi introduzida na pediatria quando Meadow2, por meio do relato de dois casos, usou o termo Síndrome de Munchausen por Procuração (by proxy) para demonstrar situações em que um dos pais, geralmente a mãe, simulava sinais e sintomas na criança, levando-a repetidas internações e exposição a exames e tratamentos perigosos e desnecessários, com o objetivo de chamar atenção para si.

A síndrome de Munchausen por Procuração é uma doença de difícil controle e que se não diagnosticada e tratada a tempo, pode levar ao óbito, revelando uma taxa de mortalidade de 9% 

Esta é uma forma extrema de abuso infantil associada à alta morbidade e mortalidade, que levam a sequelas psicológicas irreparáveis. A equipe de saúde quando se depara com um caso como o acima descrito, deve garantir a perpetuação dos debates e ação conjunta para que o diagnóstico e a comprovação da fraude sejam efetivados o mais breve possível, e a segurança seja garantida.


Eu, Psicóloga | Adolescentes que fumam e bebem têm prejuízos à saúde já aos 17 anos, aponta estudo


Testes conduzidos por pesquisadores da Universidade College London e da Universidade de Bristol, ambas no Reino Unido, mostraram que há um enrijecimento das artérias por conta desses hábitos quando ainda se é bem jovem.


Este efeito está ligado a um aumento do risco de problemas cardíacos e em vasos sanguíneos, como AVC e infarto, em idade mais avançada.

Publicada no periódico científico European Heart Journal, a pesquisa também detectou, contudo, que as artérias dos adolescentes voltaram ao normal quando eles pararam de fumar e beber.
Problemas arteriais precoces


Os cientistas estudaram dados coletados entre 2004 e 2008 de 1.266 pacientes que participaram do Avon Longitudinal Study of Parents and Children (ALSPAC), que reuniu informações de saúde de 14,5 mil famílias de Bristol, na Inglaterra

Os participantes detalharam seus hábitos em relação ao tabaco e à bebida aos 13, 15 e 17 anos, e exames foram realizados para verificar se havia ocorrido algum enrijecimento arterial. Foi informado, por exemplo, quantos cigarros já se havia fumado na vida e a idade em que se começou a beber álcool, além da frequência e intensidade com que faziam isso.

Entre aqueles que haviam fumado mais de cem cigarros até o momento dos testes ou que consumiam mais de dez doses de álcool nos dias em que bebiam havia uma maior incidência de enrijecimento das artérias do que entre participantes que tinham fumado menos de 20 cigarros durante a vida ou tomavam menos de duas doses nos dias em que consumiam álcool.

"Beber e fumar na adolescência, mesmo em níveis inferiores àqueles informados em estudos com adultos, está associado a enrijecimento arterial e à progressão da arterioesclerose", diz o autor principal do estudo, John Deanfield, do Instituto de Ciência Cardiovascular da Universidade College London.

Marietta Charakida, que participou da pesquisa, explica que o dano aos vasos sanguíneos por conta destes hábitos "se dá ainda em um momento precoce da vida". "Quando se faz as duas coisas juntas, os prejuízos são ainda maiores", diz Charakida.

"Ainda que estudos mostrem que adolescentes vêm fumando menos nos últimos anos, nossos resultados indicam que aproximadamente um a cada cinco fuma aos 17 anos. Em famílias em que os pais são fumantes, há maior probabilidade de adolescentes fumarem."
Fumo em queda e bebida em alta entre adolescentes no Brasil

No Brasil, estima-se que 18,5% dos adolescentes brasileiros entre 12 e 17 anos, ou 1,8 milhão de jovens, já experimentaram cigarro, de acordo com um estudo divulgado em 2016.

A pesquisa Estudo de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes, feita pelo Ministério da Saúde e pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em parceria com outras 33 instituições de ensino superior, consultou 75 mil adolescentes de 1.251 escolas públicas e privadas em 124 municípios do país, por meio de questionários e exames.

Em 2009, um outro estudo, a Pesquisa Nacional de Saúde Escolar, apontou que 24% dos adolescentes tinham fumado pelo menos uma vez, o que indica que o número de fumantes neste grupo pode estar em queda. No entanto, o público-alvo desta pesquisa tinha entre 13 e 15 anos.

Ao mesmo tempo, o consumo de bebida alcóolica vem aumentando entre adolescentes, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde Escolar, divulgada em 2016 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O trabalho mostrou que 55,5% dos 2,6 milhões de estudantes que estavam no último ano do ensino fundamental já haviam bebido alguma vez na vida, um crescimento em relação ao levantamento de 2012, quando 50,3% estudantes disseram já ter feito isso. E 21,4% dos participantes do estudo mais recente tiveram algum episódio de embriaguez na vida.

Breno Caiafa, presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular do Rio de Janeiro (SBACV-RJ), diz que a queda no número de fumantes jovens é fruto de um trabalho intenso de conscientização sobre os malefícios do tabaco nos últimos anos, mas avalia que o mesmo esforço não tem sido feito com o álcool.

"Isso merece um cuidado maior do governo. Hoje, as campanhas dizem 'se beber, não dirija', mas não falam para não beber. As empresas de bebidas vão continuar a fazer propaganda livremente se não forem pressionadas, como ocorreu com o fumo", afirma Caiafa.

"Estudos mostram que beber moderadamente até pode fazer bem, mas o álcool não deixa de ser uma droga e, se consumido em excesso, gera alterações hepáticas e ganho de peso, enrijece as artérias e aumenta as chances de um AVC. Se tem esses efeitos, precisa ser controlado. O álcool talvez esteja sendo subestimado."

'Sinal encorajador'

Caiafa avalia que o estudo britânico traz novidades ao mostrar o impacto do álcool e da bebida ainda na juventude. "Já sabíamos dos efeitos negativos a médio e longo prazo, mas não a tão curto prazo", diz.

Ele explica que esses hábitos danificam a parede das artérias, gerando uma lesão à camada interna dos vasos, o que leva à formação de placas, provocando um enrijecimento e estreitamento arterial e, como consequência, há um aumento da pressão sanguínea.

"O estudo mostrou que essa inflamação diminui quando a pessoa para de fumar e beber e que o organismo se recupera, mas é preciso cuidado, porque, se a obstrução estiver em estágio avançado, dificilmente vai regredir."

Metin Avkiran, diretor médico associado da British Heart Foundation, organização que financiou parte da pesquisa, diz que o fato dos danos poderem ser revertidos é um "sinal encorajador".

"Parar de fumar é a melhor decisão que você pode tomar para proteger seu coração. E, se você bebe, não o faça de forma excessiva e siga as recomendações (das agências de saúde)", afirma. Nunca é tarde demais para fazer mudanças que podem acabar salvando sua vida.


O país necessita da nossa atenção. Sem perder tempo.

Caro leitor,

Este domingo um amigo enviou-me bem cedo este SMS: “É um prazer um assinante do Observador (eu) acordar às oito e tal da manhã e encontrar a história do helicóptero já tão bem contada e com tantos detalhes. É um trabalho extraordinário.” É verdade, assino por baixo. O que Sara Antunes de Oliveira nos conta em Heli do INEM. Passaram duas horas entre o primeiro alerta e a operação de socorro. Porquê? é um exemplo do que o jornalismo deve ser, do jornalismo que faz a diferença que queremos fazer no Observador, do jornalismo que nos obriga a ser mais exigentes todos os dias – com o que fazemos por causa do Portugal que somos.

Já tinha pensado escrever-vos antes do Natal, a todos os que subscrevem pelo menos uma das newsletters do Observador, não apenas para vos desejar Boas Festas, mas para lembrar que esta é uma boa altura de se tornarem (os que ainda não são) assinantes do Observador, ou então de oferecerem uma assinatura a um familiar ou a um amigo neste Natal.

Este despertar de domingo levou-me a antecipar esta mensagem.

Com a boa razão que me deu o inquérito que fizemos ao acidente do helicóptero, mas com um monte de outras boas razões dos últimos dias. Boas razões do tal jornalismo que faz a diferença, porque faz por ser diferente, sem complexos e com frontalidade. Lembra-se desta semana ter ouvido na quarta-feira a ministra da Saúde anunciar que a PPP do Hospital de Braga provavelmente ia acabar? Estranhou sabendo que aquele hospital é o que regista os melhores indicadores de cuidados clínicos e a sua fórmula de gestão poupa dinheiro ao SNS? Pois ontem, sábado, Carolina Branco já tinha ido investigar o que se passava e contava-lhe tudo em As razões para o fim da PPP do Hospital de Braga, o melhor do país

Sabe que os enfermeiros estão em greve e já ouviu todo o tipo de declarações sobre a sua forma de luta, que escapa à tutela dos velhos sindicatos e tem uma duração rara em Portugal. Mas ninguém lhe contou como foi tudo planeado de forma cirúrgica com o mesmo detalhe de Vera Novais em Porque é que a greve dos enfermeiros é tão eficaz?

Muito provavelmente ouviu falar da entrevista de Armando Vara à TVI, e de como o antigo ministro que está finalmente quase a ir para a prisão se defendeu, mas foi aqui, num Fact Check, que Luís Rosa tratou de responder à questão mais importante: Armando Vara foi mesmo condenado sem provas?

Na política também lhe contámos como ninguém como a JS vai ter uma nova líder acusada de ter um falso título de mestrado, de ter recebido avenças de milhares na junta de freguesia e na câmara, de falsas declarações no currículo entregue à câmara, para além de uma investigação no Ministério Público, um quadro que, como explicou Rui Pedro Antunes, acabou com Costa a não ir ao Congresso que elegeu Begonha este fim-de-semana.

E um dia, se quiser recordar mais um episódio da “never ending story” em que se está a transformar o Brexit, não poderá deixar de ler a forma como, em As 13 horas e 31 minutos em que May se salvou — e lembrou que, afinal, é Natal, João de Almeida Dias relatou o dia em que a primeira-ministra britânica sobreviveu a uma moção de censura.

Mas deixem-me voltar a este dia de domingo, pois logo a seguir à história do helicóptero já estava a ler no texto de Helena Matos a recapitulação da incrível história de um doente com uma lesão grave numa mão, decorrente de um acidente com uma rebarbadora, foi enviado do hospital de Setúbal para São José, São José tentou depois enviá-lo para Santa Maria, a seguir para São Francisco Xavier, acabando o doente por ir para... Vila Nova de Gaia, onde terminou por dar entrada 13 horas depois de ter chegado a São José, em Lisboa.

É outro exemplo de como temos de ter um jornalismo exigente e escrutinador se quisermos ter um país diferente e melhor, e é esse jornalismo que, passo a passo, o Observador se tem empenhado em levantar.

Um jornalismo assim pode fazer, e faz, a diferença, como temos vindo a fazer na nossa ainda curta vida. Um jornalismo assim também precisa de si, caro leitor. Como leitor, naturalmente, mas também como assinante.

O preço da nossa e da sua liberdade passa por subscrever o jornalismo que faz a diferença. Hoje é o dia certo para o fazer – ou mais um dia certo para o fazer. Porque, como dizia esse meu amigo, está a ser um daqueles dias em que “é um prazer um assinante do Observador”.

E depois porque é Natal.
O país necessita da atenção de todos nós. Em cima da hora, em cima do acontecimento, sem perder tempo e com toda a exigência e espírito crítico. Consigo como assinante.
Os meus votos de Boas Festas,
15394f37-d15a-4db8-9900-7c4008f236fe.jpgJosé Manuel Fernandes,
Publisher do Observador
ObservadorEleito melhor jornal generalista 2018
©2018 Observador On Time, S.A.
Rua João Saraiva, n. 7, Lisboa


Helicóptero do INEM: Duas Horas Entre Queda e Alerta Por Explicar


Cerca da 1h de domingo, na Estrada Nacional 15, em direcção à base de operações montada pela Protecção Civil na Associação Recreativa e Cultural da Azenha (ARCA), freguesia do Campo, Valongo, vê-se um comboio de veículos de várias corporações de bombeiros, da Protecção Civil e algumas ambulâncias que se desviam deste arruamento para um caminho em direcção à serra de Santa Justa, perto da aldeia de Couce.

O PÚBLICO segue na mesma direcção – uma subida acentuada por um caminho estreito –, cortando o nevoeiro e a chuva até parar onde os outros veículos estacionaram, próximo da Capela de Santa Justa.

Bombeiros e elementos da Protecção Civil saem das viaturas e reúnem-se para discutirem a operação. Membros da operação contam ao PÚBLICO que o helicóptero do INEM, que caiu no sábado à tarde na zona de Valongo, quando regressava de uma missão de transporte de uma doente grave de Bragança para o Porto, estaria próximo daquela área.

Teriam sido encontrados alguns destroços que se acreditava serem resultado do despenhamento. As condições atmosféricas e a visibilidade, àquela hora, não eram as melhores, o que dificultou operação. As autoridades cercariam o perímetro, ali ninguém exterior à operação entraria.

Leia o resto aqui.


NAV alertou Proteção Civil depois de perder contacto com helicóptero. Três CDOS “não atenderam”

Empresa que gere a navegação aérea tentou alertar o CDOS do Porto, Braga e Vila Real antes da Proteção Civil e Força Aérea.


A empresa que gere a navegação aérea (NAV) alertou meia hora após a perda de contacto com o helicóptero do INEM, entidades como a Proteção Civil e a Força Aérea para a falha de comunicação com o aparelho.
Segundo a NAV, à 19:40 foi avisada a Força Aérea Portuguesa, "que é quem ativa a busca e salvamento", 20 minutos depois de terem sido contactados os CDOS do Porto, Braga e Vila Real, que "não atenderam".
Numa nota enviada à Lusa, em que afirma ter adotado "com diligência e celeridade todos os procedimentos estabelecidos para este tipo de situações", a NAV Portugal transcreve, ao minuto, a sequência de acontecimentos após a falta de comunicação com o helicóptero HSU203, acidentado junto a Valongo no sábado e que resultou na morte de quatro pessoas.
Segundo a NAV, a tripulação contactou com a Torre de Controlo do Porto às 18:30, para informar que iria descolar para Macedo de Cavaleiros via Baltar dentro de 5/6 minutos, informando ainda que se não conseguisse aterrar em Baltar, poderia prosseguir para o Porto.
Segundo o INEM avançou no sábado, a aeronave estava desaparecida desde as 18:30.
A tripulação contactou, pela primeira vez, a Torre de Controlo do Porto, já em voo, às 18:37, e foi contactada às 18:39 pela Torre de Controlo, que pretendia saber qual a altitude que pretendia manter, tendo a tripulação informado que iria manter 1.500 pés.
A primeira perda de sinal radar com o helicóptero deu-se às 18:55, afirmou a NAV, salientando ainda que a perda de comunicações "é normal", devido "à altitude e orografia do terreno".
A hora expectável de aterragem, tendo em conta a hora de descolagem do aparelho, era às 19.00, destacou ainda a NAV.
A empresa destacou que às 19:20, "de acordo com o protocolo de atuação, que determina que 30 minutos após o último contacto expectável se iniciem tentativas de contacto com a aeronave", a Torre de Controlo do Porto contactou telefonicamente várias entidades, entre as quais os bombeiros de Valongo e a PSP de Valongo.
À mesma hora, foi tentado o contacto ainda com os Comandos Distritais de Operações de Socorro (CDOS) do Porto, Braga e Vila Real "que não atenderam".
"Só após contactar o CDOS de Coimbra, que reencaminhou a chamada para o Porto, é que se conseguiu contactar o CDOS do Porto", vincou a NAV.
Foram também contactados o Aeródromo de Baltar, os telemóveis da tripulação, o Aeródromo de destino, em Macedo de Cavaleiros, o Heliporto de Massarelos, "para saber se tinham optado por regressar, tendo aqui sido contactada a PSP para ir verificar ao local, uma vez que o heliporto não tem operações permanentes", acrescentou a empresa.
Segundo a NAV, à 19:40 foi avisada a Força Aérea Portuguesa, "que é quem ativa a busca e salvamento".
Na sua comunicação, a NAV apresenta também as "sentidas condolências aos familiares e amigos das vítimas do trágico acidente".
Lusa
Foto: Ivo Pereira/Global Imagens

Hora de Fecho: INEM. Proteção Civil não atendeu chamada de alerta

Logo Observador

Hora de fecho

As principais notícias do dia
Boa tarde!
Segundo a NAV, à 19h40 foi avisada a Força Aérea Portuguesa, 20 minutos depois de terem sido contactados os CDOS do Porto, Braga e Vila Real, que “não atenderam".
O comandante distrital do Porto da Proteção Civil disse desconhecer "qualquer atraso nas comunicações" entre bombeiros e aquela entidade. MAI quer saber o que correu mal com os alertas.
A ministra da Saúde agradeceu a dedicação e coragem das equipas de emergência. O bastonário da Ordem dos Médicos frisa que as quatro vítimas da queda do helicóptero são "um exemplo para todos nós".
Ao todo, analisámos 11 smartphones em 2018. Passaram-nos pelas mãos mais, mas apenas estes mereceram a nossa crítica. Com o Natal a chegar, é este o nosso pódio de final de ano.
Maria Begonha foi eleita líder da JS com 72% dos votos. Depois das polémicas em torno do seu currículo e de ter enfrentado pedidos de impugnação do congresso, a candidata única saiu mesmo vencedora.
O Governo rejeitou a "situação de alarme social" criada pelo CDS com a denúncia de falta de obras nas estradas e ferrovia, garantindo que a manutenção e "intervenções de emergência" estão asseguradas.
Milhares de participantes na "Marcha contra Marraquexe", organizada por movimentos de extrema-direita, 'atacaram' a sede da Comissão Europeia em Bruxelas, sendo dispersados pela polícia.
O pai de Chérif Chekatt, autor de um ataque em Estrasburgo, que fez na terça-feira quatro mortos e 12 feridos, confirmou que o filho era defensor dos ideais grupo Estado Islâmico (EI).
Depois dos triunfos de FC Porto e Sp. Braga, Benfica defronta Marítimo na Madeira à procura da quinta vitória seguida após a goleada de Munique. Petit tenta pela primeira vez tirar pontos às águias.
Fomos visitar o espaço recém-inaugurado em Vila Nova de Gaia que agrega no mesmo edifício um Museu, uma Enoteca e uma florista que quer ser muito mais que isso.
A primeira-ministra britânica enfatizou a sua recusa em convocar um segundo referendo sobre o 'Brexit' e criticou o antigo governante Tony Blair por defender essa opção. 
Opinião

Helena Matos
O PR comenta o descarrilamentos dos eléctricos. Os hospitais públicos recusam doentes. Saída para a crise? Adoptar uma coelha selvagem e também um ex-criador de vacas reconvertido energeticamente.
João Marques de Almeida
Se os Comuns chumbarem o acordo de May, o Reino Unido tem duas soluções: Brexit sem acordo, ou segundo referendo. Perante essa escolha, a maioria dos deputados votará a favor de um novo referendo. 
Alberto Gonçalves
No fundo, o Pacto Global para a Migração acabará restrito a meia dúzia de países que recebem migrantes, 150 países que os exportam e o Vaticano, fechado às turbulências terrenas. A coisa promete.
Francisco Goiana da Silva
Diz o ditado popular: "A mulher e a sardinha querem-se pequeninas.". Duvido contudo que o mesmo se aplique a projetos-Lei que definirão o futuro de uma das maiores conquistas do Portugal democrático.
João Pires da Cruz
Preocupa-me menos o facto de os chineses serem os “donos disto tudo” do que quando os “donos disto tudo” eram outros. O que me preocupa é o facto de termos feito zero para não haver “donos disto tudo”
MAGG

Marta Gonçalves Miranda
É o caso da Pedigree e da Purina, que estão a sentir quebras nas vendas segundo um relatório do "The Wall Street Journal". 

Mais pessoas vão gostar da Hora de fecho. Partilhe:
no Facebook no Twitter por e-mail
Leia as últimas
em observador.pt
ObservadorEleito melhor jornal generalista 2018
©2018 Observador On Time, S.A.
Rua João Saraiva, n. 7, Lisboa

5, 4, 3, 2, 1 … novo ano, novos espetáculos no Cine-Teatro de Estarreja

O novo ano esta à porta e antecipamos em primeira mão uma programação que se avizinha especial. A maior sala de espetáculos de Estarreja levanta a ponta do véu com mais de 20 espetáculos de teatro e de dança e muitos concertos para o primeiro trimestre de 2019.

Os Concertos Íntimos regressam com a força de três vozes femininas: Sara Tavares (19 de janeiro), Raquel Tavares (23 de março) e Carolina Deslandes (18 de maio).

O “Concerto de Ano Novo” (5 de janeiro) é dado pela Banda Bingre Canelense, numa oferenda musical com “Grandes Temas do Clássico ao Rock” e participação especial de Beatriz Maia e Miguel Rodrigues. No dia seguinte despeça-se da época natalícia cantando as janeiras no “Encontro de Trupes de Reis”.

Para o primeiro mês do ano está ainda marcado para o CTE muitas peças de teatro. O Trigo Limpo teatro ACERT - com textos de Luis Vaz de Camões, Ricardo Araújo Pereira, Raúl Solnado - sobe ao palco com Fogo (12 de janeiro) e o ACE Teatro do Bolhão – com texto de Afonso Cruz – traz a cena “O Baile das Coisas Importantes (13 de janeiro).

Janeiro também é sinónimo de comemorações da elevação de Estarreja a cidade. No 14º aniversário, a Câmara Municipal de Estarreja continua a valorizar os nossos agentes culturais e convida a Orquestra Filarmonia das Beiras, sob a direção do Maestro Cláudio Ferreira, tendo como solista a flautista Angelina Rodrigues. Neste concerto, será apresentado a Abertura de As Bodas de Fígaro de Wolfgang Amadeus Mozart, o Concerto para Flauta de Jacques Ibert e a Sinfonia nº7 de Ludwig van Beethoven.

Fevereiro abre com chave de ouro. O conhecido apresentador de "Preço Certo" e comediante, Fernando Mendes, estará a solo e encarnará na pessoa de Custódio Reis, um vendedor de vinhos e licores, que vive afogado em dívidas. Certa noite, em vez de — como é habitual — ressonar, fica com insónias, questionando-se sobre o seu possível divórcio, o facto de ser um pai ausente e outros problemas da sua vida, para os quais vai tentar encontrar soluções e alcançar a paz de alma. “Insónia” é um ES-PE-TÁ-CU-LO para assistir no dia 2 de fevereiro.

No mês dos (e) namorados, surpreenda a sua cara-metade e torne este dia inesquecível e romântico. Venha celebrar o amor na companhia de Herman José (16 de fevereiro), integrado no Festival “Montepio às vezes o amor”, que os levará numa viagem alucinante pela mão de muitas das suas personagens e das hilariantes estórias da sua carreira.

Após dois anos do lançamento do seu último álbum, Pedro Abrunhosa está de volta com o álbum “Espiritual”, um trabalho que foi “gravado à moda antiga” com os músicos do Comité Caviar, com quem o artista vai partilhar o palco neste concerto. O oitavo disco de originais composto por 15 canções entrou diretamente para o 1.º lugar do TOP de vendas e como descreve Pedro Abrunhosa, “é um conjunto de Canções que, como todas, só ganharão vida plena no palco quando tocadas diante a cumplicidade do público”. Uma simbiose perfeita para a noite de 23 de fevereiro.

O Clube de Poesia de Estarreja apresenta “A Mulher ao Lado” ( 8 de março) no dia em que se comemora o Dia Internacional da Mulher. O primeiro concerto de 2019 do OuTonalidades, circuito português de música ao vivo que percorre o país de norte a sul, chega a 9 de março com “ÊXODO”, composto por violão (Augusto) e clarinete (Paulinho), que se revela um entrelaço de danças e de canções que retratam de forma sonora o espírito da América Latina.

No final do mês de março, dia 30, Victor Hugo Pontes apresenta “Margem”. A partir da obra literária, que também é uma obra política Capitães de Areia, de Jorge Amado, o encenador e coreógrafo Victor Hugo Pontes quis perceber quem são os capitães da areia dos nossos dias. O contacto com jovens que vivem nas margens e que foram privados do ensino, da alimentação, de carinho, de família, deu origem a este teatro documental com texto Joana Craveiro.

No cinema, há filmes acabados de estrear tanto no Cinema Infantil como no Cinema em Cartaz. As Quintas de Cinema continuam atrativas, até no preço.
Os bilhetes para todos os eventos já se encontram à venda nos locais habituais.

AME – Agenda Municipal de Estarreja

Honra a um professor

Professor
♦  Plinio Maria Solimeo
Dizem que a gratidão é uma das virtudes mais difíceis de praticar. Esquecemo-nos muito rapidamente dos que nos fizeram algum bem, espiritual ou material, e dos benefícios que deles recebemos. Por isso, quando vemos uma demonstração de retribuição e de afeto a alguém por um bem recebido, sobretudo no mundo tão egoísta de hoje, não deixamos de nos surpreender.
Os professores estão neste caso. Não se lhes tem mais a devida estima, embora sejam os que nos abrem a alma e a inteligência para o saber. Está se tornando cada vez mais frequente terem eles de enfrentar a atitude de fronda mais soez da parte dos alunos, quando não são vítimas de agressão. Assim, neste Ocidente que deu as costas para Jesus Cristo e Sua Igreja, está longe o tempo em que os mestres eram considerados uma extensão dos pais na educação dos filhos, e vistos por isso como beneméritos.
Professor
Entretanto esse reconhecimento ainda existe em alguns países do Oriente, como na Turquia, que apesar de sua falsa religião, celebra em 24 de novembro o Dia dos Professores. Foi precisamente lá que ocorreu recentemente um fato nesse sentido, “viralizado” nas redes sociais.

Num vôo desse dia da companhia aérea turca Turkish Airlines o capitão começou inusitadamente a transmitir, da cabine de comando, as seguintes palavras:
“Senhores passageiros, quem fala é o capitão deste vôo. Hoje é um dia importante. Há seis anos eu sou piloto, como parte da família Turkish Airlines, e muito disso se deve aos esforços do meu professor Selahattin Onan, um professor com uma longa carreira que está conosco no avião hoje. É muito bonito poder chamar de professor alguém que é como um pai para mim.”
Professor
Recordou ainda que Selahattin Onan [fotos] foi piloto capitão durante 20 anos, tornando-se depois, durante outros 10 anos, formador de pilotos, lecionando para milhares deles, “acompanhando-os e fazendo-os crescer como seus filhos”.

O capitão acrescentou: “Estou falando em nome de todos os seus alunos, expressando nossa infinita gratidão. Sou muito feliz pelo fato de o senhor ter sido professor, meu professor. Muito feliz por ter sido um pai.”
Pouco antes, a Turkish Airlines havia passado um vídeo com depoimentos de outros ex-alunos de Onan. Um dizia: “Encontrei-me com ele pela primeira vez em um avião. Fiz diversas perguntas, e ele me disse: ‘Filho, se você está tão curioso, por que não pensa em ser piloto?’.” Outro acrescentou: “Ele parou e me disse que era a minha hora de fazer a diferença na vida dos outros. Agora estou me preparando para ser professor também.”
Mas a homenagem não parou aí. Um grupo de outros colabores da companhia aproximou-se do assento de Selahattin, que estava emocionado e em prantos, entregando-lhe um bouquet de flores em agradecimento pelo seu trabalho. E, à maneira turca de se saudar uma pessoa de idade, oscularam sua mão, nela encostando a própria testa.
Que atitudes como esta, tão comuns na “douceur de vivre” da Civilização Cristã, nos façam recordar tudo o que abandonamos.
Fonte: ABIM

____________

Gavião | Empresa amiga da ADASCA


A ADASCA congratula-se por ter esta empresa como sua amiga desde a fundação, à já 12 anos.
Na pessoa do senhor António, a ADASCA agradece por tudo o que tem feito no sentido de potenciar a promoção para a dádiva de sangue, assim outras seguem o seu exemplo.
Uma Churrasqueira recomendada, não só pela qualidade, mas, também pelo espírito de camaradagem que ali se vive.
Bem Haja Senhor António e toda a sua equipa.
Votos de Boas Festas.