sábado, 20 de outubro de 2018

MUNDO | Helicóptero cai em porta-aviões americano na costa das filipinas e causa vários feridos ligeiros


Um helicóptero MH-60 Seahawk, o mesmmo modelo do aparelho da Marinha dos EUA que caiu hoje no convés de voo do porta-aviões Ronald Reagan. FABRIZIO BENSCH/ REUTERS
Um helicóptero da Marinha dos Estados Unidos caiu hoje no convés de voo do porta-aviões americano Ronald Reagan na costa das Filipinas. O acidente causou vários feridos ligeiros. As autoridades não especificaram quantos marinheiros foram atingidos.

Em comunicado, a 7.ª Frota da Marinha afirmou que o MH-60 Seahawk caiu pouco depois da descolagem na costa filipina.

A Marinha indicou que todos os marinheiros afetados pela queda do helicóptero estavam "em condições estáveis com ferimentos que não são fatais".

Na nota, não é especificado quantos marinheiros ficaram feridos.

A Marinha também não deu detalhes sobre qualquer dano no helicóptero ou no porta-aviões, mas disse que este último tem condições para realizar a sua missão de segurança e estabilidade na região do Indo-Pacífico.

No comunicado, a Marinha disse ainda que o acidente ocorreu enquanto o porta-aviões Ronald Reagan realizava operações de rotina no Mar das Filipinas.

As causas do acidente estão já a ser investigadas.

SicNoticias
Com Lusa

Para reflectir!



7







Ministro da Administração Interna visita áreas afetadas pela tempestade no concelho







O Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita,  visitou áreas afetadas pela tempestade Leslie, na Praia da Vieira e em São Pedro de Moel, no concelho da Marinha Grande, na tarde deste sábado, 20 de outubro.

A presidente da Câmara, Cidália Ferreira, e os vereadores Carlos Caetano e Célia Guerra, mostraram alguns dos locais mais atingidos pelo temporal.

Na Praia da Vieira o Ministro da Administração Interna informou que “estamos a avaliar e a responder à necessidade de recuperar empresas, habitações e equipamentos municipais”. Para tal, esta semana o Conselho de Ministros aprovou decisões “com base numa avaliação preliminar com a colaboração da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro e Câmaras Municipais, que permitiu a aprovação de um decreto-lei que simplifica mecanismos de contratação pública e identifica vários mecanismos de apoio” aos particulares.

Eduardo Cabrita considerou que foi “a consciência coletiva que permitiu que, perante um fenómeno desta gravidade, não tivéssemos vítimas mortais”, lembrando que, para isso, terão contribuído os sucessivos avisos à população que foram sendo emitidos à medida que a tempestade ia evoluindo e que o município da Marinha Grande reforçou nos seus canais de comunicação oficiais.

A presidente da Câmara Municipal manifestou a sua solidariedade aos empresários e famílias afetadas e lembrou que, “na sequência da tempestade que provocou prejuízos em bens públicos e privados, neste momento estimados em cerca de 5 milhões de euros, o  Município aprovou esta semana a autorização excecional para a ocupação da via pública e execução de obras isentas de controlo prévio, para reparação dos danos decorrentes da passagem do furacão Leslie”.


Hora de Fecho: 35 anos depois, como Herman recorda "O Tal Canal" /premium

Logo Observador

Hora de fecho

As principais notícias do dia
Boa tarde!
A 22 de outubro de 1983, aterrava na televisão portuguesa uma espécie de OVNI do entretenimento. Herman José lembra como foi criar um programa que ainda hoje é uma referência do humor.
O Presidente da República garantiu desconhecer os factos na base do desaparecimento e reaparecimento das armas de Tancos, recordando que quer saber toda a verdade, "doa a quem doer".
O documento sem data nem assinatura, que o Expresso revelou este sábado, tem apenas nove parágrafos. Fala do major Pinto da Costa e do major Brazão, do informador e do vigiado.
Catarina Martins anunciou que o Bloco vai votar a favor, na generalidade, a proposta de Orçamento do Estado para 2019, afirmando que o documento contém avanços, mas também "enormes limitações".
A associação que distribuiu um inquérito a alunos do 5.º ano com perguntas sobre opções sexuais garante que todos os materiais são do conhecimento prévio das direções escolares.
O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, considera "absolutamente inaceitável" a divulgação de fotografias de suspeitos capturados pela PSP.
O mayor de Londres, Sadiq Khan, pede a realização de um referendo que dê aos britânicos a opção de permanecer na UE. Milhares de britânicos manifestam-se este sábado contra o Brexit. Veja as fotos.
O número de pedidos de nacionalidade e solicitações de vistos para Portugal na unidade consular da cidade de brasileira de São Paulo disparou em 2018 — mais 34% só entre janeiro e setembro.
Tem uma nova exposição em Londres e um documentário biográfico. Aos 89 anos, mais de 40 num hospital psiquiátrico, nunca a artista japonesa foi tão pop ou tão valiosa no mercado da arte.
Os tratamentos contra o cancro são cada vez mais eficazes, mas não basta tentar curar, é preciso que o doente não "morra" da cura. São os efeitos secundários que a ciência tenta contornar.
Neste sábado, o Teatro Nacional de São Carlos migra para o Porto para apresentar “La Traviata” num Coliseu esgotado há um mês. Há procura, mas a oferta na cidade é pouca. 
Opinião

Filomena Martins
Para quem faz da descentralização uma bandeira, ignorar uma catástrofe no centro do país revela além da insensibilidade genética outra verdade: que tudo são promessas lançadas (literalmente) ao vento.
Sebastião Bugalho
Aquilo que Daniel Oliveira critica em Bolsonaro e Ventura – o radicalismo, o ostracizar do outro, os ataques pessoais – é bastante similar ao modo como a esquerda lidou com o anterior governo. 
Luís Reis
Quero ver Costa por cima de tudo e todos – uma vaca voadora a pairar sobre o país. E, nessa altura, veremos quem lhe fura o balão de ar e o faz aterrar na dura realidade que todos teremos de viver.
Teresa Cunha Pinto
Deparamo-nos com uma sociedade que vê desaparecer, a cada dia, aquilo que construiu ao longo de muitos anos, a inversão dos valores é avassaladora o que só acontece porque se coloca tudo no mesmo saco
José Crespo de Carvalho
Verificar-se-á um gap de 40% entre o abastecimento global e as necessidades de procura de água até ao ano 2030. A oferta de água será, então, claramente insuficiente. Que devemos então fazer?
MAGG

Fábio Martins
A cantora esteve nos estúdios da Sic esta sexta-feira, 19 de outubro, a explicar algumas das situações em que se viu envolvida.

Mais pessoas vão gostar da Hora de fecho. Partilhe:
no Facebook no Twitter por e-mail
Leia as últimas
em observador.pt
ObservadorEleito melhor jornal generalista 2018
©2018 Observador On Time, S.A.
Rua Luz Soriano, n. 67, Lisboa

Berlim verde e o príncipe da Rua da Picaria

Fugas
 
 
  Sandra Silva Costa  



Que Berlim é uma cidade vibrante, a reinventar-se a cada passo, já todos sabíamos. Mas será que sabíamos que é cada vez mais verde à mesa? A cidade da música electrónica, dos clubes e da noite apresenta-se agora como a capital vegan da Europa. A Alexandra Prado Coelho – quem mais? – andou por lá e voltou com uma certeza: “A capital alemã não deixou de fazer a festa, mas fá-lo também através da comida – e cada vez mais sem proteína animal." De acordo com o site Happy Cow, Berlim tem 65 restaurantes vegan e 320 vegetarianos/ou com opções vegetarianas. A Alexandra foi conhecer alguns e no meio dessas deambulações encontrou o portuguesíssimo pastel de nada – versão vegan do pastel de nata introduzido por Paula Gouveia e o marido, o grego George Andreadis. Bom apetite!

Da Alemanha até à Dinamarca pode ser só um saltinho. E, embora a maior parte dos portugueses escolha a capital Copenhaga como destino, há muito mais para descobrir neste país de ilhas mil. O João Palma, que trata a Dinamarca por tu, guia-nos numa viagem pela Jutlândia e explica que esta é uma ostra que, “dentro da casca rugosa, encerra inúmeras pérolas”. Vamos?

Ou vamos antes conhecer o protagonista da semana? Chama-se Reinaldo Pereira e há 50 anos que está ligado à história de um dos clássicos restaurantes do Porto. O José Augusto Moreira voltou ao Ernesto e ouviu-o contar histórias que vão do Brasil a Francisco Sá Carneiro. Eis o príncipe da Picaria.

Já que andava por ali, o José Augusto atravessou a ponte e foi conhecer o 17.56, que abriu há escassos dois meses em Vila Nova de Gaia. Com uma oferta que se desenvolve em torno de três cozinhas diferentes – carne, peixe e japonesa –, esta enoteca da Real Companhia Velha honra os pergaminhos da histórica empresa. O menu serve-se aqui.

De Gaia seguimos para Espinho, na companhia da Alexandra Couto, que nos guia numa visita ao castro de Ovil, anterior à ocupação romana. Foi abandonado antes de qualquer aculturação, mas os seus vestígios resistiram até hoje, preservando histórias da Idade Média e até da fábrica de papel cujas ruínas partilham com o povoado a mesma colina junto à água. A câmara municipal quer pô-lo no seu mapa turístico.

No capítulo dos vinhos, o Pedro Garcias fala-nos hoje do Roubado e conta outras histórias que mostram que várias regiões estão a reinventar-se,fazendo avançar o panorama vínico nacional. E a Alexandra Prado Coelho foi à Adega 23, na Beira Interior, zona de poucas vinhas, onde uma oftalmologista sem experiência se lançou como produtora. Saúde!

Está tudo dito por hoje. Marcamos encontro na próxima semana? Até lá, boas viagens.

Lesões desportivas em debate no Exploratório

A décima sessão do programa Conversar é o Melhor Remédio decorre hoje, dia 20 de outubro, às 18:00, na Exposição Em Forma com a Ciência, no Exploratório.

Os médicos Pedro Marques e Ana Inês, do Centro Cirúrgico de Coimbra – parceiro do projeto – serão os dinamizadores da sessão.
A especialidade em abordagem é a Ortopedia, com o tema “Como evitar lesões no desporto ou no ginásio?”. Ao longo de uma hora, os médicos vão conversar com o público sobre boas práticas no desporto e problemas decorrentes de lesões associadas ao exercício físico.
As sessões de Conversar é o melhor Remédio decorrem todos os meses. Sempre no terceiro sábado do mês, às 18h00 e têm a duração de uma hora. A atividade é gratuita e não carece de inscrição prévia. Dirigida a adultos interessados em temáticas relacionadas com a saúde, todos os meses há novas especialidades médicas em debate.
Fonte: NDC

Portugal importou mais de 300 mil toneladas de peixe este ano e exportou 153 mil toneladas

Portugal já importou mais de 300 mil toneladas de peixe este ano, o equivalente a 1.295.160 euros, maioritariamente oriundo de Espanha, Suécia, Países Baixos e China, segundo os dados compilados pelo Observatório do Mercado Europeu da Pesca e da Aquicultura.
No sentido contrário, foram exportadas 152.786 toneladas de peixe (130.279 dentro da União Europeia e 22.507 fora), correspondente a 627.292 euros.
De dentro da União Europeia (UE), Portugal importou 204.479 toneladas de peixe (867.101 euros), a que se somam 116.791 toneladas de importações extracomunitárias (428.059 euros).
De acordo com os dados, foram importadas 126.949 toneladas de Espanha, 25.028 da Suécia, 24.699 dos Países Baixos e 20.003 da China.
Ainda dentro da UE, surgem entre os primeiros lugares a Dinamarca (7.215 toneladas) e a Grécia (5.844), enquanto de fora da UE, após a China, figuram o Vietname (10.855) e a Índia (9.064).
Por espécie, destacam-se, dentro da UE, as importações de peixes de fundo ('groundfish'), onde se incluem o verdinho, o bacalhau, o granadeiro e a pescada, com 72.089 toneladas, seguida pela categoria outros peixes marinhos, como tamboril, raia e robalo, que totalizou 28.480 toneladas.
Já fora da UE, as espécies mais importadas foram os peixes de fundo (31.727 toneladas) e os cefalópodes (22.142), entre os quais o choco, o polvo e a lula.
Entre os principais países para os quais Portugal exportou pescado encontram-se Espanha (89.698 toneladas), Itália (16.143), França (13.615) e Brasil (6.914).
Por espécie, dentro da UE, destaca-se a exportação de pequenos pelágicos (30.086 toneladas), atum e semelhantes (18.394) e cefalópodes (17.692 toneladas).
Para fora da UE, as espécies mais exportadas por Portugal foram os peixes de fundo (6.841 toneladas), os pequenos pelágicos (4.326) e outros peixes marinhos (3.841).
Até ao final de 2017, Portugal tinha importado, dentro da União Europeia, 359.660 toneladas de peixe (1.471.665 euros), maioritariamente de Espanha (223.470 toneladas), Países Baixos (51.150) e Suécia (35.265).
Por sua, vez, as importações extracomunitárias totalizaram 168.391 toneladas (633.269 euros), oriundas, sobretudo, da China (32.591 toneladas) e do Vietname (16.944).
No mesmo ano, as exportações intra-UE totalizaram 130.279 toneladas (519.471 euros), destacando-se Espanha (89.698 toneladas), Itália (16.143) e França (13.615).
Já fora da UE, as exportações atingiram 22.507 toneladas (107.826 euros), principalmente, para Brasil (6.914 toneladas), Estados Unidos (2.489) e Angola (2.156).
No que se refere ao consumo, até Julho deste ano, os portugueses comeram mais de 28 toneladas de peixe fresco, o que se traduz em quase 184 mil euros.
Por espécie, destacam-se a categoria diversos produtos aquáticos (9.998 toneladas), seguida por outros peixes marinhos (6.341), como o peixe-espada e o robalo, os pequenos pelágicos (4.322), de que são exemplo a sardinha e a cavala, bem como os peixes de fundo (2.934).
Até ao final de 2017, tinham sido consumidas 54.548 toneladas de peixe, o equivalente a 362.287 euros.
Lusa
Procurar por um passaporte português passou a ser um plano alternativo, nas últimas semanas, para brasileiros que, receando o aumento da violência após as eleições presidenciais de 28 de outubro, equacionam deixar o país.
Carolina Barres, de 33 anos, portadora de nacionalidade brasileira e portuguesa, contou à Lusa que a sua companheira vai dar entrada com o pedido de nacionalidade portuguesa por motivo de segurança, caso precisem sair do país para escapar à violência contra casais homossexuais.
“Eu tenho a cidadania e o passaporte português. De facto, se precisarmos de sair do Brasil, a Fernanda poderá, a partir do reconhecimento da nossa união de facto, pedir os documentos para viver e trabalhar em Portugal legalmente”, frisou.
“Tenho medo de viver no Brasil porque sou mulher, gay, trabalho com arte, cinema e teatro e posso sofrer represálias num eventual governo liderado por Jair Bolsonaro [candidato de extrema-direita]”, acrescentou.
Fernanda Bernardino, de 35 anos, também explicou que a possibilidade do candidato Jair Bolsonaro tornar-se Presidente do Brasil é um fator determinante para a decisão de dar entrada com o pedido de nacionalidade portuguesa e, se preciso, mudar-se para o exterior com a companheira.
“Pedir a nacionalidade [portuguesa] não era uma coisa urgente. Pensávamos passar um tempo em Portugal, no futuro, para estudar, mas hoje sinto que isto é uma necessidade. Se acontecer algo ruim aqui connosco, Portugal é, sem dúvida, um lugar seguro para ir”, relatou.
O casal, que no início do ano comprou um apartamento e reformou o espaço, explicou ainda que não tinha a intenção de deixar o país.
“Pensar que não vamos ter segurança e andar na rua é algo muito difícil (…) Já mudamos a nossa rotina por causa do medo de sofrermos violência no Brasil. Acabamos de comprar um apartamento que estamos a reformar há meses, isto não estava nos nossos planos, mas temos que pensar em segurança também”, destacou.
A portuguesa Katia Soveral, 40 anos, que entre várias viagens pelo meio regressou ao Brasil há quatro anos, contou à Lusa que a situação política do país fez com que decidisse formalizar em cartório o relacionamento com o namorado, brasileiro, para ter uma espécie de ‘plano B’, caso tenham que deixar o Brasil.
“O que eu vejo e estou sentido sobre a evolução política no país é que vem vindo uma repressão e tempos muitos sombrios. Toda esta onda racista, xenófoba, misógina, homofóbica vem surgindo através da voz de um candidato à Presidência [Jair Bolsonaro] que incita muito a violência”, avaliou.
“Diante deste quadro surgiu a ideia de pedir união de facto com o ‘Cris’, ou seja, de formalizar nossa união como casal perante a lei – já vivemos juntos há três anos – e no futuro obter uma nacionalidade [portuguesa] para ele e eu termos possibilidade de viver em Portugal, como um ‘plano B'”, acrescentou.
Antes da última fase do processo eleitoral no Brasil, que colocou Jair Bolsonaro na liderança da corrida à presidência, o casal não tinha planos para oficializar a relação.
“Foi uma ideia bem recente que veio do medo que temos de andar na rua, de nos expressar. Somos um casal inter-racial, eu sou mulher, minoria, e o Cris é negro. Temos um medo adicional de que a violência contra as minorias venha a crescer no Brasil”, disse Katia.
Já o namorado, Cristiano Sales Santiago, 37 anos, explica que a ideia de legalizar a união com Katia vinha de um período anterior, mas revelou que tem a intenção de pedir a nacionalidade e um passaporte português, para viver longe do Brasil se for preciso.
“Também tenho medo desta situação atual (…) Não sei até que ponto o que andamos sentindo vai acontecer de facto, ou seja, uma perseguição e uma repressão muito forte [no Brasil]. Eu não sei se este sentimento é real. Só vamos saber quando o Bolsonaro for eleito”, avaliou.
Ainda assim, uma solução de recurso, porque financeiramente, a possibilidade de uma mudança do Brasil para Portugal, não é vista com muito otimismo pelo casal. Katia tem um emprego na área de audiovisual numa grande produtora e Cristiano conta que recentemente deu uma ‘guinada’ na carreira, deixando a música para trabalhar no mercado de venda de imóveis.
“Tenho conversado bastante com a Katia, porque é um momento profissional muito bom para mim. Estou num caminho muito legal. É a primeira vez que me sinto fortalecido neste aspeto. Se tiver que sair do Brasil será muito ruim, não é o que gostaria, mas, se for necessário ir para Portugal para ter liberdade, é o que iremos fazer”, concluiu.
O número de pedidos de nacionalidade e solicitações de vistos para Portugal solicitados na unidade consular na cidade de brasileira de São Paulo disparou em 2018.
O consulado geral de Portugal em São Paulo informou na última semana que até ao início de 2019 não receberá mais pedidos de reconhecimento de nacionalidade portuguesa, por conta da demanda.
Sobre os pedidos de vistos, a Secretaria das Comunidade Portuguesas relatou que este tipo de solicitação realizada por brasileiros naquele consulado aumentou 34% de janeiro a setembro deste ano, face ao mesmo período de 2017.
Lusa

Manhã de sábado: "Miúdos com menos tempo ao ar livre que reclusos" /premium

Logo Observador

Manhã de sábado

As principais notícias do dia
Bom dia!
PAIS E FILHOS 
Crianças agarradas aos ecrãs, fechadas em salas, com agendas preenchidas e pouco tempo para estar com os pais. No seu novo livro, Pedro Stretch faz uma análise aos desafios desta geração.
ORÇAMENTO DO ESTADO 
O Orçamento para 2019 dá os primeiros sinais de que se está a esgotar a margem para reduzir o défice público e, ao mesmo tempo, distribuir mais dinheiro por todos. Ensaio de Helena Garrido.
SAÚDE 
Jorge Simões, marido de Marta Temido, renunciou ao cargo invocando "motivos pessoais". Gabinete da ministra afirma que o Conselho Nacional continua a funcionar com presidência em substituição.
ENERGIA RENOVÁVEL 
Um projeto inovador para produzir energia eólica em águas profundas. O Windfloat trouxe à sede da EDP o novo secretário de Estado da energia e o ministro com uma viragem na discurso sobre o setor.
PSP 
MAI determinou a abertura de um inquérito às circunstâncias em que ocorreu a fuga de 3 homens do Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto e sobre a divulgação de fotografias das suas detenções.
LIBERDADE DE EXPRESSÃO 
A imprensa estatal da Arábia Saudita afirma que Jamal Khashoggi morreu na sequência de troca de murros com homens com quem se ia encontrar no consulado. 18 sauditas terão sido detidos.
ELEIÇÕES NO BRASIL 
O Partido Democrático Trabalhista entregou um recurso no Tribunal Superior Eleitoral brasileiro a pedir a anulação da primeira volta das eleições presidenciais no país.
ELEIÇÕES NO BRASIL 
O PSL, o partido do candidato Jair Bolsonaro, teve 70,7 por centos das publicações feitas no Twitter identificadas como feitas por máquinas.
PORTUGAL FASHION 
Cinco anos fechada para obras e, agora, o regresso. Maria Gambina voltou à moda com "Construção", num dia em que brilharam muitos outros nomes da moda nacional, com ou sem lantejoulas.
STREET STYLE 
Ao segundo dia, o Porto finalmente exibiu as suas verdadeiras cores. Depois de um arranque tímido, o público do Portugal Fashion deu tudo no styling e até vestiu criadores nacionais.
MÚSICA 
Ângelo César é o Manda Chuva, mas às vezes gostava de não ser. Tem um novo álbum, "A Vida Continua...", mas nesta entrevista também fala do passado, do hip hop, da família e de racismo em Portugal.

Opinião

Filomena Martins
Para quem faz da descentralização uma bandeira, ignorar uma catástrofe no centro do país revela além da insensibilidade genética outra verdade: que tudo são promessas lançadas (literalmente) ao vento.
Sebastião Bugalho
Aquilo que Daniel Oliveira critica em Bolsonaro e Ventura – o radicalismo, o ostracizar do outro, os ataques pessoais – é bastante similar ao modo como a esquerda lidou com o anterior governo.
Luís Reis
Quero ver Costa por cima de tudo e todos – uma vaca voadora a pairar sobre o país. E, nessa altura, veremos quem lhe fura o balão de ar e o faz aterrar na dura realidade que todos teremos de viver.
Teresa Cunha Pinto
Deparamo-nos com uma sociedade que vê desaparecer, a cada dia, aquilo que construiu ao longo de muitos anos, a inversão dos valores é avassaladora o que só acontece porque se coloca tudo no mesmo saco
José Crespo de Carvalho
Verificar-se-á um gap de 40% entre o abastecimento global e as necessidades de procura de água até ao ano 2030. A oferta de água será, então, claramente insuficiente. Que devemos então fazer?
MAGG

Fábio Martins
A cantora esteve nos estúdios da Sic esta sexta-feira, 19 de outubro, a explicar algumas das situações em que se viu envolvida.
Mais pessoas vão gostar da 360º. Partilhe:
no Facebook no Twitter por e-mail
Leia as últimas
em observador.pt
ObservadorEleito melhor jornal generalista 2018
©2018 Observador On Time, S.A.
Rua Luz Soriano, n. 67, Lisboa

Plano Distrital de Emergência de Proteção Civil de Coimbra foi desativado


A Comissão Distrital de Proteção Civil de Coimbra vem por este meio informar que o Plano Distrital de Emergência de Proteção Civil (PDEPC) foi desativado ontem, dia 19 de outubro, pelas dezanove horas.

Recorde-se que o PDEPC foi acionado no passado dia 14 de outubro para fazer face ao elevado número e complexidade de ocorrências decorrentes da passagem da “tempestade tropical Leslie”, evento que exigiu um elevado grau de articulação institucional de todos os agentes de proteção civil e articulação operacional de todas as organizações integrantes do Sistema Integrado de Operações de Proteção e Socorro (SIOPS).

Fim de semana a Domus: em grande!

Para quem gosta de acompanhar o Domus Nostra, este é mais um fim de semana cheio de emoções!


Câmara Municipal da Figueira da Foz disponibiliza imagens aéreas de todo o Concelho

A Câmara Municipal da Figueira da Foz, através do Serviço de Informação Geográfica, está a proceder ao registo dos danos provocados pela Tempestade Leslie em fotografias aéreas, com recurso a drone.
As imagens podem ser vistas e descarregadas, para efeito de acionamento de seguros ou outro, no website da autarquia em 
Este procedimento ainda está em curso, pelo que este banco de imagens, que conta já com algumas centenas de registos de todo o Concelho, está a ser diariamente atualizado.