sexta-feira, 27 de março de 2020

"Não é eficaz". ARS Norte rejeitou pedido de cerca sanitária em Gaia, Maia, Valongo e Gondomar

A denúncia é feita à Renascença pelo presidente da Câmara de Gondomar e da Comissão Distrital da Proteção Civil, Marco Martins.

Foto: Estela Silva/EPA
A Administração Regional de Saúde (ARS) Norte não vê resultados numa cerca sanitária por causa do coronavírus, como acontece em Ovar, e recusou que fosse ativada em quatro concelhos do Grande Porto. A denúncia é feita na Renascença pelo presidente da Câmara de Gondomar e da Comissão Distrital da Proteção Civil, Marco Martins.
Ovar pertence à ARS Centro e faz fronteira com concelhos da região Norte.
O presidente da Câmara de Gondomar admite que o pedido de cerca sanitária foi feito por duas vezes, esta semana, e que a recusa se manteve.
A explicação dada pela ARS Norte ao autarca é a de que a cerca sanitária não é eficaz, tem mesmo sido dado como exemplo o caso de Ovar, onde os responsáveis da ARS Norte dizem não estar a resultar.
“Enquanto autarca de Gondomar e presidente da Comissão Distrital da Proteção Civil já no domingo coloquei essa questão à autoridade [de saúde], perante o aumento de casos. Só que a autoridade de saúde diz que isso não se justifica porque não é eficaz, como não está a ser eficaz em Ovar. A meio da semana voltei a insistir no assunto”, conta Marco Martins em declarações à Renascença.
Então por que é que confinamento geográfico continua em Ovar? O autarca diz que a pergunta é “pertinente” e ele próprio a fez à ARS Norte.
“É uma questão da ARS Centro. A ARS Norte defende que não está a ser eficaz em Ovar e não se justifica [nos concelhos da sua competência]”, reforça.
O pedido do cordão sanitário seria para os municípios de Vila Nova de Gaia, Maia, Valongo e Gondomar, onde existem neste momento 690 casos confirmados, para além dos 317 existentes no Porto. Estas municípios estão entre os que mais casos tem no pais.
Esta sexta-feira foram conhecidos os primeiros casos num lar de Santa Maria Feira, concelho vizinho de Ovar.
Emídio Sousa, presidente da Câmara de Santa Maria da Feira, concorda que a cerca sanitária não está a resultar. “Isto é uma opinião de um presidente de câmara, não é de um especialista em saúde pública. Quando se toma uma posição destas é tomada isoladamente parece-me que tem pouco resultado. Ou era tudo ou não era ninguém”, defende.
O presidente da Câmara de Santa Maria da Feira, Emídio Sousa, com uma posição que vai de encontro à defendida pela Administração Regional de Saúde (ARS) Norte.
Rádio Renascença

Consignação do IRS - Ajude MULHERES GRÁVIDAS em dificuldades

Ajude a ADAV-Leiria. Saiba como aqui:

ADAV-Leiria, Associação de Defesa e Apoio da Vida
I.P.S.S. - Instituição Particular de Solidariedade Social


CONTACTOS:
Telefone: 244 80 20 40 (disponível apenas em horário de atendimento)
Telemóvel: 965 11 22 19 (24 horas/todos os dias da semana, em caso de urgência; horário normal, dias úteis: das 9h30m às 19h00m)
Correio eletrónico geral: adav.leiria@gmail.com
Morada: Largo Salgueiro Maia; Edifício Mercado Municipal Maringá; 1.º, sala 8; 2400-221 Leiria
NIF: 507 162 552
 
ATENDIMENTO:
segunda-feira: 9h30m – 13h00m
terça-feira: 9h30m – 13h00m
quarta-feira: 9h30m – 13h00m
quinta-feira: 9h30m – 13h00m
sexta-feira: 9h30m – 13h00m, 14h30m – 17h30m

IMPLEMENTAÇÃO DE ÁREAS DEDICADAS COVID-19 EM TORRES VEDRAS

No quadro da atual pandemia causada pela doença COVID-19 e de forma a responder às necessidades de resposta que surgiram com a entrada do país na fase de mitigação da doença, o concelho de Torres Vedras conta agora com duas áreas dedicadas para avaliação e tratamento de doentes COVID-19 (ADC). O concelho conta com uma ADC no Centro de Saúde de Torres Vedras e outra no Serviço de Urgência do Hospital de Torres Vedras.

Todas as pessoas que desenvolvam um quadro respiratório agudo de tosse (tosse persistente ou agravamento de tosse habitual) ou febre (temperatura igual ou superior a 38ºC) ou dificuldade respiratória devem ligar para a Linha SNS 24 (808 24 24 24). Serão os profissionais de saúde da linha que farão o encaminhamento adequado a cada situação clínica, que poderá passar pelo isolamento no domicílio e sob vigilância ou pelo encaminhamento para uma das ADC do concelho.

No serviço de urgência médico-cirúrgica do Hospital de Torres Vedras, os utentes com queixas respiratórias (tosse, febre e falta de ar) devem dirigir-se ao Balcão 5, onde são recebidos por um enfermeiro que, após um questionário específico para validação de caso suspeito, encaminhará os mesmos para o espaço da Consulta Externa – Zona de Triagem Respiratória.

Depois de ter definido novos circuitos nas urgências médico-cirúrgicas, criando áreas específicas para receber os casos suspeitos (que se encontram separadas das áreas que recebem utentes com outras patologias), o Centro Hospitalar do Oeste está a desenvolver uma nova reorganização, assim como a ampliação de espaços e a revisão de circuitos, de forma a dar resposta ao aumento da afluência de doentes à Zona de Triagem Respiratória.

Já o Centro de Saúde de Torres Vedras conta com uma Área Dedicada para avaliação e tratamento de doentes COVID-19 (ADC). Esta área é unicamente destinada aos doentes que apresentem febre, tosse, dispneia (dificuldade respiratória), astenia (cansaço), mialgias (dores musculares), rinorreia, congestão nasal, coriza, odinofagia ou doentes com história de contacto com algum suspeito ou com um caso confirmado de COVID-19. Esta área encontra-se em funcionamento todos os dias, entre as 8h00 e as 20h00.

Águeda | Residências respondem a necessidade de alojamento universitário

Residências vão responder a necessidade de alojamento universitário 
Obras nos dois edifícios do complexo das residências universitárias estão a decorrer e permitem responder a uma necessidade de alojamento para estudantes do Ensino Superior 

As obras de requalificação das residências universitárias de Águeda, localizadas na Rua Comandante Pinho e Freitas, da responsabilidade da Câmara Municipal de Águeda e que implicam um investimento de 592.862,70 euros, estão a a decorrer e já são visíveis alguns dos trabalhos efetuados. 

“Esta é uma obra importante no Concelho e uma mais-valia para os alunos que frequentam a ESTGA, para além de que dirime a falta de resposta no alojamento local para os jovens que vêm estudar para Águeda”, disse Jorge Almeida, Presidente da Câmara Municipal de Águeda, lembrando que a construção das residências passou por vários processos, com muitos avanços e recuos, mas que conheceu o seu desbloqueamento em maio do ano passado, com o arranque das obras. 

Neste momento, é possível ver algumas das intervenções realizadas e as melhorias efetuadas nos dois edifícios que vão albergar as residências para os estudantes. 

O projeto de requalificação das residências universitárias, que permitirá albergar os estudantes da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda (ESTGA), da autoria da Central Projetos, Lda., implica dois tipos de intervenção: obras de construção de raiz (novo edifício autónomo) e obras de restauro (executadas nos edifícios e anexo existentes). 

Os edifícios ocupam as antigas residências dos oficiais da antiga Escola de Sargentos, que foi encerrada em 1977, sendo que estavam, desde então, desabitadas. Por este fato, a intervenção necessária, apesar do aspeto degradado, servirá para conferir aos edifícios um novo uso, a de residências universitárias, pelo que terão de ser adaptados à legislação em vigor e às necessidades exigidas pela Universidade de Aveiro, otimizando o número de residentes. 

O complexo é composto por quatro edifícios, sendo que dois são blocos de apartamentos, com dois pisos cada (rés-do-chão e primeiro andar), que disponibilizam um total de 63 camas; um outro é um espaço polivalente, situado nas traseiras destes blocos (com casa-de-banho, lavandaria e zona técnica); e o outro, na zona lateral do complexo, destina-se a escritório e a uma zona de entrega de roupa. 

Quanto aos edifícios centrais são constituídos por oito apartamentos, sendo que cada um tem quatro quartos duplos (à exceção de um quarto num dos apartamentos, que é simples e destina-se a pessoas com mobilidade reduzida), cozinha com copa, três casas-de-banho (uma completa, uma com duche e outra de serviço) e uma zona de entrada onde está disposta uma pequena área de estudo equipada com secretárias comuns e cadeiras. 

A cozinha, onde os alunos poderão confecionar a sua comida e conviver um pouco, estará equipada com um forno, uma placa de indução e exaustor telescópio de encastrar, um frigorífico, uma arca vertical e uma torradeira. 

Como já mencionado, um dos apartamentos, situado no rés-do-chão, dispõe de um quarto simples e foi concebido para pessoas com mobilidade condicionada, sendo que terá, para além da cama individual, uma mesa de estudo com tampo rebatível e terá uma casa-de-banho privativa adaptada a pessoas com mobilidade reduzida. Neste apartamento, haverá ainda a possibilidade de adaptação futura de mais um quarto para pessoas com a mesma problemática. No acesso ao apartamento, está prevista a construção de uma rampa exterior com inclinação mínima de 8%. 

Na zona exterior, onde antes estavam os anexos e garagens, foi construída uma sala de estudo comum, que terá capacidade para 40 pessoas e será equipada com 10 secretárias individuais e uma outra zona com mesas corridas. Esta sala terá instalações sanitárias de apoio, acessíveis a pessoas com mobilidade condicionada. 

Nesta zona, haverá ainda uma área de lavandaria para uso exclusivo dos alunos e que ficará equipada com duas máquinas de lavar, uma máquina de secar e uma tábua e ferro de engomar. 

Num outro anexo, foi criado um escritório para uma funcionária, equipado com um pequeno economato, sendo que esta zona disporá ainda de um armazém de roupa lavada, assim como uma área para entrega de roupa. 

O complexo tem quatro lugares de estacionamento, sendo um para pessoas com mobilidade reduzida. 

Refira-se que os trabalhos tiveram início em maio do ano passado, tendo a obra sido adjudicada à empresa António Lopes Pina, Unipessoal, Lda. De realçar que, para além da substituição de caixilharia para melhorar o conforto térmico dos edifícios, a obra implicou ainda a colocação de painéis solares que visam, naturalmente, promover a autonomização energética.

COVID-19: SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA NO CONCELHO DE TORRES VEDRAS A 27 DE MARÇO

O concelho de Torres Vedras continua, neste momento, com 13 casos confirmados de doença COVID-19, que se encontram a ser acompanhados pelas autoridades de saúde. Os casos mantêm-se distribuídos pelas freguesias do concelho da seguinte forma:
  • Santa Maria, São Pedro e Matacães: 5
  • São Pedro da Cadeira: 4
  • União das Freguesias de A dos Cunhados e Maceira: 2
  • Freiria: 1
  • Silveira: 1
Existem 15 casos suspeitos, que se encontram a aguardar os resultados laboratoriais, e 75 contactos sob vigilância ativa das autoridades de saúde.
asda
A Proteção Civil de Torres Vedras apela à população em geral para que se mantenha em casa, cumprindo o isolamento social voluntário.
Apela-se para que seja mantida a serenidade e para que sejam cumpridas todas as recomendações da Direção-Geral da Saúde e das demais autoridades.
Em caso de sintomas, apela-se à população para que não se dirija ao Hospital de Torres Vedras e utilize a linha SNS24 (808 24 24 24).

Presidente do Brasil diz que governadores e prefeitos terão de pagar salários na quarentena

SIC Notícias | Presidente do Brasil diz que governadores e ...
O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse hoje que governadores e autarcas que decretem quarentena para evitar a proliferação do novo coronavírus terão de pagar o salário das pessoas afetadas.
"Tem um artigo na CLT [Consolidação das Leis do Trabalho] que diz que todo o empresário, comerciante que for obrigado a fechar seu estabelecimento por decisão do respetivo chefe do executivo, os encargos trabalhistas quem paga é o governador e o prefeito, 'tá ok?", declarou Bolsonaro a apoiantes, quando saía da sua residência oficial, em Brasília.
A declaração é mais um ataque promovido pelo chefe de Estado brasileiro, que defende a adoção de uma quarentena relaxada, chamada vertical, na qual as pessoas que não têm sintomas da doença deveriam voltar às suas atividades e apenas quem faz parte dos grupos de risco ficaria isolado.
Bolsonaro adotou esta tese publicamente alegando que o isolamento destruirá a economia do país, tendo ainda declarado que a covid-19 é apenas uma "gripezinha", que pode até já ter sido contagiado, mas sustentou que não ficou doente porque era um "atleta".
Hoje o Presidente brasileiro publicou, na sua conta na rede social Facebook, um vídeo que mostra uma caravana no estado de Santa Catarina, com algumas pessoas dentro dos seus carros a buzinar e a pedir o fim da quarentena porque querem trabalhar.
Na noite passada, Flávio Bolsonaro, filho do chefe de Estado e também senador (membro da câmara alta do Congresso brasileiro) publicou na sua conta no Facebook o vídeo de uma campanha do Governo, ainda em fase de planeamento, que usa o 'slogan' #BrasilNaoPodeParar, no qual pessoas representando trabalhadores de várias categorias defendem o regresso a um regime normal de trabalho.
Enquanto Bolsonaro e os seus apoiantes defendem o fim das quarentenas decretadas em cidades do país, a maioria dos governadores e presidentes de câmara (prefeitos), o Ministério da Saúde e a Organização Mundial de Saúde (OMS) adotam um discurso oposto, defendendo isolamento social como forma de conter a velocidade das infeções por covid-19.
O número de mortos pelo novo coronavírus no Brasil aumentou para 77 na quinta-feira, registando-se ainda 2.915 infetados, segundo o Ministério da Saúde.
O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 540 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 25 mil.
Dos casos de infeção, pelo menos 112.200 são considerados curados.
Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Fonte: Lusa

Governo proíbe deslocações rodoviárias no fim de semana e durante a Páscoa

Governo proíbe deslocações de carro durante o fim de semana e dias ...
NIT
O Ministro da Administração Interna (MAI), Eduardo Cabrita, anunciou esta sexta-feira que não serão "toleradas as chamadas deslocações de fim de semana" e durante a Páscoa, uma "vez que põem em causa a saúde dos próprios e a saúde dos portugueses".
"O Ministro da Administração Interna deu esta sexta-feira orientações às Forças de Segurança para intensificarem a fiscalização rodoviária durante o fim de semana e ao longo do período da Páscoa, sobretudo em direção ao Algarve", pode ler-se no comunicado enviado às redações.
O documento adianta também que a medida, que entrou em vigor no âmbito do Estado de Emergência, autoriza apenas a deslocação aos "cidadãos que o façam ao abrigo das exceções previstas no Dever Geral de Recolhimento".
É referido ainda que, "uma vez que põem em causa a saúde dos próprios e a saúde dos portugueses", não serão toleradas as chamadas deslocações de fim de semana.
Nesse sentido, o Ministro da Administração Interna "apela a todos os portugueses para permaneçam em casa, limitando as viagens ao estritamente necessário".
Posteriormente, o documento recorda, por pontos, o Dever Geral de Recolhimento:
• Aquisição de bens e serviços;
• Deslocação para atividades profissionais ou equiparadas;
• Procura de trabalho ou resposta a oferta de trabalho;
• Deslocações por motivos de saúde, designadamente obtenção de cuidados de saúde e transporte de pessoas a quem devam ser administrados tais cuidados ou dádiva de sangue;
• Deslocações para acolhimento de emergência de vítimas de violência doméstica ou tráfico de seres humanos, de crianças e jovens em risco, por aplicação de medida decretada por autoridade judicial ou Comissão de Proteção de Crianças e Jovens, em casa de acolhimento residencial ou familiar;
• Deslocações para assistência de pessoas vulneráveis ou com deficiência, filhos, progenitores, idosos ou dependentes;
• Deslocações para acompanhamento de menores e por outras razões familiares imperativas, designadamente partilha de responsabilidades parentais conforme determinada por acordo entre os titulares das mesmas ou pelo tribunal competente;
• Deslocações para visitas, quando autorizadas, ou entrega de bens essenciais a pessoas incapacitadas ou privadas de liberdade de circulação;
• Participação em atos processuais junto das entidades judiciárias;
• Deslocação a estações e postos de correio, agências bancárias e agências de corretores de seguros ou seguradoras;
• Deslocações de curta duração para atividade física (é proibido o exercício de atividade física coletiva) ou para passeio de animais de companhia e para alimentação de animais;
• Deslocações para ações de voluntariado social;
• Deslocações de pessoas portadoras de livre-trânsito emitido nos termos legais, no exercício das respetivas funções e pessoal das missões diplomáticas, consulares e das organizações internacionais localizadas em Portugal, desde que relacionadas com o desempenho de funções oficiais;
• Deslocações necessárias ao exercício da liberdade de imprensa;
• Outras atividades de natureza análoga ou por outros motivos de força maior ou necessidade impreterível, desde que devidamente justificados.
Portugal, onde os primeiros casos confirmados de Covid-19 foram registados no dia 2 de março, encontra-se em estado de emergência até ao final do dia 2 de abril.
Lusa

Aveiro: Teka entra em ‘lay-off’ em abril

Teka entra em lay-off em abril - industria - Jornal de Negócios
A multinacional alemã Teka, que tem uma unidade industrial em Ílhavo, no distrito de Aveiro, confirmou hoje que irá colocar cerca de 130 trabalhadores em ‘lay-off’ a partir de abril, devido à quebra no volume de negócios.
“Estamos a ter uma redução no volume de negócios na vertente comercial e na vertente industrial e, como tal, iremos encetar para o mês de abril um ‘lay-off’”, disse à Lusa João Nascimento, presidente do comité executivo regional da Teka.
O responsável referiu que a medida irá abranger cerca de 130 dos 360 dos trabalhadores da empresa em Ílhavo e em Lisboa, apontando para “entre 30 a 40% de quebra de horas de trabalho”.
“Nem todos os funcionários serão abrangidos pelo ‘lay-off’ a tempo inteiro. Haverá aqui uma parte significativa que será só a meio tempo”, esclareceu João Nascimento.
O gestor prevê que o ‘lay-off’ possa durar cerca de um mês, adiantando que, durante este período, a unidade industrial de Ílhavo, que emprega cerca de 260 trabalhadores, não vai parar, continuando a produzir exaustores, microondas, fornos de vapor e gavetas de aquecimento de pratos.
“Todos os setores vão funcionar. O que se está é a fazer um reajuste das equipas àquilo que se prevê que seja o volume de negócios em abril”, precisou, observando que o mercado internacional está parado e o mercado nacional “funcionou razoavelmente bem até meados do mês, mas, neste momento, já se começa a notar alguma travagem”.
Quanto ao fornecimento de matéria-prima, o responsável reconhece que há um “risco permanente” de haver uma rutura, mas diz que, até ao momento, a produção não foi afetada.
“Quando não podemos produzir um produto, estamos a produzir outro. Inicialmente houve alguma dificuldade com o que vinha da China, mas o fornecimento já começa a estar normalizado e, ao mesmo tempo, começamos a ter problemas com alguns fornecedores italianos”, disse João Nascimento.
O presidente do comité executivo regional da Teka adiantou ainda que, até agora, não têm qualquer registo de trabalhadores infetados com o novo coronavírus, assegurando que tomaram “todas as medidas necessárias para dentro do possível manter as pessoas em segurança”.
“Além das desinfeções diárias, fornecemos álcool às pessoas, mantemos distância, diminuímos a densidade de pessoas que podem permanecer no refeitório e nas zonas de lazer, acabamos com viagens e visitas a clientes”, explicou.
O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 540 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 25 mil.
Portugal regista hoje 76 mortes associadas à covid-19, mais 16 do que na quinta-feira, e o número de infetados subiu para 4.268, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde.
Fonte: MadreMedia/Lusa

AF Coimbra vai oferecer Monitor Multiparâmetros aos CHUC

AF Coimbra oferece Monitor Multiparâmetros ao CHUC
A Direção da Associação de Futebol de Coimbra vai oferecer um Monitor Multiparâmetros com pressão Invasiva, Modelo QUBE, ao Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC).
O executivo liderado por Horácio Antunes contactou a administração dos CHUC que aceitou a dádiva da Associação conimbricense, neste momento particularmente sensível para a Região e para o País.
O Monitor Multiparâmetros efetua a leitura dos sinais vitais do paciente, indicando em tempo real à equipa médica, através de informações no monitor e de alarmes visuais e sonoros, o estado de saúde do paciente, sendo utilizado no acompanhamento de adultos, pediátrico e neonatal.
O equipamento a instalar brevemente nos CHUC foi adquirido pela Direção da Associação de Futebol de Coimbra a uma empresa especializada em recursos e equipamentos hospitalares.

Aveiro | Mercados Municipais com Novos Horários e Entregas ao Domicílio


- Combate à Pandemia do Coronavírus -

A Câmara Municipal de Aveiro (CMA), no âmbito do Combate à Pandemia Covid-19/Coronavirus mantém abertos ao público os seus Mercados Municipais, José Estêvão, Manuel Firmino e Santiago, para prestarem o fundamental serviço aos Cidadãos de venda de bens alimentares, com um novo horário a partir de segunda-feira, 30 de março, que divulgamos:
  • Mercado Manuel Firmino
  • Das 07h30 às 19h30 [Segunda-feira a sábado].
  • Mercado de Santiago
  • Das 07h30 às 14h00 [Terça-feira a sábado].
  • Mercado José Estevão
  • Das 07h30 às 13h00 [Terça-feira a sábado].
De acordo com as normas definidas pela Direção Geral de Saúde foram criadas também medidas de controlo de acesso, com a criação de limites de lotação dos mercados, para garantir a menor concentração possível de clientes. Neste sentido a CMA apela à população para que frequente preferencialmente o Mercado Manuel Firmino de segunda a quarta-feira e os Mercados de Santiago e José Estêvão, de terça a quinta-feira, dias com menos procura, diminuindo assim a quantidade de pessoas nos dias de maior procura, visando sempre a redução ao máximo do risco de contágio pelo Coronavírus, de enorme importância no combate a esta Pandemia em que Todos estamos envolvidos.
Ao mesmo tempo, alguns dos nossos Operadores dos três Mercados colocaram ao dispor de Todos um novo serviço de entregas ao domicílio, que os Cidadãos podem utilizar, após a consulta do site da CMA (www.cm-aveiro.pt/servicos/mercados-e-feiras/entregas-ao-domicilio) e o contacto com os Operadores, recebendo em casa os seus produtos. A data e período de entrega, bem como o modo de pagamento são definidos diretamente com o Operador / vendedor.
Apelamos aos Munícipes para que adotem cuidados reforçados na gestão das saídas das suas residências, cumprindo o distanciamento social e usando equipamentos de proteção individual, fazendo-o só em caso de manifesta necessidade, dando assim o seu contributo fundamental para não agravarmos a situação de saúde individual e pública no nosso Município de Aveiro.
Estamos Juntos nesta Luta. Conte Connosco, Contamos Consigo!
Proteja-se. A Si e aos Outros.

José Carlos Pereira alerta para a falta de sangue nos hospitais

O ator apelou para que, quem possa ajudar, o faça seguindo as normas de segurança.
José Carlos Pereira fez uso das redes sociais para chamar a atenção dos seguidores para uma realidade "paralela" à pandemia da Covid-19 e que está a afetar, segundo diz, o IPO do Porto e o Hospital de Cascais, "que é a falta de sangue".


"Infelizmente, apesar deste surto da Covid-19, temos outras patologias que continuam a acontecer. Os doentes não podem, obviamente, ficar privados de sangue e da doação de sangue", frisou.

Desta forma, o ator, que é também médico indiferenciado, destacou a forma como todos os que não integram grupos de risco podem ajudar seguindo as normas de segurança nesta fase de rigorosa prevenção.

"Temos centros de doação de sangue com marcação prévia e queria apelar às pessoas que ainda têm alguma 'liberdade', ou seja, que não fazem parte dos grupos de risco, que se possam deslocar, fazer esta marcação e tentar ajudar aqueles que também precisam", rematou.

Noticias ao Minuto


As pessoas residentes em Aveiro ou arredores, que desejem aderir à dádiva de sangue podem dirigir ao Posto Fixo da ADASCA a funcionar no Mercado Municipal de Santiago, 1º. Piso, ou aceder ao site http://www.adasca.pt/node/1233 + http://www.adasca.pt/noticias
Se optar por ligar pode fazê-lo para 0 nº. 964 470 432.

Com a presença do crucifixo que livrou Roma da peste, Papa Francisco preside a oração e bênção excecional devido à Covid-19

Com a presença do crucifixo que livrou Roma da peste, Papa ...
SAPO24
O Papa Francisco preside esta sexta-feira, 27 de março, a uma oração no pátio da Basílica de São Pedro, sem a presença de fiéis, que será seguida por uma bênção excecional "Urbi et Orbi" (à Cidade e ao Mundo), devido à pandemia do novo coronavírus.
O Papa Francisco convidou os fiéis do mundo inteiro a participarem num momento de oração e bênção na Praça de São Pedro, que não terá a presença de fiéis.
“Renovo a todos o convite a participar espiritualmente através dos meios de comunicação, no momento de oração a que vou presidir na sexta-feira, pelas 18h00 (17h00 em Lisboa), no adro da Basílica de São Pedro. À escuta da Palavra de Deus e à adoração Santíssimo Sacramento vai seguir-se a bênção Urbi et Orbi, à qual estará ligada a indulgência plenária”, disse o Papa Francisco, esta quarta-feira.
Conta a Agência Ecclesia, que vai estar no Vaticano o "crucifixo milagroso" que, segundo a tradição, pôs fim à peste de 1522, em Roma. O Papa rezou diante deste crucifixo, a 15 de março, quando visitou a igreja de São Marcelo al Corso, na capital italiana.
A bênção ‘Urbi et Orbi’ é concedida pelo Papa, habitualmente, nas celebrações da Páscoa e do Natal, pelo que esta bênção tem assim um caráter excecional.
“Queremos responder à pandemia do vírus com a universalidade da oração, da compaixão, da ternura. Permaneçamos unidos. Façamos sentir a nossa proximidade às pessoas mais sós e mais provadas”, disse o Papa Francisco, quando convocou o momento especial de oração.
Na televisão portuguesa, o momento vai ser transmitido em direto na RTP1. Também é possível assistir online, através do Vatican News.
O número de mortos em Itália por coronavírus ascendeu esta quinta-feira a 8.165, 662 dos quais nas últimas 24 horas, uma cifra inferior à dos dias anteriores.
Contudo, os casos positivos voltaram a crescer depois de quatro dias de descida, sendo atualmente de 62.013, após se contabilizarem 4.492 num só dia, segundo dados fornecidos hoje pela Proteção Civil.
O Vaticano registou quatro casos positivos de covid-19, tendo um deles sido um funcionário da Secretaria de Estado do Vaticano e residente na casa do Papa Francisco. O funcionário infetado está hospitalizado, adianta o diário italiano "Il Messaggero".
Fonte: MadreMedia

Leiria | Município cria Gabinete de Apoio às Empresas no âmbito do COVID-19

Leiria - Wikipedia

O Município de Leiria tem disponível um Gabinete de Apoio às Empresas (GAE), no âmbito do pacote de medidas extraordinárias na sequência da pandemia do COVID-19. 

Com o objetivo de facilitar as empresas a fazer face às consequências do contexto actual, a Vereadora do Desenvolvimento Económico, Catarina Louro, defende que “o Município decidiu criar uma linha de apoio totalmente dedicada aos empresários e comerciantes do concelho, colocando à disposição recursos humanos para esclarecer todas as questões”. 

“Pretendemos agilizar a comunicação entre as empresas e os próprios agentes executores destas medidas, fazendo o papel de entidade facilitadora”, acrescenta a autarca. 

O GAE está em condições para informar e esclarecer sobre as medidas extraordinárias adotadas pelo Município, responder às questões sobre as ações decretadas pelo Governo, facilitar o canal de comunicação entre empresários e comerciantes e as várias instituições públicas e privadas e ainda agregar informação relevante e disponibilizar rapidamente as respostas ajustadas a cada caso particular. 

O contacto com o GAE pode ser feito por telemóvel, através do número 969 321 893 (com possibilidade de conversa via aplicação Whatsapp), ou por email (gae@cm-leiria.pt), entre as 9:00 e as 17:00 dos dias úteis.

Évora | Covid-19: Centro de Rastreio no Complexo Desportivo Municipal


O novo Centro de Testes ao Covid-19 está desde hoje em funcionamento no Complexo Desportivo Municipal de Évora. Trata-se de mais uma resposta no âmbito do combate à pandemia que resulta da articulação entre as entidades no Concelho.


Na visita ao local, o Presidente do Município de Évora, Carlos Pinto de Sá, sublinhou que “a Câmara Municipal de Évora cedeu esta infraestrutura à Administração Regional de Saúde (ARS), o que aumenta a capacidade instalada no Concelho e no Distrito, sendo possível até responder em termos nacionais, se houver necessidade”. O autarca explicou ainda que há também empresas a colaborar no apoio aos profissionais de saúde, às quais deixou o seu agradecimento.


“Vamos combater esta pandemia e assegurar que o tempo de resposta é curto ou, pelo menos, mais reduzido do que aquilo que se previa. Temos, assim, mais condições para continuar a responder positivamente a este problema, para que possamos retomar a normalidade o mais rapidamente possível”, frisou ainda Carlos Pinto de Sá.





Saiba mais sobre o Centro de Testes ao Covid-19. ​

Porto de Mós | Município antecipa entrega de Unidade Móvel de Saúde devido ao COVID-19


O Município de Porto de Mós antecipou a entrega da Unidade Móvel de Saúde ao Centro de Saúde de Porto de Mós para hoje, dia 27 de março de 2020. A entrega foi feita pelas 14h30, na Praça da República de Porto de Mós e contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Porto de Mós, Jorge Vala, da Vereadora da Saúde, Telma Cruz, da Presidente da Assembleia Municipal, Clarisse Louro e dos representantes das Unidades de Saúde de Porto de Mós, os Enfermeiros Sílvia Venda e Frederico Amado.

A urgência da entrega deveu-se à importância da sua disponibilização no âmbito da criação da ADC – Área Dedicada ao COVID-19, que terá início já a partir da próxima segunda-feira, dia 30 de março. Destra forma o Município de Porto de Mós e o Centro de Saúde de Porto de Mós esperam dar mais um passo no sentido de prevenir e conter a propagação do COVID-19.

Esta é mais uma medida concertada entre a Câmara Municipal de Porto de Mós e o Centro de Saúde de Porto de Mós, que visa auxiliar a população no combate à pandemia do COVID-19.

A Unidade Móvel de Saúde é uma viatura 100% elétrica e dispõe de todos os equipamentos necessários para a prática de cuidados de saúde tais como nebulizador ultrassónico profissional, oxímetro de dedo, medidor de tensão digital, electroestimulador muscular, pedaleira MSD, computador portátil e telemóvel. Trata-se de investimento de €40.467,00 comparticipado por fundos comunitários através do Centro 2020 em 85%.

A gestão da viatura será da responsabilidade do Centro de Saúde de Porto de Mós que fará domicílios e atendimentos nas freguesias de acordo com as necessidades sentidas no terreno.

O Município concretiza mais este compromisso, que visa a aproximação dos cuidados de saúde e diagnóstico à população, numa parceria que tem como objetivo apoiar em casa, essencialmente, aqueles que residem em territórios de baixa densidade, mais vulneráveis e com maior dificuldade de mobilidade.


Patrícia Alves