quarta-feira, 6 de maio de 2020

Figueira da Foz: Encontrado cadáver de homem na praia do Cabo Mondego

Cadáver encontrado em praia da Figueira da Foz - Atualidade ...
O cadáver de um homem com cerca de 60 anos foi detetado na manhã de hoje numa zona de rochedos na praia do Cabo Mondego, na Figueira da Foz, disse à agência Lusa o comandante do porto.

De acordo com João Lourenço, o alerta, dado à Capitania pelo Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Coimbra, apontava para a existência de um corpo nos penedos de Buarcos - no areal entre a praia da Tamargueira e o Cabo Mondego - que ficam visíveis durante a maré baixa.

Com a maré a subir e o corpo localizado nas rochas, mas numa zona de rebentação das ondas, o resgate foi efetuado por mar, com recurso a duas embarcações da Polícia Marítima, explicou o comandante do Porto da Figueira da Foz.

"Foi um resgate bastante complicado pelo perigo da moto de água poder ir contra as rochas e dado o corpo estar quase em cima da rebentação [das ondas nos penedos].

Mas por terra "também era arriscado, com a maré a encher", argumentou João Lourenço.

A operação de resgate acabou por durar mais de uma hora, depois de a força do mar ter levado o corpo "um pouco mais para sul": "Conseguiu-se uma aberta para a mota de água entrar e o corpo foi retirado", assinalou João Lourenço.

O comandante do porto da Figueira da Foz afirmou ainda que, para já, "não há mais nenhuma informação" sobre a vítima, estando a decorrer diligências para a identificar.

"Aparentemente, não é alguém que estivesse desaparecido, não havia ninguém à procura [dele]. Numa primeira análise, poderá ser alguém que andava a passear por ali e se sentiu mal ou teve um acidente", acrescentou João Lourenço, indicando que o cadáver "não aparentava estar há muito tempo na água".

Após o resgate, o corpo foi transportado para o Instituto Nacional de Medicina Legal de Coimbra.

Fonte do CDOS de Coimbra disse, por seu turno, ter recebido o alerta às 11:32 via central do numero de emergência nacional 112, tendo sido destacados para o local, para além dos meios da Polícia Marítima, uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação do Instituto Nacional de Emergência Médica (VMER/INEM), uma ambulância da Cruz Vermelha Portuguesa e quatro viaturas das corporações de bombeiros Sapadores e Voluntários da Figueira da Foz, num total de 20 operacionais.

Lusa

Festas do Concelho de Ansião canceladas


A Câmara Municipal de Ansião decidiu cancelar a edição de 2020 das Festas do Concelho – Expo Ansião Coração de Sicó, que teriam lugar de 6 a 9 de agosto. 

Além deste certame de promoção das atividades económicas do território, que tem registado anualmente milhares de visitantes, foram ainda cancelados a Gala do Desporto, prevista para julho, os Dias da Vida Maior, para setembro, e a Festa do Livro, por altura do Dia da Criança, embora para este evento tenha sido criado um cartaz cujos momentos serão partilhados através dos canais digitais do município. 

Foram ainda suspensos o espetáculo final do programa Crianças ao Palco, previsto para junho, os Dias Municipais da Educação e o Fórum Romano, para setembro, a Mostra Gastronómica “Sabores de Ansião”, para outubro, e o Viva o Natal! na Praça. 

Estas medidas foram tomadas no âmbito do ajustamento das medidas excecionais, temporárias e de caráter urgente do Plano de Contingência Municipal decorrente da pandemia por Covid-19. 

Após ter sido declarada, pelo Conselho de Ministros, no passado dia 30 de abril, a situação de calamidade nacional, em vigor de 2 a 17 de maio, o município decidiu manter, neste período, o encerramento ao público de equipamentos e infraestruturas municipais. 

Excetua-se a abertura no dia 6 de maio, salvaguardando o cumprimento das medidas de segurança emanadas pela autoridade nacional de saúde, dos Campos de Ténis de Avelar, da Biblioteca Municipal, que até 11 de maio funcionará apenas para empréstimo de livros, e do Mercado Municipal, limitado às bancas interiores e à loja exterior e exclusivamente para comércio de bens alimentares.

Misericórdia de Pampilhosa da Serra conta com 5 semanas de trabalho em confinamento como estratégia de prevenção da COVID-19.


Desde o dia 28 de março de 2020 e já com as “portas” fechadas a visitas desde o inicio do mês, a Misericórdia de Pampilhosa da Serra, assumiu-se como pioneira ao avançar com a implementação da medida, com acordo dos colaboradores, de confinamento das equipas durante períodos de 7 dias, onde o espaço de trabalho se tornou também o espaço de descanso, convívio e de partilha! No caso na UCCI o espaço de trabalho passou a ser “literalmente” o espaço de descanso. No caso da ERPI-Sede e, dada as condições do edifício, o espaço de descanso passou a ser uma ala da Residência de Estudantes amavelmente cedida pelo Município de Pampilhosa da Serra. No entanto, em ambos os casos a Misericórdia passou a ser a “residência” de cerca de 50 colaboradores que, semanalmente, assumem os dois turnos das duas respostas sociais residenciais que a Misericórdia possui. 

Por certo têm sido semanas de muito trabalho, de entrega e de espírito de MISSÃO em prol dos utentes para que nada lhes falte! Apesar de desafiante e de exigente, esta experiência permitiu fortalecer valores como a UNIÃO, PARTILHA e CONFRATERNIZAÇÃO entre colaboradores que mantiveram um trabalho de excelência junto dos cerca de 200 utentes em lar residencial/UCCI, não só no cuidado pessoal, mas, essencialmente, no cuidado emocional de quem, de um momento para o outro, se viu privado do contacto com os seus familiares. 

A Misericórdia organizou-se de forma a possibilitar a realização de videochamadas, manteve a dinamização de atividades com os idosos para que os mesmos se mantivessem física e mentalmente ativos, realizou dinâmicas de grupo e atividades motivacionais com os colaboradores, recriou e inovou na forma de trabalhar e nunca deixou de comunicar para o mundo “exterior” o trabalho desenvolvido, mantendo um contacto de grande proximidade com a comunidade local e familiares de utentes, através da Rede Social Facebook https://www.facebook.com/santacasamisericordiapampilhosa.serra  

A Direção pretende agradecer publicamente a todos os colaboradores que quiseram e puderam assumir o que para a Instituição foi ( e continua a ser!) uma MISSÃO, a de proteger os idosos, numa altura em o vírus entrava numa fase de mitigação e eram dezenas as Instituições com idosos e colaboradores positivos para a Covid-10!

Até à data de hoje a Misericórdia de Pampilhosa da Serra mantém-se sem caos positivos e prepara-se para “desconfinar” entrando progressivamente na “normalidade” que permita continuar a proteger os idosos, mas essencialmente, a prestar um serviço de qualidade junto dos dependem do trabalho que desenvolvemos. E esse trabalho não é apenas nas estruturas residenciais, mas também no Serviço de Apoio Domiciliário que manteve todos os serviços, na Cozinha/Centro Comunitário que aumentou em cerca de 25% o volume de trabalho ao confecionar todas as refeições para os colaboradores em confinamento, da Casa da Criança cuja maioria dos seus colaboradores teve de se adaptar a novas funções passando a cuidar de idosos em vez de crianças, e a todos os outros serviços (secretaria, contabilidade, receção, armazém, equipas externas) que continuaram a laborar para minimizar os efeitos da Pandemia na dinâmica institucional, para o qual também contribuíram o apoio e a generosidade de várias empresas, entidades locais e particulares, a quem a Direção agradece! Em especial ao Município de Pampilhosa da Serra, que tem oferecido, entre outro material, testes que permitem rastrear os colaboradores na entrada de casa turno. Bem hajam! Esperamos poder continuar a contar com o apoio de todos, pois tudo indica que o coronavírus continuará presente nas nossas vidas por mais algum tempo, desafiando as Instituições (e a Misericórdia não é exceção!) a novas formas de trabalhar e a enfrentar investimentos financeiros inesperados, mas que são superáveis com o apoio e colaboração de TODOS! 

Continuamos a acreditar que #vaificartudobem. e que #juntossomosmaisfortes!

Estarreja | Biblioteca Municipal volta a “EmprESTAR”

Uma nova forma de voltar (fisicamente) uma vez que ESTAR presente na vida da comunidade é a sua missão enquanto Biblioteca Pública. “EmprESTAR” é o nome do serviço de empréstimo que a Biblioteca Municipal de Estarreja promove nesta fase pós-Emergência Nacional. Um regresso com novas regras, como por exemplo livros em quarentena, mas com os objetivos de sempre: permitir o livre acesso à cultura e informação, facultar o acesso a múltiplos suportes de informação, mas acima de tudo, estimular a leitura. 

A Biblioteca Municipal de Estarreja disponibiliza o “EmprESTAR”, de segunda e sexta-feira, das 10h00 às 17h00. O leitor só tem que aceder à plataforma https://biblioteca.cm-estarreja.pt/, consultar o catálogo bibliográfico online, realizar a sua pesquisa e escolher os documentos que pretende.

Posteriormente, deverá enviar um e-mail para biblioteca.municipal@cm-estarreja.pt e/ou telefonar para o número 234 840 614 e indicar os documentos que pretende requisitar (títulos e autores), o seu número de leitor e nome completo.

A Biblioteca agendará a data e horário para levantamento da encomenda. As entregas são feitas na entrada do edifício da Biblioteca, cumprindo todas as regras de segurança e higiene recomendadas pela Organização Mundial de Saúde e pela Direção-Geral de Saúde.

O prazo de entrega de material não livro (CD, DVD) foi alargado para 15 dias, enquanto se mantém o prazo de 1 mês para as monografias.

Caso o leitor se encontre impossibilitado de sair do seu domicílio, poderá receber os seus documentos em casa, em data e horário a combinar.

Os livros têm a garantia de não terem sido objeto de contacto humano no último mês e aqueles que, entretanto, forem recolhidos, serão colocados em quarentena antes de voltarem à circulação.

CONTACTOS
Atendimento online via Skype: bmestarreja
Telemóvel: 925651693
Telefone Fixo: 234 840 614

Ansião | Instaladas 200 armadilhas para a vespa asiática só em 2020

O Município de Ansião, na implementação do seu Plano de Ação para a Vigilância e Controlo da Vespa Velutina, colocou, no corrente ano, 200 armadilhas por todo o concelho. 

Através do Serviço Municipal de Proteção Civil, a monitorização é feita quinzenalmente, consistindo na limpeza da armadilha, na reposição da solução atrativa e na contagem e registo das capturas por espécie (velutina, crabro, germânica, etc.). 

A estratégia passou por envolver também a comunidade local de apicultores, através da Sicólmeia, que colaborou na colocação de cerca de 50% destas armadilhas num raio de 100m em redor dos seus apiários. Paralelamente, o município colocou as restantes nas áreas do concelho com maior registo de ninhos até ao momento. 

O primeiro ninho surgiu no verão de 2017 no lugar da Serrada da Mata, e têm sido as freguesias de Chão e Couce e Avelar a apresentar uma maior concentração dos casos, embora já se verifique a sua dispersão em quase todo o concelho. 

Desde a data da primeira ocorrência, foram já eliminados 183 ninhos, 122 dos quais em 2019. No início da primavera desse ano realizou-se uma sessão de esclarecimento, com o intuito de sensibilizar para a dimensão deste problema e para a utilização generalizada na comunidade de armadilhas o mais seletivas possível, de modo a controlar a captura de outras espécies de insetos. 

A autarquia tem vindo a reforçar a sua capacidade de resposta e a procurar metodologias de intervenção mais eficazes com o objetivo de capturar esta espécie invasora e evitar o surgimento de futuros ninhos e novas colónias. 

Candidatou-se ao “Programa de apoio à destruição dos ninhos de Vespa Velutina – 2019”, através do Fundo Florestal Permanente do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), estando ainda a aguardar pelo financiamento aprovado no valor de 10.000 euros, que suportará a continuidade do trabalho já desenvolvido. 





O município relembra que a deteção ou a suspeita da existência de ninhos de vespa velutina deverá ser comunicada através do preenchimento do formulário disponível no portal do município, em http://www2.icnf.pt/portal/pn/biodiversidade/patrinatur/resource/docs/exot/vespa/anexo-IV.pdf ou através da plataforma STOP Vespa do ICNF, em http://stopvespa.icnf.pt/.

Águeda | Serviços camarários reabrem ao público através de marcação prévia

Câmara Municipal de Águeda - Rota da Bairrada

Vão entrar em funcionamento, amanhã, um conjunto de serviços que estavam até aqui encerrados, sendo necessário, contudo, cumprir algumas regras.

No seguimento da declaração nacional de situação de calamidade, a Câmara Municipal de Águeda decidiu reabrir alguns serviços ao público, já a partir de amanhã, impondo, contudo, algumas regras de funcionamento. 

Entre os serviços que vão abrir estão o Gabinete de Atendimento ao Munícipe (GAM) e os serviços existentes no Edifício dos Paços do Concelho, mas a abertura será condicionada, uma vez que os cidadãos terão de fazer uma marcação prévia, através do contato telefónico 234 610 070 ou pelo email sc-gam@cmagueda.pt, para o caso do GAM, e geral@cmagueda.pt, para os restantes serviços (que mantêm os contactos habituais disponíveis). 

Também o Espaço Multigeracional de Águeda abrirá, amanhã, as suas portas no que respeita às áreas da Incubadora de Empresas de Águeda e Gabinete de Apoio ao Empresário. Contudo, o atendimento presencial apenas será realizado através de marcação prévia, para o número 234 180 155 ou através do email incubadora@cmagueda.pt. 

Tendo em conta as regras em vigor, a Biblioteca Municipal Manuel Alegre abrirá também, mas apenas para entrega e recolha de livros, no âmbito do projeto Serviço de Empréstimo ao Domicílio. 

A Câmara de Águeda alerta que qualquer cidadão que pretenda entrar nos edifícios municipais apenas o poderá fazer desde que cumpra a legislação em vigor, nomeadamente no que respeita ao uso de máscara ou viseira (que terá de trazer consigo) e a obrigatoriedade de higienização das mãos à entrada dos edifícios.

COVID-19: o reflexo da pandemia no sistema de defesa da floresta contra incêndios em 2020


Número de colocados na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso na ...
Intitulado “O reflexo da COVID-19 no sistema de defesa da floresta contra incêndios em 2020”, este Webinar é promovido pelo Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais (CEIF) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), coordenado pelo cientista Domingos Xavier Viegas.

Neste período de «grandes desafios motivados pela COVID-19, vários setores da nossa sociedade veem-se confrontados com a necessidade de se adaptarem a uma nova realidade. A proteção civil é sem dúvida um dos setores em que este desafio mais se evidencia, não apenas pelas suas competências na área da saúde, mas também pelas características das suas atividades operacionais que pouco se coadunam com o isolamento social», afirmam os responsáveis pela organização do evento.

Por isso, notam, «a adaptação do sistema de defesa da floresta contra incêndios aos constrangimentos provocados pela COVID-19 merece uma reflexão. Seguramente que existirão muitas dúvidas e várias opiniões sobre as melhores práticas a seguir para responder da melhor forma à época mais crítica de incêndios que se avizinha. Uma reflexão conjunta sobre esta temática permitirá uma melhor adaptação a esta nova realidade, tanto numa perspetiva regional e nacional, como na perspetiva de atuação de cada entidade envolvida no SNDFCI».

Participam na sessão cientistas, médicos, bombeiros e responsáveis da Guarda Nacional Republicana (GNR), da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) e do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Devido ao interesse gerado pela iniciativa, as inscrições (gratuitas) – que podem ser efetuadas em: https://videoconf-colibri.zoom.us/meeting/register/tJwkf-6ppjspGNckZM4ZSAVNzKjmVQatfY8b até dia 11 de maio – estão neste momento a ficar em lista de espera, dado que as 300 vagas disponibilizadas foram já preenchidas. O CEIF pretende transmitir o evento através do seu canal de Youtube (www.youtube.com/user/CEIF2011).

O reflexo da COVID-19 no sistema de defesa da floresta contra incêndios em 2020”

Webinar, 12 de maio de 2020, 15H-17H
Estrutura do webinar
15h00 – 15h10
Boas vindas e introdução ao webinar
ADAI: Prof. Domingos Xavier Viegas e Dr. Miguel Almeida
Intervenções de enquadramento da temática
15h10 – 15h25
Perspetiva médica sobre as dificuldades de atuação em equipa
FMUC: Dr. António Ferreira - Médico pneumologista
Perspetiva de um comandante de Bombeiros
AHBV Óbidos: Comandante Marco Martins
Intervenções dos três pilares do SNDFCI
15h25 – 16h00
De que forma a COVID afeta a prevenção de incêndios rurais?
ICNF: Engº Nuno Sequeira, Vogal do Conselho Diretivo
De que forma a COVID afeta o sistema de combate?
ANPC: Brigadeiro General Duarte da Costa, Comandante Operacional Nacional
A visão de uma instituição militar sobre a atuação de emergência em cenários com desafios acrescidos.
GNR: Pessoa a designar



16h00 – 16h45
Debate
16h45 – 17h00
Encerramento


Organização
Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais da ADAI (Universidade de Coimbra)

Dado o interesse suscitado pelo Webinar, as novas inscrições estão neste momento a ficar em lista de espera, pois as 300 vagas disponibilizadas foram já preenchidas. O CEIF irá envidar esforços para transmitir o evento online, no seu canal de Youtube (www.youtube.com/user/CEIF2011). 


Cristina Pinto

OE distribui viseiras de protecção COVID-19

A região centro da Ordem dos Engenheiros  decidiu doar mais de 7000€ em material de protecção, nomeadamente em viseiras reutilizáveis  em todos os seus 6 distritos de coordenação: Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria e Viseu.
Unindo-se aos esforços da sociedade civil em colmatar algumas das dificuldades sentidas por algumas instituições que lidam directa e em proximidade com os seus utentes, e apoiando empresas locais de impressão 3D, distribui as viseiras de acordo com as solicitações de cada instituição.

Em Aveiro, a delegação distrital com o apoio da print4Fun, já distribuiu estes equipamentos por todo o distrito d  Aveiro em centros paroquiais, lares, cercis,  creches, bombeiros e misericórdias dos concelhos de Aveiro, Albergaria-a-Velha, São João da Madeira, Santa Maria da Feira, Ílhavo, Oliveira do Bairro seguindo-se outros na próxima semana. De salientar que muitas das instituições contactadas por todos o distrito já estão provisionadas com equipamento fornecido pelas câmaras, empresas ou particulares, numa onda de solidariedade sem precedentes. Desta forma a OE pretende dar um pequeno contributo a esse movimento e aos que estão na linha da frente para que o país não pare.


A Delegação Distrital de Aveiro

Raquel Castro Madureira
Vitor Silva
Maria João Matos

Ouviu um barulho no céu? Entenda o fenômeno que vem assustando os brasileiros

Interação de ventos solares com o campo magnético da Terra é uma das possíveis causas para o fenômeno.
No início de abril, internautas de várias partes do Brasil e do mundo relataram, nas redes sociais, um estranho barulho que parecia vir do céu. A hashtag #barulhonoceu chegou ao primeiro lugar nos Trending Topics do Twitter e se tornou o assunto mais comentado entre brasileiros. Várias pessoas conseguiram gravar o som em vídeos, e os publicaram nas redes sociais. E ocasionalmente o fenômeno se repete desde então.
Em tempos de pandemia e quarentena por conta do coronavírus, não é de estranhar que o evento tenha causado um certo pânico. E como geralmente acontece com fenômenos desconhecidos, muitos teceram suas próprias explicações: naves alienígenas, experimentos científicos conspiratórios, o hipotético planeta Nibiru, fim do mundo... Até a "Trombeta do Apocalipse" foi mencionada. Enquanto isso, outros afirmaram que se tratava de delírio coletivo ou mesmo de um trote.
A boa notícia é que o mundo ainda não vai acabar e não há nenhuma evidência de que alguma ameaça à humanidade tenha causado o barulho no céu. A má notícia é que não se pode afirmar com 100% de certeza o que realmente acontece, mas cientistas e pesquisadores têm algumas respostas bem tranquilizadoras - e mais plausíveis que as explicações mencionadas acima.

Pressão atmosférica, gases e tempestade solar

Podemos assumir que não se trata de um delírio coletivo, nem de uma montagem feita por algum desocupado para nos pregar uma peça. São muitos relatos ao redor do país, e até mesmo em outras partes do mundo, no mesmo horário. E essa não foi a primeira vez que as pessoas ouvem um barulho vindo “do nada”.
Segundo a professora pós-graduada em física Bruna Ignaczuk, que falou ao site BHAZ, o som pode estar ligado à movimentação de gases na atmosfera. “O som ocorre quando gases entram em contato com mudança de pressão atmosférica. Como acontece quando o ar sai de uma bexiga cheia ou de uma panela de pressão”, disse. Esse escape pode ter acontecido por meio de buracos na camada de ozônio do planeta.
Ela ainda explica: “O primeiro registro desse som audível foi em 2012, na Rússia. Muitos barulhos que o planeta faz estão fora do nosso alcance de audição. Mas quando esses sons são traduzidos para nossa faixa de som, pode ser bem assustador”. Além disso, o fato de estarmos durante um período de quarentena internacional pode ter acentuado o fenômeno. É que, quando as indústrias param, uma quantidade menor de poluição na atmosfera pode influenciar ainda mais a movimentação dos gases.
Outra possibilidade que envolve a pressão é a interação da nossa atmosfera com os ventos solares, que, por sua vez, pressionam a magnetosfera da Terra, criando um efeito chamado ondas magnetossônicas. Quando as condições do clima espacial são calmas, essa “canção” magnética também é calma. No entanto, quando há uma tempestade solar, o som atinge outras frequências. Esses sons no campo magnético já foram registrados pelas naves da missão Cluster, da ESA.
Mas não é exatamente esse som que as pessoas ouviram aqui na Terra. Acontece que essa pressão na magnetosfera interage com outro fenômeno na nossa atmosfera, em que partículas de carga negativa e positiva se acumulam em camadas. Ao receberem o impacto de um vento solar pressionando a magnetosfera, as partículas dessas camadas colidem, o que pode gerar um ruído audível.

"The Hum"

Mapa de locais onde o fenômeno "The Hum" foi registrado (Imagem: World Hum Map And Database Project)
O divulgador científico Sérgio Sacani explica no YouTube do Space Today que o fenômeno é registrado desde 1800 e recebe um nome diferente em cada parte do mundo. Ruídos no céu no geral são chamados “skyquake”, e podem ter diferentes causas já comprovadas cientificamente - por exemplo, o ruído sônico de aviões ou a entrada de grandes asteroides da atmosfera da Terra.
Entre outras causas, Scani cita até mesmo tempestades distantes. Ainda que ela não esteja acontecendo na sua região, um grande trovão pode passar por um “determinado corredor na atmosfera onde as condições ajudam e você pode ouvir aquilo a milhares de quilômetros de distância”.
Por volta de 2009 e 2012, os registros de skyquakes foram tão recorrentes que alguns pesquisadores se dedicaram a estudar o fenômeno, que passou a ser conhecido como “The Hum”. Existe até um mapa mundial do The Hum, com um banco de dados que mostra onde os eventos já foram relatados. “Estimamos que 2-4% da população global possa experimentar esse fenômeno sob certas condições”, diz o site, que é mantido pelo Dr. Glen MacPherson, pesquisador etnográfico e professor de física, matemática, psicologia, ciências gerais e biologia.
O projeto World Hum Map And Database Project documenta e mapeia os dados relatados por pessoas de todo o mundo que ouviram o ruído, e oferece um fórum para os dedicados a investigações e comentários científicos sobre o tema - sem espaço para pseudociência ou teorias da conspiração.
Mesmo que existam muitas causas naturais para o fenômeno, é difícil determinar qual delas explica o que realmente acontece para causar tais barulhos no céu. O importante, neste momento em que todos estamos mais sensíveis devido à pandemia de COVID-19, é saber que se trata de um fenômeno natural e relativamente comum, e evitar espalhar o medo e a desinformação.
*Esta matéria foi publicada originalmente no dia 6 de abril, quando o barulho no céu foi relatado por brasileiros pela primeira vez. O fenómeno voltou a acontecer na madrugada do dia 6 de maio e, por isso, a matéria foi republicada.

Ouviu um barulho no céu? Entenda o fenômeno que vem assustando os brasileiros

Interação de ventos solares com o campo magnético da Terra é uma das possíveis causas para o fenômeno.
No início de abril, internautas de várias partes do Brasil e do mundo relataram, nas redes sociais, um estranho barulho que parecia vir do céu. A hashtag #barulhonoceu chegou ao primeiro lugar nos Trending Topics do Twitter e se tornou o assunto mais comentado entre brasileiros. Várias pessoas conseguiram gravar o som em vídeos, e os publicaram nas redes sociais. E ocasionalmente o fenômeno se repete desde então.
Em tempos de pandemia e quarentena por conta do coronavírus, não é de estranhar que o evento tenha causado um certo pânico. E como geralmente acontece com fenômenos desconhecidos, muitos teceram suas próprias explicações: naves alienígenas, experimentos científicos conspiratórios, o hipotético planeta Nibiru, fim do mundo... Até a "Trombeta do Apocalipse" foi mencionada. Enquanto isso, outros afirmaram que se tratava de delírio coletivo ou mesmo de um trote.
A boa notícia é que o mundo ainda não vai acabar e não há nenhuma evidência de que alguma ameaça à humanidade tenha causado o barulho no céu. A má notícia é que não se pode afirmar com 100% de certeza o que realmente acontece, mas cientistas e pesquisadores têm algumas respostas bem tranquilizadoras - e mais plausíveis que as explicações mencionadas acima.

Pressão atmosférica, gases e tempestade solar

Podemos assumir que não se trata de um delírio coletivo, nem de uma montagem feita por algum desocupado para nos pregar uma peça. São muitos relatos ao redor do país, e até mesmo em outras partes do mundo, no mesmo horário. E essa não foi a primeira vez que as pessoas ouvem um barulho vindo “do nada”.
Segundo a professora pós-graduada em física Bruna Ignaczuk, que falou ao site BHAZ, o som pode estar ligado à movimentação de gases na atmosfera. “O som ocorre quando gases entram em contato com mudança de pressão atmosférica. Como acontece quando o ar sai de uma bexiga cheia ou de uma panela de pressão”, disse. Esse escape pode ter acontecido por meio de buracos na camada de ozônio do planeta.
Ela ainda explica: “O primeiro registro desse som audível foi em 2012, na Rússia. Muitos barulhos que o planeta faz estão fora do nosso alcance de audição. Mas quando esses sons são traduzidos para nossa faixa de som, pode ser bem assustador”. Além disso, o fato de estarmos durante um período de quarentena internacional pode ter acentuado o fenômeno. É que, quando as indústrias param, uma quantidade menor de poluição na atmosfera pode influenciar ainda mais a movimentação dos gases.
Outra possibilidade que envolve a pressão é a interação da nossa atmosfera com os ventos solares, que, por sua vez, pressionam a magnetosfera da Terra, criando um efeito chamado ondas magnetossônicas. Quando as condições do clima espacial são calmas, essa “canção” magnética também é calma. No entanto, quando há uma tempestade solar, o som atinge outras frequências. Esses sons no campo magnético já foram registrados pelas naves da missão Cluster, da ESA.
Mas não é exatamente esse som que as pessoas ouviram aqui na Terra. Acontece que essa pressão na magnetosfera interage com outro fenômeno na nossa atmosfera, em que partículas de carga negativa e positiva se acumulam em camadas. Ao receberem o impacto de um vento solar pressionando a magnetosfera, as partículas dessas camadas colidem, o que pode gerar um ruído audível.

"The Hum"

Mapa de locais onde o fenômeno "The Hum" foi registrado (Imagem: World Hum Map And Database Project)
O divulgador científico Sérgio Sacani explica no YouTube do Space Today que o fenômeno é registrado desde 1800 e recebe um nome diferente em cada parte do mundo. Ruídos no céu no geral são chamados “skyquake”, e podem ter diferentes causas já comprovadas cientificamente - por exemplo, o ruído sônico de aviões ou a entrada de grandes asteroides da atmosfera da Terra.
Entre outras causas, Scani cita até mesmo tempestades distantes. Ainda que ela não esteja acontecendo na sua região, um grande trovão pode passar por um “determinado corredor na atmosfera onde as condições ajudam e você pode ouvir aquilo a milhares de quilômetros de distância”.
Por volta de 2009 e 2012, os registros de skyquakes foram tão recorrentes que alguns pesquisadores se dedicaram a estudar o fenômeno, que passou a ser conhecido como “The Hum”. Existe até um mapa mundial do The Hum, com um banco de dados que mostra onde os eventos já foram relatados. “Estimamos que 2-4% da população global possa experimentar esse fenômeno sob certas condições”, diz o site, que é mantido pelo Dr. Glen MacPherson, pesquisador etnográfico e professor de física, matemática, psicologia, ciências gerais e biologia.
O projeto World Hum Map And Database Project documenta e mapeia os dados relatados por pessoas de todo o mundo que ouviram o ruído, e oferece um fórum para os dedicados a investigações e comentários científicos sobre o tema - sem espaço para pseudociência ou teorias da conspiração.
Mesmo que existam muitas causas naturais para o fenômeno, é difícil determinar qual delas explica o que realmente acontece para causar tais barulhos no céu. O importante, neste momento em que todos estamos mais sensíveis devido à pandemia de COVID-19, é saber que se trata de um fenômeno natural e relativamente comum, e evitar espalhar o medo e a desinformação.
*Esta matéria foi publicada originalmente no dia 6 de abril, quando o barulho no céu foi relatado por brasileiros pela primeira vez. O fenómeno voltou a acontecer na madrugada do dia 6 de maio e, por isso, a matéria foi republicada.
canaltech

Cientista à beira de grandes descobertas sobre o coronavírus assassinado em casa

Um professor da Universidade de Pittsburgh que fazia pesquisas consideradas promissoras sobre a covid-19, de acordo com a instituição, foi morto em um caso de assassinato seguido de suicídio. Segundo a CNN, a vítima foi identificada como sendo Bing Liu, e foi encontrado morto com vários tiros, no sábado.

Bing Liu, 37, estava sozinho em casa, em Elm Court, no município de Ross, na tarde de sábado, quando outro homem – identificado como Hao Gu, 46 anos – supostamente entrou na residência por uma porta destrancada e disparou sobre ele.

Liu foi atingido na cabeça, pescoço e tronco e não resistiu aos ferimentos. A mulher não se encontrava em casa na altura do homicídio, e o casal não tinha filhos.

Segundo as autoridades, o homicida, Hao Gu, foi encontrado morto no interior de um carro, aparentemente após um suicídio, teria sido o autor do assassinato do professor.

As autoridades acreditam que Hao Gu, assassinou Bing Liu e depois cometeu suicídio, no entanto ainda não sabe o que levou o homicida a tirar a vida ao cientista.

Paulo André
Bombeiros24

Évora | Nova conduta de água melhora abastecimento aos Bairros de Santa Luzia, Comenda, 25 de Abril, Santo António e Quintas do Evaristo


A Câmara Municipal de Évora está a proceder a uma intervenção na zona das Quintas do Evaristo que consiste na instalação de uma nova conduta de água que irá interligar esta área de abastecimento com a rede de distribuição de água do Bairro de Santo António. Após a sua conclusão, a obra permitirá que sempre que surgir algum constrangimento ao fornecimento de água na zona não haja a necessidade de proceder a um corte geral do abastecimento, sendo possível seccionar a zona de intervenção, diminuindo bastante o impacto junto dos consumidores. 
O abastecimento de água aos Bairros de Santa Luzia, Tapada do Esquinaleiro, Caeira e Quintas do Evaristo é realizado a partir da conduta geral existente na Av. Infante D. Henrique. Sempre que ocorre uma avaria nas condutas principais tem de se interromper o fornecimento de água a toda a área de abastecimento.

A obra está a ser executada pelos serviços técnicos da edilidade que, apesar de estarem a 50 por cento da sua capacidade laboral, continuam a executar o trabalho previamente planeado.

No âmbito das medidas de desconfinamento, Biblioteca Municipal de Cantanhede reabriu ao público



A Biblioteca de Cantanhede reabriu as suas portas ao público durante a semana, depois de implementadas medidas necessárias e de definidos procedimentos de segurança adequados para o acesso dos utentes. Encerrada desde meados do mês de março por imposição governamental, no âmbito da declaração de Estado de Emergência, a Biblioteca disponibilizará, mesmo que de forma gradual e condicionada, o acesso seguro a todos os utilizadores.

Na reabertura Pedro Cardoso, vice-presidente da Câmara Municipal realçou “o trabalho muito positivo e interessante desenvolvido pela Biblioteca Municipal neste tempo que, apesar de encerrada, se manteve “unida à distância” com todos os interessados, continuando a ser uma força ativa, não só na partilha do conhecimento e do saber como meio de acesso à informação, como também na educação, na recreação e no lazer dos nossos cidadãos, pelo que desenvolveu um conjunto de recursos, assim como colocou à disposição muitas sugestões que nos manterão “unidos à distância”, enalteceu o autarca.

Nesta fase de desconfinamento, a par da reabertura, continuaremos a privilegiar o contacto não presencial e a ter os maiores cuidados, sem deixar de potenciar o serviço público da Biblioteca Municipal, daí o maior interesse da entrega de livros ao domicílio. Não pode haver facilitismos, pois abandonar certos comportamentos de segurança ou interromper precocemente um conjunto de medidas de saúde pública poderá comprometer os ganhos obtidos. Apesar de imprescindível e urgente a recuperação económica e social pós-pandemia, precisamos de fazer o desconfinamento em segurança, gradual, lento e sustentado para não comprometer todos os esforços que os nossos concidadãos têm feito”, concluiu Pedro Cardoso.

Durante a 1ª fase de desconfinamento este equipamento cultural funcionará de forma bastante condicionada, de segunda a sexta-feira, das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h00, encerrando aos fins-de-semana. O acesso do público e a sua permanência no interior será limitado de forma a salvaguardar a distância física de 2 metros entre os utilizadores, privilegiando-se os acessos de curta duração e por motivos estritamente justificados, seguindo as indicações da Direção-Geral da Saúde.
Os utilizadores terão obrigatoriamente de se apresentar com máscaras pessoais, efetuando à entrada do edifício, uma desinfeção das mãos com álcool gel e calçar capas protetoras de calçado descartáveis, fornecidas pelos serviços da autarquia.
Como medida de segurança, apenas os técnicos terão acesso aos documentos expostos nas salas de leitura, que manuseando os livros, CD e DVD escolhidos pelos utentes, com luvas.
Durante esta fase, o serviço de hemeroteca não funcionará, pelo que não serão disponibilizados jornais e revistas, para leitura presencial ou empréstimo domiciliário, igualmente temporariamente interdito estará o acesso ao bar e seus equipamentos. A bebeteca, espaço de leitura destinado a crianças dos 9 aos 36 meses, também não funcionará com utilização presencial.
A utilização do espaço internet estará restringido a duas pessoas em simultâneo, na sala de adultos e na sala infantil, a uma pessoa, por um período máximo de trinta minutos.
Os funcionários que se encontram em contato direto com o público estarão munidos de máscara, viseira de proteção respiratória e luvas, e todos os postos de atendimento encontram-se apetrechados com uma barreira de proteção acrílica. Munidos.
Como forma de diminuir a possibilidade de propagação do vírus covid-19, serão igualmente reforçadas as medidas de higienização das áreas frequentadas pelo público, nomeadamente das mesas, cadeiras, teclados e monitores dos computadores de acesso à internet, maçanetas de portas, casas de banho e zonas de passagem.
Após a devolução dos documentos serão limpos e esterilizados com gel desinfetante e colocados em quarentena por um período mínimo de 10 dias.
O projeto “Levamos a biblioteca perto de si”, iniciado pela Biblioteca Municipal de Cantanhede no início de abril, irá continuar, à semelhança da iniciativa “A biblioteca em sua casa”, que será uma excelente opção para os utentes que não podem deslocar-se à Biblioteca Municipal. Este serviço encontra-se disponível na plataforma digital https://www.cm-cantanhede.pt/mcsite/Content/?MID=2&ID=969&AID=54 constituíndo complemento aos serviços prestados presencialmente pela Biblioteca Municipal de Cantanhede.
As regras agora implementadas serão analisadas e reajustadas com a periodicidade quinzenal, acompanhando o evoluir deste surto pandémico no concelho e no país.

Aveiro | Regresso da Recolha Seletiva Porta-a-Porta para Comércio e Serviços


Combate à Pandemia do Coronavírus 

Com o fim do estado de emergência e considerando as normas definidas pelo Governo no âmbito do estado de calamidade, vamos vivendo uma retoma gradual da vida normal dos Cidadãos e da atividade económica, nomeadamente do Comércio e Serviços, pelo que informamos que a ERSUC retomou o serviço de recolha seletiva porta-a-porta, para comércio e serviços (folheto em anexo).
Para continuarmos a combater bem a propagação do Coronavírus / Covid19, a ERSUC reforçou a sua formação em higiene e segurança no manuseamento dos resíduos e no aumento da capacidade de desinfestação dos ecopontos.
Reforçamos também o apelo a todos os Munícipes, para que façam um esforço extra na correta separação e deposição dos resíduos (vidro, plástico/metal, papel, óleo alimentar usado, roupa e calçado usados) nos ecopontos e contentores disponíveis pelo Município de Aveiro.
Pode consultar a localização geográfica desses equipamentos acedendo a http://www2.cm-aveiro.pt/SMIGA2011/ (no menu do lado direito do ecrã selecionar o tema Ambiente).
A Colaboração de Todos os Cidadãos é muito importante para mantermos a salubridade no nosso Município de Aveiro e o combate ao Coronavírus / Covid-19.
Este é o tempo de Todos darmos, ainda Mais, o nosso Contributo!


CÂMARA MUNICIPAL DE TORRES VEDRAS LANÇA PROGRAMA DE APOIO ALIMENTAR

A Câmara Municipal de Torres Vedras, no âmbito do Programa de Emergência Alimentar, tem disponíveis 800 vales para aquisição de bens de primeira necessidade no comércio local de proximidade para atribuir a munícipes em situação de vulnerabilidade socioeconómica. Trata-se de uma medida que integra o Programa Municipal de Apoio Extraordinário, lançado para dar resposta às dificuldades que resultam da situação de pandemia.

Os vales de compras, no valor de 25 €, são uma ajuda complementar que reforça o apoio disponibilizado pelas entidades de primeira linha a situações de carência ou insuficiência alimentar e de acesso a outros bens de primeira necessidade, tais como produtos de higiene e de limpeza. O objetivo é assegurar que nenhum munícipe que necessite fica sem apoio alimentar.

Os pedidos para beneficiar deste apoio devem ser efetuados através da Linha de Apoio Psicossocial (800 200 066). A medida é aplicável a indivíduos isolados ou inseridos em agregado familiar, com idade igual ou superior a 18 anos ou que estejam em situação de autonomia económica e que reúnam, cumulativamente, as condições seguintes: residir no Município de Torres Vedras, fornecer todos os elementos de prova que sejam solicitados, com vista ao apuramento da situação de carência económica, apresentar um rendimento per capita igual ou inferior ao valor do Indexante dos Apoios Sociais (438,81 €) ou despesas de habitação (renda ou amortização) superiores a 40% do rendimento mensal bruto total do agregado familiar e não usufruir de outros apoios que respondam ao mesmo fim.

Se forem cumpridas as condições de acesso, será atribuído um vale de 25 € a cada membro do agregado familiar, não abrangido por outros apoios similares, até ao valor máximo de 150 €/mês por família. O apoio atribuído no âmbito desta medida extraordinária terá a duração de um mês, a contar da data de comunicação ao requerente, não podendo ser solicitado novo apoio antes do prazo de 30 dias. Após esse período, se a necessidade se mantiver, um novo pedido pode ser ativado.

Os vales poderão ser utilizados nos minimercados e mercearias aderentes, até 30 de setembro, exclusivamente, para adquirir géneros alimentares e outros bens de primeira necessidade.

Esta medida extraordinária é implementada em colaboração com as 13 juntas de freguesia e vários agentes económicos do Concelho.

Para além desta medida, a Câmara Municipal de Torres Vedras dispõe de diferentes ferramentas que se adaptam ao perfil de cada indivíduo e família e que são ativadas em complementaridade com as diversas entidades da rede social local. Existem diversas respostas de apoio alimentar acessíveis no Concelho. É fundamental que as situações-problema sejam identificadas e comunicadas às entidades competentes.

Decisão unânime do Executivo: Câmara aprova redução de taxas de água, águas residuais e resíduos sólidos


O executivo da Câmara Municipal de Cantanhede apresentou, no início de abril, um conjunto de 40 medidas para ajudar as famílias e as empresas, tendo referido que todas as decisões seriam sempre tomadas após avaliação séria e ponderada, baseadas em critérios de justiça social.
De acordo com a posição do regulador (ERSAR), os tarifários sociais ou redução de tarifas devem ser direcionados para utilizadores em situações de perda de rendimentos, sendo que todas as medidas a adotar são financiadas pela entidade titular, neste caso a Câmara Municipal de Cantanhede.
Assim, na sua reunião de terça-feira, dia 05 de maio, o executivo liderado por Helena Teodósio propôs a redução do pagamento das taxas de abastecimento de água, de águas residuais e de resíduos sólidos.
No caso dos utilizadores domésticos, a proposta abrange todas as famílias em que qualquer dos elementos do agregado familiar tenha uma diminuição superior a 1/3 nos rendimentos. Pressupõe que sejam isentadas das tarifas fixas de abastecimento de água, águas residuais e resíduos sólidos, e o 1º escalão será alargado de 5m³ para 15m³. Este pedido deve ser efetuado no site institucional da INOVA – EM ou nos seus serviços, tendo dois meses para apresentarem os documentos justificativos.
No que respeita às empresas, a proposta é que todas as que encerraram por determinação do Estado de Emergência Nacional e todas as que tenham uma quebra da faturação de 40%, sejam isentadas das tarifas fixas de abastecimento de água, águas residuais e resíduos sólidos, sendo o pedido solicitado no site da Inova – EM ou nos seus serviços, juntando declaração do contabilista certificado.
A economia social tem sido uma das mais afetadas pela pandemia do Covid-19, pelo que o executivo camarário apresentou uma proposta para que todas as Instituições Particulares de Solidariedade Social e a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Cantanhede sejam isentadas da totalidade das tarifas fixas e das tarifas variáveis.
Esta proposta de isenção de taxas foi aprovada por unanimidade do executivo, tendo todos deixado uma palavra de elogio para estas medidas.