domingo, 21 de junho de 2020

Menino de 2 anos morre afogado em piscina de parque de campismo no Pinhal Novo

Menino de 2 anos morre afogado em piscina de parque de campismo no ...
Um menino de dois anos morreu hoje vítima de afogamento na piscina de um parque de campismo localizado no Pinhal Novo, no concelho de Palmela, distrito de Setúbal, informaram fontes dos bombeiros e da GNR.
Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal indicou à agência Lusa que o afogamento, para o qual foi dado o alerta às 14:16, ocorreu na piscina do Parque de Campismo Vasco da Gama.
A mesma fonte disse que o óbito foi confirmado no local pelo médico da viatura médica de emergência e reanimação (vmer) do Barreiro, adiantando que psicólogos do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) prestaram apoio aos familiares.
Contactada pela Lusa, fonte da GNR precisou que a vítima é um menino de dois anos.
As operações de socorro mobilizaram os Bombeiros do Pinhal Novo e elementos do INEM e da GNR, num total de 13 operacionais, apoiados por sete veículos.
Lusa

PR avisa que “terá de se aplicar medidas proporcionais ao que é necessário”

PR avisa que "terá de se aplicar medidas proporcionais ao que é ...
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, avisou hoje que esta é a fase de dissuadir e apelar, mas que se for necessário serão tomadas medidas para determinadas localidades ou "mais duras" para impedir ajuntamentos devido à pandemia.
Em declarações aos jornalistas no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, antes de assistir ao concerto comemorativo do 28º aniversário da Orquestra Metropolitana de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado sobre o que será preciso fazer para sensibilizar os jovens para não adotarem comportamentos de risco, como as recentes festas.
"A questão aplica-se aos jovens - eu falei nos jovens porque eles podem ser um bom exemplo -, mas aplica-se a todos. Na medida em que for necessário, se for muito necessário, terá de se aplicar medidas proporcionais ao que é necessário", respondeu.
De acordo com o Presidente da República, esta é a "fase de tentar apelar e dissuadir".
"Mas é evidente que se houver casos pontuais, específicos, em que haja necessidade de tomar medidas para determinadas localidades ou áreas de freguesias ou haja necessidade de tomar medidas mais duras em termos de intervenção das autoridades para impedir ajuntamentos e para responsabilizar por ajuntamentos, multiplicam-se as participações ao Ministério Público e as pessoas percebem - os jovens e não jovens - percebem que começam a ter um problema grave em cima dos seus ombros", avisou.
Na perspetiva de Marcelo Rebelo de Sousa todos percebem que se está a fazer "uma abertura com cuidado, com cautela para não prejudicar a generalidade dos portugueses".
"Se há minorias, qualquer que seja a idade, que criam problemas à generalidade dos portugueses e não cumprem as regras, terá de se aplicar as regras e o rigor será tanto maior quanto mais for a necessidade de ser rigoroso", considerou.
Lusa

Reguengos de Monsaraz fecha escolas e creches “por precaução”

Reguengos de Monsaraz fecha escolas e creches por precaução – O ...
As escolas e creches de Reguengos de Monsaraz vão encerrar "por precaução" a partir de segunda-feira, disse hoje o autarca do concelho onde foi detetado um surto de covid-19 num lar com 62 casos de infeção confirmados.
Em declarações à Lusa, José Calixto explicou que a decisão resultou de uma proposta da autoridade de Proteção Civil local, que foi aceite pela Autoridade de Saúde Pública, numa reunião de concertação entre as diversas entidades competentes daquela região do Alentejo.
"No fundo, trata-se apenas de uma antecipação de três dias do final do período letivo. No caso do ensino secundário, as matérias estão recuperadas e vão terminar com aulas à distância", explicou o presidente da Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz.
Nesse sentido, serão encerrados todos os estabelecimentos da alçada do Ministério da Educação, assim como os de gestão autárquica, como as creches e atividades de apoio às famílias.
Apesar da medida preventiva, José Calixto garante que as autoridades locais não dispõem, neste momento, de dados que possam indicar a necessidade de impor uma cerca sanitária no concelho.
O presidente da Câmara e autoridade local de Proteção Civil disse também que, apesar de não ter ainda números oficiais dos últimos testes realizados, tem conhecimento que "a esmagadora maioria foram negativos".
O autarca referia-se a mais de 100 testes que foram realizados na comunidade a pessoas que tiverem contacto com utentes ou funcionários infetados do lar da Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva, onde na semana passada foi detetado um surto do vírus da covid-19.
O número total de infetados com o novo coronavírus (SARS-CoV-2) naquela instituição ascende a 62, nomeadamente 17 funcionários e 45 utentes.
Quatro dos idosos que testaram positivo para a covid-19 foram transportados por precaução para o Hospital do Espírito Santo, em Évora, sendo que um deles já teve alta.
Os restantes utentes infetados encontram-se sob vigilância no lar ou em casas de familiares, enquanto os funcionários que testaram positivo estão em isolamento nas suas residências.
Lusa

António Costa admite punir organizadores e participantes em festas ilegais

António Costa admite punir organizadores e participantes em festas ...
O primeiro-ministro, António Costa, admitiu hoje a criação de um "quadro punitivo" para quem organizar e participar em festas ilegais e ajuntamentos e voltou a apelar ao cumprimento de todas as regras de segurança.
"O fim do período de confinamento obrigatório deu-nos mais liberdade, mas também mais responsabilidade. Depois de termos feito tudo bem até aqui, agora não vamos estragar. Senão é uma chatice ter as forças da ordem a atuar e autuar", afirmou o governante.
António Costa, que falava esta tarde aos jornalistas à entrada de um espetáculo no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, comentava desta forma os recentes acontecimentos que envolveram festas ilegais e ajuntamentos, sobretudo de jovens, em várias partes do país.
"Muita gente mais nova pode ter menos risco de contrair [a covid-19], mas tem um enorme risco de a transmitir", alertou.
Nesse sentido, António Costa admitiu que possa ser criado um "quadro punitivo" para as pessoas que organizarem ou participarem em eventos desta natureza.
"As forças de segurança já atuaram nas últimas noites e atuarão sempre que for necessário", assegurou.
António Costa esteve presente no Teatro Nacional D. Maria II para assistir ao espetáculo "By Heart", que marca a reabertura desta sala de espetáculos.
As apresentações de "By Heart" estão marcadas para a Sala Garrett, que, devido às regras impostas pela Direção-Geral da Saúde, conta com 198 lugares (cerca de 50% da sua lotação total).
Portugal regista hoje mais dois mortos relacionados com a covid-19 do que no sábado e mais 292 infetados, a maioria na Região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).
Lusa

Viana do Castelo interdita passagem da Volta a Portugal em bicicleta

A Câmara Municipal de Viana do Castelo decidiu hoje interditar a passagem da Volta a Portugal em bicicleta por considerar que "não pode dar sinais contraditórios" à sociedade, "face ao desconhecimento da evolução" da pandemia de covid-19.
"Neste tempo de incerteza e de imprevisibilidade face ao desconhecimento da evolução da covid-19 e de uma eventual segunda vaga, o município de Viana do Castelo num sentido de prudência, responsabilidade e respeito pela vida não vai permitir a realização da Volta A Portugal em Viana do Castelo no início de agosto", refere a autarquia em comunicado enviado às redações.
Na sexta-feira, em resposta por escrito à Lusa, fonte oficial da Direção-Geral da Saúde (DGS) disse que a Volta a Portugal em bicicleta vai decorrer entre 29 de julho e 9 de agosto, assegurando o distanciamento social e sem concentrações com mais de 20 pessoas.
A DGS afirmou que, "de acordo com plano apresentado" pela Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC), está previsto que "a prova decorra de 29 de julho a 9 de agosto".
Hoje, a Câmara da capital do Alto Minho explicou que "o município tem procurado cumprir escrupulosamente as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e da DGS, bem como as decisões do governo de Portugal", mas que "não pode dar sinais contraditórios à nossa sociedade".
"Acima de tudo temos de proteger e aliviar a pressão, com prevenção do Serviço Nacional de Saúde que tem estado sobre um elevado stress nestes últimos meses", destaca a nota.
Viana do Castelo é local habitual de passagem da Volta a Portugal em bicicleta e para a edição deste ano estava prevista uma chegada ao município.
O município, presidido pelo socialista José Maria Costa, salienta ter sido "com muita dor que teve de restringir a participação dos vianenses em muitas atividades, devoções e manifestações culturais e religiosas com profundo sentido comunitário e de identidade", apontando como exemplo a peregrinação quase centenária a Santa Luzia e a Romaria da Senhora d'Agonia.
"Somos todos convocados, federações desportivas, administração central e local, a ter responsabilidade coletiva e a reduzir riscos desnecessários na prevenção da doença covid-19 e da sua propagação. Para a Câmara Municipal de Viana do Castelo a saúde dos vianenses estará sempre em primeiro lugar e o respeito pela vida é um valor supremo que para a autarquia tem de estar acima do tudo", sublinhou.
No esclarecimento à Lusa, a DGS referiu que "os atletas serão monitorizados pela equipa médica do clube por forma a garantir a deteção precoce de qualquer sintoma sugestivo de covid-19".
"Caso existam suspeitos de covid-19 serão aplicados os procedimentos estabelecidos em Portugal, não podendo participar na prova. Será realizado um teste antes do início da competição", explicou a DGS.
Questionada pela Lusa, a autoridade de saúde assumiu ainda as restrições que vão ser colocadas à presença de público, nas partidas e chegadas das etapas.
"Desde que esteja assegurado o distanciamento físico entre as pessoas, o cumprimento das restantes medidas de prevenção e controlo de infeção e não existam concentrações superiores a 20 pessoas", detalhou.
Lusa
Foto: Rádio Voz do Minho

Santuário de Fátima com 16 infetados entre colaboradores internos e externos

Santuário de Fátima com 16 casos de covid-19 entre colaboradores - JN
O Santuário de Fátima tem 16 casos de colaboradores internos e externos infetados com covid-19, segundo, informou hoje a instituição religiosa católica em comunicado.
De acordo com o comunicado, na sexta-feira o Santuário de Fátima foi informado de que um colaborador estava infetado, pelo que deu indicação de isolamento profilático a todos as pessoas que estiveram em contacto com esse colaborador e de testes a todos os colaboradores internos e aos membros do coro.
"No sábado foram realizados 244 testes, dos quais resultaram 16 casos positivos e 228 negativos", lê-se no comunicado.
Os 16 casos confirmados de covid-19 "têm ligação ao caso inicial, integram o coro do Santuário e não estiveram em contacto direto com os peregrinos", refere ainda a informação.
Lusa

Inscrições abertas para o “Vagos em Ação Júnior – Verão 2020”

A Câmara Municipal de Vagos (CMV), em conjunto com o Agrupamento de Escolas de Vagos e a União de Freguesias de Vagos e Santo António, encontra-se a organizar o Programa Municipal Vagos em Ação Júnior – Verão 2020 (VEAJ).
Todas as atividades do campo de férias foram planeadas de acordo com as recomendações emitidas pela Direção-Geral da Saúde, procurando minimizar o risco de contágio pela COVID-19.
O programa compreende cinco momentos distintos, de acordo com a seguinte calendarização:
  • 1º Momento - 29 de Julho a 3 de Julho
  • 2º momento - 6 a 17 de Julho
  • 3º momento - 20 a 31 de Julho
  • 4º momento - 3 a 14 de Agosto
  • 5º momento - 17 a 28 de Agosto
Com a presente atividade, o Município de Vagos pretende responder à necessidade de ocupação das crianças e dos jovens no período de férias escolares de Verão. O campo de férias destina-se, exclusivamente, a crianças e jovens dos 6 aos 15 anos de idade e funcionará em dias úteis, das 9h30 às 17h30.
As inscrições devem ser realizadas na Piscina Municipal de Vagos, de 2.ª a 6.ª-feira, das 11h00 às 20h00, ou pelo email piscina@cm-vagos.pt.
No ato da inscrição deverá ser entregue a ficha de inscrição devidamente preenchida, a declaração assinada pelo encarregado de educação a autorizar o regresso a casa sozinho ou com pessoa autorizada (em caso de necessidade), bem como a declaração da entidade patronal atestando que ambos os Encarregados de Educação se encontram a trabalhar nos períodos pretendidos.
A realização das inscrições no VEAJ – Verão 2020 é condicionada à existência mínima de 10 participantes. Os valores de cada inscrição, bem como a data limite para as inscrições, encontram-se definidas nas normas internas do campo de férias.
O Cronograma para os três primeiros momentos do campo de férias já se encontra definido, sendo o programa do mês de Agosto divulgado brevemente.
Mais informações consultar:

Câmara Municipal de Montemor-o-Velho volta a promover o seminário nacional “Crescer para Vencer”

Com 4 sessões em quatro semanas, sempre às quintas-feiras, entre as 19h e as 22h, a quarta edição do seminário começa já na próxima quinta-feira, dia 25 de junho, e vai decorrer em formato online, na plataforma zoom.

Liderança, futebol, psicologia no desporto e ética no desporto são as temáticas abordadas por Bruno Seco, José Mário Cachada, Henrique Silva, Vítor Pereira, Jorge Silvério, Sérgio Guerreiro, Isabel Baltazar e Pedro Seco que vão motivar os participantes a otimizar o seu desempenho, desenvolver o espírito crítico, à participação efetiva, consciente e responsável e a desenvolver uma atitude ética, levando a um exercício profissional consciente, de qualidade e cooperativo.

A ação, certificada pelo IPDJ para treinadores desportivos, técnicos de exercício físico e diretores técnicos, é gratuita, sendo necessária inscrição em https://forms.gle/wUYso5gwHJNzmqN86.



Jogadores estrangeiros trocam campos de futebol pelos agrícolas no Alentejo

Sem as camisolas listadas do clube, três jogadores trocaram a relva sintética por um 'casão', num monte perto de Évora, onde são mão-de-obra para a tosquia de cerca de duas mil ovelhas.
Babacar, Thiago e Benny ajudam na apanha e preparação dos animais, enquanto permanece a interrupção do sonho de se tornarem jogadores profissionais de futebol.
"Não dá para jogar à bola e não temos nada para fazer. Parou todo o mundo, então, arranjámos isto para vir ganhar alguma coisa para sobreviver e ajudar a família", diz à agência Lusa o senegalês Babacar Fall, de 23 anos.

Em Portugal há quase três anos, o médio africano, que tem quase toda a família no seu país e um irmão em França, conta que pretendia visitar este ano os familiares no Senegal e que acabou por mudar de ideias devido à pandemia.
"Com a covid-19 não dá e está tudo fechado" e, entretanto, "apareceu isto, é para aproveitar", reconhece, assegurando que não se importa deste trabalho: "Não estou a roubar, é uma coisa normal, é melhor do que ficar deitado um ou dois meses".
Babacar, que tem o sonho de "subir o mais possível" no futebol, revela que está a ganhar "50 euros por dia", advertindo que o "trabalho é duro" e, em tom de brincadeira, admite que "jogar futebol é 10 vezes mais fácil".
Também pouco incomodado com as novas tarefas está o cabo-verdiano Bernardino Fortes, de 20 anos, conhecido por Benny, que está há cerca de dois meses a "apanhar ovelhas" para a tosquia e até já experimentou cortar a lã dos animais.
Benny veio sozinho para Portugal, há quase três anos, atrás do sonho de ser futebolista, mas a pandemia exigiu que começasse a "aprender coisas novas" para atenuar a dificuldade de deixar de jogar.
"Agora estou a trabalhar nas ovelhas, estou a trabalhar para ganhar dinheiro e para ajudar a minha família que está em Cabo Verde", relata, contando vir ainda a trabalhar neste verão na cortiça e nas vindimas.
Para o brasileiro Thiago Wertonge, de 22 anos, que cumpre o primeiro dia na tosquia de ovelhas, o trabalho "é um pouco duro", em que é necessário ter "técnica e força", como no futebol, mas "vai-se acostumando".
Sublinhando que "foi difícil parar a meio da época, com os objetivos para tentar conquistar", o brasileiro considera que "até foi bom", por ter arranjado "uma outra forma de ganhar um dinheiro".
Thiago ambiciona chegar ao topo do futebol português e, face à pandemia, ainda ponderou regressar ao seu país, mas decidiu ficar por receio de "não conseguir voltar" a Portugal.
Armando Branco é um dos seis tosquiadores de serviço e é também adepto do Sporting de Viana do Alentejo, pelo que não tem dúvidas em afirmar que os três têm qualidades e são tão competentes "a apanhar ovelhas como a jogar à bola".
As instalações do Sporting de Viana do Alentejo são um "abrigo" para sete jogadores estrangeiros, que alternam os dias de trabalho no campo, segundo o presidente do clube, Rogério Lagarto.
Estes atletas têm "um teto, alimentação e água quente, o básico e essencial para poderem aguardar o regresso do futebol", frisa Rogério Lagarto, acrescentando que o clube procurou "encontrar soluções" para eles, uma vez que, com o fim das competições, deixaram de receber o subsídio.
"Faz-lhes bem também começarem a entrar no caminho do trabalho, porque o futebol pode dar ou pode não dar e estão a aprender trabalhos agrícolas, que lhes podem ser muito úteis no futuro. Um dia que deixem de jogar futebol, vai ajudá-los, de certeza, a terem uma vida séria e com alguma tranquilidade", acrescenta.
O dirigente desportivo recorda que já em anos anteriores alguns jogadores aproveitavam as férias futebolísticas para trabalharem no campo e fazerem um "pé-de-meia", a fim de poderem viajar para os seus países e visitarem as famílias.
O Sporting de Viana do Alentejo ocupava o quarto lugar do principal escalão distrital de Évora, quando os campeonatos foram suspensos, em março, devido à pandemia de covid-19.
Fonte e Foto: Lusa

Shakhtar Donetsk, de Luís Castro, campeão na Ucrânia

SIC Notícias | Shakhtar Donetsk, de Luís Castro, campeão na Ucrânia
O Shakhtar Donetsk, do técnico português Luís Castro, sagrou-se campeão de futebol da Ucrânia pela 13.ª vez, quarta consecutiva, depois de vencer o Oleksandriya, por 3-2, na 27.ª jornada, quinta da fase de campeão.
Os brasileiros Taison, aos 13 minutos, de grande penalidade, e Tite, aos 60 e 78, fizeram os golos da formação de Donetsk, enquanto Banada, aos 48, e Tretyakov, aos 51, de penálti, marcaram para os forasteiros.
Com este triunfo, a equipa de Luís Castro passou a somar 71 pontos, mais 19 que o Dínamo Kiev, segundo, que já não tem possibilidade de poder alcançar o primeiro lugar.
Lusa

André Ventura diz-se “o único candidato da direita” nas presidenciais

André Ventura diz-se "o único candidato da direita" nas ...
O candidato presidencial André Ventura intitulou-se hoje como "o único candidato de direita" às eleições de 2021 e afirmou estar convencido de que irá disputar uma segunda volta com Marcelo Rebelo de Sousa.
Em declarações à Lusa em Amares, no distrito de Braga, à margem de um jantar-comício que reuniu algumas centenas de pessoas, o também presidente do Chega admitiu que Marcelo "vai com vantagem" mas manifestou-se "muito entusiasmado" com o "crescente" apoio à sua candidatura.
"Estou convencido de que vamos ter uma segunda volta disputada entre mim e o professor Marcelo Rebelo de Sousa", referiu André Ventura.
O candidato deixou críticas ao atual Presidente da República, acusando-o de ser "passivo" com o Governo socialista de António Costa.
"Nós vamos fazer precisamente o contrário, queremos um Presidente interventivo, que seja capaz de defender a direita e não que finja que é de direita para continuar a defender os interesses do Partido Socialista", apontou.
Para o líder do Chega, os portugueses "estão a entender cada vez mais que só há um candidato de direita" nas próximas Presidenciais, em 2021.
"Sou eu", sublinhou.
Aludindo a Adolfo Mesquita Nunes ou a Miguel Albuquerque, classificou-os como "pseudo-candidatos" e disse que nenhum deles afeta o seu eleitorado.
Por isso, reiterou a sua convicção de que disputará uma segunda volta com Marcelo.
"Estou muito entusiasmado, sei que o professor Marcelo Rebelo de Sousa vai com vantagem mas, às vezes, isto não é como começa, é como acaba", afirmou.
Para Ventura, as presidenciais assumem-se como uma "luta de regimes".
"Neste momento, temos duas perspetivas de regime: a de Marcelo, que simboliza este regime, e a minha, que simboliza um regime diferente. É a primeira vez que acontece em democracia, alguém dizer que quer outro regime. Nós dizemo-lo, não temos medo, as sondagens dizem que há um número crescente a apoiar esta ideia e não vamos desistir dela", vincou.
A partir de agora, André Ventura participará, semanalmente, em jantares-comício para promover a sua candidatura presidencial.
"O número de pessoas que temos nos comícios mostra-nos que há uma realidade crescente de apoio em todo o país. Hoje temos aqui várias centenas e tivemos de deixar de fora outras centenas por causa das regras de confinamento. Em Santarém, no próximo sábado, temos outro comício completamente cheio", rematou.
Lusa

Miguel Oliveira reforça objetivo de andar no ‘top-10’ do MotoGP este ano

Miguel Oliveira reforça objetivo de andar no top-10 do MotoGP este ...
Andar no 'top-10' do MotoGP em 2020 é o objetivo do português Miguel Oliveira (KTM), a pouco menos de um mês do arranque do Mundial de motociclismo de velocidade, em 19 de Julho, no circuito de Jerez, em Espanha.
"Irei entrar a pontuar, com objetivo bem definido de estar sempre nos pontos, no 'top-10', como se fosse um campeonato numa situação normal", afirmou o piloto natural de Almada, em entrevista à agência Lusa.
O arranque do campeonato do mundo estava previsto para 08 de março, no Qatar, mas a pandemia de covid-19 levou ao reajuste do calendário, tendo como primeira prova o Grande Prémio de Espanha, em Jerez de la Frontera.
Estão marcadas 13 corridas, todas em solo europeu, cinco das quais em formato de jornadas duplas, incluindo as últimas dias, em 08 e 15 de novembro, em Valência.
Miguel Oliveira admitiu que o encurtamento do calendário pode levar os pilotos a "adotarem diferentes estratégias", uns a aproveitarem "cada corrida como fosse a última" e outros a terem "uma abordagem mais cautelosa", procurando pontuar nas primeiras provas, "por não haver muitas oportunidades" para o fazer.
No entanto, o português considera que este campeonato disputado "em condições únicas" vai conferir um "grande desgaste físico e no qual os erros podem sair caros", já que muitas das provas acontecem em semanas consecutivas.
"Vamos fazer muitas corridas em três fins de semana seguidos e quem cair vai sofrer consequências de imediato, mas o positivo é que pode haver a sensação de que podemos voltar à pista e emendar os erros", destacou.
Miguel Oliveira mostrou-se confiante que o campeonato "siga até ao fim", tendo em conta a evolução da pandemia a nível mundial e a vontade da organização que a competição aconteça.
Apesar da ausência de competição, este tempo de paragem permitiu a Miguel Oliveira receber "uma prenda", com a possibilidade de se concentrar na recuperação da lesão no ombro, que garantiu "está a 100%".
No entanto, a preparação física "nunca parou", frisou à Lusa Miguel Oliveira, à margem de uma ação de formação para pilotos no Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão.
Foi no circuito algarvio que Miguel Oliveira ensaiou o regresso à competição, no passado fim de semana, quando venceu as duas primeiras corridas do nacional de superbikes, procurando estar "o maior tempo possível em contacto com a moto".
Relativamente à covid-19, o piloto, que frequenta o curso de medicina dentária, congratulou-se pelos resultados no combate à pandemia em Portugal.
"Não podemos deixar que esse orgulho nos faça descuidar, por isso temos de continuar a ter uma atitude cautelosa e responsável. Tudo o que dependa do nosso bom senso temos de o usar, sem dúvida nenhuma", alertou.
Miguel Oliveira vai cumprir o seu segundo ano em MotoGP, a classe 'rainha' do Mundial de velocidade de motociclismo, depois de ter sido 17.º classificado em 2019, com um total de 33 pontos
Lusa

“É preciso má-fé para transformar agradecimento à saúde em insulto”, diz António Costa

António Costa diz que é preciso “má-fé” para transformar ...
O primeiro-ministro considerou que "é preciso muito má-fé" para transformar num insulto o agradecimento que fez aos profissionais de saúde que permitiram que Portugal fosse referenciado como seguro e escolhido para a fase final da Liga dos Campeões.
À chegada para o concerto de Rita Redshoes, no Teatro São Luiz, em Lisboa, inserido no festival solidário Regresso ao Futuro, António Costa foi questionado sobre algumas críticas em relação às suas palavras de que a fase final da Liga dos Campeões em Lisboa "é também um prémio merecido aos profissionais de saúde".
"É preciso muito má-fé para transformar um agradecimento aos portugueses e designadamente aos profissionais de saúde que tornaram possível controlar a pandemia, e por isso sermos referidos e referenciados como um país seguro, num insulto aos profissionais de saúde", respondeu.
Na perspetiva do primeiro-ministro, "é preciso muito má-fé" para distorcer "de tal forma" as suas palavras.
"Acho que toda a gente de boa-fé percebeu. O senhor Presidente da República percebeu muitíssimo bem. Foi um agradecimento, nunca foi insulto", reiterou.
Na sexta-feira à noite, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, garantiu que é Portugal quem irá decidir sobre a presença de público na fase final da Liga dos Campeões, e insistiu na importância de Lisboa receber esta competição.
Questionado se compreende as críticas à cerimónia de quarta-feira, quando foi anunciado que a fase final da 'Champions' seria em Portugal, em que discursaram também os presidentes da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Fernando Gomes, da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e o primeiro-ministro, António Costa, o chefe de Estado respondeu: "Francamente, não percebo".
"As pessoas têm de perceber o seguinte: nós estamos a fazer o que podemos pela economia portuguesa", prosseguiu, argumentando que esta competição permitirá "encher não sei quantos hotéis de Lisboa", mesmo "só com as comitivas das equipas, sem público", e representará "uma promoção a milhões e milhões e milhões de espectadores, potenciais turistas de todo o mundo, num momento em que isso é disputado por toda a gente, o que a senhora Merkel [chanceler da Alemanha9 gostaria de ter, o que os governantes espanhóis gostariam de ter".
Marcelo Rebelo de Sousa foi também interrogado sobre a afirmação do primeiro-ministro nessa cerimónia, de que a fase final da Liga dos Campeões em Lisboa "é também um prémio merecido aos profissionais de saúde", que demonstraram que Portugal tem um Serviço Nacional de Saúde (SNS) "robusto para responder a qualquer eventualidade".
"Eu entendi assim: que não era possível obter isto, que começou a ser disputado em março e abril, e continuou em maio e junho, se não tem havido - e continua a haver, e continuará a haver - uma realidade fundamental, que é que são os profissionais de saúde que têm aguentado em primeira linha o combate à pandemia", disse o Presidente.
A UEFA, união das federações europeias de futebol, anunciou na quarta-feira que a fase final da Liga dos Campeões 2019/2020 se irá realizar em Lisboa, com quartos de final, meias-finais e final disputados entre 12 e 23 de agosto, nos estádios José Alvalade e da Luz, em eliminatórias de um só jogo.
A edição 2019/2020 da Liga dos Campeões foi interrompida em Março devido à pandemia de covid-19. A final estava inicialmente prevista para maio, em Istambul, na Turquia.
Lusa

Busto de Baden-Powell vandalizado, em Coimbra

Em Comunicado, a Junta Regional de Coimbra dá conta da sua indignação pela vilania contra o busto do fundador do escutismo. Leia o texto na íntegra:
"A Junta Regional de Coimbra, em estreita colaboração com os órgãos nacionais do Corpo Nacional de Escutas, vem manifestar a sua indignação para com a vilania cometida na última noite em Santa Clara, Coimbra, em que o busto do fundador do escutismo – Lord Robert Baden-Powell, foi vandalizado.
Já na semana passada, a propósito de notícias provenientes do Reino Unido, a Organização Mundial do Movimento Escutista (OMME) manifestou a sua preocupação para com atos semelhantes:
“Como fundador do Movimento Escutista Mundial, Baden-Powell, nascido em 1857, inspirou a criação de um movimento que cresce há mais de 113 anos que capacita centenas de milhões de jovens em todo o mundo. Baden-Powell viveu numa era diferente e dentro de realidades diferentes. Hoje, o Movimento que ele fundou inclui mais de 54 milhões de escuteiros em 224 países e territórios, promovendo a tolerância e solidariedade em todo o mundo.
O Escutismo oferece um ambiente inclusivo para reunir jovens de todas as raças, culturas e religiões e cria oportunidades de diálogo sobre como promover a paz, a justiça e a igualdade.
O Movimento que foi fundado em 1907 na Ilha Brownsea, destaca-se pela promoção da diversidade e inclusão, que são os pilares dos valores escutistas, enquanto denuncia todas as formas de racismo, discriminação, desigualdade e injustiça.”
Contactada pelo CNE, a OMME está já ao corrente e acompanhar esta situação.
Em Portugal, o CNE tem um efetivo de mais de 72.000 elementos, contribuindo para a formação integral da juventude e procurando fazer destas crianças e jovens adultos honrados, cooperativos e com valores, para serem cidadãos que contribuem para uma sociedade melhor e mais interventiva".

Pelo menos três mortos no ataque em parque a oeste de Londres

Pelo menos três pessoas morreram e várias ficaram feridas depois de terem sido apunhaladas num parque em Reading (Berkshire), oeste de Londres, no sábado, num ataque em que há um homem detido, disseram fontes à BBC.
Forças de segurança disseram à BBC que o detido será um líbio.
A polícia local tinha adiantado, numa mensagem na rede social Twitter, que as autoridades foram chamadas a Forbury Gardens cerca das 19:00 de sábado, onde "várias pessoas apresentavam ferimentos e foram levadas para o hospital", tendo sido detido um homem.
Até ao momento não há uma confirmação oficial do número de feridos, nem de mortos.
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse que os seus "pensamentos estão com todos aqueles que foram afetados pelo terrível incidente em Reading".
"Os meus agradecimentos aos serviços de emergência no local", acrescentou o chefe do Governo.
Reading, cidade com cerca de 200.000 residentes, fica a 64 quilómetros a oeste de Londres.
Testemunhas relataram que várias viaturas policiais e helicópteros estavam no local.
Até ao momento, não é conhecido o motivo deste ataque, mas a polícia está a investigar a possibilidade de ter razões terroristas.
O jornal britânico The Guardin refere também que a divisão da polícia contra o terrorismo "juntou-se à investigação depois de o ataque em Reading ter deixado três pessoas mortas e duas gravemente feridas".
A ministra do Interior britânica, Priti Patel, manifestou-se "profundamente preocupada" com o ocorrido.
O incidente acontece algumas horas depois de o protesto 'Black Lives Matter', contra o racismo, se ter realizado em Forbury Gardens.
Nieema Hassan, uma das organizadoras do protesto, disse que os manifestantes já se tinham ido embora na altura em que o ataque aconteceu.
Lusa

António Costa: “A melhor forma de sermos solidários é todos cumprirmos as regras”

A melhor forma de sermos solidários é todos cumprirmos as regras ...
O primeiro-ministro, António Costa, garantiu hoje que, se for preciso dar passos atrás no desconfinamento, o fará, mas prefere controlar a situação, considerando que a melhor forma de solidariedade e de retoma é todos cumprirem as regras.
À chegada para o concerto de Rita Redshoes, no Teatro São Luiz, em Lisboa, inserido no festival solidário Regresso ao Futuro, António Costa foi questionado sobre a possibilidade de vir a decidir dar passos atrás no desconfinamento devido aos números de novos de covid-19.
"Se for necessário dar, daremos os passos atrás que forem necessários dar. Agora eu acho que o que temos que ver é como é que podemos evitar os passos atrás, controlando a situação", afirmou.
Na perspetiva do primeiro-ministro, "a melhor forma de sermos solidários é todos cumprirmos as regras", sendo essa a melhor maneira de se "retomar a atividade".
"Se todos cumprirmos as regras, nós podemos ir recuperando a nossa liberdade e esse é o percurso que nós temos que seguir porque não é só a perda da liberdade, é a perda da liberdade, é a destruição de rendimentos, de empregos, de atividades", avisou.
António Costa apontou que as pessoas se podem sentir seguras "em qualquer sítio desde que as regras sejam cumpridas".
"Havia uma coisa que todos sabíamos: se aumentássemos o desconfinamento, o risco de contágio aumentaria. Aquilo que nós temos vindo a verificar é que a taxa de contágio têm-se mantido essencialmente estável", referiu.
Aquilo que acontece, segundo o chefe do executivo, é "um crescimento muito localizado à volta da cidade de Lisboa e em alguns concelhos e em algumas freguesias desses concelhos", ou seja, "focos bastante localizados".
"Festas como a de Lagos, falta de cuidado como aconteceu naquele lar, ajuntamentos como ontem [sexta-feira] aconteceram na praia de Carcavelos ou nas docas em Lisboa, isso são obviamente comportamentos que se podem dar mau resultado", avisou.
Como o "vírus vai continuar a andar por aí e por aí andará até haver vacina", António Costa foi perentório: "ou ficamos fechados em casa ou, para sairmos, temos que cumprir as regras".
Portugal contabiliza hoje pelo menos 1.528 mortos (mais um do que na sexta-feira) associados à covid-19 em 38.841 casos confirmados de infeção (mais 377), segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).
Lisboa e Vale do Tejo (LVT) registou 74,8% dos novos casos de covid-19, concentrando 282 das 377 novas infeções divulgados hoje.
Lusa

População russa encolhe drasticamente

Na Rússia, em algumas cidades, há muitas casas abandonadas por falta de habitantes.

Segundo registro do Serviço de Estatística do Estado (Rosstat), em 2018 a população russa caiu para 148,8 milhões, e a ONU estima que até 2050 o país perca 8% de seus habitantes.

As causas são o aborto e o amor livre, instalados pela revolução bolchevista, além do alto consumo de álcool e drogas, que reduzem a média de vida masculina; e assim se pode afirmar que a corrupção moral corrói a Rússia.

ABIM

PS chumba louvor aos profissionais de saúde e a todos os que nas diferentes áreas deram e dão um contributo fundamental no combate ao Covid-19

Figueiró dos Vinhos, Portugal - Parte 1 - YouTube
PS chumba louvor aos profissionais de saúde e a todos os que nas diferentes áreas deram e dão um contributo fundamental no combate ao Covid-19.

O voto do PS contra o Agradecimento e Louvor (chumbando a iniciativa) foi um episódio pequeno que não abona os seus autores

O PS colocou-se, ontem, na Assembleia Municipal, na isolada posição de chumbar um voto de agradecimento e louvor aos profissionais de saúde e a todos aqueles que nas diferentes áreas deram e dão um contributo fundamental no combate ao Covid-19.

Tomamos isto como um episódio pequeno que não abona os seus autores.

O PS queria que o voto de louvor fosse também para os seus autarcas. Isto é que se aprovasse um auto-elogio em causa própria.

Diz o povo na sua sabedoria que elogio em boca própria é vitupério (ato vergonhoso). Quanta verdade há neste ditado!

É realmente inacreditável o que aconteceu.

Quando a pandemia está longe de chegar ao fim, quando há ainda muito que fazer o que preocupa o PS é apenas o seu umbigo e o seu ego.

Os profissionais de saúde, os Figueiroenses e todos aqueles que nas diferentes áreas deram e continuam a dar um contributo fundamental no combate à pandemia não merecem do PS qualquer reconhecimento, agradecimento e louvor.

Todos eles estão para o PS em segundo plano, mas ficam a saber com quem podem contar no presente e no futuro.

O PSD apresentou um voto de agradecimento e louvor. O PS votou contra (chumbando a iniciativa) tendo as demais forças políticas votado a favor, um reconhecimento que prestaram a todos e ao qual estamos reconhecidos. 

Aqui deixamos o Voto de Agradecimento e Louvor que o PS chumbou na Assembleia Municipal de ontem, 19 de junho de 2020

Num momento em que o país e os portugueses estão mobilizados para combater a COVID-19 e se tenta retomar alguma dinâmica económica e social cabe-nos ter uma palavra de reconhecimento, agradecimento e louvor aos profissionais de saúde que na linha da frente do combate à pandemia todos os dias arriscam a sua vida para salvar a do próximo.

É notável o trabalho e o esforço destes profissionais pelo que cabe a todos reconhecer e louvar esse esforço louvando quem cuida.

Reconhecimento e louvor tão mais importantes quanto o momento em que tomámos conhecimento, ontem, por infeliz coincidência, se celebrou o Dia do Médico, da primeira morte de um médico infetado com Covid-19 em Portugal.

Reconhecemo-lo nos profissionais de saúde, mas também em todos os outros que desde a primeira hora têm vindo a garantir o socorro de emergência, a segurança pública, o acesso a bens e serviços essenciais a toda a comunidade, a higiene e limpeza de locais públicos, a cuidar dos mais velhos e necessitados, bem como a toda a população que colaborou e respeitou o apelo ao isolamento social e acatou as ordens impostas pelo Estado de Emergência e as recomendações das Autoridades.

Agradecemos e louvamos o esforço de todos os que desempenhando as suas funções nas mais diferentes áreas, enfrentam riscos acrescidos, sem nunca perderem o seu espírito de missão e o verdadeiro sentido de serviço público.

Reconhecimento extensivo aos empresários e comerciantes que, encerrando temporariamente os seus estabelecimentos, colocando em causa os seus rendimentos, deram, também, um contributo fundamental nesta luta.

Sem a colaboração de todos não teríamos os reduzidos números de infeção no concelho, que, contudo, não nos descansam desta luta que se trava, dia a dia, pela vida de todos.

O país estará para sempre em dívida para com os profissionais de saúde e com todos os outros que referimos. Já o reconhecemos nas palavras, reconhecemo-lo agora nos atos aprovando este voto de reconhecimento, agradecimento e louvor.

Assembleia Municipal, 19 de junho de 2020
Partido Social Democrata de Figueiró dos Vinhos

Praceta do Cidadão inaugurada em Valongo do Vouga

Espaço faz parte de uma ação mais abrangente no âmbito da campanha ambiental “Somos todos Valongo, Somos todos ambiente”.

“Cuidar do ambiente é apenas uma questão de atitude” é a mensagem de uma das tarjas espalhadas pela freguesia de Valongo do Vouga no âmbito da campanha ambiental “Somos todos Valongo, Somos todos ambiente”, que envolveu o agrupamento de escolas EB2,3 desta freguesia do concelho de Águeda e cujo ponto alto foi, ontem, a inauguração da Praceta do Cidadão. 
Jorge Almeida, Presidente da Câmara de Águeda, salientou, na cerimónia, que “novas posturas e novas maneiras de estar são absolutamente essenciais” para que se proteja o bem comum, o espaço público. “As questões ambientais e os verdadeiros atentados que vamos vendo nas nossas ruas, são assuntos que nos deveriam obrigar a parar e a refletir”, declarou. 
O Edil aproveitou o momento para apelar ao bom senso e ao sentido cívico das pessoas ao depositarem os lixos nos contentores. “Há pessoas que se prontificam a colocar fotos nas redes sociais de locais onde aparece lixo amontoado nos contentores e nas suas imediações. No entanto, muitas vezes, o camião da recolha passa e uma hora depois fica naquele estado. Há pessoas que parece que estão à espera para trazerem toda a tralha que têm em casa e colocá-la de uma forma indiscriminada ali esperando que alguém leve”, afirmou, frisando que assim “é difícil conseguir que esteja tudo bem em todo o lado”. Para que os resultados sejam os desejados, ou seja, que esteja limpo e asseado, é algo que “precisa da colaboração de todos”. 
As iniciativas de educação ambiental como a que foi preconizada pela Junta de Valongo, em parceria com o agrupamento de escolas, é por isso mesmo “muito importante”, para incutir um sentido de civismo e responsabilização nos cidadãos. As Juntas de Freguesia são, salienta Jorge Almeida, cada vez mais parceiros ativos nesta área ambiental e no combate às más práticas na deposição de resíduos, porque é um assunto que “incomoda a todos”. 
Elsa Corga, Vereadora da Educação da Câmara de Águeda, frisou que “por muitas obras e intervenções que se façam, se o comportamento das pessoas não mudar, vamos continuar a ter imagens como as referidas”. Neste sentido, o trabalho que tem sido realizado nas e pelas escolas tem “extrema importância”. 

“No concelho de Águeda, temos, neste momento, 17 Eco-Escolas, o que é muito revelador do impacto e do valor que as escolas do nosso concelho dão a esta área”, disse Elsa Corga, apontando ainda que “não é um trabalho de agora, mas sim de há muitos anos e o Agrupamento de Escolas de Valongo do Vouga tem sido uma referência nesta matéria”. 
Luís Filipe Falcão, presidente da Junta de Freguesia de Valongo do Vouga, declarou que esta campanha resulta de um desafio lançado ao Agrupamento de Escolas para que os alunos fizessem imagens alusivas à correta separação dos lixos, sensibilizando ainda para a poupança da água. Este trabalho resultou na elaboração 60 trabalhos escolares que foram colocados em oito tarjas, que estão espalhadas pela freguesia. 

A Junta de Freguesia, com o apoio da Câmara de Águeda, procedeu ainda, no âmbito desta campanha, à recuperação de um espaço antes totalmente degradado entre a sede da Junta e a GNR, e que ontem foi inaugurado. A agora “Praceta do Cidadão” dispõe, para além de contentores para a recolha seletiva de resíduos (com um contorno em madeira feito em parceria com a Aguimóveis), de banco de descanso e um espaço social, uma área de fruição pública. 

“Mais do que uma grande obra, estas mensagens das políticas ambientais representa uma aposta na sensibilização e na cidadania”, referiu Luís Filipe Falcão. 

Refira-se que este projeto é candidato ao concurso Eco-freguesias, que está atualmente a decorrer e com votação público, devendo conhecer-se o vencedor no próximo ano. 

Para além da inauguração, ontem foi ainda assinado um protocolo de dinamização e sensibilização ambiental entre a ASSOARTES, a Junta de Freguesia e a empresa ERSUC, com vista à realização de campanhas sobre a reciclagem e separação de resíduos junto da população em geral.

Projeto da UC vence competição europeia dedicada ao Património Natural e Cultural


Uma solução de monitorização de eventos que podem colocar em risco o património baseada em dados de satélite gratuito, desenvolvida por uma equipa de investigadores do Centro de Estudos de Arqueologia, Artes e Ciências do Património (CEAACP) da Universidade de Coimbra (UC), em parceria com a Startup Theia, tecnológica incubada no Instituto Pedro Nunes (IPN), foi o projeto vencedor da primeira competição internacional “Copernicus Hackathon Cork” dedicada ao Património Natural e Cultural.

O evento, organizado em Cork (Irlanda), decorreu de forma online, entre 9 e 13 de junho, e o desafio lançado aos participantes, que tinham de se apresentar em equipas até quatro pessoas, consistia em desenvolver soluções para ajudar a gerir, salvaguardar e monitorizar o património natural e cultural com recurso a dados de satélite dos programas “Copernicus” e “Galileo”.

A equipa de Coimbra, constituída por Ricardo Cabral, Martino Correia, Steffan Davies e Tiago Cordeiro, apresentou a “ARCHER – Heritage Surveillance and Monitoring”, uma solução de monitorização de riscos múltiplos que usa «dados de satélite, atualizados semanalmente, para deteção da ação de eventos que poderão pôr em risco o património, como por exemplo, o abatimento dos solos, deslizamentos, erosão eólica e hídrica, inundações costeiras e fluviais, bem como atividades de natureza antrópica. Tendo em conta as previsões atuais da evolução das alterações climáticas, cremos que as ferramentas da plataforma ARCHER serão indispensáveis para monitorizar e proteger o património com a maior eficácia possível».

De momento, «a plataforma ARCHER está a completar o ciclo de testes de demonstração, tendo já sido desenvolvidos projetos-piloto com as Direções Regionais de Cultura do Alentejo e Algarve», adiantam os mentores do projeto.

A vitória alcançada nesta competição assume grande importância. «É o reconhecimento internacional do esforço investido pela equipa numa tecnologia inovadora que pretende contribuir para a proteção do património. O desenvolvimento de projetos nesta área tecnológica por uma unidade de investigação em Humanidades é verdadeiramente extraordinário na Universidade de Coimbra», declaram os investigadores.

O prémio inclui 12 meses de incubação no programa “Copernicus Accelerator” e um vale de subscrição no valor de 1200 euros para acesso ao repositório “OneAtlas” da Airbus.

O “Copernicus” é o Programa Europeu para a Observação da Terra, coordenado e gerido pela Comissão Europeia e pela Agência Espacial Europeia.

Cristina Pinto