segunda-feira, 8 de abril de 2019

Columbófila | Cidálio Salvador vence concurso de S. Bento e José Rossa Ribeiro mantém a liderança da classificação geral de concorrentes


Resultado de imagem para Associação de Solidariedade Social Sociedade Columbófila CantanhedenseApós a realização da prova de S. Bento, José Rossa Ribeiro lidera o Troféu Crédito Agrícola. 

Cidálio Salvador venceu a prova de S. Bento. 
Esta prova de velocidade do calendário da Associação de Solidariedade Social Sociedade Columbófila Cantanhedense e integrada no calendário oficial da Associação Columbófila do Distrito de Coimbra, permitiu ao associado José Rossa Ribeiro, cimentar o primeiro lugar da Classificação Geral de Concorrentes, conquistando a segunda posição da mesma classificação o associado Vitor Ferreira. 

Após a realização desta prova, José Rossa Ribeiro, continua a liderar o Troféu Crédito Agrícola, conforme se pode aferir nas seguintes tabelas: 

Prova – S. Bento – Velocidade 
1º lugar – José Rossa Ribeiro – 467 pontos; 2º– Emanuel Ventura - 465 pontos; 3º José Rossa Ribeiro – 464 pontos; 4º - Fábio Cruz – 463 pontos; 5º - Cidálio Salvador – 461 pontos; 6º- José Cunha – 458 pontos; 7º Vitor Ferreira – 450 pontos; 8º Lusitano Espinhal – 447 pontos; 9º– Fábio Cruz – 440 pontos; 10º - Marco Ferreira – 436 pontos. 

Classificação Geral de Concorrentes 
1º lugar – José Rossa Ribeiro - 2849 – pontos; 2º - Vítor Ferreira – 2797; 3º - Marco Ferreira – 2735; - 4º - José Rossa Ribeiro – 2723; 5º Lusitano Espinhal - 2690 6º - Asas do Choupal - 2660; 7º - Nuno & Filho - 2479 8º - Emanuel Ventura - 2475; 9º - José Cunha - 2392; 10º - Romeu Estarreja - 2355; 11º - José Oliveira - 2329; 12º - Vítor Ferreira - 2290; 13º - José Rossa Ribeiro - 2226; 14º - Cidálio Salvador – 2175; 15º - Lusitano Espinhal - 2165; 16º - Asas do Choupal - 2118; 17º - Euclides Pimenta 2104 - 18º - Gonçalo Paião - 2066; 19º - José Santos - 2039; 20º - Fábio Cruz -1996; 21º - Nelson Rainho - 1974; 22º - Fábio Cruz - 1949; 23º - Romeu Estarreja - 1922; 24º - - Matias & Vila Nova - 1922; 25º - José Vinagreiro - 1864; 26º - Marco Ferreira - 1849; 27º - Avelino Soares –1618; 28º - Emanuel Ventura -1403; 29º -José Cunha - 1347; 30º - Asas do Choupal - 1066; 31º - Manuel Barreto - 1026; 32º - José Oliveira – 1013; 33º - Manuel Frade – 976; 34º - Manuel Neto – 868; 35º - Manuel Santos – 793; 36º - Avelino Soares – 689; 37º - Manuel Barreto – 609; 38º - Cesar Rainho – 545; 39º - Jorge Monteiro – 418; 40º - Manuel Nunes – 400; 41º Gonçalo Paião - 139. 

Troféu Crédito Agrícola 
1º - José Rossa Ribeiro – 1188 pontos; 2º - Marco Ferreira – 958; 3º - José Cunha – 930.

Praia da Tocha | O I TOCHA PLOGGING FOI UM SUCESSO!



O I TOCHA PLOGGING, realizado na Praia da Tocha no último sábado, dia 6 de Abril, saldou-se por um enorme sucesso, por todos reconhecido e muito apreciado.

Evento simples e inovador na nossa região e mesmo no país, com origens na Suécia há pouco mais de dois anos e com notável propagação em todo o mundo, combina a palavra “Plog” que na língua nórdica significa “apanhar do chão” com a conhecida palavra inglesa “jogging”, e que se traduz, na prática, em apanhar o lixo que se vai encontrando nos percursos feitos pelos praticantes de desporto, sobretudo as caminhadas e as corridas leves de manutenção.

A IPSS Progresso e Vida da Tocha tinha uma caminhada solidária pensada pelas respostas sociais da área infantil da Instituição e, ao tomar conhecimento deste inovador conceito, por sinal no seio de um convívio familiar de uma sua utente, D. Domi Costa Pereira, que aceitou simpaticamente ser Madrinha do mesmo, decidiu transformar essa caminhada no I TOCHA PLOGGING.

A ideia foi imediatamente acolhida pelas autarquias locais, Junta de Freguesia da Tocha e Câmara Municipal de Cantanhede que, juntamente com a Empresa Municipal INOVA, foram os parceiros Institucionais na realização do mesmo.

Também o tecido empresarial local, sensibilizado para a problemática ambiental dos lixos, reconheceu a importância desta ação e apoiou com entusiasmo o evento. Pudemos ver com muito agrado, as empresas Júlio Simões, Pelichos, Irmãos Helenos, Placocentro e as farmácias Elísio de Andrade, Oliveira Ribeiro e Salutis, não só patrocinar o Plogging, demonstrando uma elevada responsabilidade social, como também participarem pessoalmente nas caminhadas definidas pelos diferentes percursos e ajudando a recolher o lixo, sobretudo o plástico, que se ia encontrando pelo caminho.

No planeamento e organização da iniciativa, foi fulcral o apoio técnico, logístico e de mobilização, do Agrupamento de Escuteiros da Tocha, do Clube de Atletismo da Tocha, do Agrupamento de Escolas Gândara-Mar, dos Bombeiros Voluntários, dos Compartes, da Associação de Moradores da Praia da Tocha, entre outros.

O grande sucesso da iniciativa deve-se, sem dúvida, aos apoios atrás referidos, mas sobretudo a todos os participantes que, apesar da previsão de condições atmosféricas adversas, que felizmente aliviaram a meio da manhã, não se atemorizaram, e responderam corajosa e entusiasticamente à chamada, demonstrando uma generosidade notável, contribuindo solidariamente com os cinco euros de Inscrição para a Instituição e simultaneamente demonstrando uma preocupação ambiental e uma consciência cívica assinalável.

Foi gratificante verificar a participação ativa na recolha do lixo de diversas e representativas personalidades locais, nomeadamente a Presidente da Câmara Municipal Helena Teodósio, o Presidente da Junta de Freguesia Fernando Pais Alves, o Presidente da Empresa Municipal INOVA, Idalécio Oliveira, a Vereadora Célia Simões, o Diretor do Agrupamento de Escolas Gândara-Mar Manuel Marques, entre outros, que, acompanhados pelo Presidente da Direção da Progresso e Vida, José Maia Gomes, tiveram ainda oportunidade de ser entrevistados sobre este acontecimento pelo Canal de Televisão que atualmente lidera as audiências a nível nacional e que dedicou largos espaços dos seus noticiários a dar a conhecer esta iniciativa, e fazendo-o em termos bastante elogiosos.

Para o grande sucesso deste I TOCHA PLOGGING, contribuiu também, em grande medida, o empenhamento, o envolvimento e o profissionalismo das funcionárias da Instituição, nomeadamente das suas chefias intermédias, onde é justo destacar o importante papel desempenhado pela Ana Maria e pela Ana Verdade, que foram designadas pela Direção, responsáveis pela liderança do processo.

Os cerca de 200 participantes recolheram mais de uma tonelada de lixo (1100kg), na sua maioria plástico indiferenciado, mas onde não faltou também os cotonetes, as palhinhas, as beatas dos cigarros, as tampinhas, os isqueiros, etc.….

A Empresa Municipal INOVA, responsável concelhia pela gestão dos resíduos sólidos e urbanos e limpezas das praias, aproveitou a ocasião para, através do Eng.º Francisco Henriques, sensibilizar todos os presentes para a recolha dos “suspeitos do costume”, referindo-se a estes pequenos lixos de plástico que povoam as areias da nossa praia, e lembrando que a mesma tem sido contemplada com a Bandeia Azul ao longo dos últimos 29 anos, sendo reconhecida como uma das melhores praias da região e do país, em termos de limpeza urbano e do seu areal.

Depois do enorme êxito desta primeira edição e aproveitando os ensinamentos recolhidos, é desejo da Progresso e Vida realizar no próximo ano de 2020 o II TOCHA PLOGGING, deixando ainda o desafio de que este conceito e este exemplo coletivo de cidadania possa ser replicado por todo o Concelho e por todo o país.

Proença-a-Nova | Sopas e condutos promovem Proença-a-Nova, os seus produtos e recursos



Pelo terceiro ano consecutivo, o programa da TVI “Somos Portugal” animou um dos eventos do Município de Proença-a-Nova, este ano o Festival das Sopas e Condutos que se realizou nos dias 6 e 7 de abril no Parque Urbano Comendador João Martins, na sede de concelho. Durante a tarde de domingo, milhares de pessoas, tanto em Portugal como no estrangeiro, puderam conhecer em direto a oferta disponibilizada pelas 11 associações presentes e pelos expositores da marca Proença-a-Nova Origem e artesãos. Na sua intervenção, o presidente da Câmara Municipal de Proença-a-Nova, João Lobo, saudou a diáspora proencense “com carinho e um cumprimento muito especial” e todos os que se deslocaram ao Festival, apesar do tempo de chuva que se fez sentir durante todo o fim de semana. “Este evento traduz uma aposta que o Município tem realizado nos últimos anos para divulgar e promover um território através da gastronomia, e as associações que trouxeram as 22 sopas que pudemos provar traduzem elas próprias tradições de muitos anos que importa preservar”, afirmou o autarca. 

Na sua intervenção, João Lobo destacou o concelho como destino turístico: “Proença-a-Nova tem no turismo de natureza o seu ponto forte e evidentemente que a gastronomia entronca nessa estratégia de divulgar o concelho”. Os passeios pedestres, o paraquedismo, o paramotor, a escalada e as praias fluviais “são razões para nos visitarem durante todo o ano”, para além dos eventos. Nos dias 14, 15 e 16 de junho, a Festa do Município destacará a tigelada e o mel, alavancando outros sectores como a apicultura e a caprinocultura (a tigelada tradicional é feita com leite de cabra) que traduzem “a oportunidade que temos neste território, que é de floresta e biodiverso. Relativamente à biodiversidade não posso deixar de referir um evento que vamos ter nos dias 22 e 23 de maio, o BioDiv Summit, que vai acontecer exatamente no Dia Internacional da Biodiversidade, focando aquilo que hoje tanto nos importa que é a sustentabilidade e o que temos que fazer, todos nós individualmente, para diminuir a pegada ecológica para ternos, de facto, condições para termos a nossa casa, que é este planeta, muito melhor”. 

Para além dos artesãos e produtores do concelho, no domingo decorreu em paralelo a iniciativa “Os Quintais nas Praças do Pinhal”, com organização da Associação Pinhal Maior, com a presença de expositores dos concelhos vizinhos de Oleiros, Mação, Sertã e Vila de Rei. Também durante a manhã, a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Proença-a-Nova promoveu o VII Passeio Todo o Terreno, com a presença de mais de 200 participantes. 

No Festival das Sopas e dos Condutos foram vendidas mais de 1.500 malgas de sopa, num valor que reverte agora para as associações presentes. A Sopa das Malhas, da Associação dos Galisteus, foi a que recolheu mais votos, seguindo-se a Sopa Lavrador, da Associação da Póvoa e a Sopa da Pedra, da Associação das Atalaias. O próximo evento gastronómico está marcado para 25 e 26 de maio: o Festival da Cereja e do Limão, em Montes da Senhora.

Convite | Tertúlia....Dia internacional dos monumentos e sítios | 12 de Abril de 2019


No âmbito do Dia dos monumentos a Delegação Distrital de Aveiro vem por este meio endereçar convite para estar presente em Tertúlia…Dia internacional dos monumentos e sítios, em 12 de Abril de 2019 | 18H30 – 19H30.

A participação nesta tertúlia é de entrada livre, mas carece de inscrição prévia através do email: aveiro@centro.oep.pt ou tel: 234 386701

ESTUDANTES DE CASTELO DE VIDE APRENDEM HÁBITOS POSTURAIS SAUDÁVEIS


No âmbito do Plano de Saúde Escolar 2018/2019, a UCC Castelo de Vide e a URAP desenvolveram uma ação formativa para os alunos do 5º ano, no Agrupamento Escolar de Castelo de Vide.

Esta iniciativa formativa teve como objetivo principal, sensibilizar os alunos sobre hábitos posturais saudáveis e alertar para as potenciais alterações anatómicas provocadas por posturas incorretas e viciosas.

Foram ainda desenvolvidos aspetos práticos de boas posturas corporais, o uso das mochilas e o peso por elas transportado e, por fim, avaliação da aquisição de conhecimentos.

Ulsna

Pampilhosa da Serra | Feriado Municipal



Pampilhosa da Serra, assinala, no dia 10 de abril, o Feriado Municipal, data em que D. João, Mestre de Avis foi aclamado Rei nas Cortes de Coimbra. A história conta-nos que o monarca, ouvindo os Homens Bons da Pampilhosa, que a ele ocorreram para por fim à anexação do Concelho, ao Concelho da Covilhã, concedeu uma “Carta de Privilégios, pela qual reconhece a autonomia da Pampilhosa, pondo fim a uma grande injustiça, imposta por D. Fernando.
A determinação dos representantes do povo de Pampilhosa da Serra, valeu uma atitude justa por parte de D.João I, que a Comissão Administrativa do Concelho, em 1937, decidiu perpetuar, deliberando fixar o dia 10 de abril de cada ano como Feriado Municipal.

PROGRAMA
10 de abril
10:00 – Hastear da Bandeira.
10:15 – Receção de Sua Excelência, O Senhor Secretário de Estado da Valorização do Interior, Eng.º João Paulo Marçal Lopes Catarino;
10:30 – Sessão Solene do Feriado Municipal nos Paços do Concelho:
- Assinatura de Protocolos com Instituições Concelhias - Renovação dos protocolos de suporte financeiro que permitem o salutar funcionamento das seguintes instituições concelhias:
- Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Pampilhosa da Serra.
- Representada por: Sr. Dr. João Manuel Matos Ramos (presidente da Direção.
- Grupo Musical Fraternidade Pampilhosense.
- Representada por: SR. Esmeralda da Assunção Simões Santos Alexandre (Presidente da Direção)
- RANCHO FOLCLÓRICO de Pampilhosa da Serra (R.F.P.S.).
- Representada por: - Sr. Manuel Almeida Alexandre (tesoureiro)
- RANCHO FOLCLÓRICO de Dornelas do Zêzere.
- Representada por: Sr. Alexandrino Joaquim Dias Monsanto (Presidente da Direção).
- Grupo Desportivo Pampilhosense.
- Representado Por: Sr. João Manuel Almeida Neves (Presidente da Direção).
- Casa do Concelho de Pampilhosa da Serra:
- Representada por: Sr. José Fernandes Ferreira (Presidenda da Direção).

- Concessão de Medalhas e Distinção Honorífica.
Será feita uma homenagem póstuma, através da atribuição da medalha de mérito municipal, a Monsenhor Nunes Pereira, padre e artista, natural da Freguesia de Fajão/Vidual, em Pampilhosa da Serra, que viveu entre 1906 e 2001
Augusto Nunes Pereira foi um talentoso artista e um exemplar sacerdote. Soube sempre conciliar o exercício da doutrina pastoral com um crescente interesse pelo cultivo das artes. Desde a poesia à escultura, passando pelo desenho, pela aguarela, pelo vitral e sobretudo pela xilogravura, especialidade em que se viria a notabilizar, e na qual se tornou possivelmente no melhor artista português da época.
A 13 de Setembro de 1997, em reconhecimento da sua obra, abriu em Fajão, um museu que lhe é dedicado. Em 1986, a Câmara Municipal de Coimbra atribuiu-lhe a medalha de Ouro da Cidade. Grande parte da sua obra artística concretizou o seu sonho de salvar e divulgar as memórias e a cultura das gentes da Serra do Açor. O génio e a arte aliaram-se no grande que foi Augusto Nunes Pereira, para produzirem abundantes e saborosos frutos e para deliciarem os interessados e apaixonados pela beleza e pela arte. 
12:00 - Inauguração da Área de Serviço de Autocaravanas de Pampilhosa da Serra;
A Área de Serviço de Autocaravanas de Pampilhosa da Serra, que será inaugurada no feriado municipal, resulta de uma candidatura efetuada ao programa ‘Valorizar’, do Turismo de Portugal.
O acordo celebrado entre o Município de Pampilhosa da Serra e o Turismo de Portugal, contemplou assim a concessão, pelo Turismo de Portugal, do apoio financeiro para a execução do referido projeto, no âmbito da “Valorização do produto “Turismo de Natureza” e diversificação de oferta para captação e fidelização de novos públicos”, cujo investimento global se fixou nos 445.070, 00€, para uma comparticipação de 400.000, 00€ por parte do Turismo de Portugal.
Para além da estrutura de apoio ao Autocaravanismo, que representa um investimento de 399.560, 00€, o mapa de investimento previa ainda a criação de uma aplicação móvel - já em funcionamento - para divulgação das potencialidades turísticas do território, que representou um investimento de 23.370, 00€, assim como um conjunto de ações de promoção da estrutura, que representou um investimento de 22.140, 00€.
O Programa Valorizar, tem por objetivo promover a contínua qualificação dos destinos através da regeneração, requalificação e reabilitação dos espaços públicos com interesse para o turismo e para a valorização do património cultural e natural do país.




VISEU MARCA E AHRESP PROMOVEM PLANO DE FORMAÇÕES, EM ANO DE “VISEU, DESTINO NACIONAL DE GASTRONOMIA”

Cursos são direcionados a profissionais de turismo, 

hotelaria e restauração, mas também ao público-geral



No ano em que Viseu é “Destino Nacional de Gastronomia”, a VISEU MARCA e a Delegação da AHRESP - Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal de Viseu vão proporcionar uma série de formações sobre gastronomia e serviços de restauração, direcionadas aos operadores de turismo, hotelaria e restauração, mas também para interessados e potenciais profissionais.
A iniciativa conta com o apoio do Município de Viseu e da Comissão Vitivinícola Regional do Dão (CVR Dão), tendo ainda como parceiro o CELF - Centro de Línguas e Formação.
Com início a 17 de abril e término a 12 de junho, as temáticas das 10 formações já agendadas vão desde a iniciação em várias línguas a práticas de atendimento e à elaboração de cartas de ementas. Também a gastronomia da região e os Vinhos do Dão estão entre os temas lecionados nas formações.
“Plano de Formação Viseu Sabe Bem 2019” é o nome da iniciativa, inserida no plano de ação 2019/2020 da ação de marketing territorial “Viseu 2019, Destino de Gastronomia”, que contempla 30 medidas de valorização e promoção da gastronomia da região. Também a iniciativa integra o plano de atividades anual da Delegação da AHRESP de Viseu.
As formações são especialmente destinadas a profissionais dos setores da hotelaria, restauração, bares e simulares, mas são abertas a todos os cidadãos interessados. Constituindo pequenos cursos com 3 horas de duração, nas instalações da AHRESP e no Solar do Vinho do Dão, das 15 às 18 horas, abrangem temas tão diversos como “Serviços de Vinhos: Harmonização, Temperaturas e Copos”, “Mise-en-place: Como Preparar, Apresentar e Atrair”, “A Restauração e Alojamento nas Redes Sociais: Práticas e Exemplos” e “Gastronomia Beirã: Identidade e História”, entre outras
Valorizar cultural e economicamente o património gastronómico de Viseu, os seus ativos e operadores, aumentando os níveis do seu reconhecimento, qualidade e reputação é um dos objetivos deste plano de ação, no qual se insere a organização do conjunto de formações do “Plano de Formação Viseu Sabe Bem 2019”.
As inscrições devem ser realizadas junto da AHRESP Viseu através do 232 458 328, do e-mail viseu@ahresp.com ou presencialmente, nas instalações da AHRESP, na Rua da Prebenda, nº72, em Viseu. A participação em cada uma das formações tem o custo de 10 Euros por formando que, depois de realizar a formação, receberá um certificado de participação.

MUNICÍPIOS DE OLIVEIRA DE FRADES, S. PEDRO DO SUL E VALE DE CAMBRA UNIDOS PELO RIO TEIXEIRA




No dia 5 de abril, na sede da Junta de Freguesia de S. João da Serra, foi celebrado pelos Presidentes de Câmara dos Municípios de Oliveira de Frades, S. Pedro do Sul e Vale de Cambra o Acordo Constitutivo do Agrupamento de Municípios para a elaboração do projeto e posterior construção do “Ecotrilho do Teixeira”. 
Este projeto, com uma extensão de aproximadamente 9 km, visa promover o turismo em ambiente natural de ecossistema, ligando Manhouce, Arões e S. João da Serra ao longo das margens do Rio Teixeira. Desta forma, pretende-se criar mais um polo de atração turística e desenvolvimento das regiões, congregando as potencialidades de turismo, cultura e lazer unidas pela natureza do Rio Teixeira.

MANIFESTAÇÃO DOS TRABALHADORES DAS CONSERVATÓRIAS DO REGISTO CIVIL, PREDIAL, COMERCIAL E AUTOMÓVEL DA MARINHA GRANDE

Resultado de imagem para MANIFESTAÇÃO DOS TRABALHADORES DAS CONSERVATÓRIAS DO REGISTO CIVIL, PREDIAL, COMERCIAL E AUTOMÓVEL DA MARINHA GRANDE
Região de Leiria
1. A Presidente da Câmara Municipal da Marinha Grande tomou conhecimento da convocatória de uma manifestação, por parte do Sindicato dos Trabalhadores dos Registos e Notariado, para reivindicar melhores condições de trabalho e segurança nos serviços de Registo e Notariado da Marinha Grande, pelo que vem publicamente esclarecer que:
a) Reconhecendo que quer as condições de trabalho quer o serviço público prestado à população não correspondem aos mínimos de qualidade admissíveis numa Administração moderna, a Câmara Municipal desde 2010 que se dispôs a acolher os serviços do IRN nas suas instalações no edifício ATRIUM;
b) Desde essa data e até ao presente, houve avanços e recuos no processo de formalização dessa transição, mas nunca foi por falta de disponibilidade da Câmara Municipal que o mesmo não foi concluído, sabendo-se que as obras de adaptação do espaço são da responsabilidade do IRN;
c) Em 2016 a Câmara Municipal aprovou um acordo para a instalação dos serviços do IRN no Atrium; no mesmo acordo foi aprovado o valor da renda mensal a ser pago pelo IRN à CMMG; além do espaço no r/c para os serviços, o IRN teria 5 lugares de estacionamento reservados para uso exclusivo na cave do edifício;
d) O IRN comprometeu-se a fazer as obras de adaptação necessárias para a transição dos serviços para aquele espaço, o que até à data não se concretizou;
e) Quando tomou posse o novo executivo, tendo tomado conhecimento de que não tinha havido qualquer alteração no processo, por ser um assunto sensível e que o novo executivo queria resolver, a Câmara convocou para o dia 1 de março de 2018 o IRN e o IGFEJ para retomarem o processo.
f) O IGFEJ e IRN garantiram que a verba estimada e necessária para a realização das obras estava inscrita em Orçamento de Estado, mas cativa, tendo o IRN pedido a sua descativação, o que se previa acontecer até final de abril desse ano; o compromisso de ser descativada a verba necessária não se concretizou não obstante os pedidos feitos pela Senhora Presidente às Secretarias de Estado da Justiça e do Tesouro; em junho de 2018 houve nova reunião com a secretária de estado da justiça e a Presidente da Câmara para se encontrar um caminho que viabilizasse a realização das obras necessárias à mudança para o espaço do Atrium, tendo a Presidente da Câmara mostrado disponibilidade para contratualizar ser a Câmara Municipal a dona da obra através da devida transferência de verba do IRN. 
g) A CM recebeu a proposta final do Acordo Interadministrativo, ao abrigo da nova Lei das Finanças Locais, em 12 de fevereiro de 2019 tendo comunicado a sua concordância ao IRN quanto aos termos do mesmo. Temos a informação da secretária de estado de que o acordo estará para ser enviado brevemente para a câmara municipal.
h) O Acordo prevê que:
i. O IRN entrega à CM o projeto de instalação dos serviços no Atrium, com um custo estimado de 400.000 eur;
ii. 2. A CM lança concurso público, adjudica, consigna e fiscaliza a execução da empreitada com o acompanhamento de uma equipa multidisciplinar do IRN; à Câmara compete ainda fazer a demolição necessária das estruturas existentes (bancadas) no espaço a ocupar pelo IRN, procedimento que está a ser feito;
iii. Quaisquer despesas com erros, omissões ou revisão de preços em sede de execução da obra são repartidos em iguais partes entre o IRN e a CMMG;
i) Após aprovação pela CM, homologação e publicação em DRE, poderá ser lançado o concurso público para realização da empreitada, o que nos permite ter a expectativa de até final de 2019 estar concluída a transição dos serviços do IRN para o novo espaço.
j) Ao mesmo tempo o executivo municipal propôs manter o acordo já formalizado anteriormente quanto ao valor das rendas mensais a pagar pelo IRN pelo espaço ocupado no Atrium, aguardando por decisão do IRN quanto ao mesmo.

2. A Presidente da Câmara Municipal convidou o Senhor Presidente do STRNSI, que convocou a manifestação, para uma reunião nos Paços do Concelho, após a manifestação, tendo o convite sido declinado, e o agendamento da reunião adiado, por indisponibilidade do Senhor Presidente do STRN face a outros compromissos já assumidos; espera-se que o encontro possa ocorrer nos próximos dias, com vista a apresentar detalhadamente ao STRN todos os passos dados pela CM, em particular pela Senhora Presidente no presente mandato; todos os elementos acima referidos foram dados a conhecer ao STRN pelo Gabinete da Senhora Presidente.

3. A Presidente da Câmara Municipal afirma por fim que:
a) Está solidária com os Trabalhadores dos serviços do IRN nesta Cidade, reconhecendo o direito que têm a exigir melhores condições de trabalho e segurança.
b) Está solidária com os seus Munícipes, reconhecendo o direito que têm a exigir um melhor Serviço Público que respeite a condição e dignidade própria de cada Cidadão.

A Sr.a Presidente tem ainda a confirmação da Secretaria de Estado da Justiça de que após a aprovação pela câmara municipal, Sua Exa. se deslocará à Marinha Grande de forma a assinar o contrato inter-administrativo em causa.

Cantanhede | Biblioteca Municipal participa na Semana da Leitura da EB2,3 da Tocha



Mais de cinco dezenas de alunos e docentes do Agrupamento de Escolas Gândara-Mar, na Tocha, assistiram no passado dia 4 de abril, a duas sessões de leitura promovidas pela Biblioteca Municipal de Cantanhede.
Sob o tema Leitura a 3 vozes, a iniciativa foi realizada por técnicas da instituição, que se deslocaram ao referido estabelecimento de ensino, com o objetivo de aí desenvolverem atividades de animação, sempre relacionadas com a leitura. Os contos escolhidos para o efeito foram “O Príncipe feliz”, de Oscar Wilde, “Miura” e “Ladino”, de Miguel Torga. Esta iniciativa integrou-se na Semana da Leitura, que a Biblioteca Escolar que o Agrupamento de Escolas Gândara-Mar assinalou na semana de 1 a 5 de abril a efeméride com diversas atividades de promoção da leitura.

À Leitura a 3 vozes de “O príncipe feliz” assistiram quase quatro dezenas alunos do 4º ano, a que se juntaram os respetivos docentes. Já no que diz respeito às leituras dos contos “Miura” e “Ladino”, estiveram presentes vários alunos do 7º ano de escolaridade deste equipamento educacional, sempre acompanhados pelos seus professores. Será ainda importante destacar que as obras escolhidas para o efeito são recomendadas para as Metas Curriculares pelo Ministério da Educação, nomeadamente para os 4º e 7º anos.
A atividade Leitura a 3 vozes é uma das iniciativas que a Biblioteca Municipal de Cantanhede desenvolve com regularidade em jardins de infância, escolas básicas e centros de dia, com o objetivo de descentralizar a oferta cultural, dar a conhecer a Biblioteca Municipal e suas valências e promover, simultaneamente, o gosto pelo livro e pela leitura, junto deste público específico.

TORRES VEDRAS INTEGRA PROJETO QUE PROMOVE ECONOMIA CIRCULAR EM COMPRAS PÚBLICAS


O Município de Torres Vedras vai participar no projeto piloto “Centro Green Deal em Compras Públicas - Centro GD”, lançado pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, no âmbito do desenvolvimento da Agenda Regional para a Economia Circular do Centro. O presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, Carlos Bernardes, assinou hoje o acordo que formaliza esta participação.

O “Centro GD” foi desenvolvido tendo por base os princípios do projeto “Green Deal on Circular Procurement” do Governo holandês, com o objetivo de promover a economia circular na área das compras públicas na região Centro.

Enquanto entidade participante, o Município compromete-se a iniciar o processo de integração dos princípios da economia circular nas suas compras, resultando em pelo menos dois procedimentos de compras públicas circulares até ao final do projeto, que tem duração de um ano. O “Centro GD” prevê ainda a realização de reuniões mensais e workshops temáticos, que visam promover a partilha de experiências, conhecimentos e práticas entre os vários participantes, criando um ambiente de aprendizagem colaborativa.

Para além da Câmara Municipal de Torres Vedras, integram este acordo as câmaras municipais de Fornos de Algodres, do Fundão e de Seia, o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, as comunidades intermunicipais do Médio Tejo, do Oeste, da Região de Coimbra, da Região de Leiria e de Viseu e Dão Lafões, o Instituto Politécnico de Coimbra, o Instituto Politécnico de Viseu e a Universidade da Beira Interior.

Uma economia circular promove ativamente o uso eficiente e a produtividade dos recursos por ela dinamizados, através de produtos, processos e modelos de negócio assentes na desmaterialização, reutilização, reciclagem e recuperação dos materiais. As compras públicas circulares são, assim, o processo através do qual as entidades públicas adquirem produtos, bens e serviços que procuram contribuir para o fecho de ciclos de energia e materiais dentro das cadeias de fornecimento, minimizando ou evitando os impactos negativos e a produção de resíduos.

Recorde-se que no passado dia 4 de abril, as comissões de coordenação e desenvolvimento regional do Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve e a Região Autónoma da Madeira estiveram reunidas em Torres Vedras para a assinatura dos protocolos das Agendas Regionais para a Economia Circular 2019, que visam definir estratégias de transição e aceleração para a economia circular que melhor se adequem ao perfil socioeconómico de cada região.

Castelo de Paiva | Certame local já vai para a décima primeira edição | Mostra de Vinhos e Produtos Rurais de Real realiza-se no próximo fim de semana

Gonçalo Rocha destaca oportunidade de negócio para os viticultores

11ª edição da Mostra de Vinhos & Produtos Rurais de Real, um certame local da freguesia, a ter lugar no Largo do Adro, vai decorrer no próximo fim de semana, 13 e 14 de Abril, e volta a merecer o apoio municipal, sendo um evento visitado por milhares de pessoas que, naturalmente, continua a despertar grande entusiasmo e expectativa no concelho, potenciando boas oportunidades de negócio e uma divulgação mais ampla das potencialidades desta freguesia paivense.
Ultrapassada uma década de realizações, este evento promovido pela Junta e Assembleia de Freguesia de Real, com o apoio da Câmara Municipal de Castelo de Paiva, costuma registar grande afluência de visitantes em ambos os dias, contribuindo para isso, a qualidade e diversidade dos expositores e, também, o bom tempo que se vai perspectivar para esta região duriense.
Esperançado na realização de um certame de sucesso, o autarca local, Victor Quintas, evidencia a sua satisfação por ser possível apresentar uma mostra que continua a retratar as potencialidades da freguesia de Real, falando da necessidade de se evidenciar aquilo que a freguesia tem de bom, a valorização dos seus vinhos e produtos endógenos, concretizando depois, um agradecimento especial para todos os expositores que sempre marcam presença neste certame, ao mesmo tempo que sublinha o envolvimento da Câmara Municipal e a empenhada colaboração prestada ao evento.
Já o presidente da CM de Castelo de Paiva volta a enaltecer esta iniciativa da autarquia de Real, realçando que, a exemplo do que tem evidenciado, é com acções deste nível que se potenciam oportunidades de negócio e se mostra as verdadeiras potencialidades de uma terra aos mais diversos níveis, elogiando o trabalho realizado pela Junta de Freguesia e toda a organização, a vontade e o empenhamento dos expositores presentes.
Gonçalo Rocha realça também, a parceria estabelecida entre a Junta de Freguesia de Real e a edilidade paivense, manifestando a vontade de colaborar sempre que possível com estas actividades que, para além de projectar o que o concelho tem de melhor ao nível dos produtos endógenos e do nosso artesanato, perspectiva a força e a capacidade empreendedora da população paivense que não deixa de lutar com denodo e de evidenciar a vontade em vencer, mostrando uma imagem bem positiva da nossa terra.

Para além de vários produtores de vinho, com a participação de diversas quintas locais, esta XI Mostra de Real  voltará ter a participação do Centro Social de Real, das colectividades da freguesia, da restauração com o melhor da gastronomia tradicional, do fumeiro, produtos agrícolas, a doçaria regional, do artesanato local, entre outros participantes, não faltando a animação musical nos dois dias do certame com bailes populares, destacando-se a participação da escola de música local, entre muita animação de rua.

Assim, para o dia de Sábado, estão agendadas as participações de Grupo de Bombos de Galegos na cerimónia de abertura, bem como participação teatral da Maria Arrebitada ( Márcia Cardoso ), para além da presença do Grupo de Dança “ As Fitness de Real “, seguindo-se uma actuação das Camponesas de Real, sendo que à noite, a animação estará a cargo do grupo de rock local “ Out Run “, e da participação do DJ Bruno Falcão, enquanto para Domingo, dia 14, o certame contará com a presença do Grupo de Concertinas de Carregosa, bailarico duran te a tarde com  Grupo Musical SomBaile, de Arouca, e ao final da trade, a exibição do Grupo de Concertinas Diatónicos.
A cerimónia de abertura deste certame está agendada para as 14h00 de Sábado,  no espaço do Adro, junto à Igreja Paroquial de Real e contará com a presença do edil paivense Gonçalo Rocha e dos restantes elementos do Executivo Municipal, autarcas locais, dirigentes associativos e entre outras entidades convidadas.

Évora | Plano de Desenvolvimento Social de Évora em marcha

Évora aprovou o seu Plano de Desenvolvimento Social para 2019/2021 no passado mês de Março e está agora a elaborar o Plano de Ação para os próximos meses, bem como a dinamizar já as primeiras ações.

Deste modo, tem lugar hoje (8 de Abril) um debate com a população, em S. Miguel de Machede, sobre o futuro do estabelecimento de Pré-escolar itinerante e, no dia 11 de Abril, haverá uma ação de formação para cozinheiras, na Gaveta d´Ingredientes (Álamos), no âmbito da promoção local do consumo de base local nas cantinas escolares.

No dia 12 de Abril está agendado o primeiro  Encontro de Rede deste ano,  relacionado com a temática das crianças e jovens em risco, na sala dos Leões (Paços do Concelho).

Recentemente, foi aprovada por unanimidade a assinatura do protocolo de cooperação entre a Câmara Municipal de Évora e o Instituto Nacional de Reabilitação, com vista à implementação do Balcão Inclusivo, integrado no Balcão Único. Refira-se que este Balcão tem como objectivo prestar às pessoas com deficiência/incapacidade atendimento especializado nesta temática.

O Plano de Desenvolvimento Social é um instrumento orientador de toda a estratégia de intervenção social do Concelho. Visa, sobretudo, conhecer as necessidades sentidas e recursos e potencialidades existentes, gerando ações que permitam reduzir a pobreza, o desemprego e a exclusão social e apostar na sua prevenção.

Trata-se de um documento  dinâmico, em contínua adaptação à realidade identificada, monitorizada através dos agentes que integram o CLASE. A monitorização do PDS permite uma reflexão sobre a sua execução, para avaliar a sua eficácia e eficiência. É definido, negociado e aprovado entre os diversos parceiros do Conselho Local de Ação de  Évora (CLASE) e vigora por triénio.

Inclui 5 eixos estratégicos de atuação para a Rede Social de Évora: Eixo I| Cidadania; Eixo II | Trabalho em Rede; Eixo III | Envelhecimento Ativo: Eixo IV | Inclusão; e Eixo V| Formação e Emprego.

São objectivos gerais por eixo de intervenção: Eixo I| Cidadania  - Fomentar a participação cidadã com uma perspetiva crítica e corresponsável, apostando na capacitação permanente e continua ao longo da vida e na prevenção como processo para a promoção dos direitos e deveres do cidadão.

Eixo II | Trabalho em Rede  - Fomentar uma nova cultura de trabalho em rede, privilegiando a colaboração horizontal, multidisciplinar e multissectorial, entre organismos públicos e privados, a partilha de recursos e a parceria estratégica, assente num modelo de liderança colaborativa.

Eixo III | Envelhecimento Ativo - Promover a valorização do papel social do idoso, a sua qualidade de vida e o encontro intergeracional.

Eixo IV | Inclusão – Construir a igualdade de oportunidades, esbatendo assimetrias com especial enfoque nos grupos vulneráveis identificados.


Eixo V| Formação e Emprego - Apostar na capacitação e formação ao longo da vida para diferentes públicos, com vista à qualificação e ao contributo para o desenvolvimento de emprego.

O que pensar da declaração do Papa em Abu Dhabi?


Entendida em seu sentido literal e natural, é absolutamente inaceitável por um católico uma passagem da declaração firmada pelo Papa Francisco, em comum com o líder maometano de Al-Azhar. A respeito, leia as considerações do Padre David Francisquini publicadas na revista Catolicismo Nº 820, Abril/2019.

Pergunta — Li nos jornais que o Papa Francisco assinou em Abu Dhabi uma declaração comum com o Grande Imã da universidade Al-Azhar, do Egito, onde afirma que “o pluralismo e as diversidades de religião, de cor, de sexo, de raça e de língua fazem parte daquele sábio desígnio divino com que Deus criou os seres humanos”. Conversando com um colega de faculdade, que também ficara surpreso, ele me disse ter lido na Internet que essa afirmação podia ter um sentido correto, se interpretada em referência a uma vontade de Deus – não positiva, mas apenas permissiva — uma vez que Ele colocou no coração do homem o desejo de conhecê-lo, do qual derivaria a multiplicidade de religiões. Como a explicação tem aparência de verdade, mas não me deixou muito convencido, pergunto o que se deve pensar dela, assim como da declaração assinada pelo Papa.

Resposta — Várias pessoas me manifestaram a mesma perplexidade pelo conteúdo da declaração transcrita pelo consulente. Respondendo a esta pergunta, poderei esclarecer outros leitores de Catolicismo que tenham ficado igualmente confundidos.

Entendida em seu sentido literal e natural, é absolutamente inaceitável por um católico essa passagem da declaração firmada pelo Papa Francisco, em comum com o líder maometano de Al-Azhar. Ela contradiz não somente a verdade revelada da unicidade e universalidade salvífica de Nosso Senhor Jesus Cristo e da Igreja Católica, mas também a simples razão natural.

Com efeito, as dezenas de milhares de religiões existentes no mundo são todas contraditórias umas com as outras. Muitas dessas, cuja origem é comum, resultaram precisamente de divergências entre os seus seguidores.

Quanto à própria Pessoa de Deus, as oposições entre as várias religiões são abissais: algumas dizem que Deus é um Ser pessoal e transcendente, outras afirmam que Ele seria apenas uma energia imanente; sustentam umas que existe um só Deus, e para outras haveria uma pluralidade de deuses; afirmam muitas que em Deus há unidade de substância e trindade de Pessoas, outras consideram isso politeísmo e idolatria.

Deus não é relativista, mas a Verdade eterna

Dessa diversidade de crenças a respeito do próprio Deus nascem numerosas práticas e proibições, também contraditórias umas com as outras: para alguns, venerar imagens é piedoso e salutar, enquanto para outros isso é idolatria; para alguns o vinho é bom e até santo (pois é consagrado na missa), para outros é pecado tomar álcool; para alguns o matrimônio pode ser estabelecido apenas entre um só homem e uma só mulher, para outros é lícita a poligamia; para alguns o casamento é indissolúvel, para outros o divórcio é lícito.

As páginas desta revista seriam insuficientes para enumerar todas as divergências que se encontram nas principais religiões. Sendo absolutamente contraditórias entre si, elas não podem ser todas verdadeiras. Ora, se Deus é infinitamente sábio — o que se deduz facilmente, vendo a perfeição e harmonia de toda a Criação — é contrário à razão imaginar que Ele tenha criado ou favorecido essas contradições entre as religiões. Se o fizesse, Deus seria ilógico ou esquizofrênico, no entanto Ele é a Verdade eterna; ou seria completamente relativista, não se tomando a sério a Si mesmo, mas isto é absolutamente oposto à sua santidade.

Só uma religião pode ser verdadeira

Do ponto de vista da Revelação, é igualmente inaceitável a ideia de uma pluralidade de religiões, supostamente desejada por Deus. Para prová-lo, basta reproduzir as seguintes palavras do Papa Pio XI, ao condenar o indiferentismo religioso, contrário à verdadeira promoção da unidade de religião:

“Só uma religião pode ser verdadeira — a que foi revelada por Deus. Fomos criados por Deus, Criador de todas as coisas, para este fim: conhecê-Lo e servi-Lo. O nosso Criador possui, portanto, pleno direito de ser servido. […] No decurso dos tempos, desde os primórdios do gênero humano até a vinda e a pregação de Jesus Cristo, Ele próprio ensinou ao homem, naturalmente dotado de razão, os deveres que dele seriam exigidos para com o Criador: ‘Em muitos lugares e de muitos modos, antigamente, falou Deus aos nossos pais pelos profetas; ultimamente, nestes dias, falou-nos por seu Filho’ (Heb 1, 1).

“Está claro, portanto, que a religião verdadeira não pode ser outra senão a que se funda na palavra revelada de Deus; começando a ser feita desde o princípio, essa revelação prosseguiu sob a Lei Antiga, e o próprio Cristo completou-a sob a Nova Lei.

“Portanto, se Deus falou — e pela fé histórica comprova-se ter Ele realmente falado — não há quem não veja ser dever do homem acreditar, de modo absoluto, em Deus que se revela, e obedecer integralmente a Deus que impera. Mas, para a glória de Deus e para a nossa salvação, em relação a uma coisa e outra o Filho Unigênito de Deus instituiu na Terra a sua Igreja” (Encíclica Mortalium animos, n° 7).“Fora da Igreja não há salvação”: Formulada de modo positivo, significa que toda a salvação vem de Cristo-Cabeça pela Igreja, que é o seu Corpo. […] É por isso que não se podem salvar aqueles que — não ignorando que Deus, por Jesus Cristo, fundou a Igreja Católica como necessária — se recusam a entrar nela ou a nela perseverar.

Que compatibilidade pode haver entre Cristo e Belial?

Foi em nome dessas verdades de fé que o Papa Pio XI, nesse mesmo documento, proibiu a participação de católicos em reuniões onde fossem admitidos “promiscuamente, todos: pagãos de todas as espécies, fiéis de Cristo, os que infelizmente se afastaram de Cristo e os que, obstinada e pertinazmente, contradizem a sua natureza divina e a sua missão”. O mencionado Papa diz que tais assembleias são reprováveis, pois “se fundamentam na falsa opinião dos que julgam que todas as religiões são, mais ou menos, boas e louváveis, pois manifestam e significam, embora de maneira diferente, aquele sentido inato e natural pelo qual somos levados para Deus e reconhecemos obsequiosamente o seu império” (idem, n° 3). Precisamente essa é a falsa opinião subscrita pelo Papa Francisco no documento de Abu Dhabi, subentendida na frase “o pluralismo e as diversidades de religião, de cor, de sexo, de raça e de língua fazem parte daquele sábio desígnio divino com que Deus criou os seres humanos”.

Como vimos acima, não se pode afirmar de maneira alguma que a diversidade de religiões seja desejável, posto que ela é, de um lado, fruto do pecado e da malícia dos homens; e de outro lado ela é o resultado da ação de Satanás. Por esse motivo o Salmo 95 afirma que “os deuses dos pagãos são demônios”; e São Paulo pergunta na Segunda Epístola aos Coríntios: “Que compatibilidade pode haver entre Cristo e Belial?” (6, 15). Belial é a personificação bíblica do mal e dos ídolos do paganismo.

Creio na Igreja, una, santa, católica e apostólica

Em relação à outra pergunta do missivista, respondemos que não é razoável interpretar benignamente essa frase, como significando que Deus tolera as falsas religiões, da mesma forma como o semeador da parábola tolera até a colheita o joio colocado pelo inimigo. O texto subscrito pelo Papa Francisco inclui numa mesma frase coisas boas e desejadas por Deus — sexo, cor, raça e linguagem — e também o pluralismo e a diversidade das religiões, como se estas fossem também coisas boas e desejadas por Deus.

Algumas diversidades foram positivamente desejadas por Deus. Por exemplo, a diversidade de sexo, mencionada no próprio relato da Bíblia sobre a criação do mundo como tendo sido criada e desejada por Deus: “Deus criou o homem à sua imagem; criou-o à imagem de Deus, criou o homem e a mulher” (Gn. 1, 27).

A “confusão das línguas” foi o resultado de um castigo de Deus, pelo fato de os homens quererem construir uma torre (Babel) que chegasse até o Céu. Ainda assim, ela foi positivamente desejada e causada por Deus, sendo em si mesma uma coisa boa.

A diversidade de cor e de raças é também, evidentemente, boa em si mesma.

Ao colocar a diversidade de religiões junto com essas outras diversidades boas em si mesmas, positivamente desejadas pelo Criador, o texto só poderia ser interpretado como sendo querida também por Deus a diversidade das religiões, como um bem para a humanidade. A contraprova de que esse seja o sentido natural do texto é que ninguém teria a ideia rústica de juntar numa mesma frase os desígnios positivos e os desígnios apenas permissivos de Deus (aquilo que Ele não deseja, mas tolera) e escrever, por exemplo: A diversidade de raças e o extermínio dos judeus em Auschwitz ‘fazem parte daquele sábio desígnio divino com que Deus criou os seres humanos’…

Posto que o sentido natural do texto é mesmo de que as diversidades de religiões fariam parte de um desígnio divino positivo, devemos desejar que o Papa Francisco faça uma retratação desse documento conjunto e professe de modo inequívoco sua fé no nono artigo do Credo: “Creio na Igreja, una, santa, católica e apostólica”, incluindo na sua profissão aquilo que o Catecismo da Igreja Católica ensina sobre a sentença “Fora da Igreja não há salvação”, tantas vezes repetida pelos Santos e Padres da Igreja: “Formulada de modo positivo, significa que toda a salvação vem de Cristo-Cabeça pela Igreja, que é o seu Corpo. […] É por isso que não se podem salvar aqueles que — não ignorando que Deus, por Jesus Cristo, fundou a Igreja Católica como necessária — se recusam a entrar nela ou a nela perseverar” (n° 846).

ABIM